A maior rede de estudos do Brasil

como funciona o mecanismo contra-corrente

Fisiologia IUNIAN - NITERÓI

3 resposta(s) - Contém resposta de Especialista

User badge image

RD Resoluções Verified user icon

Há mais de um mês

Para responder essa questão precisamos colocar em prática nosso conhecimento sobre Fisiologia I.


A pressão osmótica que sai na arteríola eferente dos nefróns criticais é muito alta, porém como ela se ramifica, fazendo trocas em todos os sentidos, e acaba se equilibrando com a osmolaridade do néfron e saindo com osmolaridade normal.


Ou seja, a pressão osmótica se ramifica e acaba se equilibrando com a osmolaridade do néfron e saindo com osmolaridade normal.

Para responder essa questão precisamos colocar em prática nosso conhecimento sobre Fisiologia I.


A pressão osmótica que sai na arteríola eferente dos nefróns criticais é muito alta, porém como ela se ramifica, fazendo trocas em todos os sentidos, e acaba se equilibrando com a osmolaridade do néfron e saindo com osmolaridade normal.


Ou seja, a pressão osmótica se ramifica e acaba se equilibrando com a osmolaridade do néfron e saindo com osmolaridade normal.

User badge image

Simone

Há mais de um mês

Nos néfrons corticais, a pressão osmótica que sai na arteríola eferente é muito alta, mas como ela se enrola e se ramifica, fazendo trocas em todos os sentidos, acaba por se equilibrar com a osmolaridade do néfron (a pressão osmótica do néfron), saindo com osmolaridade normal (em equilíbrio). 

Nos néfrons justa-medulares ocorre a troca em contracorrente, pois a arteríola não se ramifica. Ela segue a alça de Henle, que faz com que a osmolaridade se equilibre, absorvendo solutos na descida e devolvendo na subida. Eles são chamados de "vasa recta" 

Os solutos vão entrando no vaso conforme ele vai descendo. Os vasos possuem ligação entre eles (são divididos em vaso ascendente e descendente) e, conforme o ascendente sobe, vai trocando com o descendente, sendo que os vasos são permeáveis, mas o ramo ascendente da alça de Henle não é. A hiperosmolaridade da medula renal é gerada pelo ramo ascendente da alça de Henle e mantida pelo sistema de trocas contracorrente dos "vasa recta".

User badge image

Andre

Há mais de um mês

Para responder essa questão precisamos colocar em prática nosso conhecimento sobre Fisiologia I.


A pressão osmótica que sai na arteríola eferente dos nefróns criticais é muito alta, porém como ela se ramifica, fazendo trocas em todos os sentidos, e acaba se equilibrando com a osmolaridade do néfron e saindo com osmolaridade normal.


Ou seja, a pressão osmótica se ramifica e acaba se equilibrando com a osmolaridade do néfron e saindo com osmolaridade normal.

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos especialistas