A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
DOENÇAS DO PÂNCREAS DE PEQUENOS ANIMAIS

Pré-visualização | Página 1 de 1

Pâncreas
 
INSUFICIÊNCIA PANCREÁTICA 
EXÓCRINA (IPE) 
Condição expressada por meio de má 
digestão e má absorção, devido perda 
progressiva ou irreversível de tecido 
acinar responsável pela secreção de 
amilase, lipase, carboxipeptidase, 
tripsina, quimiotripsina. 
Causas: 
 Neoplasias pancreáticas; 
 Deficiencia nutricional; 
 hiperacidez duodenal; 
 Pancreatite crônica; 
 Obstrução dos ductos pancreáticos 
(menos comum); 
 Isquemia; 
 Infecção viral. 
 
Sinais clínicos: polifagia, aumento no 
volume das fezes, fezes amareladas - 
esteatorreia, perda de peso, borborigmo 
e flatulência. 
Diagnóstico: 
 Hemograma: linfopenia e 
eosinopenia; 
 US; 
 Atividade proteolítica fecal; 
 Perfil bioquímico: aumento de ALT 
e lipemia; 
 TLI sérico; 
Tratamento 
 
 
 
 Fluidoterapia; 
 Reposição de enzimas: pancreatina, 
pancrealipase, pâncreas bovino ou 
suíno. 
 Vitaminas E (tocoferol), K, B12, Zn 
e probióticos; 
 Antibioticoterapia – tilosina, 
tetraciclina e metronidazol; 
 Corticoide: prednisolona 2mg/kg 
BID – 7 dias 
Tratamento nutricional: A dieta 
alimentar deve possuir constituintes de 
alta digestibilidade, contendo proteínas 
hidrolisadas, baixo teor de gordura e 
baixa quantidade de fibra. 
 
PANCREATITE AGUDA 
A pancreatite aguda é quando ocorre 
inflamação do pâncreas e não estando 
correlacionada com alterações que 
possam ser permanentes. Nota-se a 
presença de necrose, edema e infiltrado 
neutrofílico. 
Sinais clínicos 
Vômitos, dor abdominal, desidratação, 
anorexia, prostração, fezes amareladas, o 
animal pode ficar em posição de prece 
em decorrência da dor epigástrica, etc. 
Diagnóstico 
 Leucocitose; 
 Hiperglicemia; 
 Lipemia; 
 Amilase e lipase (3x maior); 
 Tripsina/TLI (snap teste). 
Tratamento: 
 Suporte: fluidoterapia ringer lactato 
+ antiemetico + prova de carga caso 
haja hipovolemia; 
 Especifico: dipirona ou doses baixas 
de cetamina associada com opióides 
de forte ação para moderar a dor; 
 Analgésicos - oximorfona e 
butorfanol, buprenorfina ou fentanil, 
meperidina; 
 Antibióticos de amplo espectro; 
 Antibacteriano: metronzadol; 
 Administração de insulina - caso a 
concentração de glicose no sangue 
esteja fora dos parâmetros regulares; 
 Alimentação nutricional: 
alimentação via parenteral através de 
sonda nasojejunal ou nasoesofágica. 
 
PANCREATITE CRÔNICA 
A pancreatite crônica é uma patologia 
inflamatória pancreática que leva ao 
desenvolvimento de alterações 
permanentes de origem morfológicas e 
funcionais. A fibrose, a perda do tecido 
pancreático e infiltrado de células 
mononucleares estão presentes 
Tratamento: 
 Suporte: fluidoterapia ringer lactato; 
 Específico: Antibioticoterapia – 
metronidazol e doxiciclina; 
 Glicocorticoide – prednisolona; 
 Protetor de mucosa – ranitidina; 
 Nutricional: alimentação via 
parenteral, com baixo nível de 
gordura ou rações especificas para 
enteropatias. 
 
 
NEOPLASIAS PANCREÁTICAS 
São classificadas de acordo com seu grau 
de malignidade, sendo adenomas quando 
se tratam de tumores benignos ou 
carcinomas quando se tratam de tumores 
malignos. 
Os adenocarcinomas são tumores 
altamente agressivos e geram um estado 
de dor acentuada aos pacientes, perda de 
peso, apatia, êmese, além dos sinais 
clínicos de IPE, que podem estar 
associados à uma obstrução dos ductos 
pancreáticos. Já os adenomas, 
geralmente são achados de necropsia, 
uma vez que dificilmente causam sinais 
clínicos. 
Tratamento 
Especifico: cirúrgico – retirada do tumor. 
 
COLITES 
Doença inflamatória intestinal. 
Distúrbio inflamatório idiopático da 
mucosa intestinal, não responsivo à dieta 
de eliminação e aos antimicrobianos. 
Etiologia 
 Parasitismo; 
 Inflamatórias, infiltradas e 
imunomediadas; 
 Infecciosas; 
 Neoplasias. 
 
Diagnóstico 
 Hemograma, baixo PPT e albumina; 
 Baixo triglicerídeos e colesterol; 
 US; 
 Endoscopia + histopatológico. 
 
Tratamento 
 Manejo dietético; 
 Imunoterapia supressora: 
prednisolona, budesonida, 
azatioprima e clorambucil (se não 
funcionar todo o resto); 
 Antibiotico: sulfa + metronidazol – 5 
a 10 dias; 
 Probióticos. 
 
CONSTIPAÇÃO 
Causas: 
- Dieta: alimentação inadequado, 
ingestão de bolas de pelos (gatos), 
ingestão de objetos estranhos, baixa 
ingestão de água, ingestão de objetos 
estranhos, consumo excessivo de fibras, 
deficiência de cálcio; 
- Patologias: Problemas renais, 
obstrução intestinal; presença de massas 
que bloqueiam o trato digestório, como 
pólipos ou neoplasias; 
- Outros: baixo exercício físico. 
Tratamento 
- Fluidoterapia para animais 
desidratados; 
- Laxantes: psyllium, biocanina, 
lactulona, óleo mineral; 
- Probiótico: Biovet; vetnil; 
Alimentação para animais 
constipados: 
- Alta ingestão de água, ração úmida. 
Tratamento para causas renais: 
- Antibioticos; 
- Antieméticos; 
- Diurético: furosemida.