A maior rede de estudos do Brasil

Sobre taxa de câmbio: a) defina taxa de câmbio; b) explique os regimes cambiais


1 resposta(s) - Contém resposta de Especialista

User badge image

RD Resoluções Verified user icon

Há mais de um mês

Taxa de câmbio é o preço de uma moeda estrangeira medido em unidades ou frações (centavos) da moeda nacional. No Brasil, a moeda estrangeira mais negociada é o dólar dos Estados Unidos, fazendo com que a cotação comumente utilizada seja a dessa moeda. Assim, quando dizemos, por exemplo, que a taxa de câmbio é 3,10, significa que um dólar dos Estados Unidos custa R$ 3,10. A taxa de câmbio reflete, assim, o custo de uma moeda em relação à outra. As cotações apresentam taxas para a compra e para a venda da moeda, as quais são referenciadas do ponto de vista do agente autorizado a operar no mercado de câmbio pelo Banco Central. Quando a taxa de câmbio nominal é predominantemente determinada pela lei da oferta e da procura de mercado, dizemos que o regime é de taxas flutuantes. Já quando o governo fixa uma paridade para o valor da moeda, dizemos que o regime é de câmbio fixo.  Um raciocínio análogo pode ser aplicado quando aumenta a demanda por real (vis-à-vis dólar) – por exemplo, se o país passa a ser considerado em grau de investimento por agências de classificação de risco, isso gera uma entrada de capital externo. Aqui, se o câmbio for flutuante, o preço do dólar (em relação ao real) diminuirá, isto é, haverá apreciação do real frente ao dólar. Em um regime de câmbio fixo, no entanto, o Banco Central precisará comprar dólar para evitar a flutuação, aumentando assim seu estoque de reservas internacionais. Na prática muitos países adotam um sistema híbrido – também conhecido como flutuação suja –, em que deixam o câmbio flutuar, mas esporadicamente intervêm no mercado quando o câmbio está muito alto ou muito baixo.

Taxa de câmbio é o preço de uma moeda estrangeira medido em unidades ou frações (centavos) da moeda nacional. No Brasil, a moeda estrangeira mais negociada é o dólar dos Estados Unidos, fazendo com que a cotação comumente utilizada seja a dessa moeda. Assim, quando dizemos, por exemplo, que a taxa de câmbio é 3,10, significa que um dólar dos Estados Unidos custa R$ 3,10. A taxa de câmbio reflete, assim, o custo de uma moeda em relação à outra. As cotações apresentam taxas para a compra e para a venda da moeda, as quais são referenciadas do ponto de vista do agente autorizado a operar no mercado de câmbio pelo Banco Central. Quando a taxa de câmbio nominal é predominantemente determinada pela lei da oferta e da procura de mercado, dizemos que o regime é de taxas flutuantes. Já quando o governo fixa uma paridade para o valor da moeda, dizemos que o regime é de câmbio fixo.  Um raciocínio análogo pode ser aplicado quando aumenta a demanda por real (vis-à-vis dólar) – por exemplo, se o país passa a ser considerado em grau de investimento por agências de classificação de risco, isso gera uma entrada de capital externo. Aqui, se o câmbio for flutuante, o preço do dólar (em relação ao real) diminuirá, isto é, haverá apreciação do real frente ao dólar. Em um regime de câmbio fixo, no entanto, o Banco Central precisará comprar dólar para evitar a flutuação, aumentando assim seu estoque de reservas internacionais. Na prática muitos países adotam um sistema híbrido – também conhecido como flutuação suja –, em que deixam o câmbio flutuar, mas esporadicamente intervêm no mercado quando o câmbio está muito alto ou muito baixo.

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos especialistas