A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
6 pág.
U1S3- Transições

Pré-visualização | Página 1 de 2

Transição demográfica, é a mudança de um contexto populacional com elevada frequência 
de óbitos e nascimentos na população, para uma redução na frequência, tanto de mortes 
quanto de nascimentos. 
 
No Brasil, o processo de transição 
demográfica teve início na década de 40, 
quando se observou redução na 
mortalidade causada por doenças 
infecciosas e parasitárias, em função das 
medidas de prevenção adotadas. Esta 
redução proporcionou um aumento na 
longevidade e expectativa de vida da 
população. 
Observamos ainda uma queda na 
fecundidade, reduzindo em 30 anos, cerca 
de 50%, a taxa de fecundidade, uma vez 
que em 1960 a média de filhos era de 6,3 
por mulher, enquanto em 1990 a média 
foi de menos de três filhos por mulher. 
Esta redução na fecundidade tem relação 
com a efetividade de métodos 
de planejamento 
familiar, o que reduziu a população d
e jovens e crianças, modificando a 
estrutura etária da população. O fato de 
termos tido uma redução na 
mortalidade, fez com que as pessoas 
vivessem mais, aumentando a população 
de idosos e sua expectativa de vida. Este 
aumento na população idosa favorece o 
adoecimento e a mortalidade por 
doenças crônicas e degenerativas. 
Além da taxa de mortalidade e 
fecundidade, não podemos esquecer 
da influência da migração, pois com a 
industrialização ocorreu o processo de 
urbanização, e com migração da 
população rural para as cidades, tal fato 
colaborou para a mudança no perfil 
demográfico brasileiro. Podemos afirmar 
que de 
uma sociedade predominantemente 
rural e tradicional, com famílias 
 
 
numerosas e risco de morte na infância 
elevado, passamos para uma sociedade 
urbana com famílias menores. Além 
do envelhecimento, observamos uma 
feminização populacional, devido a maior 
proporção do sexo feminino em relação 
ao masculino, pois as mulheres têm 
maior longevidade que os homens, uma 
vez que são menos vulneráveis aos 
riscos. 
 
 É a mudança no modo de 
adoecer, morrer e de incapacitar uma 
população. Como pudemos observar, com 
o passar dos anos, houve um declínio nas 
mortes em decorrência das 
doenças infectoparasitárias, com 
melhoria nas condições sanitárias e de 
vida, houve redução da mortalidade 
infantil, porém observamos com o 
envelhecimento da população e a 
industrialização, uma mudança no modo 
de vida e maior predisposição a doenças 
crônicas degenerativas. Desta forma, há 
uma redução da mortalidade para 
aumento de morbidade e 
incapacidade por doenças crônicas na 
população idosa. A teoria da transição 
epidemiológica assume que há a 
substituição de mortes decorrentes de 
doenças infectocontagiosas por doenças 
e agravos crônicos não transmissíveis, 
porém, em nosso país observa-se o que 
alguns autores denominam de tripla 
carga, que é a persistência de doenças 
infecciosas e parasitárias e causas 
perinatais, aumento de mortes e inca
pacidades decorrentes de violência e 
causas 
externas e de doenças crônicas e de 
seus fatores de risco como tabagismo, 
sedentarismo, alimentação inadequada, 
dentre outros. 
 
Alguns autores caracterizam 
a transição epidemiológica no Brasil 
como tendo: 
• Superposição: de doenças inf
ecciosas e parasitárias com 
doenças crônicodegenerativas. 
• Contra transição: com 
ressurgimento de doenças antigas como 
dengue e cólera e aumento de doenças 
como malária, tuberculose, hanseníase e 
leishmaniose. 
• Transição 
prolongada: permanência elevada da 
morbimortalidade decorrente de doenças 
infecciosas e crônicas não 
transmissíveis. 
 
• Polarização 
epidemiológica: onde há diferentes 
padrões de morbimortalidade nas 
diferentes regiões do país. 
 
É caracterizada em nosso país 
pela substituição da desnutrição pela 
obesidade. Com a transição observada 
nos últimos anos, vimos que 
a desnutrição deixou de ser a causa de 
morbimortalidade, e a obesidade passa a 
ser a principal causa, tornando-se um 
problema de saúde pública. 
Segundo Soares e Cols (2013), 
na maioria dos países tem se observado 
que a desnutrição infantil está sendo 
eliminada e substituída pela má-nutrição, 
e que no Brasil estudos têm retratado 
uma diminuição em torno de 50% na 
prevalência da desnutrição no 
Brasil, embora 
a desnutrição nos primeiros anos 
de vida ainda seja preocupante. A má 
qualidade nutricional, caracterizada pelo 
consumo de 
alimentos industrializados, uma 
dieta rica em gorduras, açúcares e sal 
predispõem distúrbios nos 
lipídeos (aumento de gordura), 
que associados à inatividade física favo
recem a obesidade. Como reflexo da 
transição nutricional, observou-se uma 
redução no déficit estatural na 
população, característico dos quadros de 
desnutrição na infância, porém, em 
contrapartida, temos aumento 
vertiginoso de sobrepeso e obesidade em 
todas as faixas etárias. 
A transição demográfica no Brasil 
é resultante da redução na taxa de 
mortalidade e fecundidade, que levou ao 
aumento da expectativa 
de vida e ao envelhecimento populaci
onal. Somado a isto, tivemos a 
industrialização, e a urbanização. A 
transição epidemiológica no Brasil é 
caracterizada pela tripla carga, 
persistência de doenças infecciosas 
e parasitárias, com elevada 
morbimortalidade por doenças crônicas e 
degenerativas e por causas externas. A 
transição nutricional é caracterizada pela 
substituição de um padrão de escassez 
alimentar, como na desnutrição, para um 
padrão de excesso, porém de má 
qualidade nutricional, como na 
obesidade. 
Existe uma forte relação entre 
as três transições, pois as mudanças 
sociais decorrentes da industrialização e 
urbanização, associadas 
ao envelhecimento 
populacional decorrente da transição 
Transição nutricional 
 
demográfica, juntamente com 
mudanças nos hábitos alimentares que 
caracterizam a transição 
nutricional, agravadas pelo sedentarismo, 
tabagismo, predispõem a obesidade que 
são fatores de risco para Doenças 
Crônicas Não Transmissíveis (DCNT). 
Assim como a urbanização e a vida 
moderna têm forte relação com o 
aumento da morbimortalidade por causas 
externas. 
O cenário de transições 
demográfica, epidemiológica e 
nutricional impõem ao Sistema Único de 
Saúde a necessidade de um modelo de 
assistência integrado e de cuidados 
integrais que articulem os cuidados da 
atenção básica aos outros pontos da rede 
de atenção à saúde, de modo a enfrentar 
a condição de tripla 
carga. Do contrário, teremos uma 
população envelhecida com incapacida
des e com qualidade de vida 
comprometida. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
QUESTÕES 
1. Complete a frase a seguir: A 
_________________ é resultante da 
redução da taxa de 
___________________, que levou ao 
aumento da expectativa de vida e ao 
envelhecimento populacional. 
a) Transição demográfica, de 
morbidade e natalidade. 
b) Transição nutricional, de 
mortalidade e fecundidade. 
c) Transição epidemiológica, de 
morbidade e fecundidade. 
d) Transição demográfica, de 
mortalidade e fecundidade. 
e) Transição epidemiológica, de 
mortalidade e natalidade 
 
2. Houve um declínio nas mortes 
em decorrência das doenças infecto-
parasitárias, com melhoria nas condições 
sanitárias e de vida, principalmente da 
mortalidade infantil, porém com o 
envelhecimento da população e a 
urbanização, com maior predisposição a 
doenças crônicas degenerativas. 
Assinale a sequência correta. 
Qual transição tem relação com o texto 
exposto acima? 
( ) Transição demográfica. 
( ) Transição nutricional. 
( ) Transição epidemiológica. 
a) V, V, V. 
b) V, F, V. 
c) V, V, F. 
d) F, F, V. 
e) V, F, F 
 
3. Como se caracteriza a transição 
epidemiológica? 
a) ( ) Aumento da mortalidade 
por doenças