A maior rede de estudos do Brasil

Porte ilegal de arma branca

O que dizer do porte ilegal de arma branca? Resquício como contravenção penal do derrogado "art. 19, da LCP"? Fato atípico decorrente da revogação tácita trazida pelo Estatuto do Desarmamento?


3 resposta(s)

User badge image

Jardel Luciano

Há mais de um mês

Questão nada pacífica!

Observem na órbita da Jurisprudência (julgados recentes):

a)     TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO – ACORDÃO 1ª CÂMARA CRIMINAL EXTRAORDINÁRIA TJSP – 19 DE MAIO DE 2014: Apelação Nº 0101835-32.2010.8.26.050 - APELAÇÃO CRIMINAL PORTE ILEGAL DE ARMA DE FOGO CONTRAVENÇÃO DE PORTE DE ARMA BRANCA - ABSOLVIÇÃO - IMPOSIBILIDADE. Tendo o conjunto probatório se mostrado uníssono em demonstrar a prática dos ilícitos dos artigos 14 da Lei nº 10.826/03 e 19 da Lei de Contravenções Penais, inviável a solução absolutória. Condenação mantida. Recurso não provido. Minuta: A ora apelante foi denunciada como incursa no artigo 14, caput, da Lei nº 10.826/03 e no artigo 19 da Lei de Contravenções Penais, porque, no dia 2 de dezembro de 2010, por volta das 14h20m, na Rua Brigadeiro Machado, esquina com a Av. Rangel Pestana, Brás, na cidade e Comarca de São Paulo, possuía, transportava e forneceu arma de fogo de uso permitido, consistente em um revólver calibre 38, com numeração presente, em desacordo com a determinação legal ou regulamentar, bem como trazia uma faca tipo punhal.

b)     TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE MINAS GERAIS – ACORDÃO 1ª CÂMARA CRIMINAL – 14 DE JANEIRO DE 2014: Ementa: Habeas Corpus – porte de arma branca sem licença – atipicidade da conduta – trancamento da ação penal – viabilidade – ordem concedida. 1. A conduta de portar arma branca não configura a contravenção penal prevista pelo artigo 19 da Lei de Contravenções Penais, que apenas engloba o porte das chamadas armas próprias. 2. Verificada a atipicidade da conduta, o trancamento da ação penal originária se impõe. 3. Writ concedido. Minuta: o paciente se viu denunciado pela suposta prática da contravenção penal prevista no art. 19 da Lei específica (fls. 15/16), em virtude de policiais militares terem encontrado um facão escondido atrás do banco no qual o ora paciente se encontrava.

c)     TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE MINAS GERAIS – ACORDAO 7ª CÂMARA CRIMINAL TJMG – 28 DE JUNHO DE 2013: EMENTA: HABEAS CORPUS - CONTRAVENÇÃO PENAL - PORTE DE ARMA BRANCA - EXIGÊNCIA DE PERIGO CONCRETO - ATIPIA DA CONDUTA - ORDEM CONCEDIDA. - O porte de pequenos canivetes e outras armas brancas como facas, por si só, não enseja a tipicidade da conduta descrita na lei de contravenções -arma branca - a permitir a instauração da ação penal. Minuta: que no dia 17/05/2011, em tese, trazia consigo arma branca, sem licença ou autorização da autoridade competente.

d)     SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA – ACÓRDÃO 6ª TURMA STJ – 08 DE MAIO DE 2014:AGRAVO REGIMENTAL. RECURSO ORDINÁRIO EM HABEAS CORPUS. PORTE DE ARMA BRANCA. ALEGADA ATIPICIDADE. ART. 19 DA LEI DAS CONTRAVENCOES PENAIS. LEI 9.437⁄1997. REVOGAÇÃO APENAS NO QUE SE REFERE AO PORTE DE ARMA DE FOGO. SUBSISTÊNCIA DA CONTRAVENÇÃO QUANTO AO PORTE DE ARMA BRANCA. RECURSO DESPROVIDO. – A Lei 9.437⁄1997, ao instituir o Sistema Nacional de Armas e tipificar o crime de porte não autorizado de armas de fogo, não revogou o art. 19 da Lei das Contravenções Penais, de forma que subsiste a contravenção penal em relação ao porte de arma branca. Precedentes. Agravo regimental desprovido. 1. Consoante a jurisprudência desta Corte, a Lei nº 9.437⁄97 e também a de nº 10.826⁄03 tipificam o porte ilegal de arma de fogo. Em relação ao porte de arma branca, a conduta continua a ser prevista como contravenção penal, mais especificamente, o art. 19 do Decreto-Lei nº 3.688⁄1941.

e)     SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA – ACÓRDÃO 5ª TURMA STJ – 04 DE FEVEREIRO DE 2014:RECURSO ORDINÁRIO EM HABEAS CORPUS. ART. 19 DA LEI DAS CONTRAVENCOES PENAIS. ATIPICIDADE. INEXISTÊNCIA. ART. 10 DA LEI N.º9.437⁄97. REVOGAÇÃO PARCIAL. SUBSISTÊNCIA DA CONTRAVENÇÃO QUANTO AO PORTE DE ARMA BRANCA. RECURSO DESPROVIDO. 1. A edição da Lei n.º 9.437⁄97 - diploma que instituiu o Sistema Nacional de Armas e elevou à categoria de crime o porte não autorizado de armas de fogo - não revogou o art. 19 da Lei das Contravenções Penais, subsistindo a contravenção quanto ao porte de arma branca. Precedentes. 2. Recurso desprovido.Ora, não se conclui como atípica a conduta de portar outros tipos de arma do fato de o porte ilegal de arma de fogo haver sido retirado da esfera de incidência da norma contravencional e erigido à natureza de crime. Com efeito, a derrogação do art. 19 do Decreto-Lei n.º 3.688⁄41 deu-se tão somente em relação às armas de fogo, não se estendendo às armas brancas, cuja posse fora de casa ou de dependência desta, sem licença de autoridade, constitui a contravenção respectiva, que guarda, portanto, residual vigência.

SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL – PROCESSO AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 782488 RS – 23 DE FEVEREIRO DE 2010 – DECISÃO:Agravo em Recurso Extraordinário. Processual Penal. 1) falta de prequestionamento: súmulas n. 282 e 356 do supremo tribunal. 2) controvérsia sobre eficácia do art. 19 do decreto-lei n. 3.688/1941: questão infraconstitucional. Recurso ao qual se nega seguimento. Minuta: A denúncia descreve que o acusado foi abordado na via pública, depois das 23h45min, portando uma adaga com aproximadamente 47 cm de lâmina e uma faca com cerca de 22 cm de lâmina. Embora com divergência de entendimento sobre a questão jurídica, é preciso examinar as circunstâncias do fato para se concluir acerca da tipicidade, no tocante especialmente à potencialidade lesiva. Isso porque as Leis nº 9.437/97 e 10.826/03 não vieram para descriminalizar o porte de arma branca, apenas elevaram o “porte ilegal de arma de fogo”, antes tipificado como contravenção penal, à categoria de crime (TURMA RECURSAL CRIMINAL DO JUIZADO ESPECIAL DE PORTO ALEGRE/RS). Relatora Ministra Carmen Lúcia: Razão jurídica não assiste ao Agravante. Ademais, a controvérsia sobre a eficácia do art. 19 do Decreto-Lei n. 3.688/1941 é infraconstitucional e não pode ser objeto de Recurso Extraordinário. Nada há a prover quanto às alegações do Agravante.

 

Já na Doutrina, autores renomados como Damásio, Andreucci e Capez têm se posicionado a respeito e afirmam que o art. 19 da LCP subsiste quando ao porte de arma branca. Já o excêntrico Nucci manifestou em sua obra mais recente (Leis Penais Especiais - 2014) que trata-se de fato atíco, assim como boa parte das condutas previstas na LCP.

A discussão deve ser fomentada às luz do art. 144, da CF, sem se desgarrar dos bens jurídicos tutelados pela citada norma (incolumidade e segurança pública), mas, ao mesmo tempo, sob a égide dos direitos e garantias individuais insculpidos por toda a Constituição Federal.

Eis o doce fardo do operador do direito...

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos estudantes