A maior rede de estudos do Brasil

O que é tônus vagal cardíaco?


2 resposta(s) - Contém resposta de Especialista

User badge image

RD Resoluções Verified user icon

Há mais de um mês

O nervo vago (parassimpático) exerce restrição contínua sobre a ação do coração. A isto chamamos tônus vagal.

O tônus vagal pode ser “dorsal” ou “ventral”. O dorsal reflete passividade e um desligamento que ocorre quando existe negligência cumulativa e uma falta de contato relacional. O ventral reflete interação social agradável que surge de atividades tais como cuidar do outro, o contato visual, toque carinhoso, o beijo e o tom de voz suave. Quanto mais alto nosso tônus vagal ventral, melhor conseguimos regular os sistemas internos que nos mantém saudáveis tais como nossas respostas cardiovasculares e imunológicas.


Em animais cuja inervação vagal foi removida, a ação do coração torna-se sobremodo acelerada, demonstrando a inibição vagal tônica sobre a atividade basal intrínseca ditada pelo sistema elétrico do coração.

A estimulação vagal tem um período latente curto, e uma estabilização da ação é atingida dentro de poucos batimentos cardíacos. Após a interrupção desta estimulação vagal, ocorre aceleração cardíaca imediata.

Em animais vagotônicos, tal como um eqüino, a interrupção súbita e o restabelecimento do tônus vagal é que contribuem para a breve aceleração e desaceleração da freqüência cardíaca, por exemplo, observada em reações de susto do animal.

O tônus vagal pode ser aumentado produzindo bradicardia e bloqueio de condução atrioventricular em certas situações, como durante uma anestesia.


Fonte: http://www.uff.br/fisiovet1/cardio_TT.pdf
http://www.integrativetherapy.com/pt/articles.php?id=107

O nervo vago (parassimpático) exerce restrição contínua sobre a ação do coração. A isto chamamos tônus vagal.

O tônus vagal pode ser “dorsal” ou “ventral”. O dorsal reflete passividade e um desligamento que ocorre quando existe negligência cumulativa e uma falta de contato relacional. O ventral reflete interação social agradável que surge de atividades tais como cuidar do outro, o contato visual, toque carinhoso, o beijo e o tom de voz suave. Quanto mais alto nosso tônus vagal ventral, melhor conseguimos regular os sistemas internos que nos mantém saudáveis tais como nossas respostas cardiovasculares e imunológicas.


Em animais cuja inervação vagal foi removida, a ação do coração torna-se sobremodo acelerada, demonstrando a inibição vagal tônica sobre a atividade basal intrínseca ditada pelo sistema elétrico do coração.

A estimulação vagal tem um período latente curto, e uma estabilização da ação é atingida dentro de poucos batimentos cardíacos. Após a interrupção desta estimulação vagal, ocorre aceleração cardíaca imediata.

Em animais vagotônicos, tal como um eqüino, a interrupção súbita e o restabelecimento do tônus vagal é que contribuem para a breve aceleração e desaceleração da freqüência cardíaca, por exemplo, observada em reações de susto do animal.

O tônus vagal pode ser aumentado produzindo bradicardia e bloqueio de condução atrioventricular em certas situações, como durante uma anestesia.


Fonte: http://www.uff.br/fisiovet1/cardio_TT.pdf
http://www.integrativetherapy.com/pt/articles.php?id=107

User badge image

Serenela

Há mais de um mês

O tônus é um grau de atividade espontânea, mesmo na situação de repouso, ou seja, mesmo quando o reflexo não está ativado. Isso existe, por exemplo, através das fibras do nervo vago para o coração em repouso, ou através de fibras do sistema nervoso para os vasos, mesmo em situações de não estimulação.

A noradrenalina provoca aumento da freqüência cardíaca, já a acetilcolina provoca diminuição da freqüência cardíaca, sendo que as duas atuam simultaneamente. Existe um tônus vagal e um tônus simpático para o coração. A freqüência cardíaca em repouso depende da relação proporcional entre o tônus simpático e parassimpático.

O coração possui auto-atividade e ritmicidade; isso significa que ele tem a capacidade de despolarizar espontaneamente. O potencial de membrana do nodo sinusal é instável, portanto ele não se mantém em valor fixo , se despolarizando continuamente, até que, de tempos em tempos, atinge um ápice, e deflagra o potencial de ação, gerando uma contração cardíaca.

O valor de freqüência cardíaca fisiológica é de 60 batimentos por minuto. O coração bate a esse valor devido à interação entre a freqüência cardíaca intrínseca, o tônus vagal e o tônus adrenérgico.

Um ß-bloqueador, como o Propanolol , age bloqueando os receptores adrenérgicos, impedindo a ação da noradrenalina no nodo sinusal. Como o tônus adrenérgico é evitado, a freqüência cardíaca diminui de 60 para, aproximadamente, 50 batimentos por minuto. Com o uso de atropina, cuja função é o bloqueio dos receptores colinérgicos, o efeito da acetilcolina, liberada pelos nervos colinérgicos, acaba sendo bloqueado, assim como o tônus parassimpático (vagal), aumentando a freqüência cardíaca.

A freqüência cardíaca intrínseca “gira” em torno de 100; pode-se perceber que quem produz o maior efeito predominante é o parassimpático.

A existência de tônus autonômico permite que o sistema produza um efeito, não somente através de sua estimulação, mas através de sua inibição. O órgão que só recebe um tipo de inervação consegue reagir tanto estimulado, quanto inibido.

Pode-se fazer a estimulação da freqüência cardíaca pelo simpático, aumentando a freqüência dos potenciais de ação, ou então inibindo os potenciais de ação, pelo parassimpático, produzindo taquicardia e bradicardia, respectivamente.

Quando inibimos o tônus vagal, como durante o exercício, a freqüência cardíaca aumenta. Nos primeiros 4 a 5 segundos de exercício, a freqüência cardíaca pode aumentar bruscamente de 60 para 100 batimentos por minuto, devido à inibição do tônus parassimpático. Durante o exercício sustentado, a freqüência adrenérgica vai manter a freqüência cardíaca no seu nível máximo, mas, no início, existe uma taquicardia que acontece em menos de um segundo, tudo isso pela inibição do tônus vagal, que diminui muito, aumentando a freqüência cardíaca.

O tônus adrenérgico dos vasos sangüíneos também, acontece dessa forma. Com a estimulação do tronco simpático acontece a liberação de noradrenalina, faz-se mais vasoconstrição. A vasodilatação no mecanismo adrenérgico acontece pela inibição do tônus, por isso é importante conhecer a existência do tônus adrenérgico. O nervo está continuamente ativado. Se a pressão estiver muito alta, o parareflexo modifica essa pressão. Ela é modificada pelo reflexo hemodinâmico, pela diminuição do débito cardíaco, fazendo vasodilatação, inibindo o tônus adrenérgico arteriolar.

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos especialistas