A maior rede de estudos do Brasil

Os remédios constitucionais são instrumentos de controle de constitucionalidade?


2 resposta(s) - Contém resposta de Especialista

User badge image

DLRV Advogados Verified user icon

Há mais de um mês

Não.

Os remédios constitucionais são institutos que garantem aos cidadãos os direitos fundamentais previstos na Constituição quando o Estado não cumpre seu dever, seja por despreparo, ilegalidade ou abuso de poder.

Os remédios constitucionais previstos na Constituição são: 

  • Habeas Corpus (artigo 5º, LXVIII);
  • Habeas Data (artigo 5º, LXXII e lei 9.507/1997);
  • Mandado de Segurança (artigo 5º, LXIX e lei 12.016/2009);
  • Mandado de Injunção (artigo 5º, LXXI e lei 13.300/2016);
  • Ação Popular (artigo 5º, LXXIII e lei 4.717/1965); e
  • Ação Civil Pública (artigo 129, III e lei 7.347/85).

Já os instrumentos de controle de constitucionalidade têm como função levar ao judiciário normas que supostamente não coadunam com os ditames da constituição, para que o judiciário analise e decida, garantindo a ordem e a coerência do sistema normativo, de modo que, partindo da supremacia e rigidez constitucional, haja conformidade entre as leis e seu fundamento de validade, que é a Constituição.

Expliquemos por completo os tipos de inconstitucionalidade, e suas espécies de controle.

Existem os tipos de inconstitucionalidade, que são:

  • Por omissão;
  • Por ação:
  1. Por vício formal (nomodinâmica): orgânica, propriamente dito, ou por violação de pressupostos objetivos;
  2. Por vício material (nomoestática);
  3. Por vício de decoro parlamentar;

Acreditamos, no entanto, que a questão perguntava sobre espécies de controle de constitucionalidade:

  • Quanto a natureza do órgão:
  1. Político: declarada pela CCJ, ou veto jurídico presidencial;
  2. Judicial;
  • Quanto ao momento:
  1. Preventivo: a priori. Ex. declarada pela CCJ, ou veto jurídico presidencial.
  2. Repressivo: a posteriori. Ex. feita pelo judiciário em sede de ADIn.
  • Quanto ao órgão:
  1. Difuso: Aquele exercido por qualquer juiz ou tribunal. 
  2. Concentrado: Feito apenas por um órgão. No Brasil, o STF julga as 5 espécies de controle concentrado: ADC, ADIN, ADIN por omissão, Ação Direta Interventiva, e ADPF.
  • Quanto à forma ou modo:
  1. Pela via incidental/Concreto.
  2. Pela via principal/Ação direta/Abstrato.

O controle difuso é feito diante de um caso concreto, que traz em sua causa de pedir um pedido de inconstitucionalidade. Desta forma, tal tipo de inconstitucionalidade pode ser alegada à qualquer juiz ou tribunal.

Ex. Em um caso no qual esta se discutindo um litígio empresarial, o polo ativo, pedindo o reconhecimento de inconstitucionalidade de uma norma, requer a resolução de um contrato.

Quanto ao controle concentrado, este é feito ante o STF, por determinação constitucional. A norma é abstratamente contestada, seja na forma de ADC, ADIN, ADIN por Omissão, Ação Direta Interventiva, ou ADPF. O pedido de inconstitucionalidade se dá no pedido.

Neste caso, não há litígio entre duas partes. Há apenas a alegação de inconstitucionalidade/constitucionalidade de uma norma.

Não.

Os remédios constitucionais são institutos que garantem aos cidadãos os direitos fundamentais previstos na Constituição quando o Estado não cumpre seu dever, seja por despreparo, ilegalidade ou abuso de poder.

Os remédios constitucionais previstos na Constituição são: 

  • Habeas Corpus (artigo 5º, LXVIII);
  • Habeas Data (artigo 5º, LXXII e lei 9.507/1997);
  • Mandado de Segurança (artigo 5º, LXIX e lei 12.016/2009);
  • Mandado de Injunção (artigo 5º, LXXI e lei 13.300/2016);
  • Ação Popular (artigo 5º, LXXIII e lei 4.717/1965); e
  • Ação Civil Pública (artigo 129, III e lei 7.347/85).

Já os instrumentos de controle de constitucionalidade têm como função levar ao judiciário normas que supostamente não coadunam com os ditames da constituição, para que o judiciário analise e decida, garantindo a ordem e a coerência do sistema normativo, de modo que, partindo da supremacia e rigidez constitucional, haja conformidade entre as leis e seu fundamento de validade, que é a Constituição.

Expliquemos por completo os tipos de inconstitucionalidade, e suas espécies de controle.

Existem os tipos de inconstitucionalidade, que são:

  • Por omissão;
  • Por ação:
  1. Por vício formal (nomodinâmica): orgânica, propriamente dito, ou por violação de pressupostos objetivos;
  2. Por vício material (nomoestática);
  3. Por vício de decoro parlamentar;

Acreditamos, no entanto, que a questão perguntava sobre espécies de controle de constitucionalidade:

  • Quanto a natureza do órgão:
  1. Político: declarada pela CCJ, ou veto jurídico presidencial;
  2. Judicial;
  • Quanto ao momento:
  1. Preventivo: a priori. Ex. declarada pela CCJ, ou veto jurídico presidencial.
  2. Repressivo: a posteriori. Ex. feita pelo judiciário em sede de ADIn.
  • Quanto ao órgão:
  1. Difuso: Aquele exercido por qualquer juiz ou tribunal. 
  2. Concentrado: Feito apenas por um órgão. No Brasil, o STF julga as 5 espécies de controle concentrado: ADC, ADIN, ADIN por omissão, Ação Direta Interventiva, e ADPF.
  • Quanto à forma ou modo:
  1. Pela via incidental/Concreto.
  2. Pela via principal/Ação direta/Abstrato.

O controle difuso é feito diante de um caso concreto, que traz em sua causa de pedir um pedido de inconstitucionalidade. Desta forma, tal tipo de inconstitucionalidade pode ser alegada à qualquer juiz ou tribunal.

Ex. Em um caso no qual esta se discutindo um litígio empresarial, o polo ativo, pedindo o reconhecimento de inconstitucionalidade de uma norma, requer a resolução de um contrato.

Quanto ao controle concentrado, este é feito ante o STF, por determinação constitucional. A norma é abstratamente contestada, seja na forma de ADC, ADIN, ADIN por Omissão, Ação Direta Interventiva, ou ADPF. O pedido de inconstitucionalidade se dá no pedido.

Neste caso, não há litígio entre duas partes. Há apenas a alegação de inconstitucionalidade/constitucionalidade de uma norma.

User badge image

Fred V

Há mais de um mês

LEIA: Título VI, Capítulo VI, em SILVA, José Afonso da. Curso de Direito Constitucional Positivo. 37ª ed. São Paulo : Malheiros, 2014; disponível para download neste site.

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos especialistas