Aula_07

Disciplina:Fundamentos da Economia4.833 materiais53.770 seguidores
Pré-visualização2 páginas
*
AULA 7
*

Aula 7: Introdução à Macroeconomia
Princípios e Mensuração da Atividade Econômica

ECONOMIA
SETEMBRO/2011
AULA 7
*

Entender melhor os temas de que a Macroeconomia trata.

 Entender quem são e como são medidos alguns dos mais importantes agregados macroeconômicos, como:
Produto
Renda
Despesa
Valor Adicionado
Poupança

OBJETIVOS DA AULA 7

*
AULA 7
*

É uma das divisões do estudo da Economia. Analisa o funcionamento da Economia como um todo, a economia de um país; vê o conjunto.

Ou seja, a visão macro foca no conjunto de indivíduos, empresas, mercados e governo de um país.

AULA 7
O QUE É A MACROECONOMIA
*

PAÍS

*
AULA 7
*

Keynes,com a obra “Teoria Geral do Emprego do Juro e da Moeda” em 1936, desenvolveu o enfoque da Macroeconomia.
A macroeconomia estuda os chamados agregados econômicos, tais como o produto interno bruto, a renda nacional, inflação, nível de emprego no país e outros.
O estudo macro envolve também o acompanhamento das tendências nos seguintes mercados:
mercado de trabalho (nível salarial, que influencia o nível de emprego)
mercado financeiro (taxa de juros, estoque de moeda nacional e operações com títulos da dívida pública)
mercado cambial (taxa de câmbio, influencia o saldo comercial e a inflação no país)

AULA 7
O QUE É A MACROECONOMIA
*

*
AULA 7
*

AULA 7
A CONTABILIDADE SOCIAL
*
Para que seja possível monitorar os agregados econômicos e implementar as medidas macroeconômicas corretas, é preciso medir a atividade da economia, o que é feito pela Contabilidade Social.
	A Contabilidade Social é o registro do conjunto das transações entre empresas, famílias, governo e setor externo. Consiste na mensuração e registro contábil das variáveis agregadas, ou variáveis macro, que refletem a atividade produtiva do país ao longo de um período de tempo (trim./sem./ano).
No Brasil, a mensuração desses agregados econômicos é feita pelo IBGE (Inst. Brasileiro de Geografia e Estatística).

*
AULA 7
*

Na Contabilidade Social, considera-se que as famílias são as proprietárias dos recursos de produção; as empresas pagam remunerações pelo uso dos recursos. Para medir os resultados do processo produtivo, temos 3 importantes variáveis agregadas:

AULA 7
PROCESSO PRODUTIVO AO LONGO DE 1 ANO
Despesa do País soma dos gastos dos agentes com os bens e serviços produzidos aqui
Produto do País soma dos valores dos bens e serviços gerados aqui
Renda do País
soma dos pagamentos aos recursos de produção
*
A CONTABILIDADE SOCIAL

*
AULA 7
*

Em Cont.Social: Produto = Renda = Despesa do País
São formas diferentes de medir o mesmo processo produtivo:
Produto e Despesa: calculados com base nos valores dos bens e serviços.
Renda: calculada com base na remuneração dos fatores de produção

AULA 7
A CONTABILIDADE SOCIAL
*
Em 2010, o Brasil gerou um PIB de R$ 3,675 trilhões (Fonte:IBGE). Logo, a Renda do País foi de R$ 3,675, tri. Esse valor nos colocou em 7º. lugar no ranking mundial do PIB 2010 (Fonte:FMI). Comparado ao ano de 2009, o Brasil cresceu 7,5% (ou seja, o PIB 2010 foi maior que o PIB 2009, em 7,5%).

*
AULA 7
*

De uma forma simples, como seria o cálculo do valor da produção de um país que só produzisse, p.ex., bananas?

Na realidade, o IBGE faz esse cálculo para vários setores, de todas as regiões do país, e agrega. Há várias formas de se fazer esse cálculo, o que origina vários conceitos de Produto:

* Leia sobre esses conceitos no pdf da tela 4 da Aula 7.
.

AULA 7
CÁLCULO DO PRODUTO DO PAÍS
*
Preço (médio) bananas x Q produzida de bananas
Produto Interno X Produto Nacional
Produto Real X Produto Nominal
Produto Bruto X Produto Líquido *
Produto a preços de mercado X Produto a custo de fatores *

*
AULA 7
*

A diferença entre esses conceitos está em se considerar (ou não) a origem dos fatores de produção usados para gerar o Produto.
O Produto feito dentro do país usa fatores (mão de obra, capital, tecnologia…) de residentes, e também de não-residentes. Quais são as remunerações/rendas desses fatores?
	→ lucros e dividendos de empresas, juros, royalties, rendas provenientes de salários...
Quando usamos fatores do exterior, enviamos sua remuneração ao exterior. Por outro lado, outros países usam fatores brasileiros; por isso nos enviam o pagamento. Assim, pode-se calcular um saldo entre pagamentos (rendas) recebidos do exterior e enviados, que se chama Renda Líquida de Fatores Externos (RLFE).

AULA 7
Produto Interno X Produto Nacional
*

*
AULA 7
*

O país que tem o saldo da Renda Líquida do Exterior positivo é geralmente desenvolvido, pois “ cede” mais fatores aos demais do que utiliza. Já o país com RLdE negativa (como ainda é o caso do Brasil), usa mais fatores externos, logo envia mais pagamentos ao exterior do que recebe (ainda está em desenvolvimento).
AULA 7
SOBRE A RENDA LÍQUIDA
DE FATORES EXTERNOS
*
Saiba diferenciar a Renda Líquida do Exterior (RLdE) do Saldo Comercial do país! A Renda Líquida do Exterior é um saldo sobre as transações com fatores de produção. Já o saldo comercial (Exportações menos Importações), é um cálculo sobre as mercadorias que o país vende.

*
AULA 7
*

			
				O que diferencia o Produto Nacional do 				Produto Interno, é a RLdE:
PNB = PIB + RLdE

O conceito NACIONAL soma ao PIB o saldo RLdE (que pode ser positivo ou negativo).

Como passar de Produto Nacional, para o Produto Interno?
PIB = PBN – RLdE
O conceito INTERNO não considera se produzimos com fatores nossos ou de estrangeiros; “não considerar”, significa subtrair a RLdE.

AULA 7
PRODUTO INTERNO X NACIONAL
*

*
AULA 7
*

 O Produto do país é mensurado com base nas transações em um certo período, p. ex., 1 ano. É comum que durante 1 ano, mesmo em países desenvolvidos, haja algum aumento de preços (inflação). O cálculo do Produto que NÃO DESCONTA a inflação ocorrida no ano é o Produto Nominal.

.

AULA 7
PRODUTO NOMINAL X REAL
*
 Produto Nominal = Produto Real + Inflação

 Produto Real = Produto Nominal - Inflação

*
AULA 7
*

Para uma medida mais correta do Produto, o ideal é poder “retirar” o efeito de alta dos preços, para refletir o aumento da produção em termos físicos. Isso pode ser feito, quando dividimos o PIB Nominal por um Índice de Preços:

A divisão pelo Índice de Preços para “retirar a inflação” é chamada “deflacionar”.
Uma variável da qual não tiramos o efeito da inflação é chamada NOMINAL (ou, medida a preços correntes). Após deflacionarmos, a variável é chamada de REAL (medida a preços constantes).

AULA 7
PRODUTO NOMINAL X REAL
*

*
AULA 7
*

Já vimos diferentes formas de calcular o Produto, através dos valores de bens e serviços. Passemos ao cálculo da Renda do País, cujo valor é igual ao do Produto, mas medido de outra maneira:

Notemos que a presença do governo na economia não aparece explicitamente nessa equação; afinal, o governo não é um fator de produção, para ser remunerado.
Mas o governo cobra tributos, faz transferências à sociedade (como pensões e Bolsa Família) e eventualmente concede subsídios às empresas.

AULA 7
A RENDA DO PAÍS
*

*
AULA 7
*

Os tributos têm o efeito de reduzir a renda em mãos da sociedade, enquanto que as transferências e subsídios elevam essa renda. Se fizermos o cálculo:

teremos o conceito de Renda Disponível, que é a Renda que efetivamente fica em mãos da sociedade.

Por exemplo: a Renda Disponível que fica com as famílias é alocada entre Consumo e Poupança.

AULA 7
A RENDA DO PAÍS
*
Nem sempre os agentes econômicos gastam
de imediato toda a Renda Disponível!

*
AULA 7
*

Já a Renda Disponível do Governo é alocada em “consumo do governo” (que corresponde aos seus gastos), ou na Poupança do Governo.
Então, o que é Poupança em Contabilidade Social?
É a parte da Renda do País que não foi consumida.

		Não vamos confundir a Poupança do país com a “caderneta de poupança”!! Poupança aqui é tudo que não foi consumido, englobando, p. ex., os estoques de mercadorias que as empresas não venderam.