A maior rede de estudos do Brasil

Há legítima defesa contra legítima defesa ?

Direito Penal I

FIAETPP


6 resposta(s)

User badge image

Schumacker Andrade

Há mais de um mês

Oi Vig, vamos lá...

Em regra não é possível, visto que um dos requisitos da Legitima Defesa e a agressão injusta. Assim, não há, a princípio, como se pensar em legítima defesa no caso em que o agente está se defendendo de outro que também esteja em estado de legítima defesa. Entretanto, é PLENAMENTE POSSÍVEL que a Legítima defesa da Legítima defesa no caso de a primeira se putativa. É que neste caso a primeira é imaginária, de modo que, assim sendo, não há faticamente "agressão injusta" logo o agredido pode agir em legítima defesa para repelir agressão injusta (mesmo que o agente agressor penso estar também em legítima defesa). 

Segundo o entendimento doutrinário há dois tipos de legítima defesa: a real e a putativa. Estas subdividem-se, ainda, em legítima defesa própria e de terceiro.

Um dos requisitos da legítima defesa, segundo o entendimento do art. 25, CP, é que ela seja ATUAL ou IMINENTE e INJUSTA.

Diante do exposto, pode-se inferir que só é possível a existência de legítima defesa real contra legítima defesa putativa. O festejado exemplo da doutrina é o caso em que duas pessoas desafetas encontram-se na rua. "A" faz o gesto de colocar a mão por dentro do casaco. "B", pensando que seu desafeto irá sacar uma arma, saca um revólver,quando na verdade "A" só iria tirar um lenço de um bolso interno do casaco.. "A", percebendo a ação de "B", saca primeiro uma arma e atinge-o . Veja: há uma legítima defesa real de uma legítima defesa putativa. "A" imaginava estar em estado de legítima defesa e sacou da arma; "B", já em estado de legítima defesa real, acabou impelindo a agressão IMINENTE, INJUSTA, com MODERAÇÃO,UTILIZANDO-SE DOS MEIOS NECESSÁRIOS e CONSCIENTE DO SEU ESTADO DE LEGÍTIMA DEFESA (requisito subjetivo).

não é possível, visto que um dos requisitos da Legitima Defesa e a agressão injusta. Assim, não há, a princípio, como se pensar em legítima defesa no caso em que o agente está se defendendo de outro que também esteja em estado de legítima defesa. Entretanto, é PLENAMENTE POSSÍVEL que a Legítima defesa da Legítima defesa no caso de a primeira se putativa. É que neste caso a primeira é imaginária, de modo que, assim sendo, não há faticamente "agressão injusta" logo o agredido pode agir em legítima defesa para repelir agressão injusta (mesmo que o agente agressor penso estar também em legítima defesa).

Espero ter ajudado.

Bons estudos! ?

Oi Vig, vamos lá...

Em regra não é possível, visto que um dos requisitos da Legitima Defesa e a agressão injusta. Assim, não há, a princípio, como se pensar em legítima defesa no caso em que o agente está se defendendo de outro que também esteja em estado de legítima defesa. Entretanto, é PLENAMENTE POSSÍVEL que a Legítima defesa da Legítima defesa no caso de a primeira se putativa. É que neste caso a primeira é imaginária, de modo que, assim sendo, não há faticamente "agressão injusta" logo o agredido pode agir em legítima defesa para repelir agressão injusta (mesmo que o agente agressor penso estar também em legítima defesa). 

Segundo o entendimento doutrinário há dois tipos de legítima defesa: a real e a putativa. Estas subdividem-se, ainda, em legítima defesa própria e de terceiro.

Um dos requisitos da legítima defesa, segundo o entendimento do art. 25, CP, é que ela seja ATUAL ou IMINENTE e INJUSTA.

Diante do exposto, pode-se inferir que só é possível a existência de legítima defesa real contra legítima defesa putativa. O festejado exemplo da doutrina é o caso em que duas pessoas desafetas encontram-se na rua. "A" faz o gesto de colocar a mão por dentro do casaco. "B", pensando que seu desafeto irá sacar uma arma, saca um revólver,quando na verdade "A" só iria tirar um lenço de um bolso interno do casaco.. "A", percebendo a ação de "B", saca primeiro uma arma e atinge-o . Veja: há uma legítima defesa real de uma legítima defesa putativa. "A" imaginava estar em estado de legítima defesa e sacou da arma; "B", já em estado de legítima defesa real, acabou impelindo a agressão IMINENTE, INJUSTA, com MODERAÇÃO,UTILIZANDO-SE DOS MEIOS NECESSÁRIOS e CONSCIENTE DO SEU ESTADO DE LEGÍTIMA DEFESA (requisito subjetivo).

não é possível, visto que um dos requisitos da Legitima Defesa e a agressão injusta. Assim, não há, a princípio, como se pensar em legítima defesa no caso em que o agente está se defendendo de outro que também esteja em estado de legítima defesa. Entretanto, é PLENAMENTE POSSÍVEL que a Legítima defesa da Legítima defesa no caso de a primeira se putativa. É que neste caso a primeira é imaginária, de modo que, assim sendo, não há faticamente "agressão injusta" logo o agredido pode agir em legítima defesa para repelir agressão injusta (mesmo que o agente agressor penso estar também em legítima defesa).

Espero ter ajudado.

Bons estudos! ?

User badge image

Vig Bayde

Há mais de um mês

Ajudou sim muito obrigada!!!!

User badge image

Luciano Faria

Há mais de um mês

Não há, vide estudo de antijuridicidade. A legitima defesa se caracteriza por repelir injusta agressão. O único caso que aceita dúvida é o da Rixa: mas o mesmo que está repelindo a agressão injusta, também pratica ação injusta, descaracterizando a legítima defesa. Porém o Estado de necessidade aceita ser posto contra outro Estado de necessidade!

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos estudantes