Tese de Mestrado
129 pág.

Tese de Mestrado

Disciplina:PSICOLOGIA E INSTITUIÇÕES16 materiais93 seguidores
Pré-visualização42 páginas
de entendimento e ação: são os chamados criminosos comuns.

 Entretanto, o termo periculosidade aparece à época e por consequência dos

crimes que mencionamos no início deste capítulo, remetidos a uma conotação

patológica, acrescentando-o um novo aspecto conceitual: a periculosidade passa, agora,

a ser entendida também como uma característica intrínseca ao indivíduo. Cria-se então a

figura do sujeito ‘intrinsecamente perigoso’, não mais aquele eventual ou

circunstancialmente perigoso - o criminoso comum -, mas o ‘inerentemente perigoso’. É

como se o louco já viesse, desde sempre, determinado por uma periculosidade; é como

se o louco fosse potencialmente capaz de cometer atos criminosos (Foucault, 1978 a).

 Surge, assim, uma preocupação em demonstrar a existência da loucura-homicida

e da importância em ter que controlá-la. Mas de que maneira isto deveria ser feito?

Inicialmente demonstrando que nos limites últimos da loucura, lá está presente o crime,

ou seja, por trás de um louco oculta-se sempre um criminoso. Ora, era preciso não

somente punir e transformar esse indivíduo, como também proteger a sociedade de seus

instintos obscuros e inexplicáveis. Assim, a este louco-criminoso, designado como

‘inimputável’, só resta a internação compulsiva em manicômio judiciário. Aquele que,

inscrito como sujeito perigoso, deverá ser afastado do convívio social como forma de se

defender a sociedade, e a quem deverá manter-se encarcerado com propósitos curativos

e como estratégia de transformação de sua essência mesma.

 Contudo, não estou interessada, no momento, em deter-me na construção

histórica do conceito de periculosidade, mas tão somente em tentar situá-la em nosso

panorama, a fim de entender seus efeitos sobre o paciente inimputável. O conceito de

perigo surge, segundo Heleno Fragoso, com o positivismo criminológico.

A periculosidade é um juízo de probabilidade que se formula diante de certos indícios.

Trata-se de juízo empiricamente formulado e, portanto, sujeito a erros graves. Pressupõe

sempre, como é óbvio, uma ordem social determinada a que o sujeito deve ajustar-se e

que não é questionada (FRAGOSO, 1984).

 A questão da periculosidade se apresenta muito bem colocada - apesar de sub-

repticiamente - nos laudos de Pierre Rivière
24

, onde os alienistas usam-na como

24

 Eu, Pierre Rivière, que degolei minha mãe, minha irmã e meu irmão (1977 b). Estamos nos referindo
ao caso - compilado por Michel Foucault - de Pierre Rivière, jovem de 20 anos que, em 1835, assassinou

32

argumento de justificação para a existência de instituições próprias ao tratamento e

reclusão dos doentes mentais no início do século XIX. Assim Castel se refere a ela: “um

certificado médico [...] controlado pela possibilidade de uma inspeção judiciária, vai

poder detectar estados potencialmente perigosos” (Castel, 1977, p. 275). Dito de outra

maneira, a periculosidade é definida como probabilidade de que novos crimes sejam

praticados; ela é uma categoria cuja função é a de demonstrar os níveis individuais de

propensão ao crime. Para alguns juristas, a periculosidade criminal traz consigo a idéia

de que o louco-infrator, motivado por apetites e impulsos que lhe são próprios,

certamente irá cometer novos ilícitos. Torna-se muito clara essa idéia, ao observarmos

as conclusões nos laudos de alguns profissionais do campo psicojurídico, quanto à

certeza de reincidência do estado de perigo por parte do paciente inimputável. É como

se, uma vez diagnosticado como perigoso, perigoso ele sempre seria.

 Não resta dúvida de que se trata de um juízo sobre o comportamento futuro do

indivíduo. Segundo Heleno Fragoso, está-se diante de uma ficção jurídica, pois não

existe justificação científica do conceito de periculosidade, mas sim, “um caráter

profético da noção de estado perigoso” (Fragoso, 1984). Portanto, ela se estabelece

probabilisticamente, sendo, por sua própria natureza, de caráter relativo. Concordamos

com a idéia de que “a noção de periculosidade está indissociavelmente ligada a um certo

exercício de futurologia pseudocientífica” (Rauter, 1997, p.73).

 O princípio da presunção de periculosidade penaliza, portanto, o louco-

criminoso pelo o que é, e não pelo crime que ele cometeu. A medida tem como seu

principal objetivo dominar o indivíduo, e não apenas o seu ato: é a loucura que é julgada

e condenada. No entorno da noção de periculosidade pode-se observar com clareza uma

rede de relações que envolvem saberes e práticas, que acabam por atuar no sentido da

formação de determinadas subjetividades: a saber, o sujeito perigoso, como já

mencionado no início desse capítulo.

 Ora, não pareceria absurdo constatar que - no consenso popular -, é exatamente

esse sujeito que se espera encontrar para além dos portões de ferro batido do MJ.

Falávamos, anteriormente, como a opinião pública considera estas pessoas

inerentemente perigosas. Da mesma forma, o sistema penal sempre partiu da presunção

de periculosidade desses pacientes, entendendo-os também como indivíduos perigosos

sua mãe, sua irmã e seu irmão, todos a golpes de foice. Neste livro, Foucault - segundo ele próprio diz -,

teve como objetivo essencial, fazer aparecer a engrenagem médica e jurídica que cercou a estória.

33

e, por este motivo, os mesmos deveriam ser alijados do processo social. O dispositivo

do internamento aparece, então, como a única saída possível.

 Como nos mostra Michel Foucault, a psiquiatria sempre funcionou, a partir do

século XIX, como mecanismo e instância de defesa social. Os questionamentos do

poder judiciário dirigidos a ela preocupavam-se em saber se tais indivíduos eram

perigosos e se seriam curáveis. Questionamentos, segundo o autor, isentos de

significação, mas “que têm um sentido muito preciso a partir do momento em que são

feitos a uma psiquiatria que funciona essencialmente como defesa social ou, para tomar

os termos do século XIX, que funciona como ‘caça aos degenerados’. E o degenerado é

aquele que é portador de perigo”. (Foucault, 2001, p. 404).

 Isto mostra como a psiquiatria, que deveria ater-se à doença, passa a funcionar

como um dispositivo de ‘caça ao perigoso’:

A psiquiatria não funciona – no inicio do século XIX e até tarde no século XIX, talvez
até meados do século XIX – como uma especialização do saber ou da teoria médica,
mas antes como um ramo especializado da higiene pública. Antes de ser uma

especialidade da medicina, a psiquiatria se institucionalizou como domínio particular da

proteção social, contra todos os perigos que o fato da doença, ou de tudo o que se possa

assimilar direta ou indiretamente à doença, pode acarretar à sociedade. Foi como

precaução social, foi como higiene do corpo social inteiro que a psiquiatria se

institucionalizou (FOUCAULT, 2001, p. 148. Grifo nosso).

 Nessa medida, o campo psiquiátrico se obstinou em reivindicar como loucos

aqueles que até então ele tinha considerado como simples criminosos, tão somente pela

ambição de conseguir a sua autonomia e a conquistar uma modalidade de poder que

viria a se expressar através dos dispositivos de controle. Dispositivos estes,

implementados sob as formas de higiene pública e de defesa da sociedade, como

também expressos pelo saber do médico, o único a poder avaliar não somente o motivo

do sujeito, mas associá-lo à sua ‘história de vida’, integrando o ato à conduta global do

sujeito.

 Neste sistema específico de encarceramento iremos, em capítulo posterior,

apresentar e discutir a utilização, tanto pela psicologia quanto pelo direito, dos

dispositivos travestidos de cientificidade, que pretendem aferir o normal e o patológico.

 Portanto, é claro o objetivo da intervenção