A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
4 pág.
Mundo Antigo ( Egito, Mesopotâmia, Grécia e Roma)

Pré-visualização | Página 1 de 1

Egito e Mesopotâmia
EGITO – DÁDIVA DO NILO
 foi uma das primeiras civilizações no mundo antigo, com uma sociedade agrária e hidráulica por estar na margem do Rio Nilo. Pode-se dividir o Egito em 3 fases:
· ANTIGO IMPÉRIO (3200 a.C. – 2100 a.C.)
Antes das dinastias do Egito, civilizações já havia desenvolvido técnicas de agricultura e o uso da água do Rio Nilo. Esse desenvolvimento culminou para a formação de “nomos” (cidades) e de um império com um governo centralizado na figura do Faraó. Enfim, por volta de 3200 a.C. dois reinos se formaram: o Alto Egito (Sul) e o Baixo Egito (Norte). 
Estima-se que o Faraó Menés teria unificado esses dois territórios e iniciado períodos dinásticos do Antigo Império. Logo, esse Faraó foi cultuado como um deus, em um regime conhecido como monarquia teocrática e centralizou os “nomos”, burocratizando as tecnologias, às terras e desenvolvimento do modo de produção. Ou seja, o Estado controlava essas técnicas e produção, e aproveitava a mão de obra servil. Além de trabalhar nas terras para sustentar a família, os servos tinham que pagar tributos para o Estado através de dinheiro, mercadorias, excedentes de produção ou mais trabalho pelo uso da terra. Essa relação social desenvolveu classes sociais distintas, sendo conhecida como o Modo de Produção Asiático. 
Os trabalhos dessas pessoas favoreceram o desenvolvimento político, econômico e cultural dessas dinastias. O antigo Império teve seu auge com a construção de pirâmides, fundamental para noção de matemática e a mumificação foi essencial para as noções anatômicas, componentes químicos e uma medicina antiga.
· MÉDIO IMPÉRIO (2000 a.C. – 1500 a.C.)
Por causa da fome, secas e pestes houve a instabilidade política dos Faraós e fortalecimento dos nobres dos antigos nomos, culminando para o fim do Antigo Império. 
Apenas em 2061 a.C. o império a centralização do poder com o faraó Mentuhotep II que derrotou os líderes das nomas e transformou Tebas na nova capital.  No entanto, apesar da vitória, os constantes conflitos entre o faraó e os nomarcas permitiu o enfraquecimento dos egípcios e, posteriormente, o início de uma forte invasão estrangeira, com os hebreus e os hicsos. A ocupação dos hicsos durou quase dois séculos e sacramentou o fim do chamado Médio Império. 
· NOVO IMPÉRIO (1580 a.C. – 525 a.C.)
O Novo Império foi restaurado com a derrota dos hicsos pelos egípcios e os hebreus que tinham penetrado na sociedade foram escravizados. 
Foi neste período que se consolidou no Egito a estrutura social mais complexa dessa civilização:
Uma das principais características deste período foi o desenvolvimento bélico e a expansão egípcia para novas terras, conquistando regiões ao sul. Essa expansão garantiu o domínio de outros povos, a conquista de escravizados uma era de muita riqueza para o Novo Império. 
Entretanto, apesar das diversas conquistas no exterior, internamente o império mais uma vez ruía graças aos conflitos entre nobres e sacerdotes. Por volta de 1100 a.C., mais uma vez o Egito voltou a se fragmentar em dois reinos, o que foi crucial para o enfraquecimento desta civilização e a posterior conquista do Egito por outros impérios que cresciam ao redor, como o macedônico e o romano.  
MESOPOTÂMIA, A “TERRA ENTRE RIOS”
A região da Mesopotâmia marca um processo de sedentarização, com os povos se fixando ao redor dos Rios Tigre e Eufrates, logo, estabelecendo Cidades- Estados com uma agricultura estável e construção de importantes tecnologias e técnicas para aproveitar a região.  Assim, a geografia da região influenciou diretamente na formação de sociedades hidráulicas, que dependiam profundamente das cheias dos rios e do que as águas poderiam fornecer.
· CIVILIZAÇÕES DA MESOPOTÂMIA:
1. SUMÉRIOS: Foram os primeiros povos a habitarem a Mesopotâmia, migrando para a região que hoje é o Iraque. Os sumérios se estabeleceram na região fundando cidades como Ur, que demonstram um impressionante desenvolvimento urbano, com complexas formas de administração e organização para o período. Os sumérios também desenvolveram ricas técnicas de arquitetura, engenharia (templos enormes – zigurates)e escrita cuneiforme. 
1. ARCÁDIOS:
Com o enfraquecimento interno dos Sumérios, os outros povos que habitavam na região, principalmente vindos da Síria, passaram a invadir as cidades e absorveram o conhecimento sumério e desenvolveram novas formas de ocupar a região, construindo a cidade Acad. Com essa conquista realizada. O rei Sargão I unificou as antigas cidades e fundou o Império Mesopotâmio. 
2. ARROMITAS – PRIMEIRO IMPÉRIO BABILÔNICO. 
Os povos amoritas foram os sucessores dos acádios na ocupação da região mesopotâmica. As amoritas ocuparam inicialmente a região da Babilônia, mas, logo se espalharam por todo o Golfo Pérsico, fundando o I Império Babilônico. Com o reinado de Hamurabi, teve a lei “ Olho por olho, dente por dente”. A antiga Babilônia também se tornou um importante centro comercial na antiguidade e uma referência urbana e arquitetônica para a época.
3. ASSÍRIOS – IMPÉRIO ASSÍRIO
Os assírios ficaram conhecidos pelo Estado forte e centralizado e pela militarização dessa civilização. Eram cruéis e utilizavam técnicas inovadoras no combate, destacando o uso de armas de ferro, cobre e estanho, que garantiram grandes vitórias e a conquista de escravos, base de trabalho dessa sociedade. Apesar o desenvolvimento, sucessivas crises internas permitiram que os Impérios Assírios fossem derrotados pelos povos Caldeus.
4. CALDEUS – SEGUNDO IMPÉRIO BABILÔNICO
O rei Nabucodonosor, com um poder centralizado, quem transformou a capital Babilônica novamente em um importante centro comercial, criando fortalezas militares, investindo em obras públicas e na construção os famosos Jardins suspensos e o zigurate conhecido como Torre de Babel. 
Grécia e Roma