A maior rede de estudos do Brasil

Como analisar dogmaticamente o conteúdo normativo em fase da institucionalização do cometimento, da relação autoridade/sujeito a partir de Kelsen?

Ao pressupor uma relação autoridade/sujeito de alto grau de institucionalização, poder-se-ia perguntar se uma norma legal que instintuísse (cometimento) a esterilização sexual de loucos e de criminosos irrecuperáveis (conteúdo) seria ainda jurídica, tendo um relato deste teor?

Poder-se-ia argumentar, de um lado, que sendo lei, isto é, procedimentada conforme as regras burocráticas do Estado e manifestando por isso o consenso presumido, anônimo e global, de terceiros, a norma seria jurídica. De outro lado, porém, poder-se-ia invocar o conteúdo para desempenhar um papel que, em princípio, não lhe cabe retornar (ou conferir) juridicidade à norma. Enfim, como compreender as conjecturas normativas institucionalizadas? 

Prezados,

Gostaria de uma resposta, ou então um outro questionamento nessa mesma perspectiva.

Grata,

Astraea


3 resposta(s) - Contém resposta de Especialista

User badge image

RD Resoluções Verified user icon

Há mais de um mês

A ideia da norma básica serve a três funções teóricas na teoria do direito de Kelsen: A primeira é fundamentar uma explicação não redutora da validade jurídica. A segunda função é fundamentar uma explicação não redutora da normatividade do direito. A terceira função é explicar a natureza sistemática das normas legais. Essas três questões não são não relacionadas.


Kelsen observou corretamente que as normas legais necessariamente vêm em sistemas. Não há normas legais de livre flutuação. Se, por exemplo, alguém sugerir que “a lei exige que uma vontade seja atestada por duas testemunhas”, deve-se sempre perguntar de que sistema legal se fala; é a lei dos EUA, a lei canadense, a lei alemã ou a lei em algum outro sistema legal? Além disso, os próprios sistemas jurídicos estão organizados em uma estrutura hierárquica, manifestando uma grande complexidade, mas também uma certa unidade sistemática.


Em termos de compreensão das regras da hipótese institucionalizada, essa hipótese baseia-se nesse tempo; Neste caso, enfrentamos uma loucura, mas a loucura não é um assunto que reconheça a regulação institucionalizada, enfatizando que ela é necessária por Kelsen. deve ser considerado juridicamente vinculativo.

A ideia da norma básica serve a três funções teóricas na teoria do direito de Kelsen: A primeira é fundamentar uma explicação não redutora da validade jurídica. A segunda função é fundamentar uma explicação não redutora da normatividade do direito. A terceira função é explicar a natureza sistemática das normas legais. Essas três questões não são não relacionadas.


Kelsen observou corretamente que as normas legais necessariamente vêm em sistemas. Não há normas legais de livre flutuação. Se, por exemplo, alguém sugerir que “a lei exige que uma vontade seja atestada por duas testemunhas”, deve-se sempre perguntar de que sistema legal se fala; é a lei dos EUA, a lei canadense, a lei alemã ou a lei em algum outro sistema legal? Além disso, os próprios sistemas jurídicos estão organizados em uma estrutura hierárquica, manifestando uma grande complexidade, mas também uma certa unidade sistemática.


Em termos de compreensão das regras da hipótese institucionalizada, essa hipótese baseia-se nesse tempo; Neste caso, enfrentamos uma loucura, mas a loucura não é um assunto que reconheça a regulação institucionalizada, enfatizando que ela é necessária por Kelsen. deve ser considerado juridicamente vinculativo.

User badge image

Paulo

Há mais de um mês

Segundo Kelsen, a   norma   não   apenas   comanda,  mas   também  permite   e   confere   competência   de   poder   e   de   ação. Sendo esta norma um dever ser, portanto, as   normas   jurídicas   tratam-­se  de  mecanismos   de   comunicação   entre   a   autoridade   soberana   institucionalizada  e  aqueles  que  como  sujeitos  a  reconhecem. O modo de compreender as conjecturas normativas institucionalizadas é partir do pressuposto de qual corrente irá ser adotada, no caso em tela tratamos de um louco, porém, louco não é um sujeito que reconhece uma norma institucionalizada, conforme salienta ser necessário segundo Kelsen, podendo esta ser então desclassificada como uma norma jurídica.  Espero ter contribuido para a resposta, ou de algum outro modo, se gostou não deixa de aprovar, obrigado!

User badge image

Andre

Há mais de um mês

A ideia da norma básica serve a três funções teóricas na teoria do direito de Kelsen: A primeira é fundamentar uma explicação não redutora da validade jurídica. A segunda função é fundamentar uma explicação não redutora da normatividade do direito. A terceira função é explicar a natureza sistemática das normas legais. Essas três questões não são não relacionadas.


Kelsen observou corretamente que as normas legais necessariamente vêm em sistemas. Não há normas legais de livre flutuação. Se, por exemplo, alguém sugerir que “a lei exige que uma vontade seja atestada por duas testemunhas”, deve-se sempre perguntar de que sistema legal se fala; é a lei dos EUA, a lei canadense, a lei alemã ou a lei em algum outro sistema legal? Além disso, os próprios sistemas jurídicos estão organizados em uma estrutura hierárquica, manifestando uma grande complexidade, mas também uma certa unidade sistemática.


Em termos de compreensão das regras da hipótese institucionalizada, essa hipótese baseia-se nesse tempo; Neste caso, enfrentamos uma loucura, mas a loucura não é um assunto que reconheça a regulação institucionalizada, enfatizando que ela é necessária por Kelsen. deve ser considerado juridicamente vinculativo.

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos especialistas