A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
4 pág.
Gametogênese e Fecundação

Pré-visualização | Página 1 de 1

Gametogênese e Fecundação  
Os gametas são células germinativas  
ou sexuais, produzidos por uma célula  
pluripotente, sendo células altamente  
especializadas espécie-específica,  
possuindo a missão de: reconhecer  
células do sexo oposto, participar dos  
mecanismos de fecundação,  
disponiblizar material genético para o  
desenvolvimento embrionário.  
A espermatogênese é um processo que  
abrange a formação dos gametas  
masculinos (espermatozóides) nas  
gônadas (testículos), a produção é  
realizada nos túbulos-seminíferos,  
depois o sptz é levado para o  
epidídimo onde é armazenado e é  
capacitado no trato uterino.   
 
Possui algumas fases:  
Espermatogênese  
Fase 1: espermatocitogênese e  
espermiogênese  
A espermatogênese se inicia com as  
chamadas espermatogônias, que são  
células localizadas próximas à lâmina  
basal do epitélio germinativo.  
Fase 2:  
germinativo/multiplicativo/mitótico  
Início com estímulos hormonais na  
puberdade, com uma série de divisões  
mitóticas:   
⤿ Espermatogônias tipo A : células  
tronco de espermatogônias.   
⤿ Espermatogônias tipo B : divisões  
mitóticas e originam os espermatócitos  
primários.   
Fase 3: crescimento/mitótico  
⤿ Espermatogônias tipo A : as células  
ficam em estágio de repouso até o  
início da puberdade, quando o GnRH irá  
estimular a hipófise a liberar FsH no  
organismo, chegando nas células  
tronco espermatogoniais, realizando a  
multiplicação para reserva, pois só  
assim é possível realizar uma produção  
durante toda a vida, para em seguida  
uma delas se diferencie em  
espermatogônias tipo B.  
⤿ Espermatogônias tipo B : sob efeitos  
hormonais irá se transformar em  
espermatócito primário, que irá  
originar dois espermatócitos  
secundários e assim sucessivamente  
devido a mitose, depois é observado a  
ocorrência de duas meioses  
reducionais, para reduzir a quantidade  
de material genético de 2N para 1N.   
   
Espermatocitogênese  
Fase 4: maturação/meiótico  
Os espermatócitos primários dão  
continuidade ao processo de  
duplicação do DNA e iniciam a meiose.  
Na primeira divisão da meiose surgem  
células menores chamadas de  
espermatócitos secundários , esses  
espermatócitos entram, então, na  
segunda divisão meiótica originando as  
espermátides , que são responsáveis  
pela mudança morfológica do sptz.    
Espermiogênese  
FreeText
@vettstudy.g
A haploidia dessas células, isto é, a  
presença de um único conjunto de  
cromossomos , é importante para o  
restabelecimento correto de  
cromossomos após a fecundação.    
 
Espermatogênese   
Espermiogênese  
Modificações estruturais e de  
desenvolvimento, que transformam a  
espermátide em sptz. Essas  
modificações incluem: formação do  
acrossomo (estrutura rica em enzimas  
hidrolíticas que ajudam o sptz a  
atravessar a corona radiata e a zona  
pelúcida), condensação do núcleo e  
formação do flagelo .   
 
 
Espermiação  
Liberação dos sptz no lúmen dos  
túbulos seminíferos, esses sptz não são  
capazes de fecundar os oócitos, para  
os sptz serem capazes de fecundar  
devem sofrer uma alteração  
(maturação) adicional durante o trajeto  
no epidídimo.   
 
Maturação  
A maturação dos sptz se dá no  
epidídimo deixando-o com potencial de  
capacidade fertilizante: motilidade  
progressiva, mudanças de  
metabolismo, mudanças morfológicas  
e mudanças de membrana celular.   
Ovogênese   
Processo que abrange a formação e  
maturação dos gametas femininos  
(ovócitos) nas gônadas (ovários).   
 
A ovogênese inicia-se com as  
chamadas ovogônias .  
Fase 1: Germinativo  
As ovogônias, devido a estímulos  
hormonais na puberdade , iniciam uma  
série de divisões mitóticas que levam à  
produção de várias células.   
Fase 2: Crescimento  
As ovogônias aumentam de tamanho,  
dando origem aos ovócitos primários.  
Fase 3: Maturação   
Os ovócitos sofrem a primeira divisão  
meiótica, dando origem aos ovócitos  
secundários e ao primeiro corpúsculo  
polar. Na segunda divisão meiótica,  
originam novos ovócitos secundários e  
ao segundo corpúsculo polar.   
O primeiro corpúsculo polar dá origem  
a mais dois corpúsculos polares.   
FreeText
@vettstudy.g
 
Corona radiata são células granulosas  
encontradas ao redor do ovócito após a  
ovulação.   
 
O ovócito mais citoplasmas que o stpz,  
o sptz apresenta maior mobilidade e os  
ovócitos apresentam estruturas  
adjacentes.   
Transporte de Gametas  
É o modo que o ovócito e o sptz se  
encontram na ampola da tuba uterina.   
Capacitação Espermática   
Grupo de modificações que precede a  
reação de acrossoma que ocorre na  
tuba uterina, necessária para que os  
sptz se tornem capazes de encontrar o  
oócito, ligarem-se a zona pelúcida e  
iniciarem a reação de acrossoma e a  
outra função é impedir impedir a  
ativação prematura do acrossoma.   
 
Fertilização ou Fecundação  
Sequência de eventos moleculares  
coordenados iniciados após o contato  
entre os gametas masculino e  
feminino.   
Fase 1: passagem do sptz pela corona  
radiata.   
Fase 2: penetração da zona pelúcida e  
reação zonal (impermeável a outros  
sptz).   
Fase 3: fusão das membranas  
plasmáticas do ovócito e sptz.   
Fase 4: término da segunda divisão  
meiótica e formação do pró-núcleo  
femino.   
Fase 5: formação do pró-núcleo  
masculino.   
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
FreeText
@vettstudy.g
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
FreeText
@vettstudy.g