A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
6 pág.
Era Vargas

Pré-visualização | Página 1 de 2

ERA VARGAS
Governo Provisório
 No Governo Provisório de Vargas, foi após a Revolução de 1930, contra o presidente da época, que foi acusado de assassinato. Existiam dois lados dessa revolução, os liberais liderados por Juarez Távora estavam apoiando o lado de Vargas, enquanto que a oposição liderada por Luís Carlos Prestes não estava do lado dele. Todas as pessoas que apoiaram Vargas e faziam parte dos tenentistas acabaram ganhando cargos importantes no meio da política.Vargas consegue ascender ao poder provisoriamente e sem uma constituição, dando-lhe controle ilimitado. Porém o Brasil ainda tinha uma estrutura oligárquica, com os estados influentes e elitistas, o que era um obstáculo para o poder ascendente de Vargas. Para diminuir o poder das oligarquias, ele instalou o código eleitoral, com direito ao voto secreto e o voto feminino, e a justiça eleitoral, que protegia esses direitos. Não era permitido o voto para analfabetos, sendo que a educação era privada, então só as famílias de alta renda conseguiram se alfabetizar. Getúlio diminui a autonomia dos Estados, centralizando o poder, e nomeou como governadores indivíduos da sua confiança.
 Vargas anos depois, também criou o concurso público, tornando os cargos públicos frequentados por sujeitos com alto nível intelectual, e exercendo a ideia de mérito, que através dos estudos e do resultado do exame, e desabilitando o nepotismo e favoritismo.
 As oligarquias ficam revoltadas. São Paulo, principalmente, se sente ofendido por ser o estado que carregava a economia brasileira, e não tinha participação política. 
A Revolução Constitucionalista de 1932
 São Paulo se revolta e começa uma batalha armada contra o governo por uma maior participação política e a criação de uma nova constituição para dar limites ao presidente. Um símbolo desse movimento foi o M.M.D.C., quando 4 alunos foram mortos pela polícia em um conflito, logo os tornando uma imagem de resistência e mártires (pessoa que sofre por defender o que acredita) para a revolta. Após 3 meses de conflito, o estado paulista foi derrotado, mas Vargas, com medo de mais rebeliões, acionou a Assembleia Constituinte para escrever uma nova constituição.
CRISE DE SÃO PAULO:Em 1929, houve a crise da bolsa de Nova York, que afetou a exportação de café brasileiro, assim formando a crise de café em São Paulo. O Vargas cria uma política de comprar milhões de quilos de café e queimar, assim valorizando o produto, exercitando a lei da oferta e da procura.
Constituição de 1934
 Afirmava que o Brasil era uma República Federativa, o que não era verdade na prática, pois os estados tinham uma autonomia menor. “Tinha muito poder privado, e pouco poder público”
 Também destacava que o Brasil era um sistema presidencialista, com mandato de 4 anos, sem direito a reeleição. As eleições seriam diretas, ou seja, com o povo votando. Mas, a próxima eleição seria indireta, a partir dela que começaria ser direta. Oficializa o voto feminino e o voto secreto. Ensino primário gratuito era obrigatório e criou as leis trabalhistas (férias, sindicalização/sindicatos, descanso semanal)
 Assim, no dia seguinte, Getúlio Vargas foi eleito, assim começando o:
Governo Constitucional
 Agora Vargas governava com uma constituição demarcando-o. Com a centralização do poder, os militares e as oligarquias estavam com seus poderes limitados, o povo estava encontrando formas de tentar se representar politicamente, especialmente em partidos políticos. 
 Com isso, foram formados dois movimentos políticos: AIB (aliança integralista brasileira) e a ANL (aliança nacional libertadora). A AIB era de extrema direita, exaltava o nazismo e o fascismo. Eram anti comunistas, anti capitalistas, anti socialistas e antiliberais. Acreditavam que o Estado deveria ser forte e centralizado, e não aceitavam oposição. O lema do partido era “Deus, pátria e família”.
 A ANL era uma organização anti-fascista e criticavam o imperialismo. Foi formado após a criação do AIB, com medo da violência do partido fascista. Defendiam a reforma agrária (divisão das terras que não são utilizadas), maior investimento na economia interna e organizar as empresas estrangeiras que se encontravam no território nacional. Queriam um governo mais popular e menos elitista, e que atendesse aos trabalhadores. Vargas não apoiava a ANL, mas os comunistas e esquerda sim.
 A AIB apoiava e defendia Vargas, mas a ANL queria medidas que o Vargas não estava disposto a dar. Quando o Partido Comunista começou a apoiar publicamente a ANL, o Vargas conseguiu um motivo para fechar e ilegalizar o partido.
*Política de boa vizinhança: Foi uma política exterior do norte estadunidense, que consistia em abandonar a intervenção militar nos países do continente americano e substituí-la pela diplomacia e aproximação cultural.
Intentona Comunista - 1935
 Foi uma série de revoltas com teor esquerdista no país para tomar o governo brasileiro, mas falhou, os participantes foram deportados, torturados e assassinados. Um grande fator foi a volta de Luís Carlos Prestes para o Brasil, que participou do movimento tenentista, movimento dos tenentes de baixa e média patente contra o governo Oligárquico. Por causa dessas revoltas, se instalou um medo do comunismo no meio dos militares e da população, e esse pavor vai ser amplamente explorado por Vargas.
 Com as revoltas, Vargas coloca o Brasil em estado de Sítio, uma medida extrema que coloca o Governo Federal para controlar o Legislativo, Judicial e das liberdades individuais. Essa medida vai durar anos, mesmo depois do fim da Intentona Comunista, justamente pelo poder que ele ganhou com essa medida. Por causa desse medo comunista, os militares voltam a apoiar Getúlio. 
 O Vargas precisava de uma desculpa para continuar no poder e do apoio popular, por isso ele divulgou um plano inventado, que dizia que havia um plano comunista para invadir o Brasil e tomar o poder, que ficou conhecido como Plano Cohen. O Plano era uma farsa para criar uma situação aonde a população ficou com medo desse atentado, permitindo que Getúlio deste o famoso Golpe de Estado.
 Vargas outorgou (aprovou) uma nova constituição, conhecida como Constituição Polaca (1937), pois foi inspirada na constituição da Polônia e era como as prostitutas eram conhecidas no Brasil. 
Estado Novo (1937-1945)
 As antigas repúblicas se chamavam República Velha exatamente para destacar o Estado Novo, denominando um Brasil com cara nova. 
 Na nova constituição Polaca, o Vargas podia impor leis, nomear interventores nos Estados, fechar assembleias e câmaras municipais, ordenar invasões domiciliares e prisão de pessoas, censurar meios de comunicação e extinguir partidos políticos. Todas as características de uma ditadura, ausência de oposição, monopólio de poder e as próximas eleições suspensas, e o governo tinha controle dos sindicatos. 
Golpe Integralista
 Levante integralista ocorreu em maio de 1938, era um movimento de insurgência/oposição contra Vargas e o Estado Novo. Quando o Vargas começa articular o golpe com os militares, o candidato do AIB (apoiadores de Vargas e fascistas), Plínio Salgado, como uma forma de apoio, se afasta da candidatura. Getúlio não se mostra grato pelo ato, pois não menciona nenhuma gratidão no discurso e, junto de outros partidos, demanda o fechamento dos partidos. 
 Alguns líderes integralistas começaram a organizar um golpe contra Vargas com os militares da Marinha, pois se sentiam excluídos sem participação política. Em 11 de março, há algumas revoltas na Marinha e uma tentativa de invasão na Rádio Mayrink Veiga, mas falha. No mesmo ano, houve uma tentativa revoltosa de invadir o Palácio de Guanabara, moradia presidencial naquela época, mas foram barrados. Todos os participantes são reprimidos e presos em todo país.
 A consequência desse golpe foi o medo obsessivo de Vargas com a oposição, reprimindo qualquer tipo, até mesmo os que o apoiavam. Começa um período de perseguição e de censura.
Economia
 Eles queriam industrializar, realizando uma mudança econômica,