A maior rede de estudos do Brasil

como acontece a descarga elétrica da emissão do raio x ? e como girar o anódio preciso saber...


1 resposta(s)

User badge image

Elon Oliveira Nete

Há mais de um mês

otação do anodo é realizada pelo aprisionamento de um disco de tungstênio a um motor de indução através de uma haste de molibdênio. Este motor é constituído por um rotor  (barras de cobre arranjadas ao redor de um núcleo de ferro cilíndrico) e um estator (conjunto de bobinas que ficam ao redor do rotor, fora da cápsula a vácuo). Com a aplicação de uma corrente alternada entre os pares de bobinas do estator, é produzido um campo magnético que induz uma corrente no rotor, e esta corrente induz um campo magnético oposto. O rotor sofre ação da força magnética, como explicado anteriormente, e assim rotaciona. A produção de raios X no equipamento só é permitida quando a velocidade máxima do anodo é alcançada, ocasionando um atraso entre o acionamento do botão no painel de controle e a produção dos raios X. A haste de molibdênio diminui o calor transferido do anodo para o rotor devido a este material ser um mal condutor de calor, preservando assim a integridade do rotor.

Os tubos com anodos giratório exigem uma engenharia mais elaborada para sua fabricação, tornando-os mais caros. Por isso, apesar de a maioria dos equipamentos serem de anodo giratório, há muitos que utilizam anodo fixo. No anodo fixo, o bloco de cobre onde é inserido o tungstênio tem a função de suporte deste alvo e de dissipar o calor gerado. Como a interação neste anodo acontece sempre na mesma área, a corrente do tubo é limitada pra não ocorrer danos na superfície deste alvo, ao contrário do anodo giratório que consegue uma área de interação no anodo muito maior do que o anodo fixo, tendo melhor capacidade de dissipação de calor.

otação do anodo é realizada pelo aprisionamento de um disco de tungstênio a um motor de indução através de uma haste de molibdênio. Este motor é constituído por um rotor  (barras de cobre arranjadas ao redor de um núcleo de ferro cilíndrico) e um estator (conjunto de bobinas que ficam ao redor do rotor, fora da cápsula a vácuo). Com a aplicação de uma corrente alternada entre os pares de bobinas do estator, é produzido um campo magnético que induz uma corrente no rotor, e esta corrente induz um campo magnético oposto. O rotor sofre ação da força magnética, como explicado anteriormente, e assim rotaciona. A produção de raios X no equipamento só é permitida quando a velocidade máxima do anodo é alcançada, ocasionando um atraso entre o acionamento do botão no painel de controle e a produção dos raios X. A haste de molibdênio diminui o calor transferido do anodo para o rotor devido a este material ser um mal condutor de calor, preservando assim a integridade do rotor.

Os tubos com anodos giratório exigem uma engenharia mais elaborada para sua fabricação, tornando-os mais caros. Por isso, apesar de a maioria dos equipamentos serem de anodo giratório, há muitos que utilizam anodo fixo. No anodo fixo, o bloco de cobre onde é inserido o tungstênio tem a função de suporte deste alvo e de dissipar o calor gerado. Como a interação neste anodo acontece sempre na mesma área, a corrente do tubo é limitada pra não ocorrer danos na superfície deste alvo, ao contrário do anodo giratório que consegue uma área de interação no anodo muito maior do que o anodo fixo, tendo melhor capacidade de dissipação de calor.

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos estudantes