A maior rede de estudos do Brasil

Do caráter supraestatal do constitucionalismo, extraem-se a formalidade e a rigidez das Constituições modernas?

Competencias

Direito Constitucional I

Humanas / Sociais


2 resposta(s) - Contém resposta de Especialista

User badge image

Carlos Eduardo Ferreira de Souza Verified user icon

Há mais de um mês

Em pesquisa, encontrei o restante da questão referida. Observemos:

"A possibilidade de um direito positivo supraestatal limitar o Poder Legislativo foi uma invenção do constitucionalismo do século XVIII, inspirado pela tese de Montesquieu de que apenas poderes moderados eram compatíveis com a liberdade. Mas como seria possível restringir o poder soberano, tendo a sua autoridade sido entendida ao longo da modernidade justamente como um poder que não encontrava limites no direito positivo? Uma soberania limitada parecia uma contradição e, de fato, a exigência de poderes políticos limitados implicou redefinir o próprio conceito de soberania, que sofreu uma deflação.

Alexandre Costa. O poder constituinte e o paradoxo da soberania limitada. In: Teoria & Sociedade. n.º 19, 2011, p. 201 (com adaptações).

Considerando o texto precedente, julgue o item a seguir, a respeito de Constituição, classificações das Constituições e poder constituinte.

Do caráter supraestatal do constitucionalismo, referido no texto, extraem-se a formalidade e a rigidez das Constituições modernas."

A) CERTO

B) ERRADO

GABARITO: CERTO

O texto traz a noção do caráter supraestatal do constitucionalismo. É que, de fato, o instituto funciona como limitador do próprio poder constituído e se localiza acima dos administrados, jurisdicionados, governantes, julgadores e legisladores, ou seja, o constitucionalismo coloca a Constituição acima da mais alta autoridade constituída dentro de um Estado.

Isso tem tudo a ver com a rigidez e a formalidade das Constituições.

Pela rigidez, se protege a Constituição de alterações ordinárias, facilitadas e promovidas ao bel prazer do legislador, pois a Constituição rígida é aquela que exige procedimento legislativo mais dificultoso para alteração de suas disposições (no Brasil, o procedimento de emenda constitucional é trazida pelo art. 60, da CRFB).

Já a formalidade, que encontra respaldo no próprio conceito de rigidez, traz a Constituição escrita, solene e com maior dificuldade de moficação, que deve se basear em procedimento expresso no próprio texto constitucional.

Em pesquisa, encontrei o restante da questão referida. Observemos:

"A possibilidade de um direito positivo supraestatal limitar o Poder Legislativo foi uma invenção do constitucionalismo do século XVIII, inspirado pela tese de Montesquieu de que apenas poderes moderados eram compatíveis com a liberdade. Mas como seria possível restringir o poder soberano, tendo a sua autoridade sido entendida ao longo da modernidade justamente como um poder que não encontrava limites no direito positivo? Uma soberania limitada parecia uma contradição e, de fato, a exigência de poderes políticos limitados implicou redefinir o próprio conceito de soberania, que sofreu uma deflação.

Alexandre Costa. O poder constituinte e o paradoxo da soberania limitada. In: Teoria & Sociedade. n.º 19, 2011, p. 201 (com adaptações).

Considerando o texto precedente, julgue o item a seguir, a respeito de Constituição, classificações das Constituições e poder constituinte.

Do caráter supraestatal do constitucionalismo, referido no texto, extraem-se a formalidade e a rigidez das Constituições modernas."

A) CERTO

B) ERRADO

GABARITO: CERTO

O texto traz a noção do caráter supraestatal do constitucionalismo. É que, de fato, o instituto funciona como limitador do próprio poder constituído e se localiza acima dos administrados, jurisdicionados, governantes, julgadores e legisladores, ou seja, o constitucionalismo coloca a Constituição acima da mais alta autoridade constituída dentro de um Estado.

Isso tem tudo a ver com a rigidez e a formalidade das Constituições.

Pela rigidez, se protege a Constituição de alterações ordinárias, facilitadas e promovidas ao bel prazer do legislador, pois a Constituição rígida é aquela que exige procedimento legislativo mais dificultoso para alteração de suas disposições (no Brasil, o procedimento de emenda constitucional é trazida pelo art. 60, da CRFB).

Já a formalidade, que encontra respaldo no próprio conceito de rigidez, traz a Constituição escrita, solene e com maior dificuldade de moficação, que deve se basear em procedimento expresso no próprio texto constitucional.

User badge image

Eduardo Novaes

Há mais de um mês

CERTISSÍMO 

 

A possibilidade de um direito positivo supraestatal limitar o Poder Legislativo foi uma invenção do constitucionalismo do século XVIII, inspirado pela tese de Montesquieu de que apenas poderes moderados eram compatíveis com a liberdade. Mas como seria possível restringir o poder soberano, tendo a sua autoridade sido entendida ao longo da modernidade justamente como um poder que não encontrava limites no direito positivo? Uma soberania limitada parecia uma contradição e, de fato, a exigência de poderes políticos limitados implicou redefinir o próprio conceito de soberania, que sofreu uma deflação.

Alexandre Costa. O poder constituinte e o paradoxo da soberania limitada. In: Teoria & Sociedade. n.º 19, 2011, p. 201 (com adaptações).

Considerando o texto precedente, julgue o item a seguir, a respeito de Constituição, classificações das Constituições e poder constituinte.

 

Do caráter supraestatal do constitucionalismo, referido no texto, extraem-se a formalidade e a rigidez das Constituições modernas.

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos especialistas