A maior rede de estudos do Brasil

QUAL O SIGNIFICADO DE PROCESSO DE SIMETRIZAÇÃO?

QUAL O SIGNIFICADO DE PROCESSO DE SIMETRIZAÇÃO?

Física IIIESTÁCIO EAD

9 resposta(s) - Contém resposta de Especialista

User badge image

RD Resoluções Verified user icon

Há mais de um mês

A simetrização é um processo aplicado a conjuntos fechados em um espaço euclidiano (ou em um espaço de curvatura constante) e também a mapeamentos. Além disso, a simetrização é construída de forma que F* depende continuamente de F . A simetrização preserva algumas e monotonamente altera outras características de um objeto. A simetrização é usada em geometria, física matemática e teoria de funções para a solução de problemas extremos.

A simetrização preserva o volume e não aumenta a área de superfície, diâmetro e capacidade; A simetrização de Schwarz preserva a continuidade da curvatura gaussiana do limite e não reduz seu mínimo; a simetrização relativa a um meio espaço não aumenta a frequência fundamental do domínio ou a área do limite; simetrização esférica não aumenta a capacidade; a simetrização por deslocamento preserva a integral da curvatura média do limite e não reduz a área deste último; simetrização rolando preserva a largura .

Em conexão com as múltiplas aplicações da simetrização, a questão da convergência das simetrizações tem sido considerada. A definição dos análogos de simetrização para conjuntos não-fechados permite ramificação.

A simetrização é um processo aplicado a conjuntos fechados em um espaço euclidiano (ou em um espaço de curvatura constante) e também a mapeamentos. Além disso, a simetrização é construída de forma que F* depende continuamente de F . A simetrização preserva algumas e monotonamente altera outras características de um objeto. A simetrização é usada em geometria, física matemática e teoria de funções para a solução de problemas extremos.

A simetrização preserva o volume e não aumenta a área de superfície, diâmetro e capacidade; A simetrização de Schwarz preserva a continuidade da curvatura gaussiana do limite e não reduz seu mínimo; a simetrização relativa a um meio espaço não aumenta a frequência fundamental do domínio ou a área do limite; simetrização esférica não aumenta a capacidade; a simetrização por deslocamento preserva a integral da curvatura média do limite e não reduz a área deste último; simetrização rolando preserva a largura .

Em conexão com as múltiplas aplicações da simetrização, a questão da convergência das simetrizações tem sido considerada. A definição dos análogos de simetrização para conjuntos não-fechados permite ramificação.

User badge image

Estudante

Há mais de um mês

Simetria, Reversibilidade e Reflexividade

A antropologia tal como a conhecemos assenta sobre três polaridades conceituais que poderíamos chamar condicionantes ou congênitas: as oposições entre Primitivo e Civilizado, Indivíduo e Sociedade, e Natureza e Cultura. Virtualmente todos os debates teóricos e distinções escolásticas importantes do século passado giraram em torno do peso relativo de cada um dos pólos dessas três dualidades na definição do objeto próprio da disciplina. Nos últimos anos do século, entretanto, tais polaridades foram o alvo de uma crítica cerrada e entraram em crise terminal. Hoje, elas não mais definem o horizonte da disciplina. Com isso, finda uma fase histórica das ciências humanas.


Além dessas dicotomias, a antropologia freqüentemente se assentou também sobre uma forte e obsessiva procura da ordem. A análise social era uma tentativa de enquadrar pessoalidades em pessoas, socialidades em sociedades, era integrado. A lei, a estrutura, o fucionamento e a moralidade permitiram à antropologia moderna entender alguns aspectos da vida social, mas agora o resultado analítico vinculado a olhares ancorados de modo rígido em conceitos totalizadores e sistematizadores aparece como deficitário. Essa rigidez aparece - cada vez mais - como mero reflexo da moralidade, lei e sistema político do Ocidente, ou melhor, como reflexo de um Ocidente baseado mais no contrato, no pai, e na regra, do que na imanência das variações e na multiplicidade da experiência. Esse novo olhar, assim, não é uma proposta para a antropologia de tentar entender agora os povos, ou diversas situações, como um pastiche desconexo (não seria isso o correlato pós-modernista ocidental do reflexo feito pela antropologia moderna sobre seu objeto?). Um novo olhar, talvez, é a proposta de uma análise que não tenha apoio único e definitivo no momento da lei, da ordem e do controle estatal, social ou cultural.

User badge image

Estudante

Há mais de um mês

"Processo de simetrização de um defeito assimétrico", que pode surgir no meio de uma cadeia de tracção que compreende um motor síncrono ou assíncrono controlado por um inversor de tensão de dois níveis ou multi-níveis formado por interruptores estáticos que utilizam semicondutores tais como igbt ou transístores bipolares. O invento caracteriza-se por se detectar se o defeito liga ou se arrisca a ligar uma fase do motor ao ponto alto ou ao ponto baixo da alimentação do inversor e por se provocar o curto-circuito apenas da metade do inversor que apresenta o defeito em função do resultado da detecção.

User badge image

Estudante

Há mais de um mês

Simetria, Reversibilidade e Reflexividade

A antropologia tal como a conhecemos assenta sobre três polaridades conceituais que poderíamos chamar condicionantes ou congênitas: as oposições entre Primitivo e Civilizado, Indivíduo e Sociedade, e Natureza e Cultura. Virtualmente todos os debates teóricos e distinções escolásticas importantes do século passado giraram em torno do peso relativo de cada um dos pólos dessas três dualidades na definição do objeto próprio da disciplina. Nos últimos anos do século, entretanto, tais polaridades foram o alvo de uma crítica cerrada e entraram em crise terminal. Hoje, elas não mais definem o horizonte da disciplina. Com isso, finda uma fase histórica das ciências humanas.

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos especialistas