Neoclassicismo (1740 – 1820) - Pintura
54 pág.

Neoclassicismo (1740 – 1820) - Pintura


DisciplinaHistória da Arte: do Barroco ao Impressionismo1.135 materiais3.573 seguidores
Pré-visualização1 página
Neoclassicismo 
(1740 \u2013 1820)
Pintura
\u2022 Na Itália do século XVIII, Tiepolo dá continuidade a 
pintura barroca, o chamado \u201cbarroco tardio\u201d, e deixa 
de inovar na arte, como foi característica deste país 
do século XV ao XVII. 
\u2022 Prossegue com o trabalho de seu pai, também 
chamado Tiepolo, e com a pintura re Rubens e 
Carraci. 
Tiepolo \u2013 O martírio de Santa Agatha (1755)
Tiepolo \u2013 Tarquim e Lucrecia (1750)
\u2022 Na Alemanha, Anton Raphael 
Menghs foi considerado pelo 
historiador da arte iluminista 
Winckelmann como o primeiro 
neoclássico. 
\u2022 Menghs alcançou amplo 
renome na Europa devido ao 
fato re ter estudado em Roma e 
desenvolvido, além de uma 
excelente técnica, um estilo 
monumental como 
caracterizando o 
neoclassicismo. 
MENGS_ retrato de Winckelman
MENGS_Ferdinand IV King Of Naples (1760)
MENGS_The Holy Family (1769)
\u2022 A pintura neoclássica teve o seu ápice na França, que 
por usa vez já via se desenvolver um estilo clássico 
desde o século XVII com Nicolas Poussin. 
\u2022 Este artista funda o classicismo na França ao estudar 
em Roma e desenvolver os temas clássicos com tanta 
maestria que chamou a atenção dos italianos para a 
França, que até então não figurava como um centro 
da arte européia, apesar do desenvolvimento da 
arquitetura gótica e de Jean Fouquet, o melhor artista 
francês do século XV. 
Poussin \u2013 A sagrada família (1649)
Poussin \u2013 A sagrada família nas escadas (1648)
Poussin \u2013 dança: música do tempo (
Poussin \u2013 Ordenação (1647)
Poussin \u2013 paisagem com Orfeu e Eurídice (1650) 
Poussin \u2013 Rinaldo e Armida (1629)
Poussin \u2013 Pastores na Arcádia (1638)
Poussin \u2013 O extase de S Paulo (1649)
Poussin \u2013 A ascenção da Virgem (1650)
Poussin - O julgamento de Salomão (1649)
Poussin \u2013 O rapto das Sabinas (1633)
Poussin \u2013 O rapto das Sabinas (1640)
Giambologna \u2013 O rapto das Sabinas (1582)
Poussin \u2013 A ascensão da Virgem (1650)
\u2022 Porém, no meio do século XVIII, as idéias iluministas 
atingem a arte (liberdade, igualdade e fraternidade). 
\u2022 A arte neste momento deveria pregar a virtude cívica 
e exaltar o caráter heróico da Revolução de 1789. 
Esta foi a forma mais bem definida do 
neoclassicismo: uma arte a serviço da educação moral 
do público. 
\u2022 Podemos destacar dois grandes artistas no período na 
França: David e Ingres 
1) Primeiro momento (1740 \u2013 1814): Jacques Louis 
David foi o pintor que ajudou a fazer a revolução 
francesa, além de ser o seu porta-voz e o pintor 
oficial de Napoleão. David foi aluno de Boucher. 
Jacques Louis David \u2013 Auto-retrato (1794)
Jacques Louis David \u2013 O juramento dos horácios (1744)
Jacques Louis David \u2013 O juramento do Jeu de Pomme (1791)
Jacques Louis David \u2013 Marat assassinado(1793)
Jacques Louis David \u2013 A morte de Joseph Bara (1793)
Jacques Louis David \u2013 O rapto das sabinas(1796-99)
Jacques Louis David \u2013 A morte de sócrates (1787)
David \u2013 Estudo (hector) - 1778
David \u2013 Parodus ( estudo) (1778)
David \u2013 retrato de helena Vernac (1799)
Jacques Louis David \u2013 Mme Récamier (1800)
Jacques Louis David - A consagração do Imperador Napoleão I em Notre Dame (1808)
2) Segundo momento (1806-1840): Dominique Ingres
foi o grande nome do período pós-revolucionário, 
ou seja, quando a revolução já tinhas se assentado e 
os ideais se convertido em ditadura. É um pintor 
sem ideal, sem alegoria, mas de excelente técnica. 
Ingres foi aluno de David.
Ingres \u2013 Napoleão Primeiro no seu trono Imperial (1806)
Dominique Ingres \u2013Madmoseille Caroline Riviére(1806)
Dominique Ingres \u2013 A banhista de Valpinçon(1808)
Dominique Ingres \u2013 A grande Odalisca (1814)
Ingres \u2013 Rainha Carolina Murat (1814)
Ingres \u2013 Conde de Pastoret (1826)
Dominique Ingres - Louise de Broglie, Countesse D´Haubronville (1845)
\u2022 Além desses dois artistas podemos destacar a 
presença de Jean Antoine Gros, que também foi aluno 
de David, e dedicou parte de sua obra à exaltação das 
conquistas de Napoleão Bonaparte, além de executar 
tão bem os retratos que aprendera com seu professor. 
Gros \u2013 Bonaparte na ponte de Arcole 
Gros \u2013 Napoleão no campo de batalhas de Eylau 
Gros \u2013 Madame Pasteur (1795)
Gros \u2013Madame Bruyer