A maior rede de estudos do Brasil

Qual o sentido da codificação das leis?


2 resposta(s) - Contém resposta de Especialista

User badge image

DLRV Advogados Verified user icon

Há mais de um mês

A codificação jurídica consiste em reunir todas as leis que regem determinado assunto em um só código. O código, por sua vez, traz a disciplina fundamental e completa do ramo do direito de que trata.

Segundo Adriane Stoll, "codificar signfica enfeixar em lei toda a matéria jurídica, em regra, uma parte do direito, de modo a dar, nessa parte, unidade de tratamento jurídico às relações jurídicas que dela brotam. Tal lei se denomina Código. 

[...]

A codificação não só unifica o direito, dando em lei toda matéria jurídica, como, também, a apresenta de forma orgânica, sistemática, em virtude de suas regras observarem princípios gerais informativos do todo.

[...]

Acaba a codificação com a legislação dispersa. Apresentando, quase sempre, tratamento jurídico novo."

A vantagem é que um código reúne em um só texto disposições relativas a uma ordem de interesse, podendo abranger a quase totalidade de um ramo, ou alcançar apenas uma parcela menor da ordem jurídica. Com isso, há a possibilidade de interpretar o ramo do ordenamento jurídico de uma maneira mais clara e uniforme, sem precisar recorrer a leis esparsas. Ademais, os códigos costumam trazer princípios mais claros ao ramo do direito.

Ainda segundo Adriane Stoll, não podemos concluir que o código seja uma obra perfeita. "Os códigos ficam velhos, começando a ser emendados por leis dispersas, chegando a um ponto em que deve ser substituído por outro, por não mais a tender às suas finalidades e por ter se transformado em colcha de retalhos, em virtude das novas leis que lentamente o reformaram. Velho, sem dar solução aos problemas jurídicos de acordo com a consciência jurídica dominante, o código se torna uma caricatura do direito.

Por tal motivo, pensando que os códigos fossilizam o direito, Savigni se opôs à codificação, e se opondo, em sua discussão teórica com Thibaut, lançou as bases da Escola Histórica do Direito. Em 1813, antes dele, Rehberg se insurgiu na Alemanha contra a codificação, mas desde 1814 Thibaut defendeu-a mostrando que a unidade jurídica proporcionada pelos códigos é indispensável à unidade política, tão necessária à Alemanha depois da queda de Napoleão."

A codificação jurídica consiste em reunir todas as leis que regem determinado assunto em um só código. O código, por sua vez, traz a disciplina fundamental e completa do ramo do direito de que trata.

Segundo Adriane Stoll, "codificar signfica enfeixar em lei toda a matéria jurídica, em regra, uma parte do direito, de modo a dar, nessa parte, unidade de tratamento jurídico às relações jurídicas que dela brotam. Tal lei se denomina Código. 

[...]

A codificação não só unifica o direito, dando em lei toda matéria jurídica, como, também, a apresenta de forma orgânica, sistemática, em virtude de suas regras observarem princípios gerais informativos do todo.

[...]

Acaba a codificação com a legislação dispersa. Apresentando, quase sempre, tratamento jurídico novo."

A vantagem é que um código reúne em um só texto disposições relativas a uma ordem de interesse, podendo abranger a quase totalidade de um ramo, ou alcançar apenas uma parcela menor da ordem jurídica. Com isso, há a possibilidade de interpretar o ramo do ordenamento jurídico de uma maneira mais clara e uniforme, sem precisar recorrer a leis esparsas. Ademais, os códigos costumam trazer princípios mais claros ao ramo do direito.

Ainda segundo Adriane Stoll, não podemos concluir que o código seja uma obra perfeita. "Os códigos ficam velhos, começando a ser emendados por leis dispersas, chegando a um ponto em que deve ser substituído por outro, por não mais a tender às suas finalidades e por ter se transformado em colcha de retalhos, em virtude das novas leis que lentamente o reformaram. Velho, sem dar solução aos problemas jurídicos de acordo com a consciência jurídica dominante, o código se torna uma caricatura do direito.

Por tal motivo, pensando que os códigos fossilizam o direito, Savigni se opôs à codificação, e se opondo, em sua discussão teórica com Thibaut, lançou as bases da Escola Histórica do Direito. Em 1813, antes dele, Rehberg se insurgiu na Alemanha contra a codificação, mas desde 1814 Thibaut defendeu-a mostrando que a unidade jurídica proporcionada pelos códigos é indispensável à unidade política, tão necessária à Alemanha depois da queda de Napoleão."

User badge image

Beatriz Costa

Há mais de um mês

Um código nada mais é do que uma lei que busca disciplinar, integral e isoladamente uma parte substanciosa do direito positivo. É um agrupamento organizado de diferentes regras jurídicas da mesma natureza, agrupadas segundo um critério sistemático.Trata-se de uma influência da Escola do Direito Natural, cuja ambição humana era tornar realidade a concentração de normas jurídicas em um único corpo legislativo.A codificação distingue-se da incorporação, que pressupõe uma escolha de selecionada quantidade de regras jurídicas, transmitidas do passado, fragmentadas e sem coerência sistemática. Também difere da recepção, que de processa quando um ordenamento jurídico estrangeiro é recebido como Direito próprio. Por fim, também não se confunda com consolidação, que pretende ter uma característica mais limitada, justapondo as normas vigentes sem pretensões inovadoras, compilando todo o conjunto.

 

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos especialistas