A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
6 pág.
Princípios de Estética

Pré-visualização | Página 1 de 1

Princípios de Estética
Macroestética: observação mais ampla, face, periodonto e grupo de dentes. É o
1º impacto que a gente tem.
Microestética: analisa os detalhes que compõem a estética do dente
individualmente.
Começamos analisando a macroestética e depois a microestética!!!
Iniciar observando a face como um todo (harmonia do dente com a face em
geral) - a forma do dente pode acompanhar a forma da face (oval, triangular,
retangular, quadrada) mas não é uma regra.
Linha média
Refere-se a uma linha vertical formada pelo contato dos incisivos centrais
superiores. Deve ser paralela ou coincidente com a linha média facial e
perpendicular ao plano incisal. Uma linha média corretamente posicionada
contribui de forma harmônica para a composição do sorriso. Desvios entre
linha média facial e dentária de até 2 mm são aceitáveis e, na maioria das
vezes, imperceptíveis. Desvios significativos (maiores que 3 mm) podem
comprometer seriamente a estética. Vários pontos anatômicos podem ser
guias úteis para avaliar a linha média da face. O centro do filtro labial superior é
considerado o mais preciso destes marcos anatômicos.
Linhas de referência para analisar o sorriso (marcos anatômicos): centro do
filtro labial superior; linha interpupilar (linha horizontal utilizada para analisar o
plano incisal); linhas verticais com a comissura labial; linha sagital mediana -
ponta do nariz à base do mento (observar a linha média dentária).
Linha do sorriso
O sorriso pode ser alto, médio, baixo. A linha do sorriso acompanha o lábio
inferior.
Contorno gengival
Avaliar zênite: é o ponto mais apical do contorno gengival em cada dente. Nos
incisivos centrais e caninos, geralmente, está situado discretamente para a
distal em relação ao longo eixo dos dentes. No caso dos incisivos laterais
superiores e dos incisivos inferiores, o zênite coincide com o longo eixo desses
dentes. Idealmente, os contornos gengivais de caninos e incisivos centrais
devem estar horizontalmente alinhados, com o contorno gengival dos incisivos
laterais suavemente mais para a coronal (1 mm). A união dos zênites destes três
dentes formará um triângulo simétrico em ambos os lados da linha média. Esse
alinhamento simétrico, porém não uniforme, confere naturalidade ao conjunto
dental.
Papilas: A gengiva deverá ter um aspecto ondulado, contornando os dentes em
forma de arco côncavo regular, com simetria em ambos os lados da linha
média. Os espaços interdentais (ameias cervicais) devem ser preenchidos por
papilas gengivais. Para tanto, a distância da crista óssea proximal em relação
ao início do ponto de contato interproximal é necessário ter 5 mm porque se
não a papila não preencherá totalmente o espaço interproximal e a presença
de um espaço negro (black space) criará um problema estético.
Análise dos dentes em grupo
Curvatura incisal, linha média dentária, alinhamento dental, inclinação axial.
Alinhamento dental: dentes vestibularizados causam problemas estéticos
Inclinação axial: os dentes anteriores tendem a se inclinar distalmente em
relação à linha média, ou seja, a implantação destes dentes faz com que seu
longo eixo não seja paralelo à linha média, apresentando uma discreta
divergência no sentido apical. Em uma visão frontal, a inclinação axial dos
dentes posteriores apresenta a mesma inclinação dos caninos em relação à
linha média.
Ameias incisais e cervical
Partindo da linha média para distal, apresentam progressão em sua abertura.
São uma característica de dentes jovens e, com o passar dos anos, devido ao
desgaste incisal, tendem a desaparecer. Essa situação também é encontrada
em pessoas que desenvolvem hábitos parafuncionais relacionados ao desgaste
dental.
Cervical: São diretamente dependentes da forma de contorno proximal dos
dentes e acomodam a papila interproximal. As ameias cervicais dos dentes
anteriores apresentam uma forma de “v” mais fechada que a dos dentes
posteriores. Isso ocorre porque a papila interproximal é mais estreita nos
anteriores e o tecido ósseo subjacente é mais delgado. Apresentam uma
tendência a ter black space - estabelecer correto ponto de contato - preencher
papila.
Microestética
1. Forma: reconstruir a forma.
- Oval, triangular, retangular, quadrada. Geralmente mulheres têm os
dentes com ângulos mais arredondados.
- Tamanho: normalmente a largura é 80% da altura. Entre 75% e 85% é
esteticamente agradável. Observar essas distâncias em fechamento de
diastemas-planejamento.
O que observar quando formos reconstruir uma face vestibular?
- Largura e altura;
- Forma de trapézio - inclinação para a palatina (da cervical e incisal) >
cuidado com excesso cervical (acúmulo de placa).
- As arestas vão determinar a linha de reflexão da luz e a linha de sombra,
aresta mesial e distal são importantes para determinar a forma da
vestibular do dente - geralmente acompanham a forma do dente. A
primeira coisa que se faz após finalizar a vestibular é observar se eu
tenho aresta mesial e distal definida e área plana (área de espelho, fica
entre as arestas mesial e distal) definida, observar para não construir
uma área convexa, utilizar uma espátula reta. Palatina é côncava, 3118 e
3168 (forma de chama) são utilizadas na palatina. Quando eu aproximo
as arestas: há uma tendência do dente parecer mais longo; quando eu
afasto eu tenho uma tendência do dente parecer mais largo; Posso
utilizar isso ao meu favor em uma situação clínica -ilusão de ótica-,
porque as vezes temos limite de espaço para aumentar entre um dente e
outro. Todo dente incisivo central/ todos os dentes anteriores têm que
ter aresta e área plana definida - utilizar lapiseira de ponta fina na clínica
e compasso de ponta seca. Área de reflexão da luz a área de fuga da luz
(da aresta para a proximal, incisal e cervical inclinada para palatina),
borda incisal. Iniciar a restauração definindo bem a área plana - o CD fica
em posição de 12 horas na cadeira odontológica para enxergar de
maneira correta, posicionar o espelho na borda incisal e olhar pelo
espelho (cervical tem que ir sumindo não pode ser proeminente-fuga de
luz; aresta bem definida). Diferença das bordas e dos ângulos mesial e
distal entre incisivo central e lateral: lateral tem a borda distal mais
inclinada para distal e ângulos mais arredondados.
2. Textura superficial
- Sulcos de desenvolvimento, lóbulos de desenvolvimento, microtextura >
realizados durante o acabamento e polimento, pode ser feito ou pode ser
que não exista no paciente (paciente mais velho - área plana muito
definida, paciente mais jovem têm mais textura- dente jovem brilha mais
- fazer para buscar naturalidade, realizar com a tronco cônica
diamantada ou multilaminada). Geralmente o lóbulo distal é um pouco
maior que o mesial - olhar de perfil com o espelho. Utilizando a textura
conseguimos esconder algum defeito de cor ou uma linha de
intersecção entre dente e restauração.
- Periquimacéas (textura horizontal): utilizar a ponta diamantada fina 1190
F. Fazer ondulações, realizar antes do polimento final - para deixar
aparente utilizar apenas o último polimento com pasta e pêlo de cabra.
Posicionamento da broca - observar o que o paciente tem, 45º, firmeza
na mão (ponta mais curta).
3. Cor
Face palatina: face côncava, cristas marginais definidas, cíngulo, lóbulo central
palatino mais evidente em canino (principalmente superior).