A maior rede de estudos do Brasil

O que são normas constitucionais de eficácia limitada?

Qual o alcance juridico das normas de eficácia limitada? Quais os requisitos para que possam ter uma eficáia efetiva?


5 resposta(s) - Contém resposta de Especialista

User badge image

DLRV Advogados Verified user icon

Há mais de um mês

Eficácia é a capacidade de atingir o objetivo proposto, produzir efeito, cumprir, executar, operar, levar a cabo; é o poder de causar determinado efeito. Eficaz é o que realiza perfeitamente determinada tarefa ou função, que produz o resultado pretendido. 

Segundo a classificação das normas constitucionais de José Afonso da Silva, existem 3 tipos de normas constitucionais quanto à eficácia:

  • Normas constitucionais de eficácia plena: são as mais fáceis de identificar. São aquelas normas que desde a entrada em vigor da Constituição já estão aptas a produzir eficácia. Por isso, são definidas como de aplicabilidade direta, imediata e integral. Veja-se que não há restrição. Podem, no entanto, ser limitadoras: o artigo 132 consiste em norma de eficácia plena que limita a atividade de procurador aos que ingressam mediante concurso público de provas e títulos.

"Art. 132. Os Procuradores dos Estados e do Distrito Federal, organizados em carreira, na qual o ingresso dependerá de concurso público de provas e títulos, com a participação da Ordem dos Advogados do Brasil em todas as suas fases, exercerão a representação judicial e a consultoria jurídica das respectivas unidades federadas".

  • Normas constitucionais de eficácia contida: são dotadas de aplicabilidade direta, imediata, mas não integral (o legislador pode restringir a sua eficácia).

Exemplo: "Art. 5º, XIII. É livre o exercício de qualquer trabalho, ofício ou profissão,atendidas as qualificações profissionais que a lei estabelecer".

Veja que nesse caso a norma produz efeitos desde logo, podendo, porém, ser regulamentada, de forma que tenha sua eficácia restringida.

  • Normas constitucionais de eficácia limitada têm a sua aplicabilidade indireta, mediata e diferida (postergada, pois somente a partir de uma norma posterior poderão produzir eficácia).

Exemplo: "Art. 18. § 2º. Os Territórios Federais integram a União, e sua criação, transformação em Estado ou reintegração ao Estado de origem serão reguladas em lei complementar".

Eficácia é a capacidade de atingir o objetivo proposto, produzir efeito, cumprir, executar, operar, levar a cabo; é o poder de causar determinado efeito. Eficaz é o que realiza perfeitamente determinada tarefa ou função, que produz o resultado pretendido. 

Segundo a classificação das normas constitucionais de José Afonso da Silva, existem 3 tipos de normas constitucionais quanto à eficácia:

  • Normas constitucionais de eficácia plena: são as mais fáceis de identificar. São aquelas normas que desde a entrada em vigor da Constituição já estão aptas a produzir eficácia. Por isso, são definidas como de aplicabilidade direta, imediata e integral. Veja-se que não há restrição. Podem, no entanto, ser limitadoras: o artigo 132 consiste em norma de eficácia plena que limita a atividade de procurador aos que ingressam mediante concurso público de provas e títulos.

"Art. 132. Os Procuradores dos Estados e do Distrito Federal, organizados em carreira, na qual o ingresso dependerá de concurso público de provas e títulos, com a participação da Ordem dos Advogados do Brasil em todas as suas fases, exercerão a representação judicial e a consultoria jurídica das respectivas unidades federadas".

  • Normas constitucionais de eficácia contida: são dotadas de aplicabilidade direta, imediata, mas não integral (o legislador pode restringir a sua eficácia).

Exemplo: "Art. 5º, XIII. É livre o exercício de qualquer trabalho, ofício ou profissão,atendidas as qualificações profissionais que a lei estabelecer".

Veja que nesse caso a norma produz efeitos desde logo, podendo, porém, ser regulamentada, de forma que tenha sua eficácia restringida.

  • Normas constitucionais de eficácia limitada têm a sua aplicabilidade indireta, mediata e diferida (postergada, pois somente a partir de uma norma posterior poderão produzir eficácia).

Exemplo: "Art. 18. § 2º. Os Territórios Federais integram a União, e sua criação, transformação em Estado ou reintegração ao Estado de origem serão reguladas em lei complementar".

User badge image

ramon da silva pereira

Há mais de um mês

São aquelas normas que, de imediato, no momento em que a Constituição é promulgada, não têm força para produzir todos os seus efeitos, não são completas por si só, necessitando da edição uma lei para que produza os seus efeitos.

 

Normas de eficácia limitada são, portanto, aquelas que dependem da emissão de uma lei futura, em que o legislador ordinário, integrando-lhes a eficácia lhe dê capacidade de execução, em termos de regulamentação daqueles interesses visados.

 

São, normas DEPENDENTES DE COMPLEMENTAÇÃO pelo legislador infraconstitucional para que se tornem exeqüíveis.

 

A norma constitucional de eficácia jurídica limitada é aquela que NÃO CONTÉM todos os elementos necessários à sua integral aplicabilidade, porque ela depende da interpositio legislatoris (interposição do legislador).

A efetividade da norma constitucional está na DEPENDÊNCIA DA EDIÇÃO DE LEI QUE A INTEGRE (lei integradora). Somente após a edição da lei, a norma constitucional produzirá todos os efeitos que se espera dela.

 

Apresentam aplicabilidade indireta, mediata e reduzida, porque somente incidem totalmente sobre esses interesses, após uma normatividade ulterior que lhes desenvolva a aplicabilidade. Não são auto-executáveis, dependem sempre da edição de lei infraconstitucional para se tornar exeqüível.

 

Exemplos:

  • Art. 7º, inciso XI, CF.- Participação nos lucros e na gestão da empresa, CONFORME DEFINIDO EM LEI. (Regulamentado pela Lei 10.101/00). Enquanto não foi editada a Lei 10.101 a norma não produziu efeitos.

 

  • Art. 7º, inciso XX, CF - Proteção do mercado de trabalho da mulher, mediante incentivos específicos, NOS TERMOS DA LEI. (hoje, regulamentado pelos arts. 372 e segts da CLT)

 

  • At. 37, VII – O direito de greve dos servidores públicos será exercido nos termos e nos limites definidos em lei específica.

 

As normas de eficácia jurídica limitada são, portanto, aquelas que não produzem nenhum efeito e não é aplicável antes de regulamentada por legislação infraconstitucional. São as que dependem de complementação do legislador infraconstitucional para que se tornem exeqüíveis.

User badge image

Felipe

Há mais de um mês

Normas constitucionais de eficácia limitada (relativa complementável):

São aquelas que não produzem a plenitude de seus efeitos, dependendo da integração da lei (lei integradora). Não contêm os elementos necessários para sua executoriedade, assim enquanto não forem complementadas pelo legislador a sua aplicabilidade é mediata, mas depois de complementadas tornam-se de eficácia plena. - Alguns autores dizem que a norma limitada é de aplicabilidade mediata e reduzida (aplicabilidade diferida).

 

Ex: “O direito de greve será exercido nos termos e nos limites definidos em lei específica” (art. 37, VII da CF). O direito de greve dos servidores públicos foi considerado pelo STF como norma limitada.

 

  • Não produzem, desde logo, todos os efeitos que dela se espera, mas produz alguns efeitos mínimos:

 

  • Efeito revogador da normatividade antecedente incompatível (norma que com que ela se mostre colidente).

 

  • Inibe a produção de normas em sentido contrário: Geraldo Ataliba denomina de efeito paralisante da função legislativa em sentido contrário.

 

  • Dois grupos de norma de eficácia limitada:

 

  • Normas de princípio programático (ou norma programática): Estabelecem programas constitucionais a serem seguidos pelo executor, que se impõem como diretriz permanente do Estado. Estas normas caracterizam a Constituição Dirigente. Ex: "O Estado garantirá a todos o pleno exercício dos direitos culturais e acesso às fontes da cultura nacional, e apoiará e incentivará a valorização e a difusão das manifestações culturais" (art. 215 da CF).

 

  • Normas de princípio institutivo (ou organizativo ou orgânico): Fazem previsão de um órgão ou entidade ou uma instituição, mas a sua real existência ocorre com a lei que vai dar corpo.

 

Obs. http://www.webjur.com.br/doutrina/Direito_Constitucional/Eficacia_e_Aplicabilidade.htm

User badge image

Eloisa Faccio

Há mais de um mês

São aquelas que não produzem efeitos sem outra norma que a complemente.

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos especialistas