A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
8 pág.
Primeiros Socorros

Pré-visualização | Página 1 de 4

Rebeka Freitas 
 
EMERGÊNCIAS CLÍNICAS 
- Emergências clínicas: Dificuldade Respiratória, Crise Asmática, 
Ataque Cardíaco, Acidente Vascular Cerebral, Obstrução das Vias 
Aéreas. 
- O que são primeiros socorros? São os cuidados imediatos prestados 
a alguém com uma doença ou ferimento antes de um socorrista 
reinado chegar e assumir o caso. 
× Art. 135 do decreto lei n. 2.848 de 07/12/1940 
- Omissão de socorro implica em deixar de prestar assistência, 
quando possível fazê-lo sem risco pessoal, à criança abandonada ou 
extraviada; à pessoa inválida ou ferida; ao desamparado ou em grave 
e iminente perigo -> Caso não se peça o socorro da autoridade 
pública, a pena é de 6 meses a 1 ano, ou multa. 
- Parágrafo Único: A pena é aumentada de metade, se da omissão 
resulta lesão corporal, de natureza grave (9 meses a 1 ano e meio), 
e triplicada, se resulta em morte (18 meses a 3 anos). 
× Segurança do local 
- Existe algum perigo para você? E para a vítima? 
- Existem outras pessoas a sua volta que possam ajudar? 
-Onde fica o telefone mais próximo? Alguém tem um telefone 
celular? 192: SAMU/ 193: Bombeiros / 190: Polícia. 
- Quantas pessoas estão feridas? Como se feriram? 
- Qual a sua localização? 
× Ações x Passos 
1. Se a vítima estiver responsiva, apresente-se antes de ter qualquer 
contato físico: Meu nome é … posso ajudar? 
2. Se a vítima concordar, você pode prestar os primeiros socorros. 
3. Se recusar sua ajuda, ligue 192 e permaneça no local até a 
chegada de um socorrista treinado que assuma o caso -> contra 
argumente, mas respeite a decisão -> em caso de paciente 
consciente. 
4. Se a vítima estiver confusa ou não responder, considere que ela 
queira que você a ajude -> em caso de paciente inconsciente, 
interfira! 
- Urgência e Emergência: a intervenção ocorre para que não ocorra 
óbito »» direito derrogatório de exceção. 
- Capacitação é muito importante, mas na Urgência e Emergência, 
há o direito derrogatório de exceção. 
- Não há obrigação em prestar determinados socorros específicos 
caso o médico não se sinta/não seja capacitado -> mas, o que estiver 
ao alcance, deve ser feito: RCP, ventilação... 
- Em Urgência e Emergência, APENAS: se uma pediatra frente a 
uma mulher grávida, acidentada, fizer o parto (normal), mas a mãe 
e/ou o bebê morrerem, a médica não pode ser incriminada, pois o 
conceito de imperícia não é aplicado, uma vez que a urgência e 
emergência consiste em um direito derrogatório de exceção (se não 
houvesse intervenção, a pessoa morreria). Se, numa mesma situação, 
essa pediatra não fizer o parto por não se considerar capacitada 
para tal, ela também não pode ser incriminada. Já um médico 
cirurgião, na mesma circunstância, é obrigado a fazer o parto, pois 
ele é capacitado. 
- Às vezes, seu desejo de ajudar pode colocá-lo em perigo. Por 
exemplo, se você não for um bom nadador, tenha muito cuidado ao 
tentar salvar uma vítima de afogamento. 
- Ao prestar primeiros socorros, conheça seus limites. Não se torne 
outra vítima. 
- Quando pedir ajuda por telefone? Quando alguém estiver 
gravemente ou doente; quando você não tiver certeza sobre o que 
fazer no caso de uma emergência. 
- SAMU 192: TARM (Telefonista Auxiliar de Regulação Médica) -> 
Quem é? O que é? Onde é? 
- Discou 192 -> SUS. 
- Grite por socorro enquanto começa a avaliar a vítima; se ninguém 
responder e não houver necessidade de cuidados imediatos: deixe a 
vítima por um momento e ligue para o SAMU 192; consiga um kit de 
primeiros socorros e um DEA, se possível -> Retorne e permaneça 
com a vítima. 
- Peça sempre alguém para ligar ... delegue! 
- Quando ligar, informe se: a vítima não responde à fala ou ao toque; 
apresenta dor no peito ou desconforto torácico; apresenta sinais de 
AVC; apresenta desconforto respiratório; apresenta convulsão; não 
consegue mover partes do corpo; levou um choque elétrico; ingeriu 
substância tóxica; tentou cometer suicídio ou foi assaltada, 
independente do seu estado -> ABCD. 
- Passos para identificar problemas: 
1. Teste a responsividade: O Sr. Está bem? 
2. Libere as vias aéreas. 
Manobra de Heimlich em crianças Manobra de Heimlich em adultos 
Rebeka Freitas 
3. Avalie a respiração: ver, ouvir, sentir. 
4. Procure sinais de ferimentos 
5. Colete informações que justifiquem o problema. 
DIFICULDADE RESPIRATÓRIA 
- As células do corpo precisam de oxigênio para trabalhar 
adequadamente. 
- Causas de bloqueio da respiração: algo como objetos ou alimentos 
que ao invés de ir para o estômago, se dirige para os pulmões; 
inchaço nas vias aéreas (reação alérgica ou asma); infecções; 
ferimentos na cabeça. 
× Sinais de dificuldade respiratória: 
-> Frequência respiratória muito rápida ou muito lenta (extremos) 
-> Dificuldade para realizar os movimentos respiratórios. 
-> Presença de respiração ruidosa: som de assobio-> som adventício. 
-> Incapacidade para produzir sons ou falar apenas algumas palavras 
entre cada respiração, embora esteja tentando falar mais. 
- O que fazer? Pergunte se a vítima tem consigo um remédio e 
ajude-a a pegá-lo; ligue para o SAMU 192 se a pessoa não tiver 
consigo o remédio, se ela não melhorar após o uso do remédio, se a 
respiração dela piorar, ou se ela tiver dificuldade de falar ou ficar 
inconsciente. 
- Se a vítima parar de respirar, inicie a RCP; fique com ela até um 
socorrista treinado ou SAMU chegar. 
- Obstrução das Vias Aéreas por Corpo Estranho (OVACE): corpos 
estranhos podem causar uma gama de sintomas, desde obstrução 
parcial das vias aéreas até a completa. A identificação precoce é a 
chave para um bom resultado. 
- OVACE parcial: boa troca de ar; capacidade de tossir de maneira 
forçada; apresentação de sibilos (ruídos adventícios) entre as tosses. 
- Ações do socorrista em caso de OVACE parcial: incentive a vítima 
a continuar a tossir e a se esforçar para respirar espontaneamente; 
permaneça ao lado, monitorando sua condição, sem interferir nas 
tentativas de expelir o corpo estranho; se a obstrução parcial 
persistir, acione o serviço de emergência. 
- OVACE completa: tosse fraca e ineficaz; troca de ar deficiente ou 
ausente; incapacidade de falar/chorar; maior dificuldade respiratória 
(fome de ar ->tiragem intercostal, tiragem supra diafragmática, aleta 
nasal); ruídos agudos inspiratórios ou ausência de ruídos; possível 
cianose; sinal universal de asfixia. 
- Sinal Universal de Asfixia: 
 
- Ações do socorrista em caso de OVACE completa: pergunte à 
vítima se ela está se sentindo sem ar: se disser que sim e não puder 
falar, significa que há presença de obstrução completa das vias 
aérea e você deverá tentar aliviar a obstrução: 
-> Se vítima < 1 ano: 5 golpes nas costas e 5 compressões torácicas. 
-> Se vítima ≥ 1 ano: manobra de Heimlich -> identificar a cicatriz 
umbilical do paciente com o dedo mindinho; posicionar sobre essa mão 
a outra mão; iniciar o movimento: empurrar para dentro e trazer 
para cima (“J”) -> objetivo de aumentar a pressão intratorácica, o 
que facilita a mobilização do corpo estranho. 
 
 
 
 
 
 
-> Manobra de Heimlich em grávidas ou obesos: as mãos posicionam-
se na metade inferior do esterno, onde se faz as compressões 
torácicas. 
 
 
 
 
- Bebê consciente com obstrução grave: segurar no ramo da 
mandíbula ou colocar o queixo entre os dedos; coluna apoiada no braço 
do socorrista; posição em trendelenburg -> inspecionar a cavidade 
oral, se o objeto estiver visível e alcançável, retirá-lo usando o dedo 
mínimo; caso contrário, realizar 5 golpes (tapas) no dorso (entre as 
escápulas) e 5 compressões torácicas, logo abaixo da linha mamilar. 
 
 
 
 
- OVACE em paciente inconsciente (independente da faixa etária): 
peça ajuda (acionar serviço de emergência), coloque-a em uma 
superfície plana e firme, e inicie a RCP, ainda que o paciente não 
esteja em PCR (começando pela compressão; não há necessidade de 
verificar pulso enquanto o paciente não apresentar PCR; a RCP auxilia 
na exteriorização