A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
TECNOLOGIAS APLICADAS A SISTEMAS DE SEGURANÇA

Pré-visualização | Página 1 de 2

Prova Online
Disciplina: 101532 - TECNOLOGIAS APLICADAS A SISTEMAS DE SEGURANÇA
Abaixo estão as questões e as alternativas que você selecionou:
QUESTÃO 1
As Cidades Inteligentes (Smart Cities) são capazes de fornecer bem-estar e segurança aos seus cidadãos, diferentemente de outras cidades que não são
categorizadas dessa maneira. Considerando os elementos que permitem esse status às Smart Cities, marque V quando a assertiva for verdadeira e F quando for
falsa. Em seguida, assinale a alternativa que apresenta a sequência correta.
( ) As Cidades Inteligentes possuem três pilares que as diferem das outras: infraestrutura, planejamento e inteligência.
( ) Alguns pontos que diferem as Cidades Inteligentes de outras cidades simples são aqueles melhorados, como semáforos, tratamento de esgoto, iluminação
pública etc. 
( ) São três os pilares que diferem as Cidades Inteligentes das outas: tecnologia, inovação e segurança.
( ) As Cidades Inteligentes possuem três pontos diferentes das cidades que não são categorizadas assim, como o uso de computadores e celulares e a
implementação de Inteligência Artificial.
a )
F, V, F, F.
b )
F, V, F, V.
c )
F, F, V, F.
d )
V, V, F, F.
e )
V, F, V, F.
Ver justificativa da resposta
Justificativa
Os três pilares que são a base para a criação de uma Smart City são: infraestrutura, planejamento e inteligência. Além disso, há a melhoria de alguns pontos
simples de uma cidade, com a tecnologia dentro de uma Cidade Inteligente. A tecnologia, inovação e segurança não são os pilares dessas cidades, e sim seus
benefícios e resultados. Por fim, o uso de computadores e celulares não são caraterísticas apenas de cidades inteligentes, como também de cidades que estão fora
dessa classificação.
QUESTÃO 2
A estrutura da segurança pública possui significativas diferenças em relação ao da segurança privada. Entre elas:
a )
a segurança pública diz respeito apenas aquilo que ocorre em vias públicas, enquanto a segurança privada é uma questão de todo e qualquer incidente ou crime
que ocorre em propriedades privadas.
b )
a segurança privada é falha e não consegue abranger os principais problemas porque não se atualiza, enquanto a segurança pública é uma instituição que consegue
abranger os mais diferentes públicos.
c )
a segurança pública conta com normas e fiscalizações rígidas, enquanto a segurança privada está em constante mudança para atender a um mercado exigente e
competitivo.
d )
a segurança pública é naturalmente falha, com diversos erros táticos e processuais, enquanto a segurança privada responde a todos os anseios e exigências do
mercado.
e )
a segurança privada conta com normas e fiscalizações rígidas, enquanto a segurança pública está em constante mudança para atender a um mercado exigente e
competitivo.
Ver justificativa da resposta
Justificativa
A principal diferença entre a segurança pública e a privada é que a primeira conta com normas e fiscalizações rígidas, enquanto a outra se atualiza constantemente
para atender ao mercado. Por isso, alternativas que dizem o contrário ou colocam a segurança privada como desatualizada não são verdadeiras. Além disso, a
segurança pública abrange também acontecimentos em locais privados, já que sua abrangência é para toda a sociedade. 
QUESTÃO 3
A importância dos Key Performance Indicators (KPI) para os processos de segurança é grande. Pode ser definida como:
a )
o primeiro passo para uma resposta de segurança dentro de um sistema.
b )
a garantia de melhores condições e características para os processos de segurança.
c )
essencial para a resposta a possíveis ameaças de segurança.
d )
a implementação de um protocolo de respostas rápidas dentro de um sistema de segurança.
e )
as condições para uma vigilância eletrônica bem-sucedida dentro de um sistema.
Ver justificativa da resposta
Justificativa
É
javascript:;
javascript:;
javascript:;
Os KPI são essenciais para a definição de processos de segurança e para a definição de melhores condições e características desses processos. É por isso que é tão
importante medir esses indicativos na implementação de processos de segurança; pois é uma forma de conseguir realizar ajustes e garantir as melhores políticas
de proteção.
QUESTÃO 4
A relação entre as novas tecnologias de segurança e as estruturas presentes em cada instituição é muito importante para o sucesso de novos protocolos e das
organizações como um todo. Para isso, é necessário:
a )
investir em novas tecnologias e, também, na atualização das estruturas, com pessoas capacitadas para trabalhar com novos equipamentos e protocolos.
b )
fazer com que as novas tecnologias funcionem sem alterar as estruturas já existentes, afinal já há uma forma de fazer o trabalho.
c )
evitar novas tecnologias, se elas significarem grandes alterações estruturais, pois essas mudanças podem ser muito complexas.
d )
observar que a inserção de novas tecnologias não exige grandes alterações na estrutura, então não é necessário verificar essa compatibilidade.
e )
alterar toda a estrutura de uma organização periodicamente, de seis em seis meses, por exemplo.
Ver justificativa da resposta
Justificativa
A adequação de estruturas de trabalho é crucial para a efetividade das novas tecnologias. Sem que haja harmonia entre essas duas esferas, o investimento
tecnológico torna-se apenas um gasto e uma desvantagem que pode, ainda, desestruturar os membros das equipes de segurança. Essas adequações precisam ser
feitas conforme a necessidade, e não em um prazo determinado. Além disso, evitar a alteração de estruturas apenas para economizar financeiramente ou em horas
de trabalho não faz sentido, pois coloca todo o sistema em risco. 
QUESTÃO 5
É possível ter resultados de qualidade nas soluções em segurança, devidamente alinhados às comunidades, usando apenas os dados e informações?
a )
Não. A aplicação da antropologia, presente em métodos e abordagens científicas, é necessária ao alinhamento proposto ao viabilizar entregas customizadas aos
trabalhos a serem produzidos.
b )
Não. Estudos indicavam que isso era necessário, mas com o advento de tecnologias modernas e investimentos do governo, essa alternativa se tornou ultrapassada.
c )
Sim. Dados numéricos e estatísticas, presentes em métodos e abordagens científicas, são o suficiente para modelarmos estratégias de resultado junto às
comunidades.
d )
Não. Os dados precisam ser acompanhados de ações extensivas nas comunidades, que devem ser definidas anteriormente, sem a opinião ou a parcialidade de
membros do local.
e )
Sim. A aplicação de informações científicas se choca com a antropologia, não sendo obrigatório um alinhamento entre as duas, dada a velocidade com que
respostas precisam ser dadas à comunidade.
Ver justificativa da resposta
Justificativa
Sem uma abordagem antropológica e que tenha em seu bojo o estudo das relações entre os indivíduos, aumenta-se a possibilidade de erro nas decisões a serem
tomadas para definir qual seria a melhor aplicação das TIC (Tecnologias de Informação e Comunicação) e TDIC (Tecnologias Digitais da Informação e da
Comunicação), nos campos público e privado de segurança. Levando isso em conta, são incorretas as alternativas que indicam apenas a necessidade dos dados, as
ações que não levam em consideração as experiências de moradores locais ou que não contemplem a conexão entre essas duas estratégias. É preciso diálogo com
o público local, método científico e dados, em uma estratégia conjunta para ter resultados de qualidade nas soluções em segurança.
QUESTÃO 6
Para que os SiCMEs sejam confiáveis do ponto de vista do público, é preciso que eles consigam diferentes tipos de validação. 
Com base nisso, leia as opções a seguir e, depois, selecione a alternativa que contempla as validações que fazem os SiCME serem considerados confiáveis. 
1. Validação social (uso do marketing e da publicidade).
2. Validação econômica (referente aos roubos cibernéticos).
3. Validação psicossocial (uso de publicidade e marketing).
4. Validação legal e institucional (de acordo

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.