15 pág.

Aula 3 Organizacao das grandes corporacoes

Disciplina:Economia Industrial191 materiais1.268 seguidores
Pré-visualização1 página
Organização das Grandes Corporações
José Alcides Gobbo, Jr.
 gobbo@feb.unesp.br

Aula – Março de 2011

					
						

					
						

					
						
1.	Introdução

					
						

					
						

					
						
Introdução
Em suas tentativas de entender e desenvolver teoria do funcionamento do mercado, a empresa foi tomada como uma entidade individual e sua estrutura interna foi deixada de lado.

Apresenta-se portanto uma abordagem que enfatiza o papel da estrutura organizacional da empresa: 1) como uma rede de contratos; 2) teoria dos custos de transação; 3) em mobilizar os conhecimentos necessários ao aprendizado tecnológico.

					
						

					
						

					
						
A empresa como uma rede de contratos
O uso da teoria microeconômica para explicar propriedades e caracteristicas de uma ampla variedade de formas organizacionais e relações contratuais.
Isso foi possível pela aceitação de que a informação não é perfeita e pela admissão de que os agentes estão propensos a oportunismo pós-contratual.
A empresa é uma ficção legal que serve como uma ligação para um conjunto de relações contratuais entre os individuos.
A empres é uma rede de contratos entre os proprietários dos recursos produtivos, sendo que a entidade juridica é um artificio para centralizar as relaçoes contratuais em torno da parte contratante.

					
						

					
						

					
						
A empresa como uma rede de contratos
Esses contratos não poderão incluir termos para solucionar conflitos entre as partes e para empreender ajustes na distribuição dos custos e beneficios. Abre-se a oportunidade para comportamentos caracterizados como “risco moral”.
A empresa é caracterizada então, como um conjunto articulado de contratos, que especifica os direitos de propriedades vigentes para as condutas e interações dos agentes que desta participam.

					
						

					
						

					
						
Empresas
A definição da empresa como um nexo de contratos tem duas implicações importantes:
1) a distinção entre as interações que se processam entre os agentes dentro do mercado e aqueles que se processam dentro da empresa é diulida;
2) Na medida em que as relações entre os agentes no nexo de contrato que define a empresa são da mesma natureza que as verificadas no mercado, abre-se a possibilidade de modelar as relaçoes entre os agentes.

					
						

					
						

					
						
Custos de agência e as empresas de capital aberto
A eficiência dos contratos é analisada a partir dos conceitos de relação de agência e custo de agência.
A relação de agência sempre ocorre quando existe um contrato formal ou informal, pelo qual um individuo ou grupo (o principal) contrato um ou mais individuos (os agentes) para desempenhar alguma atividade.

					
						

					
						

					
						
Custos de agência e as empresas de capital aberto
O problema da relação de agência, é que, se o comportamento do indíviduo é pautado pela busca do interesse próprio, o principal poderá encontrar problemas em induzir o agente a se comportar de maneira a maximizar o ganho do principal.
Os custos de agência envolvem perdas sofridas pelo principal devido a uma conduta oportunista dos agentes e o dispêndio de recursos em evitar que isso ocorra (Ex. Enron).

					
						

					
						

					
						
Custos de agência e as empresas de capital aberto
Gera evidências de que os principios de micro não eram aplicáveis, gerando uma valiação de eficiência:
1) a hipotese de comportamento maximizador não deve ser aplicada a empresa enquanto organização, mas a cada um de seus membros;
2) a divergência entre os interesses dos acionistas e executivos resulta no fato destes últimos poderem auferir ganhos não pecuniários sem pagar por isso;
3) os custos de agência inerentes as empresas de capital aberto podem ser minimizados pela criação de uma aparato de monitoramento e controle de decisões: conselho de adm, SIE, etc.

					
						

					
						

					
						
Custos de Transação e mudança organizacional
Da mesma forma que a existência de custos de transação relativamente mais elevados em transações realizadas no mercado determina a substituição dessa estrutura de governança pela organização hierárquica da empresa, a possibilidade de reduzir os CTs pode levar a alterações nas características dessa organização.
A organização das transações dentro de uma empresa não elimina o oportunismo, mas procura controlá-la através da hierarquia.

					
						

					
						

					
						
Custos de Transação e mudança organizacional
Ao suprimir as relações mercantis e o processo competitivo associado a essas, as hierárquias geram uma série de distorções burocráticas dentre as quais:
1) A propensão de diferentes estratos gerenciais a utilizar os recursos das empresas para perseguir metas próprias;
2) A ocorrência de “comportamento persistente” que dificulta rápidas mudanças. Mudanças podem ameaçar a posição de grupos específicos o que resulta em processos de seleção mais complascentes do que os de mercado

					
						

					
						

					
						
Organização empresarial e processos de aprendizagem
A 3ª abordagem enfoca a empresa como uma acumulação de conhecimentos produtivos e, como uma entidade capaz de ampliar esses conhecimentos e produzir inovações.
A estrutura organizacional tem um importante papel na conservação desse conhecimento e na sua articulação e integração, proporcionando um contexto dentro do qual se processa o aprendizado tecnológico e organizacional

					
						

					
						

					
						
Organização empresarial e processos de aprendizagem
Para melhor compreender como a organização está relacionada a processos de aprendizado é necessário atentar para a diversidade de atividades envolvidas no processo de geração de inovações.
Estes processos de aprendizado se caracterizam por:
Incerteza quanto aos resultados dos esforços de aprendizado;
Presença de conhecimentos tácitos, cuja transmissão não se faz por linguagem formal;
Abrangência das capacitações necessárias para gerar novos produtos e processos.

					
						

					
						

					
						
Organização empresarial e processos de aprendizagem
Uma taxonomia dos processos identifica seis processos básicos de aprendizado:
Leaning by doing
Learning by using;
Learning by advances in science and technology;
Learning from inter-industry spill-overs;
Learning by interacting;
Learning by searching.

					
						

					
						

					
						
Organização empresarial e processos de aprendizagem
Essa variedade de processos de aprendizado torna patente o equivoco de relacionar as inovações somente as atividades de P&D. A inova’’cão não deve estar vinculada a conduta interativa de uma agente mas a conduta de vários atores.
Ao nível micro torna-se relevantes investigar as instituições que sustentam tais processos coletivos e sociais
Dependendo da base de conhecimentos que se opera em determinado setor determinadas estruturas organizacionais se mostram mais importantes para o aprendizado que outras.

					
						

*
*
*
*
*
*
*
*
*
*
*
*
*
*
*