A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
28 pág.
especialidade-clinica

Pré-visualização | Página 3 de 11

3,8 g/dL (Valor Normal: 3,50 a 
4,85 g/dL); Alfa 1 : 0,4g/dl (VN 0,22 A 0,43 g/dL); Alfa 2 : 0,6g/dl ( VN 0,55 A 1,08 g/dL); Beta 
1 : 0,4g/dl (VN 0,32 A 0,54 g/dL); Beta 2 : 0,4 g/dl (VN 0,24 A 0,54 g/dL); Gama: 3,1g/dl (VN 
0,74 A 1,75 g/dL); Proteínas totais: 8,3 g/dl (VN 6,60 A 8,30 g/dL); Proteína monoclonal: 
presente na fração gama. O hemograma revela: Hb 13,5 g/dl; VCM 80 fl; Leucócitos 
5500/mm³; Neutrófilos 60%; Linfócitos 35%; Eosinófilos 2%; Monócitos 3%; Plaquetas 
300.000/mm³. Demais exames: Creatinina 1,0mg/dl; Cálcio: 9,0mg/dl. Devido à alteração 
descrita, um mielograma é solicitado: Medula óssea hipercelular com 38% de plasmócitos. 
Diante do resultado do mielograma, exames de imagem são solicitados: RX de ossos longos: 
sem lises ósseas ou fraturas; Ressonância Nuclear Magnética de coluna cervical, torácica e 
lombar: sem evidências de fraturas ou lesões neoplásicas; Ressonância Nuclear Magnética de 
bacia: sem evidências de fraturas ou lesões neoplásicas. Pode-se, pois afirmar que: 
a) Trata-se de gamopatia monoclonal de significado indeterminado; a conduta é observação; 
b) Não se trata de Mieloma Múltiplo, pois não há hipercalcemia, insuficiência renal, lises 
ósseas nem tampouco anemia; 
c) Trata-se de Mieloma Múltiplo; 
d) As três alternativas estão erradas. 
 
14) Paciente de 54 anos procurou atendimento por estar apresentando há 20 minutos dor supra 
orbitária esquerda, de forte intensidade, associada a hiperemia conjuntival e lacrimejamento 
no mesmo lado. Ao exame, além dos sinais já descritos, foram observadas miose e semiptose 
palpebral a esquerda. Sua esposa refere que há cerca de 4 meses ele havia apresentado 
episódios semelhante por 3 semanas. Entre as alternativas abaixo assinale a melhor opção de 
tratamento 
a) Inalação de oxigênio (7 litros/min) 
b) Dipirona EV 
c) Dipirona + Dexametazona EV 
d) Tramadol EV 
 
15) Mulher de 82 anos com antecedentes de artrite reumatoide sofreu fratura de quadril e passou 
a ter dificuldade para andar com necessidade de andador. Depois disso ela notou dormência e 
formigamento das mãos nas últimas seis semanas. Ao exame clínico foi observada ligeira 
limitação dos movimentos do pescoço, sem alterações na força muscular ou reflexos 
profundos. Haviam deformindades nas mãos e punhos, além de atrofia leve dos músculos da 
mão direita e redução da sensibilidade nos dedos. O teste de Phalen foi positivo 
bilateralmente. Qual o diagnóstico mais provável: 
a) Seringomielia 
b) Síndrome do túnel do carpo 
c) Hérnia de disco 
d) Doença do Neurônio motor 
 
16) Um homem obeso de 48 anos desenvolveu de forma insidiosa sensação de parestesia na 
região lateral da coxa direita. Os sintomas se intensificaram com sua rotina de trabalho. Ele 
negava alterações na força muscular ou outros sintomas neurológicos. Seus antecedentes 
pessoais ou familiais não eram significativos. Seu exame não mostrou alterações cognitivas ou 
de nervos cranianos. Sua força muscular estava preservada e seus reflexos profundos 
estavam presentes e simétricos nos quatro membros. O exame de sensibilidade revelou uma 
área irregular na região lateral direita da coxa, onde ele tinha uma sensação descrita como 
dormencia associada a “formigamento” quando tocado. Qual o diagnóstico mais apropriado: 
a) Polineuropatia 
b) Mononeuropatia 
c) Radiculopatia 
d) Plexopatia 
Especialidades Clínicas 6 
 
17) Mulher de 32 anos procurou atendimento por ter apresentado sensação de formigamento e 
perda de sensibilidade na mão direita por uma semana. Na avaliação com neurologista já não 
apresentava mais esses sintomas. No interrogatório complementar referiu ter apresentado 
quadro gripal há cerca de três semanas e turvação visual com dor leve no olho esquerdo que 
também melhorou em algumas semanas sem tratamento. Negava tabagismo, etilismo, 
diabetes ou hipertensão. Seu pai sofreu um acidente vascular isquêmico aos 62 anos e sua 
mãe faz tratamento para diabetes e insuficiência vascular nos MMII. Qual o exame mais 
apropriado para investigação diagnóstica dessa paciente: 
a) Eletroneuromiografia 
b) US do punho direito 
c) Dosagem de vitamina B12 
d) RM encefálica 
 
18) Paciente de 58 anos com antecedentes pessoais de alcoolismo com quedas recorrentes 
procurou atendimento médico por estar apresentando episódios recorrentes de perda de 
consciência antecedidos por “cheiro de borracha queimada” que apenas ele percebe. Seu 
irmão que o acompanhava na consulta descreveu um desses episódios da seguinte maneira: 
“ele ficar com o olhar parado, depois começa a fazer movimentos de mastigação e logo em 
seguida vira a cabeça para o lado e começa a se debater”. Ao exame o paciente apresenta 
discreta alteração na memória recente, sem critérios para demência ou comprometimento 
cognitivo leve, além de redução da sensibilidade vibratória nos pés e dificuldade em andar em 
linha reta. Qual o diagnóstico mais provável para este paciente? 
b) Sindrome de Wernick-Korsakoff 
c) Esclerose múltipla 
d) Hidrocefalia de pressão normal 
a) Epilepsia do lobo temporal 
 
Com base no caso abaixo responda as questões 19 e 20 
 
Paciente de 72 anos foi levado a emergência por estar apresentando adinamia e recusa 
alimentar. O médico que o atendia percebeu que ele não era capaz de contar oque sentia e 
nem de organizar suas ideias. Ao interrogar a filha foi informado que o paciente tinha 
problemas comportamentais há cerca de 4 anos, não sendo capaz de lembrar a tarefa que 
estava fazendo e iniciando uma nova atividade sem completar a anterior. Perdia as coisas 
com frequência e contava as mesmas histórias várias vezes. Ainda no primeiro ano passou a 
apresentar desinibição, urinando em qualquer lugar da casa, sem se incomodar com a 
presença de outras pessoas. Ficou mais reservado, falava pouco e, às vezes, se quer 
respondia a perguntas simples. Às vezes parecia “ligar e desligar” chegando a ficar imóvel e 
sorrindo para si mesmo. Não havia história prévia de transtorno psiquiátrico no paciente ou 
nos familiares. Não havia relato de alucinações visuais, quedas, disfagia ou hipocinesia. No 
exame estava alerta e consciente com a Glasgow 15/15. Não prestava atenção ao seu 
entorno. Não havia febre, a frequência cardíaca era de 83 batimentos por minuto e a pressão 
arterial de 128/62 mmHg. Não foram observadas alterações de nervos cranianos, a fala era 
normal, mas às vezes o paciente ficava mudo. Seu mini exame do estado mental (MEEM) foi 
de 21/30 com presença de reflexos palmo-mentual e de sucção (tátil oral). Seu hemograma, 
funções renais, funções da tireoide, funções do fígado e exames de urina de rotina eram 
normais. Seu teste para HIV, hepatite B, hepatite C e VDRL foram negativos. 
 
 
Especialidades Clínicas 7 
 
19) Qual o diagnóstico mais provável? 
a) Doença de Alzheimer 
b) Demência vascular 
c) Demência fronto-temporal 
d) Hidrocefalia de pressão normal 
 
20) Qual a alteração esperada no exame de RM encefálica? 
a) Atrofia hipocampal 
b) Atrofia difusa e microangiopatia 
c) Dilatação ventricular sem atrofia cortical significativa 
d) Atrofia fronto-temporal 
 
21) Paciente de 14 anos, gênero feminino, admitida no departamento de emergência por quadro 
de confusão mental, dor abdominal intensa de localização difusa associado à dispnéia. 
Segundo a família, a paciente já apresentava há 2 meses queixas de poliúria, polidipsia e 
perda de 8 kg nos últimos 2 meses. Ao exame físico percebia-se desidratada +++/4+, FC = 
120bpm, FR = 30ipm, PA = 110x70, abdome doloroso difusamente sem visceromegalias ou 
descompressão brusca dolorosa. Exames laboratoriais: hemograma (Ht=44%, leucócitos totais 
= 26.000 com 76% de segmentados, plaquetas = 220 mil), glicemia = 480mg/dl, Na = 
128mmol/L, K = 3,9mmol/L, creatinina = 1,4mg/dl, bilirrubina total = 1,0mg/dl e gasometria 
arterial pH = 7,05, pO2 = 80mmHg, pCO2 = 17mmHg, HCO3 = 6mEq/L, sat O2 = 94%. Após 
infusão incial de 1L de solução salina a 0,9%, qual seria a melhor opção de prescrição? 
a) Solução salina