A maior rede de estudos do Brasil

Qual a diferença entre princípios e regras quanto à forma de solução dos seus conflitos?


2 resposta(s) - Contém resposta de Especialista

User badge image

DLRV Advogados Verified user icon

Há mais de um mês

Segundo Robert Alexy, toda norma é regra ou princípio, sendo sua diferença unicamente qualitativa (normativa), fundada no modo de resolução de conflitos.

"O princípio é norma ordenadora de que algo se realize na maior medida possível, dentro das possibilidades jurídicas e reais existentes”.

É um mandado de otimização que pode ser cumprido em menor ou em maior grau, pela ponderação entre a possibilidade jurídica e a possibilidade real de adequação do fato à norma.

No conflito entre princípios, pondera-se o prevalecimento de um sobre os outros para a resolução. O que tiver maior peso ou valor ou importância, diante do caso concreto, deve preponderar.

Quanto as regras, "devem estas ser cumpridas na forma prescrita. Se uma regra é válida, então há de se fazer exatamente o que ela exige, nem mais, nem menos”. 

Na colisão entre regras, o afastamento se dá pela cláusula de exceção: onde uma se aplica, a outra não será aplicada; onde uma vale, a outra não vale.

Segundo Dworkin, enquanto as regras são aplicáveis a partir de um critério de tudo-ou-nada, este critério não vale para os princípios.

Assim, ou a regra é válida e, então, se deveriam aceitar os seus efeitos jurídicos, ou a regra não é válida e, por isso, não fundamenta nem pode exigir qualquer consequência jurídica. É o que é chamado de modelo do tudo-ou-nada.

Princípios, ao contrário, não determinam, quando verificado um caso de sua aplicação, uma decisão concludente segundo uma formulação pronta e acabada. Há uma dimensão de peso ou de importância (the dimension of weight or importance).

Segundo Robert Alexy, toda norma é regra ou princípio, sendo sua diferença unicamente qualitativa (normativa), fundada no modo de resolução de conflitos.

"O princípio é norma ordenadora de que algo se realize na maior medida possível, dentro das possibilidades jurídicas e reais existentes”.

É um mandado de otimização que pode ser cumprido em menor ou em maior grau, pela ponderação entre a possibilidade jurídica e a possibilidade real de adequação do fato à norma.

No conflito entre princípios, pondera-se o prevalecimento de um sobre os outros para a resolução. O que tiver maior peso ou valor ou importância, diante do caso concreto, deve preponderar.

Quanto as regras, "devem estas ser cumpridas na forma prescrita. Se uma regra é válida, então há de se fazer exatamente o que ela exige, nem mais, nem menos”. 

Na colisão entre regras, o afastamento se dá pela cláusula de exceção: onde uma se aplica, a outra não será aplicada; onde uma vale, a outra não vale.

Segundo Dworkin, enquanto as regras são aplicáveis a partir de um critério de tudo-ou-nada, este critério não vale para os princípios.

Assim, ou a regra é válida e, então, se deveriam aceitar os seus efeitos jurídicos, ou a regra não é válida e, por isso, não fundamenta nem pode exigir qualquer consequência jurídica. É o que é chamado de modelo do tudo-ou-nada.

Princípios, ao contrário, não determinam, quando verificado um caso de sua aplicação, uma decisão concludente segundo uma formulação pronta e acabada. Há uma dimensão de peso ou de importância (the dimension of weight or importance).

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos especialistas