A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
28 pág.
especialidade-clinica

Pré-visualização | Página 10 de 11

anos com queixa de arroxeamento e edema dos dedos das mãos e pés há 6 
meses, que iniciou no inverno, sendo que não consegue usar seus anéis desde essa época. 
Refere ainda disfagia para alimentos sólidos e pequenas ulcerações nas pontas dos dedos 
das mãos no último mês. Trouxe exames: anticorpo antinuclear reagente padrão centromérico 
1/1280 e capilaroscopia periungueal mostrando microangiopatia padrão SD. Qual o 
diagnóstico? 
a) Doença Mista do Tecido Conjuntivo. 
b) Esclerose Sistêmica. 
c) Lúpus Eritematoso Sistêmico. 
d) Dermatomiosite. 
 
64) Paciente de 73 anos, feminina, do lar, com história de dorsalgia há 3 meses, procurou 
atendimento médico no ambulatório. Faz tratamento para osteoporose há mais de 5 anos, em 
uso irregular de alendronato sódico 70 mg por semana, por intolerância gástrica, carbonato de 
cálcio 500 mg/dia e colecalciferol 400 UI/dia. Tem antecedente pessoal de doença do refluxo 
gastro-esofágico e fratura de punho direito há 2 anos. Menopausa com 49 anos sem ter feito 
reposição hormonal. Tabagista. Refere dieta boa em leite e derivados. Não faz atividade física. 
Fez nova densitometria óssea que apresentou T-score de – 2.4 na coluna lombar e – 3.6 no 
fêmur total, com perda de massa óssea em relação ao exame anterior. Radiografia de coluna 
tóraco-lombar mostrou fratura de T12 e L1. Dosagem de Vitamina D3 de 18,6. Demais exames 
laboratoriais normais. Qual seria sua conduta terapêutica nesse caso? 
a) Iniciar teriparatida diariamente por dois anos e fazer a correção da vitamina D 
(colecalciferol 50.000 UI/dia por 2 meses ) e após manter dose de manutenção. 
b) Trocar alendronato sódico por risedronato sódico 35 mg/semana e aumentar a dose de 
cálcio e vitamina D para 800 UI/dia. 
c) Manter alendronato sódico 70 mg/semana por 10 anos e fazer a correção da vitamina D 
(50.000 UI/dia por 2 meses) e após manter dose de manutenção. 
d) Suspender alendronato sódico e iniciar raloxifeno 60 mg/dia. Aumentar a dose do 
carbonato de cálcio 500 mg duas vezes ao dia e colecalciferol para 1.000UI/dia. 
 
65) Paciente de sexo feminino, 50 anos de idade, apresenta artrite crônica (há mais de 3 meses), 
que iniciou em punhos e depois acometeu 2ª, 3ª e 5ª metacarpo falangeanas (MCF) 
bilateralmente, joelho direito e tornozelo esquerdo. Realizou RX que evidenciou osteopenia 
peri-articular nas articulações acometidas e erosões em 2ª e 3ª MCF a direita. Apresenta 
também redução do espaço articular nestas articulações. VHS e PCR altos para o valor de 
normalidade. Diante deste quadro podemos inferir o diagnóstico de: 
a) Osteoartrite erosiva 
b) Lúpus com artrite 
c) Artrite reumatoide 
d) Gota 
Especialidades Clínicas 24 
 
66) Paciente de 36 anos, sexo masculino, bancário, com história de dor lombar inflamatória há 
mais de 4 anos, com rigidez e piora da dor pela manhã. Referia dor em face plantar dos 
calcâneos. Negava artrite em articulações periféricas. Apresentou dois episódios de 
inflamação ocular, com vermelhidão e visão turva em olho direito. Negava outros sintomas. 
Fazia uso esporádico de antiinflamatórios não hormonais (AINH) e relaxante muscular. Os 
exames laboratoriais mostravam alteração de provas inflamatórias (hemossedimentação e 
proteína C reativa). A radiografia da coluna lombo-sacra mostrava retificação da coluna, com 
quadratura dos corpos vertebrais e cantos brilhantes. A radiografia da bacia mostrava 
borramento e esclerose das articulações sacro-ilíacas bilateralmente. Qual seria sua hipótese 
diagnóstica, que exame solicitaria e conduta terapêutica? 
a) Espondilite anquilosante. Solicitar HLA-B27. Uso contínuo de AINH e iniciar agente 
biológico anti-TNF alfa. 
b) Osteoartrite da coluna lombar. Ressonância magnética da coluna lombar. Manter AINH e 
fisioterapia. 
c) Artrite reativa. Solicitar HLA-B27. Uso de corticóides e metotrexate. 
d) Hiperostose esquelética idiopática difusa (DISH). Ressonância magnética das sacro-
ilíacas. Iniciar agente biológico anti-TNF alfa. 
 
67) Paciente de sexo masculino, 45 anos de idade, iniciou quadro de dor e sinais flogísticos 
intensos, não conseguindo pisar, em 1ª metatarsofalangeana do pé direito. Procurou 
emergência onde foi prescrito antiinflamatório não hormonal com melhora, porém em 15 dias 
teve novo episódio semelhante no tornozelo esquerdo. Refere has, dislipidemia e calculose 
renal há 5 anos. Qual provável diagnostico? 
a) Embolia de colesterol 
b) Artrite reativa 
c) Artrite reumatoide 
d) Gota 
 
68) Um homem de 46 anos foi vítima de uma picada de escorpião na região cervical, sendo que 
negava patologias prévias, assim como uso de medicamentos de modo continuo. Ele recebeu 
o soro antiescorpiônico após 2 horas do incidente, porém evoluiu com choque cardiogênico e 
necessidade de dobutamina. Encaminhado para a UCOR, após 48 horas apresenta piora dos 
parâmetros laboratoriais, com ureia de 160 mg/dl e creatinina sérica de 2,9mg/dl. Qual o 
melhor diagnóstico em relação a provável Insuficiência Renal Aguda? 
a) Síndrome Cardiorenal tipo 1 
b) Síndrome Cardiorenal tipo 2 
c) Síndrome Cardiorenal tipo 3 
d) Síndrome Cardiorenal tipo 4 
 
69) Paciente de 34 anos, sexo masculino, foi admitido na emergência após o término da Maratona 
de Rio Preto. Durante o trajeto ele ingeriu água em todos os postos de hidratação, porém após 
completar a prova iniciou um quadro de cefaléia, náuseas e confusão mental, sendo trazido 
pela organização do evento ao Pronto Atendimento do Hospital de Base. Assinale a alternativa 
que contempla a principal hipótese e o tratamento adequado. 
a) Hipercalemia e o tratamento deve ser realizado prontamente com a administração de 
gluconato de cálcio, solução polarizante, inalação com beta 2 agonista e 
poliestirenossulfonato de cálcio. 
b) Hipernatremia e deve ser reposta a água livre perdida durante a atividade física 
extenuante, preferencialmente com soro fisiológico a 0,45%. 
c) Hiponatremia e o tratamento deve ser com reposição de salina a 3% na quantidade de 100 
ml em 10 minutos, podendo ser repetida caso não haja melhora clínica. 
d) Hipomagnesemia e o tratamento deve ser iniciado prontamente com 30 gramas de cloreto 
de potássio e sulfato de magnésio, com a administração em 60 minutos por bomba de 
infusão. 
Especialidades Clínicas 25 
 
 
70) Paciente do sexo masculino de 28 anos apresenta história de edema em membros inferiores 
há 3 meses, com ganho de 6 kg nesse período. Ele faz uso de losartan e furosemida para 
hipertensão arterial diagnosticada há 30 dias. Não apresenta outras comorbidades. Sua 
pressão arterial é 160/90 mmHg. Além do edema das extremidades inferiores, o exame físico, 
incluindo fundo de olho, é negativo. A urina tipo 1 revela 4+/4 de proteínas, com hemácias de 
25 por campo. A creatinina sérica é de 1,4 mg/dl e a albumina sérica é de 2,9 g/dl, com 
proteinúria de 24 horas de 3,5 gramas. É realizada uma biópsia renal. Qual a glomerulopatia 
mais provável? 
a) Lesões mínimas 
b) Glomeruloesclerose segmentar e focal 
c) Glomerulopatia membranoproliferativa 
d) Glomerulopatia Membranosa 
 
71) Uma mulher de 32 anos com doença de Von Willebrand é tratada com desmopressina pré-
operatória antes da cesárea para uma gestação a termo. Fluidos intravenosos são 
descontinuados 24 horas após o parto. Três dias após a cirurgia, ela está alerta, orientada, 
comendo e bebendo normalmente, porém apresenta uma breve convulsão. Dados 
laboratoriais mostram um sódio sérico de 108 mEq / L e a tomografia computadorizada da 
cabeça é normal. Descobriu-se que a desmopressina foi inadvertidamente continuada em uma 
dose de 2 µg a cada 8 h nos últimos 3 dias. Ela é tratada com solução salina a 3% a 40 ml/h. 
Oito horas depois, o sódio sérico é de 119 mEq/L e ela está acordada, mas confusa. Qual das 
seguintes terapias deve ser instituída neste momento? 
a) Continuar com solução salina 3% a 40 ml/h. 
b) Interromper a solução salina 3% e iniciar soro glicosado 5%. 
c) Interromper a solução salina 3% e iniciar solução salina 0,9%. 
d) Parar com a