Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
28 pág.
Resumo de Sistema Financeiro

Pré-visualização | Página 1 de 18

RESUMO DE SISTEMA FINANCEIRO 
 
Aula 1 – Noções Gerais de Economia 
 
- Problemas econômicos fundamentais que são determinados pela lei da escassez: o quê e quanto produzir, como 
produzir e para quem produzir. 
- Em função da escassez dos FATORES DE PRODUÇÃO, a sociedade deverá decidir os produtos que serão 
produzidos e definir as respectivas quantidades; deverá escolher os recursos que serão empregados para a produção 
(os produtores escolherão métodos eficientes ao menor custo possível); e terá de definir como os seus membros 
participarão da distribuição de bens produzidos. 
- Por que escolher com tanto cuidado o quê, quanto, como e para quem produzir: devido à limitação de recursos. 
- Por que os problemas econômicos fundamentais originam-se da escassez de recursos de produção: Os recursos 
ou fatores de produção são escassos e não suprem as necessidades humanas, o que obriga a racionalização do 
processo de produção e distribuição. Se existissem recursos em abundância e a economia pudesse distribuir de forma 
ilimitada seus bens produzidos, os problemas econômicos fundamentais deixariam de existir. Nesse ambiente, as 
necessidades humanas estariam plenamente atingidas. 
- Quanto mais dinheiro se consome em vestuário, menos se gasta com moradia. Quanto mais os governos aplicam em 
estradas, menos recursos restarão para a saúde e educação. Quanto mais o indivíduo e a sociedade consumirem hoje, 
menores serão suas capacidades de poupar, produzir e gerar riqueza. 
- Lei da Substituição: Se dá seguindo as preferências da sociedade. Ao optar pela produção de um determinado bem, 
há a renúncia natural pela produção de outro. 
- Numa economia de mercado, o preço é determinado pela interseção das curvas de demanda e oferta, que delimitam o 
ponto de equilíbrio de um produto em um dado mercado. 
- Ponto de equilíbrio entre a demanda e a oferta de produtos: Expressa que tanto vendedores quanto 
consumidores possuem quantidades de produtos ofertadas e demandadas igualmente, eliminando a possibilidade de 
especulação com o preço do produto observado no gráfico. 
- Quando a quantidade ofertada encontra-se acima do ponto de equilíbrio, caracteriza-se que houve um excesso 
de produção, o que força o vendedor a reduzir o preço, incentivando assim o consumo do produto. 
- Quando ocorre maior procura pelo produto e a quantidade ofertada encontra-se abaixo do ponto de 
equilíbrio, caracteriza-se uma situação de escassez, forçando assim um aumento do preço do produto ofertado. 
- Quando há uma disputa tanto de vendedores quanto de consumidores, existe uma tendência natural no mercado para 
se encontrar ou se chegar ao ponto de equilíbrio. 
- Quando ocorre maior procura pelo produto e a quantidade ofertada encontra-se abaixo do ponto de equilíbrio, 
caracteriza-se uma situação de escassez, possibilitando assim um aumento do preço do produto ofertado. 
- Renda: É o somatório de todas as remunerações de um agente que participa do processo produtivo de uma 
determinada economia. 
- Tipos de Renda: renda interna, renda nacional, renda líquida do exterior e renda pessoal. 
- Renda interna: corresponde ao produto interno da economia. Representa o total das rendas geradas no interior do 
país a partir de salários, juros, aluguéis, lucros e outras remunerações que são auferidas pelos agentes econômicos em 
determinado período de tempo em função da participação no processo produtivo interno. 
- Renda nacional: é o somatório das rendas recebidas pelos indivíduos de uma nação. É determinada pelas transações 
produtivas externas e internas. A renda nacional pertence ao país, é igual ao produto nacional. 
- Exemplo de Renda Nacional: os lucros recebidos do exterior pertencem ao país recebedor, sendo assim 
considerados renda nacional. O contrário, lucros enviados para outras economias, são receitas geradas internamente, 
porém de propriedade de outros países, não sendo considerados renda nacional, e sim renda interna. 
- Renda líquida do exterior: representada pela diferença entre os valores enviados e recebidos do exterior. Quando 
negativa, indica uma renda líquida enviada ao exterior, quando positiva representa um fluxo financeiro positivo 
proveniente do exterior. 
- Renda Total da Sociedade: chama-se produto, de onde vêm os conceitos de Produto Interno Bruto e Produto 
Nacional Bruto. 
- Exemplos de Remuneração: Salários; Juros sobre capital; Aluguéis de imóveis; Lucros sobre capital investido 
- Renda pessoal: é a renda efetivamente transferida às pessoas, é calculada deduzindo-se, da renda nacional, as 
contribuições e benefícios previdenciários, Imposto de Renda sobre as pessoas jurídicas, os lucros retidos pelas 
empresas etc. 
- Investimento: refere-se à aplicação de capital em alternativas que irão promover aumento da capacidade de 
produção de uma nação, possibilitando a geração de maiores riquezas. 
- Tipos de Investimento: em Bens de Capital e em estoques. 
- Poupança: é a parcela da renda que não foi consumida na aquisição de bens e serviços, ou seja, parte da renda 
economizada pelos agentes econômicos. 
- Investimento: relacionado à criação de riqueza, e não simplesmente à transferência de propriedade de um bem. Por 
exemplo, adquirir ações em Bolsas de Valores não pode ser entendido como investimento dentro do conceito 
econômico. Por tratar-se de mercado secundário, a aquisição de ações representa uma simples transferência de posse 
dos valores, sem agregar riqueza à economia. Quando a compra ocorre no lançamento da ação, ou seja, no mercado 
primário, admite-se a criação de riqueza, pois há a canalização direta do capital investido na empresa, caracterizando 
investimento no sentido econômico. 
- Por que uma pessoa que poupa contribui para o processo de produção da economia: porque ela se torna um 
agente econômico. Ao ser remunerado e poupar parte de sua renda, pode-se estar contribuindo para o financiamento 
de investimentos produtivos. 
- Produto Interno Bruto (PIB): considera os produtos finais realizados dentro dos limites territoriais de um país. 
Representa o valor – a preço de mercado – desses produtos em determinado período de tempo. 
- PIB: também pode ser entendido como os valores adicionados pelas organizações produtivas. É repartido no 
segmento produtivo sob a forma de impostos, juros, salários etc. Logo, uma parte desse produto transforma-se em 
renda nacional. 
- Produto Interno Líquido (PIL): é definido pela subtração da DEPRECIAÇÃO dos ativos fixos do PIB (PIL = 
PIB – depreciação do capital fixo). 
- O aumento do PIB de uma nação caracteriza a elevação de sua capacidade produtiva, melhorando a qualidade de 
vida dos indivíduos. 
- O Produto Nacional Bruto (PNB): é o somatório do PIB e a renda líquida dos fatores externos. 
- Produto nacional bruto (PNB): representa a renda que pertence efetivamente aos nacionais. 
- Produto Nacional Líquido (PNL): é obtido diminuindo a depreciação do PNB. 
- O produto nacional contribui efetivamente para a avaliação de crescimento econômico de um país. 
- Produto Interno Líquido (PIL) = PIB – Depreciação de capital fixo 
- PIB = PIL + Depreciação de capital fixo 
- PNB = PIB + renda líquida dos fatores externos 
- PNL = PNB – Depreciação de capital fixo 
- Crescimento econômico: aumento quantitativo da capacidade produtiva de uma nação ao longo dos anos. Envolve 
a expansão da produção de bens e serviços de determinado país ou área econômica. É determinado pelo índice de 
crescimento anual do Produto Nacional Bruto per capita e é indicado ainda pelo grau tecnológico, pelo índice de 
aumento da força de trabalho e pela proporção da receita nacional poupada e investida. 
- Quando ocorre uma procura por recursos para investimento maior que a poupança disponível, justifica-se a criação 
da atividade de intermediação e de seus instrumentos financeiros. O agente econômico com déficit de caixa recorre a 
empréstimos que são viabilizados por unidades
Página123456789...18