A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
5 pág.
Direito Civil III - Contratos

Pré-visualização | Página 1 de 1

Direito Civil III (Contratos) 
 
 
Definição: 
Negócio jurídico, bilateral ou plurilateral, dependente de, pelo menos, duas 
declarações de vontade, cujo objetivo é a criação, a alteração ou a extinção de 
direitos e deveres. Produz efeitos jurídicos existenciais e patrimoniais entre os 
titulares da relação jurídica e também perante terceiros. 
 
 
Princípios: 
1. Autonomia Privada: é o poder que o sujeito tem de se autodeterminar em 
sociedade. A autonomia privada é LIMITADA. 
2. Liberdade de Contratual : corresponde a liberdade que as partes têm para 
determinar o conteúdo do contrato. Liberdade de contratar é a liberdade de 
escolha (contratar ou não). 
3. Função social do Contrato - obs: Ver art 421 CC 02 - Contrato como 
instrumento social 
a) Eficácia interna 
b) Eficácia externa 
 4. Pacta Sunt Servanda - contrato faz lei entre as partes (não é absoluta) 
 5. Relatividade dos efeitos contratuais 
 6. Boa- fé objetiva - exteriorizar a sua boa fé 
a) Objetiva x Subjetiva 
b) Funções: 
1. Interpretativa 
2. De Integração 
3. De controle 
4. Criadora de deveres anexos 
 
 
Formação do Contrato 
 
- Fases: 
a) Negociações preliminares ou pontuação: ausência de previsão no 
código civil, debates prévios, não vinculação (absoluta ou relativa), 
boa-fé objetiva, abuso de direito e responsabilidade civil 
b) Proposta ou Oblação: declaração unilateral receptícia, vinculação do 
proponente, requisitos da proposta: clareza, seriedade e definitividade. 
A proposta deixa de ser obrigatória: retratação simultânea (433), 
hipóteses dos artigos 428 e 427 e revogação da oferta (429). 
Aceitação e contra-proposta. 
c) Contrato preliminar - art 463 
Finalidade: garantia e segurança às partes 
efeitos: Exigir negócio definitivo, suprimento judicial (suprimir a 
vontade) e perdas e danos. 
d) Contrato definitivo 
Aperfeiçoamento do contrato 
Encontro definitivo de Vontades 
Consequências previstas pelas partes 
Boa fé na fase pré e pós. 
 
 
Extinção dos Contratos (art 472 a 480) 
 
- Extinção normal - cumprimento das obrigações 
 
- Por motivos anteriores - invalidades, cláusula de arrepentimiento (cc 102 x art 
49 cdc), cláusula resolutiva expressa (evento futuro e incerto) 
Ex de invalidade: art 548, art 549 e art 550. 
 
- Por fatos posteriores - resilição (manifestação de vontade) - resilição bilateral 
(distrato) - resilição unilateral (uma das partes, quando a lei admite)art 47) - 
lei 8245. 
 
Resolução (inadimplemento ou onerosidade excessiva) 
 
- Inexecução voluntária - culpa ou dolo - perdas e danos. 
 
- Inexecução Involuntária - caso fortuito ou força maior - não paga perdas e 
danos. 
 
- Onerosidade excessiva - requisitos do art. 478. Requisitos: ocorre em 
contratos de execução continuada ou diferida, gera extrema vantagem para 
uma parte e extremo ônus para outra, decorre de acontecimentos 
extraordinários e imprevisíveis. 
 
- Cláusula resolutiva - decorre de lei e depende de interpelação judicial 
 
- Morte - contratos personalíssimos 
 
 
 
Classificação dos contratos: 
 
- Contrato Oneroso e gratuito: 
 
Sacrifício patrimonial de uma das partes ou ambas as partes. 
 
Oneroso: ambas as partes. ex: venda de imóvel, pois há uma “perda” dos 2 
lados, sendo um dando o dinheiro e o outro o imóvel. 
 
Gratuito: uma das partes. ex: doação pura, pois somente há “perda” de um 
dos lados, no caso do doador. 
 
Obs: a doação impura se torna contrato oneroso, devido aos encargos, 
havendo “perda” de ambas as partes. 
 
Obs2: Comodato é um empréstimo gratuito, portanto é um contrato gratuito. 
Não há uma “perda” de nenhum dos 2 lados. 
 
- Contrato unilateral, bilateral e plurilateral 
 
Unilateral: Quando somente há obrigações para uma pessoa. Ex: comodato é 
um contrato unilateral. 
 
Bilateral: Reciprocidade de obrigações. Ex: Contrato de compra e venda. 
 
Plurilateral: Contratos coletivos, onde há obrigações e relações contratuais de 
diversas pessoas. ex: Seguro coletivo. 
 
Obs: Essa classificação se deve mais pela obrigação como um todo do que 
com somente questões patrimoniais. 
 
Obs2: Para a maioria da doutrina, o comodato é contrato unilateral, pois 
produz efeitos com a entrega do objeto (é real) e neste exato momento não 
haveria reciprocidade de obrigações. 
 
- Contrato paritário e de adesão (ver arts. 423 e 424) 
 
Paritário: Todas as partes discutem e têm o poder de decidir o conteúdo do 
contrato. 
 
Adesão: Quando não há discussão de conteúdo e apenas uma das partes 
dita as formas dos contrato. 
 
Obs: Há sempre uma tendência de proteção para o aderente, portanto se 
houver cláusula não clara ou ambígua, deve-se haver interpretação favorável 
ao aderente. 
- Contrato pessoal e impessoal 
 
Contrato pessoal: Quando ocorre uma necessidade de haver uma pessoa 
específica para que haja a continuação do contrato. ou seja, se houver a 
morte da pessoa tratada, não mais haverá validade do contrato. Ex: Contrato 
de prestação que prevê quem fará o serviço, sendo especificado. 
 
Contrato impessoal: Quando o contrato não prevê uma pessoa específica, 
mais comum dos contratos. Ex: Prestação de serviço, pois não está expresso 
no contrato a pessoa que fará o serviço. 
 
- Contrato típico e atípico 
 
Contrato típico: Aquele que está previsto no código. Ex: Contrato de compra 
e venda. 
 
Contrato atípico: Quando não há tipo especificado no código. Ex: Contrato de 
namoro. 
 
- Contrato formal e informal (art. 819) 
 
Contrato formal: Exige forma, sendo ela pública ou não. 
 
Contrato informal: Não exige forma. 
 
- Contrato solene e não solene (art. 104) 
 
Contrato solene: Em que se exige forma pública, instrumento público. 
 
Contrato não solene: Quando não exige forma pública, instrumento público. 
 
- Contrato principal, acessório e coligado 
 
Contrato principal: Quando há um contrato acessório dependente do mesmo. 
 
Contrato acessório: Quando há um contrato principal, sendo este 
dependente. 
 
Contrato coligado: Quando há 2 ou mais contratos que estão correlacionados 
entre si, sem uma dependência de um dos dois. 
 
- Contrato instantâneo, de trato sucessivo e execução diferida 
 
Contrato instantâneo: a produção de efeitos se exaure instantaneamente. 
 
Contrato de trato sucessivo: Quando a produção de efeitos ocorre durante 
um tempo o qual a coisa ocorre. Ex: Financiamento de carro. 
 
Contrato de execução diferida: Quando o contrato prevê efeitos futuros. 
 
- Contrato comutativo e aleatório (arts. 458 a 461): 
 
Contrato comutativo: As partes já conhecem seus direitos e obrigações no 
contrato. 
 
Contrato aleatório: Contrato de risco, quando não se há conhecimento de 
direitos e obrigações. Ex: safra. 
 
● Risco pela existência (emptio spei) 
 
- Quando há o risco de existir ou não, como uma plantação. 
 
● Risco pela quantidade (emptio speratal) 
 
- Quando há uma quantidade da plantação, mas não se sabe ao certo 
qual a quantidade exata. 
 
- Contrato real e consensual (art. 587, 579, 627) 
 
Contrato real: Aquele que produz efeitos quando ocorre a entrega do objeto. 
 
Contrato consensual: Aquele que produz efeitos quando há a manifestação 
da vontade.