A maior rede de estudos do Brasil

Qual a diferença fundamental entre lei ordinária e normas complementares?


2 resposta(s) - Contém resposta de Especialista

User badge image

DLRV Advogados Verified user icon

Há mais de um mês

A Lei Complementar, como o próprio nome diz, tem o propósito de complementar, explicar ou adicionar algo à constituição, tendo seu âmbito material predeterminado pelo constituinte. Quanto ao quórum para aprovação, a lei complementar exige maioria absoluta.

Exemplos de Lei Complementar:

  • LC nº 7 - Institui o Programa de Integração Social;
  • LC nº 162 - Institui o Programa Especial de Regularização Tributária das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte optantes pelo Simples Nacional;
  • Entre outros.

No que se refere a lei ordinária, o seu campo material é alcançado por exclusão. Se a constituição não exige a elaboração de lei complementar, a lei ordinária será a via adequada. A lei ordinária exige apenas maioria simples de votos para ser aceita.

Exemplos de Lei ordinária:

  • Lei nº 8.069/1990 - Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente;
  • Lei nº 13.105/2015 - Dispõe sobre o Código de Processo Civil;
  • Entre outros.

Importa ressaltar, no entanto, que a jurisprudência do STF determina que não há hierarquia entre lei ordinária e lei complementar. Elas apenas atuam em campos diversos.

A Lei Complementar, como o próprio nome diz, tem o propósito de complementar, explicar ou adicionar algo à constituição, tendo seu âmbito material predeterminado pelo constituinte. Quanto ao quórum para aprovação, a lei complementar exige maioria absoluta.

Exemplos de Lei Complementar:

  • LC nº 7 - Institui o Programa de Integração Social;
  • LC nº 162 - Institui o Programa Especial de Regularização Tributária das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte optantes pelo Simples Nacional;
  • Entre outros.

No que se refere a lei ordinária, o seu campo material é alcançado por exclusão. Se a constituição não exige a elaboração de lei complementar, a lei ordinária será a via adequada. A lei ordinária exige apenas maioria simples de votos para ser aceita.

Exemplos de Lei ordinária:

  • Lei nº 8.069/1990 - Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente;
  • Lei nº 13.105/2015 - Dispõe sobre o Código de Processo Civil;
  • Entre outros.

Importa ressaltar, no entanto, que a jurisprudência do STF determina que não há hierarquia entre lei ordinária e lei complementar. Elas apenas atuam em campos diversos.

User badge image

Giovana

Há mais de um mês

No direito, a lei complementar é uma lei que tem como propósito complementar, explicar, adicionar algo à constituição. A lei complementar diferencia-se da lei ordinária desde o quorum para sua formação. A lei ordinária exige apenas maioria simples de votos para ser aceita, já a lei complementar exige maioria absoluta. A lei complementar como o próprio nome diz tem o propósito de complementar, explicar ou adicionar algo à constituição, e tem seu âmbito material predeterminado pelo constituinte; já no que se refere a lei ordinária, o seu campo material é alcançado por exclusão, se a constituição não exige a elaboração de lei complementar então a lei competente para tratar daquela matéria é a lei ordinária. Na verdade não há hierarquia entre lei ordinária e lei complementar, o que há são campos de atuação diversos. Segundo jurisprudência STF não existe tal hierarquia, mas o STJ acha que existe justamente por causa da diferença entre os quóruns, sendo a lei complementar hierarquicamente superior a lei ordinária.

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos especialistas