A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
1 pág.
Egito Antigo

Pré-visualização | Página 1 de 1

alto Egito (ao sul ) baixo Egito (ao norte) 
O Egito antigo era uma sociedade que dependia do rio Nilo para sua sobrevivência. 
 Em 3200 a.C, Mesís-I unificou o alto e o baixo Egito criando o império egípcio. 
 Antigo império (3200 a.C à 2100 a.C) 
 Médio império (2100 a.C à 1580 a.C) 
 Novo império (1580 a.C à 75 a.C) 
 Utilização do modo de produção asiático, com o poder centralizado nas mãos do Faraó, que era considerado a representação de Rá, o Deus solar e da 
criação. 
 Faraó – líder político, religioso e militar. 
 Economia agropastoril de regadio.
 Agropastoril: cultivo de trigo, cevada e outros cereais, além da utilização de pastos 
para gados.
 Regadio: utilização do rio Nilo como forma de irrigação
 Comercio feito inicialmente através de trocas com outras regiões da África, Ásia e Europa.
 Escrita demótica: convencional, utilizada para tratar de assuntos do cotidiano para a 
população de maior destaque social.
 Escrita Hieroglífica: mais específica, utilizada em templos, palácios e pirâmides, abordando mais sobre a vida política e religiosa. ]Essa escrita era 
de acesso mais restrito as camadas altas, como sacerdotes e escribas.
 A arte estava atrelada ao poder do estado, abordando a vida do faraó e entidades religiosas. Apenas no novo império, na 18ª dinastia, do Faraó 
Akheraton, que os artistas passaram a ter uma maior liberdade.
 Na arquitetura, as grandes obras públicas, templos e pirâmides eram financiadas pelo estado e demonstravam poder do faraó e das entidades 
religiosas,
 Religião politeísta, cultuando vários deuses, cada um de um segmento, geralmente relacionados à natureza, como Anúbis, o Deus da 
mumificação. Osiris, o Deus da morte e Rá, o Deus do sol.
 Os egípcios acreditavam que após a morte, a vida continuaria, e aqueles que falecessem, levariam consigo as conquistas adquiridas na terra.
 Durante a 18ª dinastia, o Faraó Akheraton estabeleceu o monoteísmo no Egito, cultuando apenas o Deus Amon, porém, após a morte do faraó, o 
Egito retornou ao politeísmo.
 Os egípcios tinham bom conhecimento em astronomia e matemática, além de uma prática peculiar na medicina, utilizando plantas e frutas 
medicinais.