A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
16 pág.
Aula 20- Fisilogia endócrina pâncreas e adrenal

Pré-visualização | Página 1 de 3

1 
 
Maria Eduarda Sardinha Estrella 58 – 2025.2 
Fisiologia II 
Pâncreas e adrenal
 
 
ANATOMIA 
♥ A adrenal ou suprarrenal são essas estruturas 
bilaterais e pequenas em relação ao rim, estando 
posicionada no ápice do rim. Elas possuem duas 
partes: córtex (mais superficial) e medula (mais 
interna). 
 
♥ A maior parte da adrenal é composta pelo córtex. 
O córtex possui zonas/ camadas 
diferentes. A zona mais superior é a 
glomerulosa, abaixo temos a fasciculada 
e mais próximo a medula temos a zona 
reticular. 
Hormônios produzidos pela adrenal: 
cortisol, epinefrina, aldosterona e 
norepinefrina e hormônio sexual. 
Adrenal 
2 
 
Maria Eduarda Sardinha Estrella 58 – 2025.2 
Fisiologia II 
HISTOLOGIA 
♥ No córtex teremos a produção dos hormônios 
esteróides, cada um em sua zona. Esses hormônios 
têm sua origem no colesterol e são estimulados 
pelo nosso eixo endócrino hipotálamo- hipófise- 
adrenal. 
 
♥ Já na medula temos a presença das células de 
cromafins, por isso temos a síntese e liberação das 
catecolaminas. 
 
Medula adrenal 
♥ Células poliédricas organizadas em cordões ou 
algomerados. 
 
♥ Síntese de epinefrina (80% das células de cromafins 
é responsável por sintetizar epinefrina) e 
norepinefrina (20%). 
 
♥ A noraepinefrina é mias importante a nível central, 
à nível de sinalização do sistema nervoso central. 
 
 
 
MEDULA ADRENAL 
 
Sistema nervoso simpático 
♥ Independente do órgão inervado tem uma estrutura 
que começa na medula espinhal (corpo celular no 
neurônio). Esse neurônio estende seu axônio até o 
gânglio paravertebral.. 
 
♥ O estímulo tem que sair do sistema nervoso central 
e ir até o órgão alvo, mas no caminho ele passa 
por um gânglio. No sistema simpático, o gânglio é 
chamado de paravertebral por estar situado 
próximo a coluna vertebral. 
3 
 
Maria Eduarda Sardinha Estrella 58 – 2025.2 
Fisiologia II 
 
♥ O neurônio pré-ganglionar libera 
neurotransmissores para o gânglio paravertebral e 
com isso o segundo neurônio (pós ganglionar) é 
ativado. O neurotransmissor liberado pelo 
neurônio pré-ganglionar é a acetilcolina. 
 
Células de cromafins 
♥ Na medula adrenal vamos ter célula cromafins que 
são consideradas os próprios neurônios pós- 
ganglionares modificados. Na sua origem 
embrionária são diferenciados de tecido nervoso. 
Então essa região em específica acaba se 
comportando como m gânglio. 
 
♥ As células são inervadas por neurônios simpáticos 
pré-ganglionares. O neurônio pré-ganglionar (tem 
corpo celular na medula espinhal) chega até a 
medula, estimulando as células de cromafins. Na 
medula da adrenal, o neurônio pré-ganglionar 
estimula a célula de cromafins pela liberação do 
neurotransmissor acetilcolina e essa célula de 
cromafins libera o conteúdo que tem armazenado 
(epinefrina e noraepinefrina) na circulação 
sanguínea. Conseguimos controlar a ação dos 
órgãos periféricos tanto diretamente pela 
inervação simpática quanto pela disponibilidade 
de adrenalina pra circulação sanguínea, tendo sua 
ação no orgão alvo. 
 
 
Síntese de catecolaminas 
 
4 
 
Maria Eduarda Sardinha Estrella 58 – 2025.2 
Fisiologia II 
♥ Tudo começa no precursor que é a tirosina e 
através de uma série de reações enzimáticas temos 
a biossíntese dos hormônios. A tirosina 
hidroxilase converte a tirosina em dopa, essa é 
convertida em dopamina. A dopamina por sua vez 
é armazenada nos grânulos (como se fosse uma 
vesícula). A dopamina através da dopamina beta 
hidroxilase é convertida a noraepinefrina e essa é 
convertida a epinefrina. 
 
Mecanismo de ação das catecolaminas 
♥ Após a síntese o hormônio é armazenado e com o 
estímulo ele é liberado. As catecolaminas são 
liberadas na circulação, especialmente a 
adrenalina. 
 
♥ A ação delas depende do receptor que está na 
órgão alvo. Todos os receptores são acoplados à 
proteína G. 
 
 
 
Inativação de catecolaminas 
♥ Monoamina oxidase (MAO) presente nas 
mitocôndrias, principalmente dos neurônios. 
 
♥ Catecol-O-metiltransferase (COMT) se expressa no 
fígado e tem a função principal de regular as 
catecolaminas circulantes. 
 
Feocromocitoma 
♥ A proliferação das células de cromafins está 
associada a formação de adenoma levando o 
aumento na produção de epinefrina e 
noraepinefrina. Com isso aumenta-se a 
concentração das catecolaminas na circulação, 
consequentemente gerando a hiperativação do 
sistema nervoso simpático. As manifestações 
clinicas que podem aparecer são: 
→ Taquicardia/ palpitações porque a 
adrenalina atua nos cardiomiócitos 
aumentando a freqüência cardíaca. 
→ Aumento da pressão arterial porque a 
adrenalina atua nos vasos promovendo 
vasoconstrição, aumentando a resistência 
vascular periférica aumentando assim a 
PA. 
→ Aumento da sudorese por conta da 
ativação das glândulas sudoríparas. 
 
 
 
CÓRTEX ADRENAL 
 
♥ Cada região do córtex adrenal é responsável pela 
síntese de diferentes hormônios esteróides: os 
corticosteróides. 
 
♥ Secreção de hormônios androgênios em menor 
escala. 
 
 
Inibitório 
k 
5 
 
Maria Eduarda Sardinha Estrella 58 – 2025.2 
Fisiologia II 
Tipos de corticosteroides 
♥ Glicocorticoides: 
→ Regulação da glicemia 
→ Efeitos sobre metabolsimo protéico e 
lipídico 
• Cortisol: responsável por 95% da 
atividade glicocorticóide 
• Corticosterona: menos potente que 
o cortisol. 
 
♥ Mineralocorticoides 
→ Regulação da concentração de eletrólitos 
no líquido extracelular 
→ Aldosterona- 90% da atividade 
mineralocorticóide 
→ Desoxicorticosterona (DOC): menos potente 
que a aldosterona 
 
Síntese de corticosteroides 
♥ Como eles são esteróides a sua síntese está 
relacionado ao colesterol (precursor na síntese dos 
esteróides). 
 
♥ Tudo começa com o armazenamento de colesterol e 
gotículas de lipídeos (células espumosas) e com a 
ação de enzimas, esse colesterol vai ser 
transformado em hormônio esteróide. 
 
♥ Essas reações ocorrem na mitocôndria ou no 
retículo endoplasmático. 
 
 
 
♥ O colesterol foi disponibilizado para a célula na 
forma de LDL e HDL, vai passar por uma série de 
reações químicas formando alguns precursores 
como a pregnenolona e a partir daí dependendo da 
maquinaria enzimática que a célula ativa, ela 
consegue produzir tanto a androstenediona, 
quanto cortisol ou aldosterona. 
 
ZONA FASCICULADA 
 
 
♥ Alguns fatores como infecção, estresse, dor, 
hipoglicemia, entre outros sinalizam para o 
sistema nervoso central e são percebidos pelo 
hipotálamo. Esse hipotálamo libera o CRH 
(hormônio de liberação de corticotrofina) e esse 
hormônio vai atuar na adeno-hipófise que vai 
secretar o ACTH ou corticotrofina (função de 
estimular o córtex da adrenal). Com o estimulo 
mediado pelo ACTH as células da zona 
fasciculada vão ter condições de produzir 
mineralocorticóides. À medida que o cortisol vai 
sendo liberado, ele também atua inibindo a 
secreção de ACTH e CRH. 
 
 
 
Cortisol 
♥ Vai ser secretado pela células da zona fasciculada 
do córtex da adrenal e vai ser liberado na 
circulação. 
 
♥ Na circulação vai ser transportado por proteínas 
como CBG (globulina ligadora de corticosteróide 
ou transcortina) e albumina. 
 
♥ Vai ser liberado nos tecidos, vai ter sua ação nos 
receptores e depois pode ser inativado/ 
metabolizado. A inativação ocorre no fígado e a 
eliminação é feita pelos rins. 
 
6 
 
Maria Eduarda Sardinha Estrella 58 – 2025.2 
Fisiologia II 
♥ A inativação pode ocorrer pela conversão do 
cortisol em cortisona (tem fraca atividade) e essa 
pode ser convertida novamente em cortisol no 
fígado/ tecido adiposo/ SNC/ pele, etc. 
 
♥ Mecanismo de ação: 
→ Cortisol entra na célula passando 
livremente pela membrana e se liga ao seu 
receptor citoplasmático (GR) 
→ Forma-se um complexo 
→ Translocação do complexo cortisol-GR 
para o núcleo. A ação do cortisol, desse 
complexo, altera os padrões de transcrição 
gênica (síntese protéica da célula) 
→ Ligação aos elementos de reposta a 
glicocorticóides 
→ Regulação

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.