A maior rede de estudos do Brasil

O coração de Corali

O coração de Corali  

 

    O coração de Corali é tão grande, que é capaz de caber num caminhão. Mas caminhão não é coisa reservada no coração de ninguém. Por isso, no coração de Corali tem um espaço pro pai, pra mãe, pra tia gorda, pra avó Joana, pro avô Pedro e pro Sapoti, um cachorro peludo, vira-lata, do mais puro sangue que o pai de Corali conseguiu. Mas, mesmo com esse mundo de gente dentro do coração, ainda sobrava espaço. E o espaço, Corali não sabia por que tinha mais é cara de buraco.    Um buraco vazio no fundo do peito. Corali sentia que faltava alguma coisa. Um dia teve até uma reunião de família para discutir o coração de Corali. Isso porque a coisa já estava virando um problema sério. Corali ficava às vezes parada, triste, pensando um jeito de tapar o buraco vazio, que impedia até de brincar com o pessoal da rua e da escola. A professora notou, falou pra mãe, a mãe falou pro pai e o pai se encarregou de espalhar pro resto da família.     Um dizia uma coisa, outro dizia outra e ninguém chegava a lugar nenhum. O pai dizia que era falta de um amigo o que Corali sentia, a mãe achava que era falta de brincadeira com os colegas da escola, a avó dizia que era falta de um irmão pra brincar todo dia, o avô dizia que era mania de menina que tem tudo em casa e, na verdade, não sentia falta de nada. Só a tia gorda não dizia. Ficava olhando Corali com um olhar comprido, como se dissesse “tanta confusão por causa de um buraco vazio no peito”. Até o Sapoti, se soubesse falar, tinha metido o focinho na história...     E ficaram nessa discussão mais de duas horas. Corali já estava cansada, com vontade de dizer que não tinha importância. Um dia, quem sabe, alguém tapava o buraco com cimento depois pintava de vermelho, a cor que Corali mais gostava, que nem o avô fazia na obra onde trabalhava quando era mais moço. Mas ninguém deixava ela falar. Gente grande, às vezes, acha que gente pequena não tem opinião. Queriam resolver a todo custo o problema. E acabaram não resolvendo nada.                                                                                   (Eliane Ganem)  

 

 

01) Os textos narrativos apresentam fundamentalmente a existência de um narrador, que é o elemento caracterizador do foco narrativo. Diz-se que foco narrativo é o modo de o narrador se colocar diante do fato narrado. No texto “O coração de Corali” é possível saber quem faz esse papel de contador de histórias? Por quê? Classifique o tipo de narrador a partir da resposta anterior e dê características que comprovem a sua resposta.  

 

02) Num texto, quando escrevemos ou falamos, valemo-nos do significado das palavras para expressar     nossas ideias. Se quisermos ser objetivos no que redigimos que tipo de linguagem devemos usar? Por quê? Agora, se quisermos evocar ideias através da emoção, temos que tipo de linguagem? O fato de Corali ter um  grande coração, linguisticamente, evidencia um tipo de linguagem. Qual? Justifique sua resposta.       

 

    03) Observe os trechos que seguem:         I. “Mas caminhão não é coisa reservada no coração de ninguém.”         II. “Corali sentia que faltava alguma coisa.”         III. “Isso porque a coisa já estava virando um problema sério.”  

 

      A palavra coisa costumeiramente não fornece um significado específico para as situações relatadas. Essa afirmação é verdadeira? Dê esclarecimentos para comprovar sua resposta, tendo como referência 


 

 

    as três frases acima:  

 

 

    04) Identifique os textos quanto à tipologia textual e justifique.  

 

    (A) Fui criada (e até hoje moro) numa casa simples, mas de cômodos bem amplos e confortáveis. Um jardim colorido e aromático. Beija-flores por aqui não faltam. Tenho duas filhas. Ana, uma menina alta, meio desengonçada, mas de um brilho especial nos olhos muito pretos. Virgínia, uma menina muito magra, gestos e rosto delicados, tem uma cabeleira tão ruiva que poderia ser confundida com uma dessas atrizes do cinema americano.  

 

   (B) A vida de uma mulher não é fácil em parte alguma deste mundo. A sociedade machista impõe-lhe regras e destinos que ela jamais pode escolher. A mulher será sempre uma escrava totalmente submissa ao marido, às tradições, aos costumes. 

 

 

  (C) Certo dia, minhas duas filhas e eu fomos passear pelo sítio. Na margem do rio havia uma pequena canoa. O espírito de aventura falou mais alto. Entramos na canoa e, no meio do leito, notamos a água infiltrando-se. Percebi o desespero das meninas, mas tive de aparentar toda a calma.  

 

 

 

05) Abaixo, segue um esquema de estrutura dissertativa que poderia ser desenvolvido. Sua tarefa é redigir o parágrafo de introdução entre 5 a 7 linhas. 

 

 

        (B) Introdução: ________________________________________________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________________________________________________  

 

       Argumento 1: Embora o mundo apresente inúmeras riquezas naturais ou não, ainda se encontram, em determinados lugares específicos, legiões de homens famintos.  

 

      Argumento 2: Ademais, nos últimos anos temos assistido a inúmeros conflitos internacionais.      Argumento 3: Outra preocupação é o desequilíbrio ecológico provocado por ações humanas.  

 

     Conclusão: Dessa forma, somos levados a crer que o homem está muito longe de solucionar problemas que não só o atingem como também a toda a sociedade.  

Português

Colegio Santa Monica Cachambi


2 resposta(s)

User badge image

Josemeire Costa

Há mais de um mês

alguem poderia me ajudar nessas questoes porfavor


Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos estudantes