A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
70 pág.
APOSTILA ANATOMIA B

Pré-visualização | Página 1 de 10

SOFIA HELENA VITTE 
TURMA LX 
PUC-CAMPINAS 
 
1 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Anatomia b 
Anatomia b 
Anatomia b 
Anatomia b 
Anatomia b 
Anatomia b 
Anatomia b 
Anatomia b 
Anatomia b 
Anatomia b 
Anatomia b 
Anatomia b 
Anatomia b 
Anatomia b 
 
 
 
SOFIA HELENA VITTE 
TURMA LX 
PUC-CAMPINAS 
 
2 
 
Hematopoiese 
 
A.Medula óssea 
 
• O osso é um tecido vivo 
• Funções: sustentação, proteção, alavanca, armazenamento de sais, suprimento 
contínuo de novas células sanguíneas 
• Na cavidade medular de adultos entre as espículas do osso esponjoso há: medula 
óssea amarela (gordura) e medula óssea vermelha (produz células do sangue e 
plaquetas) 
 
Lindsey, Stephan. (2011). The Importance of Physiologically Inspired Physicochemical Parameters on 
Hematopoietic Stem-Cell Maintenance and Lineage-Specific Differentiation in Ex Vivo Cultures. 
10.1142/9789814317931_0006 
 
B. Baço 
 
• Massa vascular sinusoidal mole com uma delicada cápsula fibroelástica 
recoberta por peritônio visceral, com exceção do hilo 
• Localização: parte superolateral do quadrante abdominal superior esquerdo 
(hipocôndrio) 
SOFIA HELENA VITTE 
TURMA LX 
PUC-CAMPINAS 
 
3 
 
 
MINISTÉRIO DA SAÚDE. UNA-SUS. Quadrantes do abdome. In: Curso de Especialização em Linhas 
de Cuidado de Enfermagem. [S. l.], [201-?]. Disponível em: 
https://unasus2.moodle.ufsc.br/pluginfile.php/16344/mod_resource/content/1/un01/top03p01.html. 
Acesso em: 4 jan. 2021. 
• É considerado um órgão linfático, ou seja, faz parte do sistema de defesa do corpo 
ao aumentar a proliferação de leucócitos e a vigilância e resposta imune. 
• Funções 
o Órgão hematopoiético: formador de sangue 
o Participa da identificação, remoção e destruição de hemácias antigas e de 
plaquetas fragmentadas 
o Atua na reciclagem de ferro e de globina 
o Atua como reservatório de sangue, armazenando hemácias e plaquetas 
(pode garantir um tipo de “autotransfusão” no estresse da hemorragia) 
• Partes importantes do baço: 
o Hilo esplênico: local onde entram e saem os ramos esplênicos da artéria e veia 
esplênica 
o O baço está apoiado sobre a flexura costal esquerda do colo (9ª-11ª costelas) 
o O baço é separado do diafragma pelo recesso costodiafragmático 
SOFIA HELENA VITTE 
TURMA LX 
PUC-CAMPINAS 
 
4 
 
 
ROHEN, Johannes W.; YOKOCHI, Chihiro; LÜTJEN-DRECOLL, Elke. Color Atlas of Anatomy. 7. ed, 2011. Atlas 
fotográfico de anatomia humana. 
o Relações do Baço: 
Anterior: estômago 
Posterior: Parte esquerda do diafragma 
Medial: rim esquerdo 
Lateral: flexura esquerda do colo (impressão do cólon) 
 
Legenda 
6. Ligamento gastroesplênico 
7. Artéria esplênica 
8. Cauda do pâncreas 
9.Margem superior esplênica 
10. Borda anterior esplênica 
SOFIA HELENA VITTE 
TURMA LX 
PUC-CAMPINAS 
 
5 
 
 
ELLIS, Harold. Anatomy of splenectomy for ruptured spleen. HEPATOBILIARY SURGERY II, [s. l.], v. 
28, ed. 5, 1 maio 2010. Disponível em: https://www.surgeryjournal.co.uk/article/S0263-
9319(10)00055-4/fulltext. Acesso em: 4 jan. 2021. 
Ligamento esplenorrenal: 
contém os vasos esplênicos e 
a cauda do pâncreas 
SOFIA HELENA VITTE 
TURMA LX 
PUC-CAMPINAS 
 
6 
 
 
 
Área cólica: flexura cólica esquerda 
Área gástrica: é a impressão do estômago 
Área renal: é a impressão do rim esquerdo 
SOFIA HELENA VITTE 
TURMA LX 
PUC-CAMPINAS 
 
7 
 
ELLIS, Harold. Anatomy of splenectomy for ruptured spleen. HEPATOBILIARY SURGERY II, [s. l.], v. 
28, ed. 5, 1 maio 2010. Disponível em: https://www.surgeryjournal.co.uk/article/S0263-
9319(10)00055-4/fulltext. Acesso em: 4 jan. 2021. 
 
 
o Face diafragmática: encaixa na concavidade do diafragma e nos corpos curvos das 
costelas adjacentes 
o O grande tamanho da artéria esplênica indicia o volume de sangue que atravessa 
os capilares e seios esplênicos 
• Vascularização: 
o Artéria esplênica: responsável pelo suprimento arterial do baço e é o maior 
ramo do tronco celíaco. Apresenta um trajeto posterior à bolsa omental, 
anterior ao rim esquerdo e ao longo da margem superior do pâncreas. A sua 
ausência de anastomoses é responsável pela criação dos segmentos 
vasculares do baço 
 
AGUIAR, Gabriela Louvrier Nasser et al . Estudo da segmentação arterial do baço. Rev. Col. Bras. Cir., Rio de Janeiro 
, v. 35, n. 5, p. 311-314, Oct. 2008 . Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-
69912008000500007&lng=en&nrm=iso>. access on 10 Jan. 2021. https://doi.org/10.1590/S0100-
69912008000500007. 
 
o Veia esplênica: responsável pela drenagem venosa do baço. É formada por 
tributárias que emergem do hilo esplênico. Recebe a VMI e segue 
posteriormente ao corpo e à cauda do pâncreas. Une-se à VMS, formando a 
veia porta. 
o Vasos linfáticos: deixam os linfonodos do hilo esplênico e seguem até os 
linfonodos pancreático-esplênicos (face posterior e marem superior do 
pâncreas) 
https://doi.org/10.1590/S0100-69912008000500007
https://doi.org/10.1590/S0100-69912008000500007
SOFIA HELENA VITTE 
TURMA LX 
PUC-CAMPINAS 
 
8 
 
o Os nervos esplênicos (plexo celíaco) são distribuídos ao longo da artéria 
esplênica. Têm função vasomotora. 
 
C. Timo 
 
• É um órgão linfóide essencial (glândula) 
• Localização: parte inferior do pescoço e ocupa a parte anterior do mediastino 
superior 
 
B, Satheesha & Kumar, Naveen & Aithal, Ashwini & Shetty, Surekha & Sirasanagandla, Srinivasa & Guru, A.. (2015). Possibly 
Active Persistent Thymus Found in a Human Adult Cadaver – A Morpho-histological Study. Online Journal of Health & Allied 
Sciences. 14. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Legenda: 
LT: lobos da glândula tireóide 
TR: traqueia 
TC: cartilagem tireóide 
CC: cartilagem cricoide 
THY: thymus 
IJV: veia jugular interna 
SOFIA HELENA VITTE 
TURMA LX 
PUC-CAMPINAS 
 
9 
 
 
 
• Função: maturação dos linfócitos T durante o crescimento fetal e durante a 
infância. Os linfócitos imaturos são produzidos na medula óssea e migram até o 
timo, onde amadurecem e se transformam em linfócitos T. Eles são somente 
liberados após o órgão reconhecer que não irão reagir contra proteínas ou 
antígenos naturais do organismo. Dessa forma, também promove um correto 
funcionamento do sistema imune ao selecionar os linfócitos T. também produz o 
hormônio tirosina. 
• Após a puberdade, o timo sobre uma involução gradual e é substituído por 
gordura em sua maior parte 
• Anatomicamente, o timo é dividido em dois lobos e numerosos lóbulos de formas 
e tamanhos diferentes. É comum o lobo direito ser menor do que o lobo esquerdo 
• É revestido por uma cápsula de tecido conjuntivo 
SOFIA HELENA VITTE 
TURMA LX 
PUC-CAMPINAS 
 
10 
 
 
Shevade, Sapna, Jyoti P. Kulkarni, Neelesh Kanaskar and Vaishali Paranjape. “Persistent Enlarged 
Thymus in an Adult Human Cadaver.” IOSR Journal of Dental and Medical Sciences 1 (2012): 34-35. 
• O lóbulo do timo é dividido em: 
o Córtex: região periférica e com grande número de linfócitos. É a área 
onde ocorre a intensa maturação dos linfócitos T. 
o Medula: região central com poucos linfócitos maduros 
SOFIA HELENA VITTE 
TURMA LX 
PUC-CAMPINAS 
 
11 
 
 
Lâmina A. 365. Anatomia Patológica (Anatpat)-Unicamp. Disponível em: http://anatpat.unicamp.br/lamhemo19.html 
 
D. Fígado 
• Atua como órgão hematopoiético no adulto 
• Todos os nutrientes absorvidos pelo trato digestório são levados primeiro ao 
fígado pelo sistema nervoso porta 
• Relação baço-fígado: no feto, o tecido hepático serve somente de alojamento 
transiente para a produção de células do tecido sanguíneo. A participação na 
hematopoiese parece estar envolvida na homeostasia do trânsito fisiológico de 
progenitores, já que, em situação de esplenectomia, há um aumento na 
formação de colônias hepáticas hematopoiéticas 
(Caso você queira saber mais: 
http://www.histo.ufrj.br/LPDC/hematopoiese.htm) 
 
Estudo de casos 
1. Um homem branco de 31 anos, natural de