A maior rede de estudos do Brasil

explicar a diferença entre nulidade e anulabilidade dos negócios jurídicos e apresentar exemplo

Direito Civil I

UNINASSAU MACEIÓ


3 resposta(s) - Contém resposta de Especialista

User badge image

RD Resoluções Verified user icon

Há mais de um mês

Para responder a essa pergunta devemos colocar em prática o conhecimento sobre Direito Processual Civil I.


Antes da dissertação da diferença entre negócio jurídico nulo e anulável, é elementar a explicação a respeito do conceito do que é negócio jurídico. Assim, o negócio jurídico é onde se declara a vontade de um ato lícito (em conformidade com a legislação), e que as partes interessadas concordam em regramento de conduta. Já sobre a diferença dos tipos de negócios jurídicos: o negócio jurídico nulo é aquele tipo de negócio que é inválido de acordo com o impedimento expresso de lei, já o negócio jurídico anulável é aquele que depende de decisão para ser considerado anulável. O que significa que, a legislação, conforme o art. 166 do Código Civil (CC, Lei nº 10.406/2002), se um ato é praticado por alguém absolutamente incapaz, o ato é nulo. E o ato anulável conforme art. 171 do mesmo código, acontece, quando o ato é praticado por um relativamente incapaz. Por exemplo, se uma criança de 8 anos de idade compra um carro é um negócio jurídico nulo, já um adolescente de 17 anos que celebra a compra de um carro acaba realizando um negócio jurídico anulável, pois é relativamente incapaz, sendo a criança de 8 anos absolutamente incapaz.

Para responder a essa pergunta devemos colocar em prática o conhecimento sobre Direito Processual Civil I.


Antes da dissertação da diferença entre negócio jurídico nulo e anulável, é elementar a explicação a respeito do conceito do que é negócio jurídico. Assim, o negócio jurídico é onde se declara a vontade de um ato lícito (em conformidade com a legislação), e que as partes interessadas concordam em regramento de conduta. Já sobre a diferença dos tipos de negócios jurídicos: o negócio jurídico nulo é aquele tipo de negócio que é inválido de acordo com o impedimento expresso de lei, já o negócio jurídico anulável é aquele que depende de decisão para ser considerado anulável. O que significa que, a legislação, conforme o art. 166 do Código Civil (CC, Lei nº 10.406/2002), se um ato é praticado por alguém absolutamente incapaz, o ato é nulo. E o ato anulável conforme art. 171 do mesmo código, acontece, quando o ato é praticado por um relativamente incapaz. Por exemplo, se uma criança de 8 anos de idade compra um carro é um negócio jurídico nulo, já um adolescente de 17 anos que celebra a compra de um carro acaba realizando um negócio jurídico anulável, pois é relativamente incapaz, sendo a criança de 8 anos absolutamente incapaz.

User badge image

Lariane Sousa

Há mais de um mês

A nulidade e a anulabilidade dos negócios jurídicos.

O negocio jurídico é onde declara a vontade de um ato lícito, no qual as partes interessadas concordam em regramento de condutas.

É composto de manifestação de vontade com finalidade de negocio, devera em regra geral criar, adquirir, transferir, modificar ou extinguir direitos

O plano de validade do negócio jurídico não pode ser confundido com o plano de eficácia, ato válido é aquele que está de acordo com a lei. Ato inválido é aquele que está em desconformidade com a lei. A lei dita a validade do negócio jurídico. A invalidade mais grave é a chamada nulidade, o ato é nulo. Se a invalidade é menos grave, o ato é anulável.

O ato nulo já é nulo de pleno direito, e o ato anulável está esperando alguém pedir pra anular. Se não pedirem a anulação, convalesce o ato anulável. O ato nulo pode e deve ser declarado de ofício pelo juiz. Ele não convalesce, e pode ser declarado a qualquer tempo. Ele não pode ser confirmado ou ratificado, diferentemente do ato anulável que não pode ter atuação de ofício pelo juiz, a parte precisa requerer a anulação. Se as partes não requererem no prazo que a lei dá o ato anulável convalesce.

O ato anulável pode sim ser confirmado ou ratificado. É a lei que vai ter que dizer quando o ato é nulo ou anulável, artigo 166: Se um ato é praticado por um absolutamente incapaz é nulo. Artigo 171 do código civil; O ato praticado por um relativamente incapaz sem a devida assistência é apenas anulável.

A distinção entre nulidade relativa e absoluta pode ser feita a partir dos efeitos, da pessoa que as pode alegar, da possibilidade de ratificação e prescritível, anualidades relativa e absoluta, dentro desse âmbito do negocio jurídico trazem conseqüência e efeitos que podem ser ex tunc, nulo e ex nunc, anulável.

Por tanto o negocio jurídico será nulo quando ofender a preceitos de ordem publicas que interessam a sociedade e anulável quando particular, Com a invalidação do ato negocial, ter -se- á a restituição das partes contratantes, voltando ao estado em que se encontravam antes da efetivação do negócio, pronunciamento da nulidade absoluta ou relativa requer que as partes retomem ao estado anterior, como se o ato nunca tivesse ocorrido

User badge image

RD Resoluções Verified user icon

Há mais de um mês

Para responder a essa pergunta devemos colocar em prática o conhecimento sobre Direito Processual Civil I. Antes da dissertação da diferença entre negócio jurídico nulo e anulável, é elementar a explicação a respeito do conceito do que é negócio jurídico. Assim, o negócio jurídico é onde se declara a vontade de um ato lícito (em conformidade com a legislação), e que as partes interessadas concordam em regramento de conduta. Já sobre a diferença dos tipos de negócios jurídicos: o negócio jurídico nulo é aquele tipo de negócio que é inválido de acordo com o impedimento expresso de lei, já o negócio jurídico anulável é aquele que depende de decisão para ser considerado anulável. O que significa que, a legislação, conforme o art. 166 do Código Civil (CC, Lei nº 10.406/2002), se um ato é praticado por alguém absolutamente incapaz, o ato é nulo. E o ato anulável conforme art. 171 do mesmo código, acontece, quando o ato é praticado por um relativamente incapaz. Por exemplo, se uma criança de 8 anos de idade compra um carro é um negócio jurídico nulo, já um adolescente de 17 anos que celebra a compra de um carro acaba realizando um negócio jurídico anulável, pois é relativamente incapaz, sendo a criança de 8 anos absolutamente incapaz.

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos especialistas