Mês da Consciência Negra: como anda a sua?

Muito se falou, principalmente esse ano, como ser antirracista. Mas o que queremos saber é: você sabe porque novembro é o mês da consciência negra? 

Uma breve retrospectiva

Existe a ideia de que Zumbi foi o termo designado a pessoa que exercia a liderança política do quilombo – local onde os escravos se refugiavam na época do Brasil Colônia. 

No século 17, o quilombo dos Palmares abriu refugiados das capitanias de Pernambuco e Bahia. E seu último líder, Zumbi dos Palmares, foi um personagem importante no movimento contra a escravidão e uma figura que marcou a história do país. 

Em 20 de novembro de 1695, muitos quilombolas pertencentes à Palmares foram mortos nas batalhas contra as forças Luso-Brasileiras. Dentre eles, seu líder, Zumbi. 

Foram mais de 90 anos de resistência

Essa foi a experiência mais duradoura e mais eficiente contra o sistema escravista e contra o domínio colonial na América.

Nos anos 1970, em meio à ditadura Civil Militar, o Movimento Negro Unificado reorganizou a Militância Negra no país e lutou pelo reconhecimento de Zumbi como herói da resistência. E ainda, do Quilombo dos Palmares como emblema da liberdade dos Afro-Brasileiros. 

Mas, o reconhecimento oficial do Zumbi veio apenas em 1997. Desde então, o dia 20 de novembro representa a Luta contra a escravidão, a opressão e o racismo. Já no ano de 2011, a data passa a ser considerada oficialmente como “Dia Nacional de Zumbi” e o “Dia da Consciência Negra”. 

O que Significa Consciência Negra? 

O termo “Consciência Negra” começou com um pensador chamado “Steve Biko”, ativista negro sul-africano antiapartheid. E ele propunha a Consciência negra como uma proposta política de transformação das classes e do mundo.  Ele propagou pelo mundo o Slogan “Black is Beautiful” (o negro é lindo). Biko forjou o conceito de Consciência Negra a partir da ideia de que era preciso que a população negra libertasse sua consciência e encontrasse sua própria identidade.

Consciência Negra seria, em essência, a percepção por parte da pessoa negra, de sua necessidade em reunir forças junto aos seus irmãos em torno da causa de sua atuação – a negritude de sua pele – e de agir como um grupo, a fim de se libertarem das correntes da servidão. 

Hoje, o dia da Consciência Negra é um dia para questionar, propor mudanças nesse padrão histórico de sociedade racialmente desigual. É um momento para valorização da cultura negra, da identidade, da estética e nas coisas que unem os negros positivamente. 

Qual a importância da data?

Essa uma data que vai muito além de uma celebração. Ela representa um momento de questionamento sobre a realidade do negro brasileiro. Para isso, não se pauta apenas no passado, mas também no presente e no futuro da população negra. Inclusive uma das demandas do movimento negro nacional é de que as discussões sobre negritude não se concentrem apenas nas 24 horas do 20 de novembro; tampouco na “Semana da Consciência Negra”.

Discutir negritude é tentar compreender que país é esse que, reforçando estereótipos, não remedia causas e pré-determina os espaços que a população negra supostamente deve ocupar. Debater sobre a negritude é curar as dores do passado, lembrar que o Brasil é um país multicultural e que nenhuma nação deve tomar estereótipos como regra. O povo negro é tão complexo quanto qualquer outro e o seu destino nunca esteve predeterminado. 

“Ao invés de dizer que não são racistas, é preciso se afirmar antirracistas. Mantenham esse compromisso de 365 dias de Consciência”


Para saber mais: 

Dandara dos Palmares foi muito mais do que só esposa de Zumbi. Ela foi uma mulher que guerreou e elaborou estratégias essenciais para a trajetória de todo o povo preto. 

Para estudar no Passei Direto:

Resistência Negra no Brasil

Dia da Consciência Negra

Quilombo dos Palmares