A maior rede de estudos do Brasil

Compare o ciclo de vida de um musgo com o de uma samambaia homosporada leptosporangiada.

Biologia

UFFS


3 resposta(s) - Contém resposta de Especialista

User badge image

RD Resoluções Verified user icon

Há mais de um mês

Os musgos são dioicos, ou seja, há plantas femininas e plantas masculinas. Ao atingir a maturidade sexual os gametófitos produzem gametângios, em cujo interior são produzidos os gametas. Do musgo masculino os anterozoides podem alcançar o musgo feminino por meio da água da chuva e então nadam em direção ao arquegônio onde acontece a fecundação e formação do zigoto que dá origem ao esporófito, produtor de esporos que cresce sobre o gametófito feminino, obtendo daí seu alimento.


Os esporos se formam por meiose e então são liberados ao ambiente. Cada esporo germina formando uma espécie de broto (também chamado de protonema) que forma um novo musgo reiniciando o ciclo. Os gametófitos são monoicos, ou seja, abrigam os órgãos sexuais masculinos (anterídios) e femininos (arquegônios) e por isso, os anterozoides deixam os anterídios e se deslocam em meio líquido para o arquegônio, onde contém a oosfera.


Portanto, o ciclo de vida dos musgos e das samambaias passam por uma fase diploide e uma fase haploide no ciclo de vida do musgo o gametófito é haploide, sexuado e independente (autótrofo) e duradouro. Já o esporófito é diploide, assexuado, dependente (é heterótrofo e recebe nutrientes do gametófito feminino) e passageiro e transitório; enquanto que no ciclo de vida de uma samambaia o esporófito é diploide, assexuado, independente (autótrofo) e duradouro. Já o gametófito ou prótalo é haploide, sexuado, independente (apesar de pouco desenvolvido é clorofilado e, portanto, autótrofo e passageiro (degenera após a formação do zigoto).

Os musgos são dioicos, ou seja, há plantas femininas e plantas masculinas. Ao atingir a maturidade sexual os gametófitos produzem gametângios, em cujo interior são produzidos os gametas. Do musgo masculino os anterozoides podem alcançar o musgo feminino por meio da água da chuva e então nadam em direção ao arquegônio onde acontece a fecundação e formação do zigoto que dá origem ao esporófito, produtor de esporos que cresce sobre o gametófito feminino, obtendo daí seu alimento.


Os esporos se formam por meiose e então são liberados ao ambiente. Cada esporo germina formando uma espécie de broto (também chamado de protonema) que forma um novo musgo reiniciando o ciclo. Os gametófitos são monoicos, ou seja, abrigam os órgãos sexuais masculinos (anterídios) e femininos (arquegônios) e por isso, os anterozoides deixam os anterídios e se deslocam em meio líquido para o arquegônio, onde contém a oosfera.


Portanto, o ciclo de vida dos musgos e das samambaias passam por uma fase diploide e uma fase haploide no ciclo de vida do musgo o gametófito é haploide, sexuado e independente (autótrofo) e duradouro. Já o esporófito é diploide, assexuado, dependente (é heterótrofo e recebe nutrientes do gametófito feminino) e passageiro e transitório; enquanto que no ciclo de vida de uma samambaia o esporófito é diploide, assexuado, independente (autótrofo) e duradouro. Já o gametófito ou prótalo é haploide, sexuado, independente (apesar de pouco desenvolvido é clorofilado e, portanto, autótrofo e passageiro (degenera após a formação do zigoto).

User badge image

Andre Smaira

Há mais de um mês

Os musgos são dioicos, ou seja, há plantas femininas e plantas masculinas. Ao atingir a maturidade sexual os gametófitos produzem gametângios, em cujo interior são produzidos os gametas. Do musgo masculino os anterozoides podem alcançar o musgo feminino por meio da água da chuva e então nadam em direção ao arquegônio onde acontece a fecundação e formação do zigoto que dá origem ao esporófito, produtor de esporos que cresce sobre o gametófito feminino, obtendo daí seu alimento.


Os esporos se formam por meiose e então são liberados ao ambiente. Cada esporo germina formando uma espécie de broto (também chamado de protonema) que forma um novo musgo reiniciando o ciclo. Os gametófitos são monoicos, ou seja, abrigam os órgãos sexuais masculinos (anterídios) e femininos (arquegônios) e por isso, os anterozoides deixam os anterídios e se deslocam em meio líquido para o arquegônio, onde contém a oosfera.


Portanto, o ciclo de vida dos musgos e das samambaias passam por uma fase diploide e uma fase haploide no ciclo de vida do musgo o gametófito é haploide, sexuado e independente (autótrofo) e duradouro. Já o esporófito é diploide, assexuado, dependente (é heterótrofo e recebe nutrientes do gametófito feminino) e passageiro e transitório; enquanto que no ciclo de vida de uma samambaia o esporófito é diploide, assexuado, independente (autótrofo) e duradouro. Já o gametófito ou prótalo é haploide, sexuado, independente (apesar de pouco desenvolvido é clorofilado e, portanto, autótrofo e passageiro (degenera após a formação do zigoto).

User badge image

Andre Smaira

Há mais de um mês

Foram utilizados conhecimentos de botânica para responder esta questão.


Os musgos são dioicos, ou seja, há plantas femininas e plantas masculinas. Ao atingir a maturidade sexual os gametófitos produzem gametângios, em cujo interior são produzidos os gametas. Do musgo masculino os anterozoides podem alcançar o musgo feminino por meio da água da chuva e então nadam em direção ao arquegônio onde acontece a fecundação e formação do zigoto que dá origem ao esporófito, produtor de esporos que cresce sobre o gametófito feminino, obtendo daí seu alimento.


Os esporos se formam por meiose e então são liberados ao ambiente. Cada esporo germina formando uma espécie de broto (também chamado de protonema) que forma um novo musgo reiniciando o ciclo. Os gametófitos são monoicos, ou seja, abrigam os órgãos sexuais masculinos (anterídios) e femininos (arquegônios) e por isso, os anterozoides deixam os anterídios e se deslocam em meio líquido para o arquegônio, onde contém a oosfera.


Portanto, o ciclo de vida dos musgos e das samambaias passam por uma fase diploide e uma fase haploide no ciclo de vida do musgo o gametófito é haploide, sexuado e independente (autótrofo) e duradouro. Já o esporófito é diploide, assexuado, dependente (é heterótrofo e recebe nutrientes do gametófito feminino) e passageiro e transitório; enquanto que no ciclo de vida de uma samambaia o esporófito é diploide, assexuado, independente (autótrofo) e duradouro. Já o gametófito ou prótalo é haploide, sexuado, independente (apesar de pouco desenvolvido é clorofilado e, portanto, autótrofo e passageiro (degenera após a formação do zigoto).

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos especialistas