A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
TECIDO MUSCULAR

Pré-visualização | Página 1 de 1

TED: TECIDO MUSCULAR
1. Explique as principais diferenças histológicas entre o músculo estriado esquelético, estriado cardíaco e músculo liso. 
O músculo estriado esquelético quando observado em microscópio apresenta faixas bem alinhadas, alternadas em claras ou escuras. Essa composição é o que confere a característica que o nomeia, as estrias. Essa tal estriação resulta do arranjo regular existente das proteínas de actina e miosina que compõem os microfilamentos chamados de sarcômeros. A célula muscular estriada pode também ser chamada de fibra muscular e pode possuir muitos núcleos. Realiza contração de forma voluntária para movimentar os ossos associados a eles. 
O músculo estriado cardíaco, está presente somente no coração dos vertebrados e diferente das estrias do músculo esquelético, o músculo estriado cardíaco apresenta estriações transversais. Além de possuírem somente um único núcleo por filamento e serem de contração involuntária. 
O músculo liso está presente na composição de vários órgãos internos e na parede de vasos sanguíneos. Suas células musculares são uninucleadas e seus filamentos de actina e miosina se dispõem de forma fusiforme, assim não formam o padrão estriado observado no músculo estriado esquelético. A contração do músculo liso é geralmente involuntária. 
2. Explique a relação dos componentes do tecido conjuntivo, dos vasos sanguíneos e dos nervos do músculo esquelético. 
O músculo esquelético trabalha com tecido nervoso, tecido conjuntivo e tecido vascular ou sanguíneo. 
O tecido conjuntivo nos músculos estriados esqueléticos atuam no revestimento, seja do músculo completo através do epimísio ou dos microfilamentos, formando o endomísio. Enquanto as fibras musculares esqueléticas são protegidas fortemente dentro de cada camada constituída por esse tecido conjuntivo. Esses vários tecidos conectivos trabalham para proteger o músculo esquelético quando ele está se contraindo e fornecem uma maneira de o sangue fluir. Um suprimento abundante de nervos e vasos sanguíneos fornecidos dentro de cada músculo esquelético permite o movimento adequado. O sistema nervoso estimula e controla o músculo esquelético. Um músculo esquelético não se move a menos que o sistema nervoso atue enviando o impulso nervoso para estimular a despolarização e assim realizar o movimento.
3. Quais as funções desempenhadas pelas proteínas contráteis, reguladoras e estruturais na contração e relaxamento do músculo? 
As proteínas contráteis possuem a função de possibilitar a contração das fibras musculares e assim gerar movimento. A actina e miosina são exemplos de proteínas contráteis que interagem permitindo os processos de contração e relaxamento do músculo estriado esquelético. 
No caso das ações de contração e relaxamento do músculo, a proteína reguladora que observamos ter uma atuação direta é a troponina, que acompanha o filamento de actina e só permite a interação com o filamento de miosina após o estímulo de íons de cálcio. 
O músculo liso não possui troponina, mas possui uma proteína reguladora que atua de forma semelhante, a calmodulina. A contração do músculo liso acontece por meio da interação dos íons cálcio com a calmodulina pela ativação da miosina quinase e fosforilação da cabeça da miosina. 
E por fim, as proteínas estruturais mantêm os filamentos grossos e finos no seu alinhamento adequado, dão elasticidade e extensibilidade às miofibrilas e as ligam ao sarcolema e à matriz extracelular.
4. Como os íons cálcio e o ATP contribuem para a contração e relaxamento do músculo? 
Para que ocorra a contração muscular o sistema depende da disponibilidade dos íons cálcio e o relaxamento muscular depende da ausência ou diminuição deste íon. O retículo sarcoplasmático é quem regula o fluxo de íons cálcio, para a realização dos ciclos de contração muscular. A contração muscular acontece quando ocorre a interação da actina e a miosina, que são proteínas contráteis dos músculos. Essa interação ocorre na presença de cálcio intracelular e energia. A energia necessária para a contração muscular vem da hidrólise do ATP. 
5. A figura abaixo mostra um corte histológico de um miocárdio e destaca os discos intercalados. Qual a importância dessa estrutura para o funcionamento do tecido muscular cardíaco? 
Os discos intercalados, ou discos intercalares, são uma junção comunicante formada por uma membrana dupla ondulada que separa células adjacentes em fibras de músculo cardíaco. Eles são importantes pois possibilitam que haja a contração sincronizada do tecido muscular cardíaco. 
6. A toxina botulínica (produzida pelo bacilo Clostridium botulinum) pode ser encontrada em alimentos malconservados, causando até a morte de consumidores. No entanto, essa toxina modificada em laboratório está sendo usada cada vez mais para melhorar a qualidade de vida das pessoas com problemas físicos e/ou estéticos, atenuando problemas como blefaroespasmo, que provoca contrações involuntárias das pálpebras. Como a toxina botulínica age no funcionamento do tecido muscular? Ela promove contração ou relaxamento muscular? Justifique. 
A toxina botulínica age bloqueando a produção ou a liberação de acetilcolina nas sinapses e junções neuromusculares. Ela se liga aos receptores nas células do músculo e faz as células musculares contraírem. A toxina botulínica age então, impedindo a liberação da acetilcolina e, consequentemente, impede a contração das células musculares.