A maior rede de estudos do Brasil

Em Kant, existem duas formas de manifestação da razão: a razão teórica e a razão prática


4 resposta(s) - Contém resposta de Especialista

User badge image

RD Resoluções Verified user icon

Há mais de um mês

Temos que a razão teórica se baseia na especulação ou investigação reflexiva, ou seja, o conhecimento. Já a razão prática visa o agir. Para que o homem realize o seu desejo inato de ser feliz, ele terá que agir em sociedade com prudência, isto é uma necessidade. Em função disto, a pergunta "o que devo pensar para ser feliz?" não é suficiente para realizar a felicidade, é necessário se perguntar também "o que devo fazer para ser feliz?". Observar que para Kant os três objetos "Deus", "a alma imortal" e "a liberdade" são o "fim final" para ser feliz. Dessa forma, se as leis da natureza são todas necessárias, ou seja, todo fenômeno tem uma causa necessária, de outro modo, para cada efeito há uma causa, como pode existir a liberdade, que significa a total falta de necessidade?

Kant irá dizer que a liberdade é espontaneidade absoluta, ou seja, desvinculada de qualquer causa a priori. Ela não é uma liberdade apenas em pensamento (imaginação) e também não é uma liberdade que se coloca como que para ficar livre das coisas ruins (psicológica).

Temos que a razão teórica se baseia na especulação ou investigação reflexiva, ou seja, o conhecimento. Já a razão prática visa o agir. Para que o homem realize o seu desejo inato de ser feliz, ele terá que agir em sociedade com prudência, isto é uma necessidade. Em função disto, a pergunta "o que devo pensar para ser feliz?" não é suficiente para realizar a felicidade, é necessário se perguntar também "o que devo fazer para ser feliz?". Observar que para Kant os três objetos "Deus", "a alma imortal" e "a liberdade" são o "fim final" para ser feliz. Dessa forma, se as leis da natureza são todas necessárias, ou seja, todo fenômeno tem uma causa necessária, de outro modo, para cada efeito há uma causa, como pode existir a liberdade, que significa a total falta de necessidade?

Kant irá dizer que a liberdade é espontaneidade absoluta, ou seja, desvinculada de qualquer causa a priori. Ela não é uma liberdade apenas em pensamento (imaginação) e também não é uma liberdade que se coloca como que para ficar livre das coisas ruins (psicológica).

User badge image

Danielle

Há mais de um mês

a razao e a prsatica

User badge image

Andre

Há mais de um mês

Filosofia, Comunicação e Ética


Temos que a razão teórica se baseia na especulação ou investigação reflexiva, ou seja, o conhecimento. Já a razão prática visa o agir. Para que o homem realize o seu desejo inato de ser feliz, ele terá que agir em sociedade com prudência, isto é uma necessidade. Em função disto, a pergunta "o que devo pensar para ser feliz?" não é suficiente para realizar a felicidade, é necessário se perguntar também "o que devo fazer para ser feliz?". Observar que para Kant os três objetos "Deus", "a alma imortal" e "a liberdade" são o "fim final" para ser feliz. Dessa forma, se as leis da natureza são todas necessárias, ou seja, todo fenômeno tem uma causa necessária, de outro modo, para cada efeito há uma causa, como pode existir a liberdade, que significa a total falta de necessidade?

Kant irá dizer que a liberdade é espontaneidade absoluta, ou seja, desvinculada de qualquer causa a priori. Ela não é uma liberdade apenas em pensamento (imaginação) e também não é uma liberdade que se coloca como que para ficar livre das coisas ruins (psicológica).

User badge image

Andre

Há mais de um mês

Temos que a razão teórica se baseia na especulação ou investigação reflexiva, ou seja, o conhecimento. Já a razão prática visa o agir. Para que o homem realize o seu desejo inato de ser feliz, ele terá que agir em sociedade com prudência, isto é uma necessidade. Em função disto, a pergunta "o que devo pensar para ser feliz?" não é suficiente para realizar a felicidade, é necessário se perguntar também "o que devo fazer para ser feliz?". Observar que para Kant os três objetos "Deus", "a alma imortal" e "a liberdade" são o "fim final" para ser feliz. Dessa forma, se as leis da natureza são todas necessárias, ou seja, todo fenômeno tem uma causa necessária, de outro modo, para cada efeito há uma causa, como pode existir a liberdade, que significa a total falta de necessidade?

Kant irá dizer que a liberdade é espontaneidade absoluta, ou seja, desvinculada de qualquer causa a priori. Ela não é uma liberdade apenas em pensamento (imaginação) e também não é uma liberdade que se coloca como que para ficar livre das coisas ruins (psicológica).

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos especialistas