299_METEOROLOGIA_E_CLIMATOLOGIA_VD2_Mar_2006
1 pág.

299_METEOROLOGIA_E_CLIMATOLOGIA_VD2_Mar_2006


DisciplinaClimatologia1.869 materiais33.167 seguidores
Pré-visualização1 página
METEOROLOGIA E CLIMATOLOGIA
Mário Adelmo Varejão-Silva
Versão digital 2 \u2013 Recife, 2006
285
Segundo termo (\u2013 (1/\u3c1) \u2207Z p ).
O gradiente horizontal de pressão (\u2207Z p ) terá claramente duas componentes, correspon-
dentes às direções de e T
r
 e N
r
, ou seja:
\u2013 1/\u3c1 \u2207Z p = \u2013 1/\u3c1 [ \u2202p/\u2202s T
r
+ \u2202p/\u2202n Nr ] (iii)
Terceiro termo (\u2013 
r
k ^ f V
r
Z).
Como a aceleração de Coriolis é sempre perpendicular ao vetor velocidade do vento ( V
r
Z)
não tem componente ao longo de T
r
 e, assim:
\u2013 
r
k ^ f V
r
Z = \u2013 f VZ N
r (iv)
Substituindo esse resultados (ii, iii e iv) na equação VII.7.7:
(dVZ /dt) T
r
 + (VZ2/R) N
r
= \u2013 1/\u3c1 [ \u2202p/\u2202s Tr + \u2202p/\u2202n Nr ] \u2013 f VZ Nr
Em coordenadas naturais, portanto, a equação do movimento (VII.7.7) pode ser expandida
em duas componentes: a normal e a paralela à direção do escoamento, respectivamente:
(VZ2/R) N
r
= \u2013 1/\u3c1 ( \u2202 p/\u2202 n ) Nr \u2013 f VZ Nr ; (VII.8.1)
(dVZ /dt) T
r
 = \u2013 1/\u3c1 ( \u2202 p/\u2202 s ) Tr . (VII.8.2)
9. Movimento horizontal: soluções de diagnóstico.
As expressões VII.7.7 e VII.8.1 traduzem o movimento horizontal (bidimensional) do ar na
atmosfera livre e são equações de prognóstico, isto é: teoricamente sua integração permite prever
a velocidade do vento em um determinado instante e ponto da atmosfera, conhecidas as condi-
ções iniciais e de contorno. Infelizmente, a integração analítica não é possível, por não se conhe-
cer a dependência das diversas variáveis em relação ao tempo. Em que pese essa impossibilida-
de, algumas importantes conclusões podem ser extraídas delas, quando se assume a hipótese do
escoamento do ar não ser acelerado (VZ não varia com o tempo) durante um certo intervalo de
tempo. Tais conclusões são de diagnóstico e significam tornar (dVZ /dt) T
r
 = 0 em VII.8.2. Nesse
caso particular o movimento do ar se dá ao longo das isóbaras e é descrito pela equação VII.8.1
que, em módulo:
VZ
2
/R = \u2013 1/\u3c1 ( \u2202 p/\u2202 n ) \u2013 f VZ (VII.9.1)
Não se pode esquecer, porém, que todos estes termos representam contribuições radiais.
As possíveis conclusões advindas da análise da última equação são aproximações da rea-
lidade, haja vista que a velocidade do vento (real) varia com o tempo (a aceleração não é nula). A
análise, conduzida a seguir, serve tão somente para ilustrar que é possível adquirir informações