A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
8 pág.
Noções de geologia

Pré-visualização | Página 2 de 2

pelo deslocamento do eixo das cordilheiras oceânicas e pela presença de terremotos. 
· Continental-Continental: provoca deformações ao longo do contato entre as placas, na área do falhamento, além de deformações da crosta e de terremotos. 
9.0- Agentes Endógenos 
Esses fenômenos, causados pelas dinâmicas do interior do planeta, são chamados de agentes endógenos (agentes responsáveis pela criação e destruição da crosta terrestre de dentro para fora). Os agentes endógenos de formação da crosta da Terra em três categorias: o tectonismo, o vulcanismo e os terremotos. 
TECTONISMO= também denominado diastrofismo, é um movimento prolongado ou não, que ocorre na crosta terrestre, podendo provocar deformações das rochas. O diastrofismo se manifesta de duas maneiras: por meio da epirogênese e por meio da orogênese. 
A orogênese corresponde a esforços internos horizontais da crosta terrestre, de curta duração, mas de grande intensidade, que geram dobramentos, bem como fraturas e falhas. A força da tensão horizontal entre as placas, que provoca soerguimento e dobras nas rochas, origina as montanhas. Essas montanhas podem ser chamadas de cinturões orogênicos ou dobramentos modernos. Quando a movimentação tectônica ocorre em rochas rígidas, podem ocorrer fraturas e falhas. Entende-se como fratura ou diaclase uma área em que a movimentação tectônica provocou a quebra das camadas rochosas sem provocar deslocamentos nítidos entre as partes quebradas. 
A epirogênese corresponde aos movimentos verticais que são responsáveis por rebaixamentos e soerguimentos da crosta. O Âmbito de sua ocorrência é continental. Ele ocorre quando se rompe o equilíbrio isostático, isto é, quando há um acúmulo de força em uma determinada região da crosta e esta é obrigada a penetrar o manto. 
A isostasia corresponde a um mecanismo de ajuste que permite a explicação dos movimentos epirogênicos na crosta terrestre. A terra tem 2 níveis topográficos: o continental (mais elevado) e o oceânico (mais rebaixado). 
Quanto mais espesso for o bloco continental, maior é a estabilidade dele, pois está mais profundamente incrustado no manto magmático. 
10.0- Vulcanismo
Designa a formação e a atividade dos vulcões. Ele deriva da ascensão do magma proveniente do manto. A lava incandescente, ao ser resfriada, dá origem a rochas ígneas. 
Quando o derramamento da lava é abundante e ocorre em condições de altíssima temperatura. Esse derramamento também é chamado de derramamento vulcânico ou campos de lava eruptiva. 
Hotpots= não apresentam uma relação direta com as áreas de criação da crosta ou com as zonas de subducção. São causados pela ocorrência de grandes “plumas do manto”. 
11.0- Abalos sísmicos 
São provocados pela movimentação que ocorre entre blocos de rochas situadas no interior da crosta terrestre. Os terremotos podem ser provocados, principalmente, por acomodação de camadas, por vulcanismos e, principalmente, por movimentação tectônica. 
· Tectônica de placas: os tremores são causados pelos movimentos realizados pelas placas. 
· Desmoronamentos internos: os tremores decorrentes desse processo são de baixa intensidade e geograficamente restritos. Podem ocorrer de duas formas, a primeira pela dissolução de rochas, devido á circulação da água subterrânea; A outra forma remete á acomodação dos sedimentos que pode ocorrer em razão de alguma mudança de um peso sobre um determinado terreno. 
· Vulcões: esses tremores têm sua origem ligada ao desabamento, ás explosões vulcânicas, ou a acomodação das áreas onde ocorreu a saída do magma. 
Intensidade: se refere ao grau de destruição (perdas humanas e materiais) provocado por um terremoto. 
Magnitude: se refere a quantidade de energia liberada por um sismo. 
Hipocentro= local onde o sismo é gerado
Epicentro= local na superfície que está acima do hipocentro. 
A escala Richter busca classificar a energia sísmica liberada durante um tremor, a partir de um sismógrafo. 
A escala Mercalli não se baseia em registros sismógrafos, e sim nos efeitos ou danos produzidos nas estruturas e que são percebidos pelas pessoas nas imediações do abalo. 
Muitas vezes em uma zona de alta atividade sísmica, um local pode sofrer com a ocorrência concomitante de terremotos e tsunami. 
Medidas que podem ajudar a diminuir os danos causados por terremotos e tsunamis: 
· Divulgação simultânea de determinados eventos.
· Preparação do poder público em caso de desastres naturais.
· Condições infra estruturais favoráveis.