Pré-visualização1 página
*
*

EAE 0305 – Contabilidade Social
Aula 4 – Princípios e estrutura básica do SCN e identidades contábeis (itens 2.4 e 2.5 do programa)

Profª. Leda Paulani

*
*

2.4 - Economia aberta e com governo
O governo arrecada impostos e consome bens e serviços para poder fornecer à população outros bens e serviços, como segurança e educação.
Além disso, o governo realiza transferências e fornece subsídios a determinados setores.
A conta do governo (no sistema atual uma conta complementar) apresenta todas essas operações.
Essa conta é semelhante à conta de apropriação, pois busca mostrar qual é o destino que o governo dá à receita total que arrecada.
Ela mostra apenas as receitas e gastos correntes do governo. Não aparecem aí as operações que mexem com os estoques do setor público (empréstimos, vendas de estatais etc.)

*
*

2.4 - Economia aberta e com governo

*
*

2.4 - Economia aberta e com governo
Dependendo do tipo de imposto que arrecada e do tipo de subsídio que fornece, o governo pode também interferir nos preços das mercadorias.
Os impostos podem ser classificados em impostos diretos e indiretos.
Os diretos incidem sobre a renda e a propriedade e são recolhidos e pagos como impostos (exemplos: IR, IPTU, IPVA).
Os indiretos são pagos como parte dos preços das mercadorias (exemplos: IPI, imposto de Importação, ICMS).
Transferências podem ser entendidas como impostos diretos com sinal negativo (exemplos: pensões, benefícios previdenciários, juros da dívida interna).
Os subsídios podem ser entendidos como impostos indiretos com sinal negativo.

*
*

2.4 - Economia aberta e com governo
A existência de impostos indiretos obriga a criação de dois conceitos para o produto: o produto a preços de mercado, que inclui o valor dos impostos indiretos compensados dos subsídios, e o produto a custo de fatores, que não considera esse valor.
PIBpm = PIBcf + (Impostos indiretos – subsídios)
Em geral, quando se fala, como se fala sempre na mídia, em PIB, de fato está se falando em PIBpm.
Dada a identidade Produto, Dispêndio, Renda, qualquer um desses agregados pode ser apresentado em qualquer uma das três clivagens existentes, ou seja, bruto ou líquido, interno ou nacional e a preços de mercado ou a custo de fator.
Contudo, por vários motivos, algumas dessas clivagens são mais adequadas a um agregado do que a outros. Veremos isso mais à frente.
A existência e atuação do governo provoca alterações nas demais contas, necessárias para acomodar os lançamentos inversos àqueles que aparecem na conta do governo.
Para melhor compreender essas alterações, é preciso detalhar um pouco mais a conta do governo.

*
*

2.4 - Economia aberta e com governo

*
*

2.4 - Economia aberta e com governo
a1 + a2 + a3 + a4 = A
A + (p1-m1) + R = RNLcf
A + (p1-m1) + R + B = RNBcf

A + (p1-m1) + R + B + (Q-N) =
RNBpm

A + (p1-m1) + R + B + (Q-N)
+ J = PIBpm

A + (p1-m1) + R + B + (Q-N)
 + J + I = Oferta Total de Bens
 e Serviços

*
*

2.4 - Economia aberta e com governo

*
*

2.4 - Economia aberta e com governo

*
*

2.4 - Economia aberta e com governo

*
*

2.5 – Identidades contábeis
O PIB mede o total produzido no território do país, independentemente da origem do capital responsável por essa produção.
A RNB considera o valor adicionado gerado por fatores de produção de propriedade de residentes, independentemente do território onde esse valor é gerado.
O novo SCN, que segue as orientações do SNA 1993, não utiliza mais a terminologia PNB ou PNL, pois parte do princípio de que “nacional” é uma qualificação que aplica-se apenas à renda gerada, já que tem que ver com a nacionalidade dos proprietários de fatores de produção.

*
*

2.5 – Identidades contábeis
Temos então as seguintes expressões contábeis que derivam da identidade teórica inicial Produto  Dispêndio  Renda:

1) RNB = PIB - RLEE (RNB<PIB) ou RNB = PIB + RLRE (RNB>PIB), onde
RLEE = renda líquida enviada ao exterior
RLRE = renda líquida recebida do exterior
2) RDB = RNB + TUR e
3) RDB = C + SD, onde
RDB = Renda Nacional Disponível Bruta
TUR = Transferências Unilateriais correntes líquidas Recebidas
C = Total das despesas com consumo (inclui governo)
SD = Total da poupança doméstica ou poupança bruta
A RDB corresponde aos recursos que a totalidade dos agentes (incluindo governo) tem para consumir ou investir (poupar).

*
*

2.5 – Identidades contábeis
A partir das expressões anteriores podemos escrever:
PIB = RNB + RLEE
RNB = RDB – TUR, então
4) PIB = RDB + RLEE – TUR
A RDB pode ser dividida em renda do governo, renda das empresas privadas e renda das famílias.
Como vimos, a renda do governo ou renda líquida do governo (RLG) é composta pela soma dos impostos diretos e indiretos e das outras receitas correntes do governo, menos as transferências e subsídios pagos. Então
5) RDB – RLG = RPD ou RDB = RLG + RPD, onde
RPD = renda privada disponível

*
*

2.5 – Identidades contábeis
Retomemos a idéia de uma economia fechada e sem governo e pensemos em identidades capazes de expressar a demanda pelo produto e a alocação da renda. Teríamos então:
Y = C + I e também Y = C + S, onde
Y = produto ou renda
C = consumo
I = investimento
S = poupança
Derivamos daí que
6) I = S (ou I  S)
Se introduzirmos o governo, as duas identidades que geraram a identidade I  S ficariam da seguinte forma:
 Y = C + I + G e Y = C + S + RLG, onde
Y = renda nacional disponível bruta (RDB)
G = gastos correntes do governo
I = gastos em investimento privado e público
Derivamos daí que
7) I + G = S + RLG (ou I + G  S + RLG)

*
*

2.5 – Identidades contábeis
Se expressarmos a poupança do governo como:
 Sg = RLG – G, teremos
 I = S + Sg
Abrindo agora essa economia, como ficariam as identidades que geraram a expressão S + RLG = I + G ?
Lembremos a identidade 4, anteriormente definida:
 PIB = RDB + RLEE – TUR
Lembremos também que:
 RDB = C + S + RLG
Daí derivamos:
Y = C + I + G + (X-M) e Y = C + S + RLG + RLEE – TUR, e portanto
 8) I + G + (X-M) = S + RLG + RLEE – TUR

*
*

2.5 – Identidades contábeis
Rearranjando os termos de 8, temos:
 9) (I-S) + (G-RLG) = (M-X) + RLEE – TUR
O lado esquerdo da identidade 9 significa a poupança externa (SE), ou, o que é a mesma coisa, o saldo do BP em transações correntes com sinal trocado. Então:
 10) SE = (M-X) + RLEE – TUR
De 10, podemos escrever:
 (I-S) + (G-RLG) = SE
E, portanto,
 11) I = S + Sg + SE
A identidade 11 significa que, numa economia aberta, o investimento total da economia (investimento doméstico, que inclui investimento privado e investimento público) é financiado pela soma da poupança privada (S) com a poupança pública (RLG-G) e com a poupança externa (SE).

*
*

2.5 – Identidades contábeis

*
*

2.5 – Identidades contábeis