A maior rede de estudos do Brasil

(MPDTF) A respeito das pessoas jurídicas, assinale a opção CORRETA

CONTINUAÇÃO

a) A desconsideração da personalidade jurídica tem como consequência imediata a dissolução da pessoa jurídica, pois ao se desconsiderar a autonomia patrimonial, princípio basilar às pessoas jurídicas, que consiste na separação entre o patrimônio pertencente à instituição e os bens particulares de seus membros, não há como subsistir a personalização da sociedade empresária.

b) Para a validade da alienação do patrimônio da fundação é imprescindível a autorização judicial com a participação do órgão do Ministério Público com atribuição para o velamento das fundações, formalidade que, se suprimida, acarreta a nulidade do ato negocial.

c) Somente o órgão do Ministério Público com atribuição para o velamento das fundações poderá promover a extinção judicial ou administrativa da fundação, se vencido o prazo de sua existência ou se tornar ilícita, impossível ou inútil a sua finalidade.

d) Após a aquisição da personalidade jurídica pela fundação de direito privado, que ocorre com o registro do estatuto, o instituidor assume a sua administração provisória, podendo exercer qualquer atribuição que o estatuto outorgar a um dos seus órgãos internos.

e) A associação é uma pessoa jurídica de direito privado voltada à realização de interesses de seus associados ou de uma finalidade de interesse social, cuja existência legal surge com o registro de seu estatuto, em forma pública, aprovado pelo Ministério Público, como condição prévia ao seu registro em cartório.

Direito Civil I

Colegio Sao Jose


1 resposta(s)

User badge image

Leoberto Bittencourt Filho

Há mais de um mês

A alternativa "A" está errada na minha opinião, pois em matéria empresarial, a pessoa jurídica nada mais é do que uma técnica de separação patrimonial, logo, se há confusão patrimonial que impossibilite a distinção e/ou a separação patrimonial tornar-se inviável a manutenção do princípio da autonomia da personalidade jurídica, posto que não faz mais sentido a separação patrimonial da pessoa jurídica, se ela na prática tornou-se inexistente. A pessoa jurídica não é dissolvida, ficando desconsiderada apenas para determinadas obrigações.

A alternativa "B" está correta, pois, quanto aos bens das fundações, esses são geralmente inalienáveis, pois sua existência é imprescindível à concretização dos fins visados pelo instituidor. Entretanto, comprovada a necessidade da alienação, esta pode ser autorizada pelo juiz após audiência do Ministério Público, velador das fundações, conforme art. 66, CC.

A alternativa "C" está errada, pois como dita o art. 69, CC, qualquer interessado lhe promoverá a extinção.

A alternativa "D" está errada, pois o Estatuto deverá trazer em seu texto a forma de votação para o exercício dos cargos, devendo obedecer a maioria dos votos, definindo as pessoas naturais que os exercerão. Logo, o instituidor não tem o livre poder para decidir qual cargo ocupará.

A alternativa "E" está errada, pois a existência legal da associação não depende de prévia aprovação do Ministério Público, bastando os requisitos do art. 54, CC.

 

 

A alternativa "A" está errada na minha opinião, pois em matéria empresarial, a pessoa jurídica nada mais é do que uma técnica de separação patrimonial, logo, se há confusão patrimonial que impossibilite a distinção e/ou a separação patrimonial tornar-se inviável a manutenção do princípio da autonomia da personalidade jurídica, posto que não faz mais sentido a separação patrimonial da pessoa jurídica, se ela na prática tornou-se inexistente. A pessoa jurídica não é dissolvida, ficando desconsiderada apenas para determinadas obrigações.

A alternativa "B" está correta, pois, quanto aos bens das fundações, esses são geralmente inalienáveis, pois sua existência é imprescindível à concretização dos fins visados pelo instituidor. Entretanto, comprovada a necessidade da alienação, esta pode ser autorizada pelo juiz após audiência do Ministério Público, velador das fundações, conforme art. 66, CC.

A alternativa "C" está errada, pois como dita o art. 69, CC, qualquer interessado lhe promoverá a extinção.

A alternativa "D" está errada, pois o Estatuto deverá trazer em seu texto a forma de votação para o exercício dos cargos, devendo obedecer a maioria dos votos, definindo as pessoas naturais que os exercerão. Logo, o instituidor não tem o livre poder para decidir qual cargo ocupará.

A alternativa "E" está errada, pois a existência legal da associação não depende de prévia aprovação do Ministério Público, bastando os requisitos do art. 54, CC.

 

 

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos estudantes