A maior rede de estudos do Brasil

Como se classifica a geografia crítica?

Geografia

UVA


3 resposta(s)

User badge image

Marcio Vincenzi

Há mais de um mês

Biblio 3W

REVISTA BIBLIOGRÁFICA DE GEOGRAFÍA Y CIENCIAS SOCIALES

(Serie documental de Geo Crítica)

Universidad de Barcelona 

ISSN: 1138-9796. Depósito Legal: B. 21.742-98 

Vol. XIII, nº 786, 5 de junio de 2008

GEOGRAFIA CRÍTICA: LEGADO HISTÓRICO OU ABORDAGEM RECORRENTE?

Rosa Moura,

Deuseles de Oliveira,

Helena dos Santos Lisboa,

Leandro Martins Fontoura,

Juliano Geraldi [*]

Geografia Crítica: legado histórico ou abordagem recorrente? (Resumo)

A corrente crítica ou radical da Geografia desenvolveu, no Brasil, uma trajetória notável do ponto de vista da abordagem acadêmica, ao desvendar processos que nutriram o debate político em delicado momento nacional. Este artigo objetiva discorrer sobre essa corrente, abordando suas origens em diferentes países, concepções, base metodológica, objeto de análise e sua evolução, particularmente no Brasil. Considerando posicionamentos díspares em relação à sua trajetória e produção teórica contemporâneos, procura fazer uma breve leitura de seu significado e importância para a ciência geográfica no Brasil, diante de tantas correntes cujos seguidores postulam a hegemonia no âmbito da análise na geografia.

Palavras chave: geografia crítica, geografia radical, nova geografia, marxismo na geografia


Geografía Crítica: ¿legado histórico o enfoque recurrente? (Resumen)

La corriente crítica o radical de la Geografía ha desarrollado, en Brasil, una trayectoria notable desde la óptica del enfoque académico, en el desvendar de procesos que ha enriquecido el debate político en delicado momento nacional. El presente artículo objetiva presentar una reflexión acerca de esa corriente, desde sus orígenes en distintos países, concepciones, base metodológica, objeto de análisis, evolución, y los contradictorios posicionamientos acerca de su producción teórica y contribución a la Geografía, en particular en Brasil. Plantea hacer todavía una breve lectura de su significado e importancia para la ciencia geográfica, ante otras corrientes con seguidores que postulan la hegemonía del análisis en la geografía.

Palabras clave: geografía crítica, geografía radical, nueva geografía, marxismo en la geografía


Critical Geography: historical legate or current use? (Abstract)

The critical or radical current of Geography has developed, in Brazil, a remarkable trajectory from the optics of the academic approach, revealing processes that has enriched the political debate at delicate national moment. The present article mains to present a reflection about that current, from its origins, conceptions, methodological basis, object of analysis, evolution, and the contradictory dialogue about its theoretical production and contribution to Geography, particularly in Brazil. It still rises to take a brief reading of its meaning for geographic science, facing to many currents that postulate the supremacy in the geographic analysis. 

Key words: critical geography, radical geography, new geography, Marxism in geography


Origens e principais concepções

A geografia crítica sucede a corrente do pensamento geográfico denominada nova geografia ou geografia quantitativa, que surgiu durante a Guerra Fria, em meados do século XX, na Inglaterra, Estados Unidos e Suécia – corrente que, pautada em métodos quantitativos, encobria o compromisso ideológico de justificar a expansão capitalista sem exprimir a essência da realidade social. É nesse contexto de dominação pelo uso ideologizado da informação, assim como de agravamento das tensões sociais nos países centrais e movimentos por independência nos países subdesenvolvidos, que a geografia crítica emerge como uma corrente que se opõe à quantitativa.

O interesse dos geógrafos pelas obras de cunho socialista ressurgiu na Europa após a segunda Guerra Mundial. Conforme Andrade (1987), os trabalhos desses geógrafos eram estimulantes e demonstravam progressos significativos. Porém, com a invasão da Hungria pelas tropas soviéticas, em 1956, grande parte desses profissionais se afastou do marxismo, ao mesmo tempo em que se iniciaram contatos com outros segmentos profissionais.

As perspectivas do planejamento abertas no pós-guerra, consolidando políticas desencadeadas durante a guerra, como Town and Country Planning, na Inglaterra, ou Aménagement du Territoire, na França e Bélgica, procuraram dar a essa prática uma dimensão histórica e geográfica. Tais perspectivas traziam ao geógrafo, até então mais ligado ao ensino e de certa forma isolado, o desafio de se “adaptar a um sistema de trabalho realizado em comum e em colaboração com outros especialistas, procurando atingir fins pragmáticos” (Andrade, 1987: 95). Disciplinas do conhecimento geográfico passaram a interpor-se à economia, sociologia, antropologia, além de haver uma transposição da centralidade temática agrária para urbana. Assim, destaca-se, nesse período, a importância de contatos de geógrafos com filósofos, como Henry Lefebvre e Louis Althusser, com urbanistas, como Manuel Castells, ou economistas, como Charles Bettelheim.

A geografia crítica coloca-se como “uma revolução que procura romper, de um lado, com a geografia tradicional e, de outro, com a geografia teorético-quantitativa” (Corrêa, 2001: 23), vindo a motivar intenso debate entre geógrafos marxistas e não-marxistas. Dá evidência à ação do Estado e dos demais agentes da organização espacial – os proprietários fundiários, os industriais, os incorporadores imobiliários –, ao mesmo tempo em que retoma as relações homem-natureza e a abordagem regional. Busca responder às profundas modificações na organização espacial, decorrentes da intensa urbanização, industrialização e expansão do capital, que não encontravam respostas no determinismo, possibilismo e método regional.

Embora a geografia quantitativa se dispusesse a compor um sistema de pensamento, pelo fato de estar subordinada a uma visão matemática do mundo, negligenciava a dimensão do tempo. Para Santos (1996: 170), a corrente quantitativa reconduziu os estudos denominados marxistas para que “voltassem e se tornassem uma das colunas fundamentais da chamada ‘geografia crítica’, que, aliás, não é exclusividade dos marxistas.” Referia-se aos “geógrafos socialmente engajados”, norte-americanos, que embora não fossem marxistas criticavam a visão anterior da geografia e propunham uma outra perspectiva.

Toma corpo então uma vertente de estudo com uma postura radical crítica frente à geografia existente, seja a tradicional ou a pragmática, propondo uma total ruptura com os pensamentos anteriores. Segundo Moraes (1999), no nível acadêmico, os geógrafos críticos opõem-se ao empirismo exarcebado da geografia tradicional, além de refutarem sua análise pautada no mundo das “aparências”, decorrente da fundamentação positivista, que visa a busca de um objeto automatizado, a idéia absoluta de lei, não se preocupando com a diferenciação das qualidades distintas dos fenômenos humanos, entre outros. A geografia pragmática, também com fundamentação neopositivista, é fortemente criticada pelo conteúdo acrítico, “alienante”, vinculado à legitimação do poder do Estado burguês.

Diversos autores da geografia crítica posicionam-se exatamente em prol de uma transformação da realidade social, trazendo o saber como uma importante arma para este processo. Neste caso, o conhecimento científico assume um conteúdo fortemente político e, portanto, a geografia deve ser militante, ou seja, lutar por uma sociedade mais justa e servir como um instrumento de libertação do homem (Moraes, 1999). Partem, assim, para cumprir o objetivo de avaliar profundamente as contradições inerentes ao sistema capitalista de produção, desvendando, conforme Moreira (1982a), as “máscaras sociais” desse sistema.

O movimento da geografia crítica, em suas diversas vertentes, reproduz o embate ideológico contemporâneo da luta de classes na sociedade. Os geógrafos críticos, em suas diversas orientações, assumem a perspectiva popular, de uma transformação de ordem social. Por esta razão, buscam uma geografia mais generosa em um espaço mais justo, que seja organizado em função dos interesses dos homens e não do capital (Moraes, 1999).

A influência francesaUma das raízes da geografia crítica está na ala progressista da geografia regional francesa, que introduz, aos poucos, a análise da organização do espaço aos processos econômicos e sociais, inaugurando uma discussão mais política dos estudos geográficos, e aproximando-se da história e da economia. Jean Dresch anuncia este movimento, ao incorporar um discurso político em seus estudos, nas décadas de 1930 e 1940.

Na França, uma manifestação clara da renovação crítica encontra-se em Geografia Ativa, de Pierre George, Yves Lacoste, Bernard Kayser e Raymond Guglielmo (1966), obra que marcou uma geração de geógrafos, ao se opor à geografia aplicada, então hegemônica. Tem como proposta elaborar uma análise regional que desvendasse as contradições do modo de produção capitalista, neste caso, inaugurando uma geografia de denúncias das realidades espaciais injustas e contraditórias. Critica severamente a abordagem descritiva e enumerativa da geografia, apontando a necessidade e a carência de informação objetiva, que permitisse traçar perspectivas que subsidiassem tomadas de decisões. Ligada ao historicismo, seus autores consideravam a geografia como um prolongamento da história, mas com métodos próprios, deixando seu papel meramente contemplativo e assumindo um papel dinâmico, atuante, por meio do que chamavam uma “geografia ativa”, que buscasse estabelecer um elo entre passado e futuro.

Essa concepção deixa para trás a conceituação “estreita” de uma geografia tão somente preocupada com dados estáveis, comprovados, “receosa de enfrentar as incertezas das mais tímidas previsões” no terreno prático, como afirmam os tradutores, nas notas da contracapa da publicação brasileira. Nessas notas, resgatam dos autores o objetivo da geografia: “perceber as tendências e as perspectivas da evolução a curto prazo, medir em intensidade e em projeção espacial as relações entre as tendências de desenvolvimento e as suas antagonistas, definir e avaliar a eficácia dos freios e obstáculos. É por aí que a geografia pode desembocar na aplicação” (George et al., 1966).

Apesar de possuir uma leitura crítica da realidade, a geografia ativa não rompe, em termos metodológicos, com a análise tradicional, pois se mantém descritiva e empirista. Para Moraes (1999), esse rompimento viria a ocorrer anos mais tarde, com trabalhos de Pierre George, que teve o grande mérito de introduzir conceitos marxistas na discussão geográfica, ao tentar uma conciliação do materialismo histórico à análise regional. Em suas obras, insurgiu-se contrariamente às correntes vigentes, buscando conciliar postulados marxistas com lablachianos, aprofundando-se na discussão das relações de produção, relações de trabalho, ação do grande capital, forças produtivas etc.

Yves Lacoste, em momento de crise que atingia a geografia, face às novas tendências, retoma os debates inspirado nas obras de Élisée Réclus[1], quanto à discussão da dialética hegeliana e sua ligação com a geografia (Andrade, 1987). Em 1976, Lacoste cria a revista Herodote e começa, por meio dela, a dispor análises sobre inúmeros assuntos geográficos, como os problemas ideológicos, da paisagem, do trabalho no campo, do urbano, do imperialismo ligado à colonização, entre outros. Após o trigésimo número da revista, Lacoste convoca os geógrafos a uma maior atuação na esfera política e reanalisa o conceito de geopolítica. Para ele, não só a geografia como também outras ciências foram utilizadas pelos nazistas para justificar as expansões territoriais sobre outros povos. Lacoste (1989) procura mostrar que a geopolítica, adotada pelos Estados, poderia ser também empregada para que os povos conquistassem a libertação nacional, no plano externo, e a libertação interna.

O radicalismo anglo-americanoNos países anglo-americanos, em final dos anos 1960, a corrente crítica demarcou o engajamento de geógrafos em lutas e processos de transformações sociais em curso. Movimentos contra a guerra do Vietnam, lutas anti-coloniais em países do sul, movimentos pelos direitos civis e de gênero associavam-se às revoltas internacionais de 1968.

Cobarrubias (2006) resgata observações de Peet (1977, apud Cobarrubias 2006) de que a ciência radical em geral e a geografia radical em particular são, ao menos na América do Norte, produtos desses eventos dos anos 1960, o que é complementado por Harvey e Smith (1984, apud Cobarrubias, 2006), que apontam que os geógrafos eram forçados pelos acontecimentos a questionar a base conceitual e a prática de sua disciplina. Até essa época, a geografia era vista como uma ciência espacial imersa na revolução quantitativa. Embora muitos geógrafos se reportassem a estudos de geógrafos anarquistas, como Kropotkin e Réclus, não havia um corpo de produção ou autores representativos, mas pequenos grupos ou iniciativas particulares desenvolvendo trabalhos que não podiam ser chamados “críticos”, muito menos “radicais”.

Baseando-se em Harvey (2001, apud Cobarrubias, 2006), esse autor lembra ainda os constrangedores efeitos do McCarthismo e salienta que alguns geógrafos progressistas começaram a expressar preocupação social, por trás da suposta neutralidade do “escudo positivista”. A calma aparente foi quebrada por uma ampla crise social, “a mais séria crise enfrentada pela sociedade capitalista”, como destaca de Blaut (1979: 159, apud Cobarrubias, 2006), fazendo com que a geografia radical emergisse. As convulsões e mobilizações que afetavam a sociedade envolveram geógrafos, que levaram para a luta suas ferramentas científicas.

Trabalhos de geógrafos, particularmente norte-americanos e canadenses, voltados aos problemas sociais, passaram a circular e adquiriram certa relevância. Com base em Blaut (1979), Cobarrubias (2006) aponta como data de referência do surgimento da corrente o ano de 1969, no encontro da Associação Americana de Geografia, que reuniu a maioria dos movimentos locais, incluindo a Detroit Geographical Expedition (DGE) e o grupo responsável pela publicação Antipode, da Clark University.

Andrade (1987), ao analisar a obra de Kirk Mattson, reitera essa ordem de eventos, como movimentos paralelos e convergentes, agregando a eles a fundação da União dos Geógrafos Socialistas. Confirma que a geografia crítica avançou nos Estados Unidos devido ao desejo de alguns geógrafos tomarem maior conhecimento da realidade existente e da constatação das injustiças sociais que os cercavam. O próprio Mattson (1978) pondera que

No existe todavía una historia propiamente dicha de la geografía radical pues no es una escuela en sí, sino que se ha desarrollado a partir de muy diversas fuentes y en distintas direcciones. Tampoco puede decirse que la "radicalización" de la geografía sea un fenómeno inherente a la disciplina, pero sí parte de una tendencia general dentro de las ciencias sociales; no responde tampoco dicho fenómeno a una ideología política determinada, pero sí a una problemática política concreta.

Os projetos da Expedition reuniam experimentos com preocupação comunitária e mobilização ao conhecimento e pesquisa acadêmica, que buscavam uma ponte entre o ativismo e a academia. Expoente desse grupo, William Bunge (1977, apud Cobarrubias, 2006) se dedica a visitar o bairro negro de Fitzgerald, localizado em Detroit, a fim de fazer investigações e tomar contato com os seus habitantes. Ao se interar da realidade local, Bunge verifica que o nível de vida da população desse bairro era muito precário e que as reivindicações dos seus habitantes não eram consideradas pelos geógrafos e planejadores nos estudos governamentais, concluindo que o planejamento deveria ser feito para atender às comunidades. A partir disso, organiza aulas de campo ao bairro, com ampla interatividade entre estudantes e moradores. Ao tomar essa atitude, é demitido da universidade, passando a residir em Toronto, onde repete a experiência – segundo Mattson (1978), a mais ambiciosa de todas –, sendo demitido novamente. No final da vida, Bunge torna-se motorista de táxi e não volta aos bancos acadêmicos.

Mattson (1978) avalia que o fim dessas experiências não foi um fracasso, mas seus resultados devem ser avaliados com prudência, pois as expedições apenas funcionam quando contam com a total confiança e cooperação da comunidade e respondem a seus interesses, sem “paternalismo profissional”, “turismo emocional”, nem “vanguardismo político”. Chama a atenção que, resultado dessas experiências, um novo termo passou a enriquecer o vocabulário geográfico, “advocacy”, que

implica un compromiso real con los problemas de la ciudad en interés de sus habitantes; problemas cotidianos tales como la distribución de parques, los accidentes de tráfico que dañan a los niños, etc... Esta actitud de compromiso con problemas tanto humanos como políticos contrastaba con la actitud de tos demás geógrafos que estudiaban a veces la ciudad al servicio de urbanizadores y especuladores actitud de desprendimiento y frialdad profesional que ponía de relieve la debilidad ética de la geografía establecida.

A revista Antipode, organizada em 1969, tinha como objetivo inicial divulgar os trabalhos de campo de Bunge, passando a fazer uma crítica radical tanto à geografia tradicional, quanto à geografia teorética, como anota Andrade (1987), tendo sido concebida como porta voz de uma geografia alternativa, preocupada com problemas locais e regionais, como sublinha Mattson (1978).

Já em seu primeiro número manifestou claramente a postura radical, unindo-se ao movimento que se produzia em outras ciências sociais, como pode ser confirmado em resgate histórico de publicações da Antipode pelos Cuadernos Críticos de Geografía Humana (Geo Crítica) – esta também uma publicação que ampliou o debate crítico internacional, trazendo-o para o idioma espanhol. Conforme exposto por David Stea[2],

Nuestro objetivo es un cambio radical la sustitución de las instituciones y el ajuste institucional de nuestra sociedad, instituciones que no pueden ya responder a las cambiantes necesidades societales, que ahogan los intentos para darnos unos patrones de vida más viables, que frecuentemente no sirven más que para el propósito de perpetuarse a sí mismos, No tratamos de sustituir las instituciones existentes por otras que adoptarán inevitablemente la misma forma; mas bien tratamos de encontrar una nueva ordenación de medios de acuerdo con un nuevo conjunto de objetivos.

A revista Antipode teve grande aceitação, pois permitia a abertura de novos horizontes para os novos geógrafos, já que a maioria dos colaboradores eram geógrafos quantitativistas desolados com o método matemático-estatístico. À medida que evoluía e se desenvolvia, fez emergir a questão do método e do papel da ideologia na geografia.

En 1974, en plena evolución y búsqueda teórica la revista se planteó la necesidad de explorar en el campo del marxismo y estimular las investigaciones y contribuciones de los países del tercer mundo. Durante este proceso se fueron clarificando los objetivos y ampliando las perspectivas, ganando lectores fuera de Norteamérica, pero perdiéndose también en el camino, muchos de los primeros lectores liberales, todavía asustados por la palabra "Marxismo" (Mattson, 1978).

O terceiro movimento apontado, a União dos Geógrafos Socialistas, procurava difundir idéias que buscassem a renovação do conhecimento geográfico. Formada em 1974, essa organização não tinha caráter político-militante nem profissional, buscando apenas discutir a geografia e, através dela, conquistar mudanças sociais. Além de contribuir organizando e trabalhando para uma mudança radical nas comunidades, intencionavam desenvolver a teoria geográfica para contribuir na luta revolucionária, como transcreve Mattson (1978), tendo como fonte o U.S.G. Newsletter (v. 3, n. 1).

Além de Bunge, outro grande líder da geografia radical norte-americana, até os fins da década de 1960, foi David Harvey, ambos neopositivistas. Influenciados pelo contexto de crise da sociedade capitalista, esses geógrafos procuraram no socialismo novos caminhos, novas alternativas, tanto científicas como sócio-políticas para os estudos geográficos.

Nos anos 1960, Harvey trabalhou, principalmente, com problemas relacionados à filosofia e metodologia da geografia. Essa etapa positivista foi substituída por uma marxista e dualista, coincidindo com seu traslado a John Hopkins University, onde concentrou seu interesse nos processos de urbanização e empobrecimento de algumas cidades norte-americanas. Seu pensamento relacionado com a geografia humana também o levou a interessar-se por mudanças na política econômica, pelos processos de urbanização em países capitalistas, pelas formas alternativas de urbanização e justiça ambiental. Assim, rompe radicalmente com a vanguarda do neopositivismo, aderindo à geografia crítica. Neste aspecto, na obra A justiça social e a cidade (1973), o autor apresenta uma autocrítica em relação à sua produção anterior e uma crítica às teorias ditas “liberais” sobre a cidade, assumindo com isso uma postura fortemente socialista.

Uma abordagem do conteúdo dessa corrente da geografia pode ser sintetizada nas observações de Peet (1982: 226), citadas por Henrique (2002):

a ciência radical mostra os desvios, expõe as explicações existentes à crítica, providencia explicações alternativas que tracem a relação entre os problemas sociais, na superfície, e as causas sociais profundas, e encoraja as pessoas a engajarem-se na construção de sua própria teoria. Sobre as bases das explicações alternativas resultantes, levanta-se um programa político radical para a reestruturação da sociedade enquanto ao redor deste programa desenvolveu-se uma cultura que reflete a experiência e o anseio de uma população redespertada. A ciência radical é, então, o agente consciente da mudança política revolucionária. E a Geografia Radical é uma parte dela, partilhando a mesma aspiração, usando o mesmo método, mas especializada num certo conjunto de relações a partir das quais a sociedade é feita.

Peet (1988, apud Silva, 2000), reitera que a geografia radical partiu do contexto de rejeição à geografia quantitativa e à geografia humanista, construindo um novo paradigma que apontou para questões sociais. Resgata também a importância da Antípode, ao publicar os primeiros trabalhos da corrente, com temas como pobreza urbana e regional, discriminação contra as mulheres e grupos minoritários, acesso desigual aos serviços, subdesenvolvimento etc. Pondera que somente mais tarde (anos 1970) a geografia radical se tornou marxista, mesmo assim, conservando mais ênfase nas abordagens temáticas do que no materialismo e na dialética. Sofreu uma segunda transformação nos finais dos anos 1970, com trabalhos de Harvey, como The limits to capital (1982), e de Neil Smith, com Uneven Development (1984), assim como pela influência das idéias de Henri Lefebvre.

Em oposição aos Estados Unidos, a geografia crítica ou radical da Europa iniciou com a análise de trabalhos do século XIX, escritos, principalmente por Karl Marx, Friedrich Engels, Karl Kautsky, Vladimir I. Lênin, Èlisée Réclus e Kropotkin, sendo estes últimos, quase sempre esquecidos pelas escolas tradicionais e pelas escolas modernas da dita “nova geografia”.

Para Andrade (1987), os geógrafos começam a se interessar-se pela obra de Marx, principalmente quando o autor analisa alguns conceitos que interessam ao seu campo de estudos como modo de produção, formação econômico-social, relação cidade/campo e evolução da sociedade por meio das lutas de classe. Já a contribuição de Engels advém de temas geográficos, ao discutir as transformações naturais e os problemas urbanos. Kautsky, por sua vez, analisa o problema agrário, tornando-se clássico nas ciências sociais.

O movimento dos Geógrafos sul-americanos

O debate por uma corrente analítica alternativa na geografia também tomava corpo na América do Sul. Na Argentina e no Uruguai, esta corrente se pautava em uma agenda estruturada em princípios valorativos que destacavam “el compromiso intelectual al servicio de la sociedad, el tratamiento de las contrariedades al desarrollo latinoamericano, otra forma de comprender el proceso de enseñanza y aprendizaje, como la necesidad de hacer política con los instrumentos y conocimientos aportados por la ciencia” (Cicalese, 2007). Essa nova corrente de reflexão que surge na academia se vale do pensamento social latino-americano, inspirado nas teorias do desenvolvimento, e se apropria de conceitos clássicos do marxismo para entender e intervir no território. Na geografia, a compreensão da ordem de prioridades entre os fins da ciência e os da política tornam-se objeto de uma assimilação e evolução particular[3].

Como os espaços para a difusão de idéias e trabalhos eram exíguos, tal corrente organiza-se a partir de encontros, como o Primer Encuentro Latinoamericano de la Nueva Geografía, que se realiza em 1973, em Salto, no Uruguai, convocado pela Associação de Professores de Geografia do Uruguai, tendo aproximadamente uma centena de participantes. O Segundo Encuentro Latinoamericano de la Nueva Geografía aconteceu na Universidade Nacional de Comahue, em Neuquén, Argentina, tendo mais que o dobro de participantes. Esse encontro aconteceu em fevereiro de 1974, sob um cenário político que rapidamente cairia na clausura.

Cicalese (2007) se apóia em depoimento de Elena Chiozza[4] para descrever esse Encontro:

... fue un congreso muy agitado. En un momento de un peronismo triunfante y un peronismo que era además arrollador. Y para los geógrafos tradicionales fue un congreso revolucionario, tenía un contenido revolucionario porque se comenzó a tomar conciencia que realmente no podíamos repetir solamente las posturas teórico ideológicas que nos miraban desde el mundo desarrollado sin comprender la naturaleza de cuales eran todos los factores que habían venido trabajando a lo largo de historia para configurar nuestra geografía tal como es. Entonces, frente a esa tradición aferrada a lo que se pensaba afuera, y eso era lo único que valía, es claro, reclamar otras formas de enfocar el conocimiento resultaba revolucionaria....

Foram convidados para esse Segundo Encontro, Pierre George, como referencial europeu, e Milton Santos, como referencial latino-americano, propulsores, entre os jovens geógrafos, de idéias comprometidas com a realidade social (Martínez, 2002), assim como estiveram presentes uma numerosa delegação uruguaia, entre os quais Germán Wettstein e Danilo Antón, e geógrafos argentinos, com destaque para Elena Chiozza e Carlos Reboratti, da Universidade de Buenos Aires, e Ricardo Capitanelli, da Universidade Nacional de Cuyo. Trataram de temas acerca do papel do geógrafo como profissional, entre outros que marcavam a realidade, indicando a preocupação dos participantes em gerir outra Geografia, esta mais comprometida.

Impossibilitado de estar presente, Pierre George enviou o texto Pourquoi la Geographie?, lido por Milton Santos. Destacava o papel da ciência como um saber estratégico de governo para a ação e decisão, e mostrava a necessidade de vincular seus conteúdos a outras ciências, num intercâmbio imprescindível para evitar retratos regionais excessivamente estáticos. Com relação ao texto, Cicalese (2007) observa que: “Si bien se mantenía en alguna medida dentro de los esquemas clásicos de la geografía regional francesa, se lanzaba a una crítica interna en la corriente haciendo ver su inadecuación metodológica para el ejercicio de la acción sobre el territorio.”

Milton Santos defendeu a necessidade da construção de um corpo teórico latino-americano para compreender, analisar e denunciar os problemas regionais comuns ao Terceiro Mundo, enfatizando as desigualdades sociais e os contrastes com o mundo ocidental desenvolvido. Essa visão marcava a diferença socioeconômica do mundo ocidental. Sua presença gerou uma impressão sólida e inesquecível aos geógrafos riopratenses. Martínez (2002) destaca que:

Hay que destacar que este II Encuentro de Neuquén marcó un hito en la historia de la Geografía Latinoamericana, y especialmente en la Geografía argentina, ya que por primera vez se establecía un contacto humano directo con quienes estaban iniciando otra visión en la disciplina. Sin duda esto permitió la apertura del conocimiento geográfico hacia otra forma de construir la ciencia, ya que sólo conocía autores y científicos tradicionales como Federico Daus y Rey Balmaceda. En este contexto, Milton mostró la necesidad de construir un cuerpo teórico desde Latinoamérica, que permitiera analizar, comprender y denunciar los complejos procesos territoriales que estaban en marcha.

O Encontro de Neuquén contou com o entusiasmo de boa parte do movimento estudantil e dos convidados, que apresentaram palestras animadas pela esperança de transformação que se inaugurava no processo político argentino. As propostas da Nova Geografia eram coincidentes com outras manifestações de geógrafos latino-americanos, especialmente uruguaios, que se encontravam expostos a processos políticos autoritários. German Wettstein, em sua palestra El aporte de la Geografía al Desarrollo e Integración Latinoamericana, expôs um plano de profissionalização e qualificação dos geógrafos para a nova geografia latino-americana, remarcando as discrepâncias com a geografia tradicional. Wettstein recomendava a articulação dos centros e grupos de pesquisa de geografia com outras redes interdisciplinares, para superar as condições de “subdesenvolvimento da geografia”, quebrando o isolamento que era comum na disciplina. Enfatizava a acriticidade dos geógrafos, aderindo, sem questionamentos, grandes paradigmas, como por exemplo sem perguntar “a qué fines políticos respondían o cooperaban” (Cicalese, 2007).

Como anota Cicalese (2007), geógrafos uruguaios da Equipe de Geografia Integrada apontam como marco dessa corrente considerada alternativa a publicação  Le métier de géographe en pays sous-développé; un essal méthodologique, de Milton Santos, publicado em Paris, pela Ophrys (1971), por colocar-se como uma intervenção crítica à geografia regional francesa clássica e pleitear a exigência de se adentrar mais intensamente na geografia geral. Outro autor que destacam é Rigoberto García, geógrafo colombiano, em sua publicação Otra geografía latinoamericana: algunas reflexiones críticas en torno a la metodologia, publicado na Revista Iberoamericana (v. IV, n. 2, 1974). Para Cicalese (2007),

García juzgaba negativamente lo que llamaba la enfermedad de la descripción, y abogaba por una depuración metodológica y filosófica con una concreta reformulación de los problemas. Embestía contra el abuso que hacía la Geografía Cuantitativa de sus técnicas formales, convirtiendo los medios en fines. Expresaba la escasa relevancia científica de un quehacer dirigido a la aplicación de los modelos matemáticos y geométricos para dar cuenta del espacio, puesto que alegaba que había que enfrentar realidades y necesidades más urgentes que limitarse a comprobar modelos que poco servían a la comprensión.

Cicalese (2007) conclui que a geografia alternativa explorou novos campos e gerou produtos editoriais importantes, porém a possibilidade de se desenvolver com os avanços de uma geografia crítica, distanciada das pautas da ortodoxia, focalizada no social e com outros instrumentos, na Argentina se malogrou.

Las experiencias de trabajar a la luz del marxismo, la teoría de la dependencia y otros desarrollos epistemológicos latinoamericanos o tercermundistas quedaron reducidas a una mínima expresión. Ocurrió que las determinaciones de un contexto hostil y represivo no permitió la ocupación de posiciones de campo y su desenvolvimiento. La corriente, si bien expresó un marco valorativo de punto de partida, camino al que parecía enfilarse si examinamos las proclamas políticas como el listado de temas prioritarios que ya se insinuaban, se le frustró la posibilidad de un nivel de desarrollo teórico aceptable. Como desarrollo teórico queremos decir la construcción de un punto de vista admisible y adecuado para abordar la realidad y producir un buen número de trabajos empíricos. En suma, un camino de doble comunicación entre ciencia y política para redefinir las demandas provenientes del campo político y social, trascendiendo su retórica para convertirlas en reglas y prácticas del oficio geográfico.

Geografia crítica no BrasilAs diferentes formas de interpretar a geografia nos anos 1970, tanto na Europa como nas Américas, trazem consigo uma ampla gama de influências para a geografia brasileira. No entanto, Andrade (1987) chama a atenção ao fato de que a preocupação com os aspectos sociais já aparece na geografia brasileira desde a década de 1940, nos trabalhos de Caio Prado Jr., tanto em artigos publicados na revista Geografia, quanto em sua obra Formação do Brasil Contemporâneo. Destaca também os trabalhos de Sérgio Buarque de Holanda, de Gilberto Freyre, assim como de Orlando Valverde, que demonstram preocupação com os problemas sociais e aprofundam a análise das causas, das raízes dos problemas.

Manuel Correia de Andrade é outro nome de destaque desse período, expressando grande preocupação social em artigos, alguns publicados no Boletim Paulista de Geografia (Andrade, 1977), monografias e livros, porém chegando a ser rejeitado pelos geógrafos – seu principal livro na época, A pecuária no agreste pernambucano, foi mais aplaudido pelos historiadores e sociólogos.

Nessa época, o silêncio imposto pelo regime militar brasileiro e as políticas de desenvolvimento adotadas, facilitaram a inserção da corrente da geografia crítica no país, no final dos anos 1970. Inicialmente sufocada pelo regime autoritário, assim como pela institucionalização da disciplina, essa corrente significou um momento de ruptura não só política, como epistemológica.

Andrade (1987) narra que durante a ditadura militar ocorreu um engajamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) com a política econômica do governo, valendo-se da abstração matemático-estatística. A linha de trabalho adotada pela Instituição desprezou a problemática social e ambiental, chegando ao limite da destruição do Conselho Nacional de Geografia.

Esse contexto brasileiro foi propício para que os geógrafos procurassem novos caminhos para a geografia. Ao tomarem conhecimento das revistas Antipode e Herodote, da qual Milton Santos participava do conselho editorial, os debates em torno da crítica na e sobre a geografia se intensificam. Nesse mesmo período, Milton Santos publica Por uma Geografia Nova (1978), obra considerada, por muitos geógrafos, como uma das primeiras propostas da renovação da geografia brasileira, tendo um conteúdo claramente normativo, avaliando criticamente a geografia tradicional, a crise do pensamento geográfico e as principais idéias de renovação, efetivadas pela geografia pragmática.

Outras publicações relevantes de cunho crítico se espalharam pelo país, particularmente o Boletim Paulista de Geografia, além de Território LivreTerra LivreGeonordeste, entre outras.

Carlos (2002: 164) esboça um panorama da geografia no Brasil, com base no que foi publicado no Boletim Paulista de Geografia. Com relação ao momento de emergência da geografia crítica, aponta que a

década de 1960 marca um momento na geografia brasileira em que se contrapõem duas grandes tendências. No Rio de Janeiro desenvolve-se, no IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) a chamada New Geography ou Geografia Quantitativa que passa a influenciar a maioria das pesquisas. De fundamentação matemática, esses trabalhos viam a realidade a partir da perspectiva da regularidade dos fenômenos no espaço, fazendo da técnica um fim em si mesma, enquanto na Universidade de São Paulo as pesquisas tomavam um rumo diverso. Contrapondo-se às idéias esposadas por Berry e fiéis à escola francesa de interpretação da realidade, desenvolvem-se as pesquisas baseadas nos fundamentos da chamada Geografia Ativa, sob a influência de Pierre George - que nasce da constatação da extrema mobilidade das situações atuais, conduzindo a um estudo ativo que pode inspirar ou guiar as ações e, que a meu ver, prepara o caminho das grandes transformações do final dos anos 70 na Geografia brasileira”.

Para Andrade (1987), a renovação da geografia se fez presente no Brasil com pesquisas no Laboratório de Geomorfologia e Estudos Regionais da Universidade da Bahia, criado por Milton Santos e recebendo muita influência de Jean Tricart. Em Recife, um convênio entre o Instituto Joaquim Nabuco e a Universidade de Recife possibilitou a realização de pesquisas sobre a poluição hídrica por dejetos industriais.

Santos (1996), além de salientar a importância do Boletim Paulista de Geografia, na década de 1970, no qual geógrafos “sem posto de mando” utilizaram-se da publicação para lançar o movimento e marcar a afirmação da corrente no Brasil, aponta também um artigo de sua autoria, criticando a geografia quantitativa de Manuel Correia de Andrade – momento que o colocou numa posição de liderança no movimento que iniciava. O próprio Milton Santos publicou vários artigos representativos da abordagem da corrente crítica nesse Boletim.

Moreira (1992) cita o 3º Encontro de Geógrafos, organizado pela Associação dos Geógrafos Brasileiros (AGB), ocorrido em 1978, em Fortaleza, como representativo desse momento de renovação da geografia. A AGB merece ter sua importância enfatizada, dado seu papel como difusora das novas idéias e tendências da geografia, tendo publicado em números da época do Boletim Paulista de Geografia as idéias dos protagonistas dessa corrente. Outros veículos da AGB também contribuíram nessa difusão, como o Borrador nº1, Teoria e Método da Geografia, assim como a série Seleção de Textos que divulgava obras clássicas obrigadas, pelo regime dominante, à circulação restrita no Brasil (Zusman, 1996).

Um esforço considerável para difundir uma nova abordagem da geografia foi a tradução para o português da obra A Geografia Ativa (George et al., 1966), pelos professores da Universidade de São Paulo: Gil Toledo, Manuel Seabra, Nelson de La Corte e Vicenzo Bochichio – equipe que registrava a presença de docentes de disciplinas ligadas à geografia humana, física e à cartografia.

Contemporaneamente à construção dessa obra, começa no Brasil a preocupação com os estudos urbanos, temáticas associadas à cidade e à região, bem como com as relações cidade campo, juntamente com trabalhos de pesquisa que promoveram um aumento significativo das teses produzidas nas universidades brasileiras.

Nessa época, Milton Santos estava recém reintegrado à vida acadêmica brasileira, afastado do país por 13 anos, por imposição do regime militar – período em que foi membro da USG e do comitê de redação de Herodote, além de ter editado um número da Antipode, como ressalta Mattson (1978), que o aponta como “uno de los geógrafos radicales más prolíficos y viajeros”. Sua vivência internacional aguça seu intento de aprofundar a reflexão sobre o Terceiro Mundo, valendo-se de referencial teórico de outras disciplinas, particularmente oriundo do marxismo, conjugado à visão existencialista de Sartre. Conforme Zusman (1996), essa perspectiva filosófica apoia o objetivo teleológico de sua prática científica: a reconstrução social para a libertação do homem.

Na instauração desse processo renovador, Milton Santos busca apontar as “falências epistemológicas” da geografia e indicar “rumos” para superar essas fraquezas disciplinares. Reconhece o vínculo da geografia com o Estado e o seu papel “propagandístico” na formação dos Estados Nacionais e de expansão colonial; a institucionalização disciplinar e a escolha de uma estratégia epistemológica baseada nos conceitos das ciências naturais, significando a deshistorização e, portanto, a deshumanização dos processos sociais; o empirismo abstrato, qual seja, a substituição das relações sociais por relações entre objetos; e o diálogo reduzido com outros saberes ou o isolacionismo da geografia (Santos, 1996). Moraes (1999) afirma que a proposta de Milton Santos é uma das mais amplas e acabadas da geografia crítica, apesar de também serem abordados nas suas pesquisas alguns aspectos mais específicos.

Carlos (2002) aponta que a geografia radical passa a fundamentar, no Brasil, a esmagadora maioria dos trabalhos na área de geografia humana, contrapondo-se, violentamente, ao neopositivismo assumido pela geografia quantitativa. A corrente coloca em xeque o saber geográfico, abrindo perspectiva para se pensar a espacialidade das relações sociais.

O seu maior mérito foi, sem dúvida, a preocupação teórica que surge com toda força e marca o período. ‘Um cidadão que não teoriza é um cidadão de segunda classe’ e o poder da geografia é dado pela sua capacidade de entender a realidade em que vivemos, afirmava, na época, o professor Milton Santos” (Carlos, 2002: 164).

Para Andrade (1987: 101), a geografia crítica provocou o renascimento da geografia política, desvinculada da geopolítica, que voltou a considerar o papel do Estado na produção e reprodução do seu espaço interno, em “estudos que vieram contribuir para que o planejamento deixasse de ser muito tecnocrático e passasse a levar em conta características e interesses regionais e locais”. O autor ressalta as potencialidades existentes nos estudos envolvendo a política, pois, por um lado, o contexto do Brasil frente aos países africanos e da América do Sul o coloca como grande líder nas relações internacionais. Por outro lado, os projetos de ocupação da Amazônia e do Centro-Oeste do país demandam dos geógrafos inúmeros estudos voltados para a viabilidade desses projetos e os impactos resultantes dos mesmos em áreas de fragilidade elevada. Conclui que: às tentativas de despolitização da geografia brasileira, estão seguindo intensas campanhas em sentido contrário, de politização e de conscientização dos problemas da sociedade (Andrade, 1987: 101).

Lembra esse autor, que a geografia crítica não só promoveu transformações na geografia humana como na geografia física. Tricart passou a defender princípios de zonalidades em processos geomorfológicos, dinâmicas climáticas etc. Essa dualidade da geografia é muito atentamente considerada por Sposito (2002), ao referir-se à corrente crítica, que reforça a condição de inseparabilidade entre o ambiental e o social, recomendando que, nessa unidade, não se considere o natural como objeto e o ser humano como sujeito.

Mais recentemente, a corrente crítica da geografia brasileira vem desempenhando importante papel nos debates sobre o atual estágio do capitalismo e o acirramento das desigualdades sociais e territoriais. Uma série de eventos científicos realizados, particularmente na Universidade de São Paulo[5], reativam a discussão disciplinar para compreender as mudanças do mundo contemporâneo no processo de globalização. Milton Santos teve papel central na organização desses eventos, tendo sido homenageado no Encontro Internacional O mundo do Cidadão. Um cidadão do Mundo, no qual foi discutida sua obra.

Os resultados desses momentos de debate repercutiram na comunidade acadêmica latino-americana. Martínez (2002) situa esses encontros como verdadeiros laboratórios de trabalho intelectual onde se construía a Geografia.

Así, se produjo un fértil intercambio entre nuestras investigaciones y los conocimientos de aquellos geógrafos (…). En los encuentros estaban presentes Paul Claval, Oliver Dollfus de Francia, Horacio Capel, Joan-Eugení Sanchez, Joaquín Bosque Maurel y Aurora García Ballesteros de España, Richard Peet, Neil Smith, Saskia Sassen y Eduard Soja de Estados Unidos, Renato Ortiz, Otavio Ianni y Manoel Correia de Andrade de Brasil, Graciela Uribe Ortega de México, entre otros. Este contacto directo significó presenciar la construcción de una nueva manera de hacer Geografía. Sin duda, estas reuniones nos marcaron otra forma de estudiar, investigar, transmitir y comprender el mundo contemporáneo a través de la Geografía.

A concepção marxista na GeografiaCom a instigante questão “por que uma geografia radical deve ser marxista?”, Folke (1972) discute artigo "Teoria revolucionária e contra-revolucionária em geografia e o problema da formação do gueto” de Harvey, publicado na Antipode em 1972, que abre novas vias no campo da geografia[6]. Pondera que o desenvolvimento teórico das ciências sociais, incluindo a geografia, reflete os interesses da classe dominante. Porém, as relações entre as classes e a própria base material da sociedade estão em constante mudança, sob impacto de crescentes contradições, tensões econômicas e sociais. “Junto con los cambios en las bases materiales se abren nuevas posibilidades para el desarrollo de una ciencia social diferente que puede servir a su vez como guía para un cambio social posterior”.

Esse é o argumento que inspira Harvey a reconhecer que o paradigma da geografía de base positivista está maduro para ser desfeito, porque “existen demasiadas anomalías entre lo que queremos explicar y manipular y lo que actualmente ocurre” (Harvey, 1972). Folke (1972) salienta que Harvey descarta as alternativas fenomenológicas e idealistas, assinalando que o pensamento marxista é o mais correto para a criação de um novo paradigma geográfico. Alguns trechos selecionados do texto do próprio Harvey (1972) tornam clara essa posição.

Cómo y porqué llevaríamos a cabo una revolución en el pensamiento geográfico? La revolución cuantitativa ha seguido su curso y aparentemente los resultados son cada vez menos interesantes […]. Además, existe gente más joven ahora, ambiciosos como lo fueron los "cuantitativos" a principios de los años sesenta, un poco sedientos, y en cierto modo hambrientos de cosas interesantes que hacer. […] Más importante todavía es la existencia de una clara disparidad entre la sofisticada estructura teórica y metodológica que estamos utilizando y nuestra capacidad de decir algo realmente significativo sobre los acontecimientos tal como se desarrollan a nuestro alrededor. […] Las condiciones sociales objetivas requieren que digamos algo sensible y coherente o que (a causa de la falta de credibilidad o, lo que es peor incluso, a causa de la posterior deteriorización de las condiciones sociales objetivas) que permanezcamos callados para siempre. Son las condiciones sociales objetivas que están surgiendo y nuestra patente incapacidad para hacerles frente lo que explica en esencia la necesidad de una revolución en el pensamiento geográfico.

Com base na análise da apropriação e uso do solo urbano, Harvey passa a demonstrar a impotência da teoria tradicional frente ao problema da formação do gueto e a possibilidade de compreensão aberto pelo sistema marxista. Mais tarde, como destaca Soja (1993: 58), Harvey (1985: 144, apud Soja, 1993) afirma: “a geografia histórica do capitalismo tem que ser objeto de nossa teorização, e o materialismo histórico-geográfico, o método de investigação”. Com efeito, o debate crítico teve como expressão a afirmação de um materialismo histórico profundamente espacializado.

Diniz Filho (2002: 83) aponta a influência decisiva que o marxismo exerceu na gênese da geografia crítica, manifestando-se em quatro esferas estreitamente complementares:

a) no plano epistemológico, subsidiando os esforços de redefinição do objeto da disciplina, fornecendo um método de análise que se procurava aplicar a esse objeto e ainda um discurso que atribuía ao método marxista uma cientificidade inquestionável;

b) no plano teórico, por oferecer uma teoria crítica ampla do capitalismo e um sistema de conceitos e teorias mais específicas passíveis de serem aplicadas no estudo de temas geográficos;

c) na esfera ideológica, moldando (e ao mesmo tempo se moldando) à visão de mundo dos geógrafos, isto é, às representações e valores simbólicos que orientam seus posicionamentos políticos;

d) no plano deontológico, estabelecendo a existência de um estrito vínculo entre ciência, ética e política e enfatizando a necessidade da ação militante, a qual deveria tomar por base os pressupostos teóricos e metodológicos mencionados para assumir um caráter científico e transformador.

Dialética, tempo e espaçoComponente fundamental da base teórico-metodológica da geografia crítica, dialética origina-se de dialegein, que significa discutir, e exprime a luta das idéias contrárias. Conforme Engels (1950: 392, apud Politzer et al., 1970: 28), a “dialética considera as coisas e os conceitos no seu encadeamento; suas relações mútuas, sua ação recíproca e as decorrentes modificações mútuas, seu nascimento, seu desenvolvimento, sua decadência”. Sua origem enquanto método se dá exatamente quando a ciência avança o suficiente para abarcar o estudo sistemático dos elementos naturais, suas modificações no seio da própria natureza, colocando em xeque a concepção apoiada na metafísica.

A dialética deve ser entendida como a ciência das leis gerais do movimento e desenvolvimento da natureza e pensamento humanos, pautando-se na transformação da quantidade em qualidade, na unidade e interpretação dos contrários e na negação da negação (Sposito, 2002). A assunção de idéias dominantes se dá sob a forma ideológica, daí sua importância para se explicar os conflitos latentes entre classes ou grupos distintos na sociedade capitalista e a intermediação do Estado como mediador e como diminuidor das possibilidades de conflito.

Para Sposito (2002), a interpretação geográfica de problemas do espaço se sustenta nos princípios dessa doutrina, como a relação causa-efeito, o princípio da determinação e indeterminação, que cria dinâmicas territoriais, a diferenciação entre processo e cronologia, e o princípio da auto-regulação, que cria novas ordens. Esse conjunto embasa epistemologicamente as transformações provocadas pela incorporação, apropriação e transformação da natureza nos dois últimos séculos, dadas nas relações de produção.

Nas análises da geografia crítica o dimensionamento temporal é recorrente. Sposito (2002) busca em Bourdieu o argumento de que o conhecimento científico se inspira na convicção de que não se pode capturar a lógica mais profunda do mundo social a não ser submergindo na particularidade de uma realidade empírica, historicamente situada e datada.

A dimensão histórico-temporal precisa ser abordada dialeticamente, com base na teoria da totalidade concreta. A complexidade da apreensão desse método está na própria compreensão do que é a totalidade concreta: um princípio metodológico da investigação dialética da realidade social.

Um fenômeno social é um fato histórico, na medida em que é examinado como um momento do todo. Para Lefebvre (1995: 9), o “conhecimento deve, em todos os seus domínios, partir da unidade dos dois aspectos contraditórios do universo: o fenomenal e o essencial, íntima e objetivamente, misturados. A análise quebra e separa a totalidade a qual nós devemos em seguida reencontrar.”

Santos (1996), considerando que a totalidade concreta volta-se para responder a questão “o que é a realidade?”, argumenta que o todo é uma realidade fugaz, porque está sempre se desfazendo para voltar a se fazer. Refuta autores que alegam a inexistência do todo, afirmando que o que existe é apenas sua construção, dado que ele seria inalcançável. Explica que, na realidade, há uma totalidade concreta das coisas e das ações, do mundo em movimento, tal como a geografia descreve e busca explicar. Esse contínuo acontecer se dá em diferentes tempos. Assim, o tempo é a base indispensável para compreender o espaço.

Se as ações sobre um conjunto de objetos se dessem segundo tempos iguais não haveria história; o mundo seria imóvel. Mas o mundo é móvel, em transformação permanente – formando uma totalidade em processo de mudança para surgir amanhã como uma nova totalidade (Santos, 1996: 167)

[Diz ainda,] nem sempre atingimos o TODO CONCRETO, embora o busquemos sempre. O todo concreto seria toda a superfície da Terra. Mas o que atingimos é um pedaço da Terra, uma fração do acontecer humano. (p. 164)

Historiando a geografia marxista e a teoria social crítica, no tocante à noção de espaço e com a escolha do materialismo histórico-geográfico como método de investigação, Soja (1993) demonstra que a relação no espaço é composta por uma dialética socioespacial, na qual o papel do espaço é tão ativo quanto o da própria sociedade, sendo impossível a existência de uma “determinação unidirecional” entre estes elementos. Em sua crítica, argumenta que a geografia passou por um período de isolacionismo ao mesmo tempo em que o marxismo “escondeu” a imaginação geográfica, numa notória “desespacialização” do discurso. Soja (1993: 21) aponta que as “primeiras vozes insistentes da geografia crítica” surgiram no fim dos anos 1960, permanecendo por mais de uma década sob a reafirmação da primazia da história sobre a geografia. O historicismo, em suas palavras, silenciava a espacialidade, não admitia que “essas ‘histórias de vida’ têm também uma geografia: têm ambientes, locais imediatos e localizações provocativas que afetam o pensamento e a ação”.

Dentre as vozes que ecoaram, Henri Lefebvre é apontado por Soja (1993: 24) como a “mais persistente, insistente e coerente”, a fonte primordial do ataque ao historicismo e da reafirmação do espaço na teoria social crítica, com uma teorização sobre produção social do espaço. Destaca também Michel Foucault, pelas suas observações explícitas e reveladoras sobre a importância relativa do espaço e do tempo. Desse autor, Soja (1993: 17) resgata uma observação sintetizadora da obsessão com o tempo e a história presente no pensamento crítico do século XIX: “O espaço foi tratado como morto, o fixo, o não-dialético, o imóvel. O tempo, ao contrário, era a riqueza, a fecundidade, a vida, a dialética” (Foucault, 1980: 70, apud Soja, 1993).

Soja (1993: 25) rememora que “Foucault concentrou nossa atenção numa outra espacialidade da vida social, num ‘espaço externo’ – o espaço efetivamente vivido (e socialmente produzido) dos locais e das relações (...)”, e que Foucault assumia o espaço como fundamental para qualquer forma de vida comunitária assim como para qualquer exercício de poder, e salientava a interseção entre o tempo e o espaço.

A proposta da geografia crítica e o debate em torno do espaço, enquanto categoria de análise, assumem uma dimensão filosófica. Para Carlos (2002: 164), a “superação da idéia de espaço enquanto palco da atividade humana criava a condição de analisar a realidade além de seu plano fenomênico colocando em debate a articulação dialética entre homem e natureza; com isso, abria-se numa nova perspectiva para a geografia.” A autora aponta que se rompe a postura positivista do “mistério da origem do fenômeno”; ou mesmo da idéia de correspondência e solidariedade entre os fenômenos, desenvolvida por Vidal de La Blache.

O materialismo dialético estruturava a base do conhecimento enquanto adequação do pensamento e do ser; de um conhecimento que não se reduziria ao pensamento abstrato, antes o articularia à dimensão da prática social enquanto conteúdo do real, levando a compreensão do caráter contraditório das relações que produzem o espaço geográfico, permitindo orientar o pensamento para a ação, num esforço de compreender o conteúdo teórico da sociedade em seu processo contraditório de humanização/desumanização do homem em suas condições concretas de existência. Nesta perspectiva, o espaço é entendido como produto de um processo de relações reais que a sociedade estabelece com a natureza (primeira ou segunda). A sociedade não é passiva diante da natureza; existe um processo dialético entre ambas que reproduz, constantemente, espaço e sociedade, diferenciados em função de momentos históricos específicos e diferenciados.

Nesse sentido, o espaço é humano não porque o homem o habita, mas porque o produz. Um produto desigual e contraditório à imagem e semelhança da sociedade que o produziu com seu trabalho. Por sua vez, o homem é visto enquanto membro indissociável da sociedade de classes imersas em suas contradições, introduzindo a idéia do envolvimento consciente do sujeito no processo histórico da qual faz parte e não mais como membro de uma coletividade, integrante um grupo homogêneo, implodindo, por exemplo, com os conteúdos da então geografia da população” (Carlos, 2002: 165).

Mas, é na crítica à abordagem espacial na teoria marxista que o espaço consolida sua centralidade nesta corrente da geografia. Conforme Corrêa (2001: 24), concomitantemente ao debate deflagrado por Claval (1977 e 1987,  apud Corrêa, 2001), Harvey, em 1975, divulga artigo “no qual ele pretende construir geograficamente a teoria marxiana, cuja dimensão espacial foi largamente ignorada”. Em 1979, tal negligenciamento é retomado por Soja e Hadjimichalis, para quem, também conforme Corrêa (2001: 24), “os marxistas tinham abordado o espaço de modo semelhante àquele das ciências burguesas, considerando-o como um receptáculo ou como um espelho externo da sociedade”. Soja aprofunda essa discussão em seu Geografias pós-modernas (1993).

Corrêa (2001: 24) afirma ainda que “o viés antiespacialista” do marxismo decorre de outra razão, pois “remonta à crítica de Marx à ênfase que Hegel dá ao espaço, reificado e fetichizado na forma do Estado territorial. Marx procura enfatizar o tempo e a temporalidade, que foram elevados à primazia na filosofia e ciência ocidental”. Foi a crise do capitalismo dos anos 1960 que expôs as múltiplas contradições espaciais, que suscitariam “a necessidade de exercer maior controle sobre a reprodução das relações de produção em todos os níveis espaciais” (Corrêa, 2001: 25).

Lefebvre efetivamente colocou o espaço na análise marxista, argumentando em sua obra Espacio y política (1976, apud Corrêa, 2001) que o espaço tem papel decisivo na estruturação de uma totalidade. Segundo Corrêa (2001: 25):

O espaço entendido como espaço social, vivido, em estreita correlação com a prática social não deve ser visto como um espaço absoluto, ‘vazio e puro, lugar por excelência dos números e das proporções’ (Lefebvre, 1976: 29), nem mesmo como um produto da sociedade, “ponto de reunião dos objetos produzidos, o conjunto das coisas que ocupam e de seus subconjuntos, efetuado, objetivado, portanto funcional” (Lefebvre, 1976: 30). O espaço não é nem o ponto de partida (espaço absoluto), nem o ponto de chegada (espaço como um produto social).

Prossegue Corrêa (2001), mostrando que o espaço tampouco é um instrumento político ou um campo de ações ligado ao processo de reprodução da força do trabalho, por meio do consumo. Transcreve de Lefebvre (1976: 34, apud Corrêa, 2001) a afirmação de que o espaço ultrapassa tudo isso, estando “essencialmente vinculado com a reprodução das relações (sociais) de produção.” Seria, pois, o locus da reprodução da sociedade.

Santos, com forte inspiração em Lefebvre, quanto à concepção de espaço social, estabelece o conceito de formação sócio-espacial, admitindo, segundo Corrêa (2001: 26) “não ser possível conceber uma determinada formação sócio-econômica sem se recorrer ao espaço. Segundo ele, modo de produção, formação sócio-econômica e espaço são categorias interdependentes”.

Para Santos (1977: 5, apud Corrêa, 2001), “as formas espaciais constituem uma linguagem dos modos de produção”. Sociedade e espaço não são instâncias separadas, mas uma formação, e assim, a sociedade só se concretiza através do seu espaço. Conforme o autor (1996: 170), a abordagem do espaço, nessa corrente, deveria responder à indagação: “como ocupar espaço?” Trabalhar com espaço não deve significar apenas categorizá-lo, buscar categorias analíticas que o contemplem, manter-se apenas no discurso do espaço, o que não permite a análise. A construção teórica deveria ser diferente do discurso, ou seja, promover “a busca de um sistema de instrumentos de análise que provém de uma visão da realidade e que permite, de um lado, intervir sobre a realidade como pensador e, de outro, reconstruir permanentemente aquilo que se chamará ou não de teoria” (Santos, 1996: 171).

Numa observação marcante quanto à dificuldade de produção de um discurso que contemplasse as especificidades do espaço, Santos adverte a necessidade de tirar a geografia da “viuvez” do espaço, ou seja, como bem esclarece Zusman (1996: 31), “legitimar o saber geográfico com base em um corpo teórico particular em torno da questão do espaço”. A adoção da metáfora da “viuvez”, presente em Por uma Geografia Nova (Santos, 1996), segundo Corrêa (2001), remete à negligência dos geógrafos para com o espaço, apresentando-o como fator social, não como reflexo.

Milton Santos também argumenta que é necessário discutir o espaço social e ver como objeto à produção do espaço. Tal espaço é histórico, obra do trabalho, morada do homem, sendo uma categoria de compreensão da realidade. Afirma que o espaço também é um fator, na medida em que se caracteriza como uma acumulação de trabalho, uma incorporação de capital na superfície terrestre, criando formas duráveis, denominadas de “rugosidades”. Estas criam imposições sobre a ação presente na sociedade, sendo uma “inércia dinâmica” (tempo incorporado na paisagem) que dura mais que o processo que as criou, sendo também uma herança espacial, que influi no presente. Por esta razão, o espaço também é uma instância, pois é uma estrutura fixa com uma determinação que atua no movimento da totalidade social. Portanto as formas espaciais são resultados de processos passados, mas também condições para processos futuros.

Sobre a atividade produtiva no espaço, Milton Santos argumenta que a mesma implica em uma ação sobre a superfície terrestre, que sempre está se recriando em novas formas, de tal maneira que “produzir é produzir o espaço”. Neste caso, a organização do espaço é determinada pela tecnologia, pela cultura e pela organização da sociedade. No caso do modo de produção capitalista, é imposto o ritmo de acumulação que implica uma dotação diferencial de instrumentos de trabalho, e com isso resulta em uma distribuição no espaço “desigual e combinada”.

Outros autores adotam concepção em linha similar. Segundo Moreira (1982a), o objeto da geografia é o espaço, constituinte de parte de uma totalidade; já explicar esta “totalidade social historicamente determinada” – definida pelo conceito de “formação econômico-social” (FES) – é o seu objetivo. A investigação dos arranjos espaciais através da FES confere à geografia a capacidade de “desvendar máscaras sociais”, revelando as relações de classes que estruturam tais arranjos.

Moreira (1982a) argumenta que o espaço não é “suporte”, “substrato” ou “receptáculo” das ações humanas, nem se confunde com o espaço físico. O espaço geográfico é um espaço produzido, uma “formação espacial”. Nessa formação, a “primeira natureza” é uma condição concreta de sua existência social, por ser condição concreta da existência humana. Mesmo que a primeira natureza não seja o espaço geográfico, não há, no entanto, espaço geográfico sem ela, e ela somente é incorporada ao espaço geográfico quando absorvida pelo processo da história.

Para ele, a transformação do meio depende necessariamente do trabalho social, que é agente de mutação do homem de um “ser animal” para um “ser social”, combinando estes dois momentos em todo o decorrer da história humana (Moreira, 1982a). Assim, “a formação espacial, na verdade uma formação econômico-social”, deriva de um duplo conjunto de interações articuladas: interações homem/meio, “erroneamente denominadas ‘relações geográficas’” e interações homem/homem, “as relações sociais”. Moreira, nessa concepção, não ignora as proposições de Milton Santos, quanto à “formação sócio-espacial”, nem de Henri Lefebvre, que concebe o espaço geográfico como “espaço social”, porém não tece relações entre essas e sua proposição.

Para Moraes e Costa (1982), o objeto da geografia seria o processo social de valorização do espaço. Esta valorização se torna necessária pela impossibilidade do espaço ser tomado por si apenas em sua existência e individualidade, mas deveria ser considerada como resultado da relação sociedade/espaço.

Diante de tais concepções, há que se atentar para uma diferença de compreensão do espaço no âmbito dos geógrafos de linha marxista. Zusman (1996) mostra sutis detalhes da diferença entre as abordagens de Moreira (1982b) e de Moraes e Costa (1982), da de Milton Santos. Para o primeiro, “é a expressão fenomênica do ‘modo de socialização’ da natureza (...) e condição da reprodução”. Para os demais, a revalorização do espaço (valor contido) e no espaço (valor criado) permite a compreensão do papel da apropriação territorial, no âmbito do exercício do poder, como momento da acumulação do capital.

Mesmo que para Santos o espaço também seja funcional ao modo de produção, sua ênfase recai “no processo de produção do espaço no momento em que a sociedade se apropria da natureza, processo que adquire ao mesmo tempo caráter global e diferenciado nos diferentes pontos do planeta” (Zusman, 1996: 31). Ele supera a polêmica do espaço enquanto um fator, instância da sociedade ou mero reflexo dessa, apresentando-o como um fato social, e requerendo, para descrição de suas particularidades o reconhecimento de seu papel na sociedade. Assim, uma teoria do espaço está submetida a uma teoria da sociedade (Santos, 1982).

Dessa forma, a geografia passa a pensar o homem enquanto sujeito, ser social e histórico “que produz o mundo e a si próprio, num processo amplo de reprodução, ultrapassando a mera reprodução biológica e material” (Carlos, 2002: 165).

Avançando em sua análise, Santos coloca que as diferenças entre os lugares são naturais e históricas, e que a variação da organização do espaço é fruto de uma acumulação desigual de tempo, sendo uma combinação de variáveis, resíduos vivificados pelo tempo presente e unificados pelo Estado. Portanto ocorre um contínuo processo de modernização, que não atinge todos os lugares ao mesmo tempo, obedecendo aos estímulos do Estado e à lógica do capital. Nesse aspecto, este processo define os usos do solo, a apropriação da natureza, as relações entre os lugares, e a organização do espaço como um todo, fortemente marcado pelas desigualdades e seletividades. Com isso, este processo deve ser objeto de preocupação dos geógrafos, tendo em vista uma geografia mais generosa ao observar o espaço como um lugar de luta.

Leituras dísparesA despeito do peso do marxismo como orientação dessa corrente, embora a geografia crítica tenha princípios e objetivos bastante claros e comuns, convive constantemente com propostas díspares. Assim não se trata de um conjunto monolítico, mas, ao contrário, é um agrupamento de perspectivas diferenciadas (Moraes, 1999). Sua unidade manifesta-se na postura de oposição a uma realidade social e espacial contraditória e injusta, porém este objetivo unitário fundamenta-se por meio de procedimentos metodológicos diversificados, considerando, além dos marxistas (em suas várias nuanças), os estruturalistas, existencialistas, analíticos, ecléticos, entre outros.

A postura dessa corrente para um discurso crítico da realidade é fundamentada em um amplo e diverso espectro de autores, como Adorno, Foucault, Mao-Tse-Tung, Lefort, Godelier, Barthes, Lênin, Sartre, entre outros. Portanto existe uma unidade ética pautada por uma diversidade epistemológica que, para Moraes (1999), é bastante benéfica, pois estimula um amplo debate, gerando polêmicas e com isso avançando em suas colocações.

No grupo dos geógrafos críticos ou radicais norte-americanos existiam grandes subdivisões: as correntes formadas por geógrafos não-marxistas, mas comprometidos com reformas sociais, sendo alguns de formação anarquista, ligados originalmente aos discursos de Élisée Réclus e Kropotkin, em suas criticas à sociedade burguesa; e a corrente formada por geógrafos marxistas.

Dos textos dos geógrafos marxistas, há grande diversificação entre as suas postulações, como salienta Andrade (1987). Em linhas gerais, distingue aqueles que aceitaram Marx como um pensador, como filósofo e procuraram aplicar sua teoria à práxis ao analisar as situações que se lhes apresentam para estudo, preocupando-se com os problemas da totalidade, dando grande importância à análise das formações econômico-sociais e dos modos de produção. Outro aspecto importante desse grupo é que levam em conta que Marx viveu e estudou a Europa no século XIX, não podendo haver transposição dos seus pensamentos sem uma adaptação, tanto para outros continentes como para a época.

Contrários a essa idéia, outro grupo de geógrafos aceita Marx como um doutrinador e o marxismo como um doutrina, e seus seguidores procuram transferir as categorias de Marx para a realidade do século XX e para todos os continentes. Além disso, também se preocupam em enriquecer, ao máximo, os seus textos, com citações de Marx, de Kautsky, de Lênin etc. Tal comportamento torna fácil entender o porquê desses geógrafos serem taxados marxistas ortodoxos, pois em geral, provêm de uma formação neopositivista e lêem Marx através de uma formulação positivista, como se o marxismo não fosse uma filosofia dialética. Dessa forma, Andrade (1987: 123) afirma que há, “naturalmente, um distanciamento cada vez maior entre marxistas e marxólogos, entre ortodoxos e heterodoxos”.

Sua observação se confirma no fato de que, nos anos 1980, os debates sobre a teorização do espaço e do tempo, em todos os campos do discurso crítico, expandiram para além da geografia marxista, atraindo para a discussão participantes que não se enquadram no que se convencionou chamar “marxista”, tampouco se restringem a geógrafos. A proposta transformadora da geografia crítica e a busca da compreensão e da organização do espaço, em consonância com os interesses da sociedade, colocam significados específicos aos conceitos de sociedade, espaço, território, região (diferenças regionais) e lugar – este, recuperado na obra de Milton Santos, particularmente quando discute o processo de globalização.

A Geografia Crítica hoje

A corrente crítica pode ser enaltecida como um movimento de renovação do pensamento geográfico, tendo desempenhado um papel notório na evolução do enfoque e do método na geografia. Entretanto, foi objeto de severas críticas.

Uma das críticas é a de que sua construção teórica se manteve muito próxima apenas do nível do discurso, expressando dificuldade da busca teórica sobre os conceitos fundantes da geografia. Uma busca de certa forma “atrofiada”, como diz Santos (1996), uma “preguiça epistemológica”, que causou problemas à consolidação da corrente. Outros problemas decorrem de que sua base, “que seria a história do presente, não teve força suficiente.” Prossegue Santos (1996: 171) alertando que o “entendimento do mundo de hoje é um problema para os intelectuais brasileiros”. A pesquisa concentra-se em abordagens localizadas, perdendo a noção de totalidade dos acontecimentos, atrasando a elaboração teórica.

Andrade (1987) adverte que os estudos geográficos procedentes da corrente radical ou crítica não podem ser considerados como uma nova escola de pensamento, pois não apresentam uniformidade. Porém, os geógrafos que se enquadram nessa linha de pensamento se destacam pela consciência dos inúmeros problemas sociais. Ao grupo dos geógrafos críticos, esse autor destaca duas características: a primeira se referindo aos profissionais classificados como radicais, pois procuravam ir às raízes das causas dos problemas sociais; a segunda, aos geógrafos denominados críticos, pois assumiram compromissos ideológicos, não se escondendo dos problemas existentes sob falsas neutralidades científicas.

Para Carlos (2002: 165), a dificuldade surgida nessa perspectiva de análise refere-se ao método, pois, embora o materialismo histórico fosse a base das pesquisas, a partir dele se produziu uma vertente econômica para a qual “o homem aparece enquanto força de trabalho e o espaço como um produto direto da ação do capital. Nesse sentido, negligenciou-se o significado da noção de produção bem como o sentido social da reprodução.”

Muitos pesquisadores buscaram em Marx categorias analíticas, como nas análises urbanas, para as quais foi transportada a teoria da renda da terra, desenvolvida por Marx para pensar o campo; ou em muitos casos em que o materialismo dialético foi empregado mais enquanto “forma de linguagem” do que enquanto teoria e método capaz de “desvendar o mundo moderno, através da geografia” (Carlos, 2002: 165). Houve, mesmo, uma vulgarização da obra de Marx, um fenômeno de “moda”, causando “uma forte deturpação do pensamento de Marx com o aparecimento de n marxismos”, com esse pensamento cristalizado, imobilizado em modelos, impossibilitado de gerar reflexões críticas de seu próprio conteúdo. Isso “não produziu um movimento conseqüente em direção à superação de suas idéias, afinal as análises realizadas por Marx se referiam às análises do período histórico do capitalismo concorrencial” (Carlos, 2002: 165-166).

Santos (1996: 172) anota que alguns pensadores dessa corrente prenderam-se ao marxismo de Marx como uma ideologia, trabalhando “com uma história que não existe mais, daí uma certa fixidez dos conceitos.” Outros autores dedicaram-se à crítica do marxismo por dentro, do próprio legado de Marx, como o caminho aberto por Henri Lefebvre, particularmente quanto à cidade e ao urbano, como destaca Soja (1993: 57).

A dialética está novamente em pauta. Mas, já não se trata da dialética de Marx, tal como a de Marx não era mais a de Hegel (...). A dialética de hoje não se apega à historicidade e ao tempo histórico, ou a um mecanismo temporal como ‘tese-antítese-síntese’ ou ‘afirmação-negação-negação da negação’ (...). Reconhecer o espaço, reconhecer o que ‘está acontecendo’ ali e para que é usado, é retomar a dialética; a análise revelará as contradições do espaço (Lefebvre, 1976: 14 e 17, apud Corrêa, 2001).

Na direção oposta, houve, também, por parte de alguns geógrafos, uma rejeição ao marxismo; alguns buscaram o caminho do ecletismo, outros se fascinaram com a possibilidade da análise fenomenológica, apoiada fundamentalmente em Husserl e Hartman, como observa Carlos (2002).

Diniz Filho (2002: 84-85) argumenta que o “pecado original” da geografia marxista foi a leitura dogmática das obras de Marx e dos clássicos do pensamento marxista, numa assimilação por demais simplificada. Admite que o marxismo continua a ter grande influência, mas o marxismo com o qual os geógrafos atualmente trabalham é o mesmo marxismo “vulgar e dogmático” característico das décadas de 1970 e 1980. O posicionamento político-ideológico que muitos cientistas ainda possuem com relação ao marxismo, faz com que a corrente crítica necessite rever suas discussões deontológicas. Para ele, a utilização de jargões marxistas, a idéia de que “todos” os problemas são resultado da lógica perversa do capitalismo, a demonização de palavras como lucro e mercado, a oposição simplória entre capitalismo e socialismo, e o não reconhecimento dos marcos da relação entre desenvolvimento econômico e bem-estar social em sociedades capitalistas, contra todas as evidências empíricas, fazem com que o discurso crítico esteja hoje desgastado.

A despeito dessas visões, que sugerem repensar a geografia crítica, admitindo a possibilidade do mercado no estabelecimento de um espaço de sociabilidade, para muitos geógrafos a importância dessa corrente persiste nas possibilidades de compreender as lógicas perversas do capitalismo em seu estágio contemporâneo. Para Moreira (2002), a geografia crítica contribui para analisar as múltiplas facetas do capitalismo atual. Roberto Lobato Corrêa (1991 e 2001) reitera a preocupação com o futuro, presente hoje na geografia, resultante dos efeitos da globalização.

Na ênfase à importância da geografia, em sua leitura crítica dos processos atuais, a obra recente de Santos é paradigmática. Concebendo a globalização enquanto “metáfora”, Santos (1996b e 2000), enseja a espacialização, atribuindo ao lugar a realização da articulação local/global. Para ele, o mundo é apenas um conjunto de possibilidades cuja efetivação depende das oportunidades oferecidas pelos lugares, que garantem ao movimento do mundo a possibilidade de sua realização mais eficaz. A ordem global busca impor em todos os lugares sua racionalidade; mas este processo é profundamente desigual e contraditório, reproduzindo-se no terceiro mundo “como perversidade”, refletindo o modo como o processo capitalista se realiza. A análise de Milton Santos sobre esse momento da história aponta outra direção, entendendo o espaço, hoje, enquanto meio técnico-científico-informacional, para o qual se privilegia a mediação da técnica como elemento definidor da nossa realidade.

Soja (1993), após analisar a presença do marxismo no interior da análise geográfica e da geografia, com a teoria do espaço, no próprio marxismo ocidental, aponta para uma reconstrução da geografia humana crítica, ou sua passagem para a pós-modernidade. Mostra a forte aderência das modalidades geográficas de análise aos debates políticos e teóricos contemporâneos – como nunca ocorrido antes. Entretanto, é ainda “provisória e limitada em seu impacto, pois a espacialização da teoria crítica e a construção de um novo materialismo histórico-geográfico mal começaram” (Soja, 1993: 77).

No contexto contemporâneo, outra cultura do tempo e do espaço vem se formando e redefinindo a natureza e a experiência da vida cotidiana. Conforme Soja (1993), tais mudanças também redefinem a importância e a centralidade de categorias e fronteiras da pesquisa acadêmica, de modo geral, consequentemente da geografia. Cita como representantes desta transformação, novamente Lefebvre e Foucault, cujas trajetórias intelectuais “cruzam-se na construção e reconstrução contemporâneas da modernidade” (Soja, 1993: 78).

Esses autores consolidaram suas afirmações sobre a importância da espacialidade, em momento histórico de profunda reestruturação da economia. Reconheceram que “é mais o espaço que o tempo que oculta as coisas de nós, de que a desmistificação da espacialidade e de sua velada instrumentação de poder é a chave para dar um sentido prático, político e teórico à era contemporânea” (Soja, 1993: 58).

A geografia e as ciências sociais como um todo tentam hoje responder às perguntas de um mundo em constituição, apontando para uma evidente crise teórica, argumenta Carlos (2002), referindo-se à compressão do tempo, como conseqüência do desenvolvimento da ciência e da tecnologia aplicados ao processo produtivo, provocando profundas e amplas transformações espaciais. Ressalta a reafirmação do espaço, dada sua crescente importância para as estratégias da reprodução, e da categoria de lugar, que ultrapassa a idéia de existência particular.

Para Carlos (2002: 177), a volta ao empirismo, a recusa do debate teórico na pesquisa que se desdobra e se limita ao plano fenomênico, ou ainda na postura que reduz os problemas atuais a uma possibilidade técnica, viabilizando a produção econômica (e, com isso, atendendo às necessidades da acumulação), revelam uma crise teórica na geografia.

Invadida, hoje, pelo discurso da pós-modernidade, a Geografia, às vezes, sucumbe diante da necessidade da não-teorização dos temas de sua alçada, o que revela, a meu ver, um recuo e coloca uma necessidade. Superados os debates dos anos 70, que propunham a necessidade de repensar a Geografia e sua contribuição para o desvendamento do mundo, apoiada no legado marxista, como embasamento da construção de um pensamento radical, onde se centraria, a potencialidade da crítica radical, hoje, da Geografia, quando muitos falam do abandono deste legado?

Na mesma direção, ao analisar a “confusão intelectual e o discurso teórico obscuro da corrente das ciências sociais pós-modernas”, Castro (2005: 12-13) alerta-nos para os riscos dessas perspectivas, pois podem “produzir mais apatia do que ação no necessário engajamento para a transformação do mundo em direção a uma maior justiça distributiva.”

Nesse sentido, Santos (1996a: 172) considera que muitas vezes a necessidade de ser crítico opera como se o analítico fosse dispensável. Para ele, “quando a crítica não é acompanhada pela análise, ela permite a mobilização, mas não a construção”.

Consolidando e mantendo a atualidade da reflexão teórica sobre o tema, a geografia crítica continua promovendo debates. Henrique (2002), em relato sobre a III Conferência Internacional sobre Geografia Crítica, realizada na Hungria, em 2002, numa promoção do International Critical Geographical Group, observa a centralidade das pesquisas em fatos do momento, não sem importância, mas em abordagens que carecem de um enfoque metodológico científico. Cita o enfraquecimento e a desconsideração, ou a aparente marginalidade da geografia crítica, nos dias de hoje, que “pode ser entendida como resultado de um pragmatismo que afeta toda a geografia, onde observamos um crescente abandono da teoria para uma maior aplicação da disciplina definida por necessidades dos mercados de trabalho atuais” (Henrique, 2002).

Ressalta também o poder renovador e transformador que uma explicação realmente crítica do espaço geográfico atual pode construir, cuja compreensão dos movimentos contraditórios e dialéticos do mundo é imprescindível para a superação dos processos de dominação e controle, desigualdade e falta de oportunidades, exploração e marginalidade, pobreza e fome vigentes.

É o que está implícito em alguns capítulos da obra Unifying geography - Common heritage, shared future (Mathews e Herbert, 2004), que contempla a relação homem/natureza, como o elemento dual e indissociável da geografia, enfatizando a necessária interação entre a geografia física e a geografia humana. Esses campos de interesse da ciência geográfica vêm alimentando o clássico e recorrente debate sobre a dualidade e dicotomia da geografia. Para Mendonça (2005: 139), ambos “são de fundamental importância para a composição do seu status enquanto campo do conhecimento humano, particularmente quando de sua consolidação enquanto ciência moderna”.

Nesse aspecto, num dos textos da citada obra Unwin e Rose (2004) constroem um diálogo simbólico entre representantes da geografia física e da geografia humana, concluindo que essa divisão binária é nociva ao desenvolvimento da ciência, assim como impede sua contribuição verdadeira na busca de soluções aos problemas da sociedade.

Outros textos da obra incorporam elementos do discurso crítico em sua reflexão. Douglas e Gilbert (2004) se voltam a apontar como os geógrafos, usando os saberes da geografia, podem transformar a realidade social – exatamente na linha do que afirma Santos (1996), de que “não basta explicar o mundo, pois cumpre transformá-lo”. Para eles, o conhecimento técnico dos geógrafos associado ao saber das comunidades e às práticas dos governos possibilitaria a construção de uma visão integrada e apropriada do espaço, que extrapola a abordagem acadêmica e que se aplica na busca de soluções aos graves problemas decorrentes da combinação urbanização/pobreza/meio ambiente. Correlata a essa combinação, a reflexão sobre os desastres geofísicos deve apoiar-se na concepção da manifestação espacial das práticas sociais e de soluções articuladas para superar seus efeitos sobre as populações. O papel da governança e a importância da aproximação do trabalho do geógrafo à ação do Estado e à definição de políticas públicas também refletem uma compreensão da geografia crítica quanto ao significado desse agente na produção ou na direção da organização do espaço.

Robson e Shove (2004), em outra abordagem, alertam quanto à possibilidade da ingerência de interesses políticos na construção da agenda e na condução das pesquisas acadêmicas, assim como na formulação de políticas públicas, beneficiando segmentos financiadores em detrimento da sociedade como um todo. Todos os temas apontados deram corpo ao inesgotado debate crítico.

Mostrando a importância da geografia, em especial a geografia crítica, para entender e explicar o espaço geográfico, e assim ser usada como ferramenta política para movimentar o mundo, Henrique (2002) resgata de Milton Santos (1978: 219) a reflexão:

Os geógrafos, ao lado de outros cientistas sociais, devem se preparar para colocar os fundamentos de um espaço verdadeiramente humano, um espaço que una os homens por e para o seu trabalho, mas não para em seguida os separar em classes, entre exploradores e explorados; um espaço matéria inerte trabalhado pelo homem, mas não para se voltar contra ele; um espaço natureza social aberta a contemplação direta dos seres humanos, e não um artifício; um espaço instrumento de reprodução da vida, e não uma mercadoria trabalhada por uma outra mercadoria, o homem artificializado.

Perspectivas para a geografia crítica

É relevante o legado da geografia crítica para a ciência geográfica, no sentido de colocar ênfase na compreensão das lógicas e processos socioespaciais, e na noção intrínseca de que o pesquisador deve assumir postura crítica perante os fatos.

Alguns estudos sugerem que, com a queda do bloco socialista, os rumos da corrente crítica se esvaneceriam. Verifica-se, entretanto, que orientações metodológicas e apontamentos para a construção da agenda de pesquisa na geografia, oriundas de autores nacionais e internacionais, remetem para procedimentos efetivamente adotados pela corrente da geografia crítica.

A própria preocupação e recomendação expressa na obra de Milton Santos, de desvendar as fabulações que emanam do atual estágio de acumulação do capital, confirmam uma postura crítica diante da realidade, cuja compreensão pode pautar-se no método dialético, e ações que devem transcender os meios acadêmicos e impregnar a prática social.

São inúmeros os textos e autores que reforçam, na atualidade, a perspectiva adotada pela corrente crítica, clamando a interação entre os meios acadêmicos, governamentais e sociedade civil, não só na busca de um conhecimento acumulado nas várias esferas de atuação, como na consecução de estratégias que enfrentem a crescente desigualdade social e territorial contemporânea. Cobram um posicionamento mais ativo do geógrafo frente aos problemas do mundo, dando centralidade à preocupação da corrente crítica, contribuindo na renovação do que seria uma verdadeira totalidade geográfica: nem dicotômica nem dualista, mas unificada para a construção da prosperidade humana.

A geografia crítica renovou o pensamento geográfico, principalmente por admitir o papel da divisão social e territorial do trabalho. Permitiu e vem possibilitando a exposição de lógicas, processos, agentes. Da mesma forma, politizou o debate sobre espaço, território e ambiente, assumindo temas como dominação, controle, exclusão, desigualdade socioespacial, pobreza e vulnerabilidade. Em alguns casos, aproximou-se da geografia física, como por exemplo, nos trabalhos que discutem os problemas ambientais numa ótica crítica, relacionando a crise da sociedade ao modelo de desenvolvimento dos países industrializados e à cultura do consumo, além de salientar enfoques socioambientais.

Assim, esta corrente, entre outras, apesar de algumas falhas, trouxe e segue trazendo contribuições fundamentais à geografia. Teve seu auge, pois na época da sua ascensão vivia-se mundialmente a efervescência de um período de intensa contestação, razão que sublinha sua característica extremamente crítica. Evidentemente, sofreu os entraves do método e da ortodoxia na adoção dogmática, por um lado, e da rejeição, por outro, da teoria marxista. Foi, algumas vezes, apenas crítica, adotando excessivo pragmatismo, sem conseqüência na análise, tornando-se merecedora, apenas nesses casos, de ser sumarizada como panfletária. Rótulo que em hipótese alguma deve ser generalizado como característica da corrente.

A geografia, portanto, deve reconhecer a importância de sua vertente crítica, consolidando seus pressupostos essenciais: buscar uma visão de totalidade e construir análises que incorporem a dimensão política em seu objetivo de compreender as dinâmicas espaço/sociedade/natureza. Deve, também, permanecer atenta às mistificações decorrentes de jogos de interesse, que esvaziam de significado ou até recusam o debate teórico contemporâneo, apropriando-se da técnica em busca de ampliar as margens da acumulação.

Em relação à crise ou ao fim da geografia crítica, talvez ela se insira no âmbito da própria crise contemporânea das ciências sociais. Esta vertente de estudo não sucumbiu, apenas se reformula em novas perspectivas. O debate sobre a geografia crítica permanece, pois, recorrente, dado que enriquece a história de sua trajetória e estabelece novas formas de estudo, mantendo-a apta para entender e explicar o espaço geográfico.

Notas

[*]Sobre os autores

Rosa Moura é geógrafa do Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social (IPARDES) e do Observatório das Metrópoles/Instituto do Milênio/CNPq; é doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal do Paraná (UFPR) e docente do curso de especialização em Análise Ambiental do mesmo Programa.

Deuseles de Oliveira é professor de Geografia da Secretaria de Estado da Educação e mestrando no Programa de Pós-Graduação em Geografia da UFPR.

Helena dos Santos Lisboa é geógrafa, Pós-graduada em Educação, Meio Ambiente e Desenvolvimento, e mestranda pelo Programa de Pós-Graduação em Geografia da UFPR.

Leandro Martins Fontoura é turismólogo, pós-graduado em análise ambiental pela Universidade Federal de Juiz de Fora e mestre em Geografia pelo Programa de Pós-Graduação em Geografia da UFPR; docente do curso de turismo nas faculdades Facinter (Faculdade Internacional de Curitiba) e Isulpar (Instituto Superior do Litoral do Paraná).

Juliano Geraldi é arquiteto e urbanista da Companhia de Habitação do Paraná, pós-graduado em Gestão Técnica do Meio Urbano pelo GTU Internacional e Universitè de Technologie de Compiègne, e em Desenvolvimento Regional pelo Programa de Pós-Graduação em Economia Rural da UFPR.

[1] Obra de Daniel Hiernaux-Nicolás (La geografía como metáfora de la libertad. Textos de Eliseo Reclus. Centro de Investigaciones Científicas Tamayo/Plaza y Valdés editores, México, 1999, 314 págs. ISBN 968-856-655-1) reúne textos "militantes" e históricos de Réclus (1830-1905), que revelam sua orientação política, e textos de conteúdo geográfico, que assinalam sua inquietude com a ação do capital no espaço urbano, rompendo com os ideais modernos sobre a cidade. Ver resenha em Vargas (1999).

[2] Geo Crítica. Cuadernos críticos de geografía humana. Año I, n. 4, julio de 1976. Nota introdutória ao texto de David Harvey, “Teoría revolucionaria y contrarrevolucionaria en geografía y el problema de la formación del ghetto”, originalmente publicado em Antipode, v. 4, n. 2, em 1972.

[3] Cabe destacar que Cicalese (2007) aponta como importante referência aos debates que se abrem sobre a Nova Geografia, a reflexão que tinha centro na Faculdade de Ciências Exatas e Naturais da Universidade de Buenos Aires, sobre políticas científicas e a objetividade e ideologia na ciência e a técnica. Entre os autores, destaca Carlos Varsavsky, cuja reflexão social delimita o conceito de cientificismo, particularmente sua apropriação pelo esquema desenvolvimentista da época, particularmente, a ainda tímida, porém crescente, influência no financiamento dos programas de empresas e fundações estrangeiras. O livro mais popular de Varsavsky, Ciencia, política y cientificismo, foi editado pela primeira vez em 1969, e reimpresso em seis edições entre 1969 e 1975, pelo Centro Editor de América Latina (CEAL).

[4] Segundo Cicalese (2007), em entrevista realizada em 25/08/2006, na Universidad Nacional de Luján, Buenos Aires. Elena Chiozza, entre outras importantes obras, participou da produção de Argentina. Suma de Geografía, obra em nove tomos lançados entre 1958 e 1962, que se tornou referência obrigatória para estudantes de ensino de Geografia, particularmente nos anos 1970.

[5] É o caso dos eventos realizados pelo Departamento de Geografia da Faculdade de Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo: Encontro Internacional O novo mapa do mundo, em 1992; Seminário Território. Globalização e fragmentação, em 1993, Encontro Internacional Lugar, formação socioespacial, mundo, em 1994, e o já citado Encontro Internacional O mundo do cidadão. Um cidadão do mundo.

[6] O debate travado em torno do artigo de David Harvey também foi resgatado pela publicação Geo Crítica. Cuadernos Críticos de Geografía Humana, ano I, n. 4, jul. 1976, disponível em http://www.ub.es/geocrit/geo5.htm .

 

Bibliografia

ANDRADE, Manuel Correia de. Geografia, ciência da sociedade: uma introdução à análise do pensamento geográfico. São Paulo: Atlas, 1987.

ANDRADE, Manuel Correia de. O pensamento geográfico e a realidade brasileira. Boletim Paulista de Geografia, n. 54. São Paulo: Associação dos Geógrafos Brasileiros, 1977.

BLAUT, James M. The Dissenting Tradition. Annals of the Association of American Geographers, 69:1, 1979, p. 157-164 (Apud COBARRUBIAS, 2006).

BUNGE, William. The First Years of the Detroit Geographical Expedition: a Personal Report. In: PEET, Richard (Ed). Radical Geography: Alternative Viewpoints on Contemporary Issues. Chicago: Marroufa Press, 1977 (Apud COBARRUBIAS, 2006).

CARLOS, Ana Fani Alessandri. A geografia brasileira, hoje: algumas reflexões. Terra Livre. São Paulo, ano 18, v. I, n. 18, p. 161-178, jan./jun. 2002.

CASTRO, Iná Elias de. Geografia e política: território, escalas de ação e instituições. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005.

CICALESE, Guillermo Gustavo. Ortodoxia, ideología y compromiso político en la geografía argentina en la década de 1970. Biblio 3W. Revista Bibliográfica de Geografía y Ciencias Sociales (Serie documental de Geo Crítica). Universidad de Barcelona, v. XII, n. 767, dez. 2007. Disponível em: http://www.ub.es/geocrit/b3w-767.htm (Acesso em março de 2008).

CLAVAL, Paul. Le Marxisme et l’Espace. L’Espace Geographique. Paris, n. 3, v. 6, 1977, p. 145-164 (Apud CORRÊA, 2001).

CLAVAL, Paul. Le Neo-Merxisme et l’Espace. L’Espace Geographique. Paris, n. 16, v. 6, 1987, p. 161-166 (Apud CORRÊA, 2001).

COBARRUBIAS, Sebastian. The Academy in Activism and Activism in the Academy: Collaborative Research Methodologies and Radical Geography. Disponível em http://www.euromovements.info/html/radical-geography.htm (Acesso em maio de 2006).

CORRÊA, Roberto Lobato. As correntes do pensamento geográfico. In: CORRÊA, R.L. Região e organização espacial. São Paulo: Ática, 1991.

CORRÊA, Roberto Lobato. Espaço, um conceito-chave da geografia. In: CASTRO, I.E. de; GOMES, P. C. da C.; CORRÊA, R.L. (Org.) Geografia: conceitos e temas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001.

CORRÊA, Roberto Lobato. O espaço geográfico: algumas considerações. In: SANTOS, M. (Org.) Novos rumos da geografia brasileira. São Paulo: Hucitec, 1982.

DINIZ FILHO, Luis Lopes. Certa má herança marxista: elementos para repensar a geografia crítica. In: MENDONÇA, F.; KOZEL, S. (Org.) Elementos da epistemologia da contemporânea. Curitiba: Editora da UFPR, 2002.

DOUGLAS, Ian; GILBERT, Alan G. Urbanization, development and the environment in a unequal world. In: MATHEWS, J.A.; HERBERT, D. Unifying geography. Common heritage, shared future. Oxfordshire: Routledge, 2004.

ENGELS, Friedrich. Anti-Dübring. Paris: Éd. Sociales, 1950 (Apud POLITZER et al., 1970).

FOLKE, Steen. Why a radical Geography must be Marxist. Originalmente publicado em Antipode. A radical Journal of Geography, Worcester, Mass: v. 4 n. 2, jul. 1972, p. 13. Traduzido para o espanhol e publicado em Geo Crítica. Cuadernos críticos de Geografía Humana. Universidade de Barcelona, ano I, n. 5, set. 1976. Disponível em http://www.ub.es/geocrit/geo5.htm (Acesso em junho de 2007).

FOUCAULT, Michel. Questions on Geography. In: GORDON, C. (org.). Power/Knowledge: selected interviews and other writings, 1972-1977. Nova Cork: Pantheon, 1980 (Apud SOJA, 1993).

GEORGE, Pierre. Problemas, doutrina e método. In: GEORGE, P.; LACOSTE, Y.; KAYSER, B.; GUGLIELMO, R. A Geografia Ativa. São Paulo: Difusão Européia do Livro/Editora da USP, 1966.

GEORGE, Pierre; LACOSTE, Yves; KAYSER, Bernard; GUGLIELMO, Raymond. A Geografia Ativa. São Paulo, Difusão Européia do Livro/Editora da USP, 1966. Tradução de Gil Toledo, Manuel Seabra, Nelson de La Corte e Vicenzo Bochichio.

HARVEY, David. Revolutíonary and counterrevolutíonaty theory ín Geography and the problem of ghetto formarían. Originalmente publicado em Antipode. A radical Journal of Geography . Worcester, Mass, v. IV, n. 2, 1972, p. 1-13. Traduzido para o espanhol e publicado em Geo Crítica. Cuadernos críticos de geografía humana. Universidade de Barcelona, ano I, n. 4, jul. 1976. Disponível em http://www.ub.es/geocrit/geo4.htm (Acesso em junho de 2007).

HARVEY, David. Spaces of capital: towards a critical geography. New York: Routledge, 2001 (Apud COBARRUBIAS, 2006).

HARVEY, David. The geography of capitalist accumulation: a reconstruction of marxism theory. Antipode, Worcester, n. 2, v. 7, 1975, p. 9-21 (Apud CORRÊA, 2001).

HARVEY, David. The urbanization of capital. Baltimore: Johns Hopkins University Press/ Oxford: Basil Blackwell, 1985 (Apud SOJA, 1993).

HARVEY, David; SMITH, Neil. Geography: from Capitals to Capital. In OLLMAN, B.; VERNOFF, E. (Eds.) The Left Academy: Marxist Scholarship on American Campuses, Volume II. New Cork: Praeger, 1984 (Apud COBARRUBIAS, 2006).

HENRIQUE, Wendel. Pela continuidade da Geografía Crítica. Sobre a Third International Conference of Critical Geography. Biblio 3w. Revista Bibliográfica de Geografía y Ciencias Sociales. Universidad de Barcelona, v. VII, n. 400, set. 2002. Disponível em http://www.ub.es/geocrit/b3w-400.htm (Acesso em maio de 2006).

LACOSTE, Yves. A geografia – isso serve, em primeiro lugar, para fazer a guerra. 2a ed. Campinas: Papirus, 1989.

LEFEBVRE, Henri. Espacio y política. Barcelona: Ediciones Peninsula, 1976 – original em francês de 1973 (Apud CORRÊA, 2001).

LEFEBVRE, Henri. La notion de totalité dans les Sciences Sociales. Cahier Internationaux de Sociologie, v. XVIII, jan./jun. 1995, Paris, PUF, p. 55-77. Tradução de Luis A. B. Ventini.

MARTÍNEZ, María Nélida. Milton Santos en Neuquén, Argentina: una presencia que marcó rumbos. In: El ciudadano, la globalización y la geografía. Homenaje a Milton Santos. Scripta Nova. Revista Electrónica de Geografía y Ciencias Sociales, Universidad de Barcelona, v. VI, n. 124, set. 2002. Disponível em http://www.ub.es/geocrit/sn/sn-124.htm (Acesso em março de 2008).

MATHEWS, J.A.; HERBERT, D. Unifying geography. Common heritage, shared future. Oxfordshire: Routledge, 2004.

MATTSON, Kirk. Una introducción a la geografía radical. Geo Crítica. Cuadernos Críticos de Geografía Humana. Universidade de Barcelona, ano III, n. 13, jan. 1978. Disponível em http://www.ub.es/geocrit/geo13.htm (Acesso em junho de 2007).

MENDONÇA, Francisco. Resenha: Unifying Geography. RA´E GA. Curitiba: Editora UFPR, n. 10, 2005, p. 139-140.

MORAES, Antonio Carlos Robert de. Geografia: pequena história crítica. 16ª ed. São Paulo: Hucitec, 1999.

MORAES, Antonio Carlos Robert de; COSTA, Wanderley Messias da. A geografia e o processo de valorização do espaço. In: SANTOS, M. (Org.) Novos rumos da geografia brasileira. São Paulo: Hucitec, 1982.

MOREIRA, Ruy. A geografia serve para desvendar máscaras sociais. In: MOREIRA, R. (org.) Geografia: teoria e crítica. Petrópolis: Vozes, 1982a.

MOREIRA, Ruy. Assim se passaram dez anos (a renovação da geografia no Brasil 1978-1988). Caderno Prudentino de Geografia, 14. Presidente Prudente, AGB, jun., 1992.

MOREIRA, Ruy. Repensando a geografia. In: SANTOS, M. (Org.) Novos rumos da geografia brasileira. São Paulo: Hucitec, 1982b.

MOREIRA, Ruy. Velhos temas, novas formas. In. MENDONÇA, F.; KOZEL, S. (Orgs.). Elementos de epistemologia da geografia contemporânea. Curitiba: Editora da UFPR, 2002.

PEET, Richard. Modern geographical thougth. Oxford: Blackwell, 1998 (Apud SILVA, 2000).

PEET, Richard. O desenvolvimento da geografia radical nos Estados Unidos. In: CHRISTOFOLETTI, A. (Org.). Perspectivas da Geografia. São Paulo: Difel, 1982 (Apud HENRIQUE, 2002).

PEET, Richard. The development of radical geography in the United States. In: PEET, R. (ed). Radical Geography: Alternative Viewpoints on Contemporary Issues. Chicago: Marroufa Press, 1977 (Apud COBARRUBIAS, 2006).

POLITZER, George; BESSE, Guy; CAVEING, Maurice. Princípios fundamentais de filosofia. São Paulo: Hemus, 1970.

ROBSON, Brian; SHOVE, Elizabeth. Geography and public policy. A political turn. In: MATHEWS, J.A.; HERBERT, D. Unifying geography. Common heritage, shared future. Oxfordshire: Routledge, 2004.

SANTOS, Milton. Para que a geografia mude sem ficar a mesma coisa. Boletim Paulista de Geografia, n. 59, 1982.

SANTOS, Milton. Por uma geografia nova. 1ª ed. 1978; 4ª ed. São Paulo: Hucitec, 1996.

SANTOS, Milton. Society and space: social formation as theory and method. Antípode. Worcester, n. 1, v. 9, 1977, p. 3-13 (Apud CORRÊA, 2001).

SANTOS, Milton. Técnica, espaço, tempo. Globalização e meio técnico-cientifico informacional. São Paulo: Hucitec, 1996.

SILVA, Carlos Nunes. O pós-positivismo na geografia humana. Finisterra, XXXV, 69, 2000, p. 151-154. Disponível em http://www.ceg.ul.pt/finisterra/numeros/2000-69/69_08.pd (Acesso em maio de 2006).

SOJA, Edward. Geografias pós-modernas. A reafirmação do espaço na teoria social crítica. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1993.

SOJA, Edward; HADJIMICHALIS, C. Between geographical materialism and spatial análisis. Antípode. Worcester, n .11, v. 3, p. 3-11 (Apud CORRÊA, 2001).

SPOSITO, Eliseu S. Pequenas argumentações para uma temática complexa. In: MENDONÇA, F.;KOSEL S. (Orgs.). Elementos de Epistemologia da Geografia Contemporânea. Curitiba: Ed. da UFPR, 2002.

UNWIN, Tim; ROSE, Jim. Regions, Area Studies and the Meaning of Place. In: MATHEWS, J.A.; HERBERT, D. Unifying geography. Common heritage, shared future. Oxfordshire: Routledge, 2004.

VARGAS, Héctor Mendoza. Daniel Hiernaux-Nicolás. La geografía como metáfora de la libertad. Textos de Eliseo Reclus. Resenha. Biblio 3W. Revista Bibliográfica de Geografía y Ciencias Sociales. Universidade de Barcelona, n. 163, jun. 1999. Disponível em http://www.ub.es/geocrit/b3w-163.htm (Acesso em junho de 2007).

ZUSMAN, Perla B. Milton Santos e a metamorfose da geografia brasileira. In: CARLOS, A.F.A. (Org.) Ensaios de Geografia Contemporânea. Milton Santos, obra revisitada. São Paulo: Hucitec, 1996.

 

©Rosa Moura, Deuseles de Oliveira, Helena dos Santos Lisboa, Leandro Martins Fontoura, Juliano Geraldi, 2008

© Biblio3W, 2008

Ficha bibliográfica:

MOURA, Rosa; OLIVEIRA, Deuseles de; LISBOA, Helena dos Santos; FONTOURA, Leandro Martins, GERALDI, Juliano. Geografia Crítica: legado histórico ou abordagem recorrente? Biblio 3W, Revista Bibliográfica de Geografía y Ciencias Sociales , Universidad de Barcelona, Vol. XIII, nº 786, 5 de junio de 2008. <http://www.ub.es/geocrit/b3w-786.htm>. [ISSN 1138-9796].


Biblio 3W

REVISTA BIBLIOGRÁFICA DE GEOGRAFÍA Y CIENCIAS SOCIALES

(Serie documental de Geo Crítica)

Universidad de Barcelona 

ISSN: 1138-9796. Depósito Legal: B. 21.742-98 

Vol. XIII, nº 786, 5 de junio de 2008

GEOGRAFIA CRÍTICA: LEGADO HISTÓRICO OU ABORDAGEM RECORRENTE?

Rosa Moura,

Deuseles de Oliveira,

Helena dos Santos Lisboa,

Leandro Martins Fontoura,

Juliano Geraldi [*]

Geografia Crítica: legado histórico ou abordagem recorrente? (Resumo)

A corrente crítica ou radical da Geografia desenvolveu, no Brasil, uma trajetória notável do ponto de vista da abordagem acadêmica, ao desvendar processos que nutriram o debate político em delicado momento nacional. Este artigo objetiva discorrer sobre essa corrente, abordando suas origens em diferentes países, concepções, base metodológica, objeto de análise e sua evolução, particularmente no Brasil. Considerando posicionamentos díspares em relação à sua trajetória e produção teórica contemporâneos, procura fazer uma breve leitura de seu significado e importância para a ciência geográfica no Brasil, diante de tantas correntes cujos seguidores postulam a hegemonia no âmbito da análise na geografia.

Palavras chave: geografia crítica, geografia radical, nova geografia, marxismo na geografia


Geografía Crítica: ¿legado histórico o enfoque recurrente? (Resumen)

La corriente crítica o radical de la Geografía ha desarrollado, en Brasil, una trayectoria notable desde la óptica del enfoque académico, en el desvendar de procesos que ha enriquecido el debate político en delicado momento nacional. El presente artículo objetiva presentar una reflexión acerca de esa corriente, desde sus orígenes en distintos países, concepciones, base metodológica, objeto de análisis, evolución, y los contradictorios posicionamientos acerca de su producción teórica y contribución a la Geografía, en particular en Brasil. Plantea hacer todavía una breve lectura de su significado e importancia para la ciencia geográfica, ante otras corrientes con seguidores que postulan la hegemonía del análisis en la geografía.

Palabras clave: geografía crítica, geografía radical, nueva geografía, marxismo en la geografía


Critical Geography: historical legate or current use? (Abstract)

The critical or radical current of Geography has developed, in Brazil, a remarkable trajectory from the optics of the academic approach, revealing processes that has enriched the political debate at delicate national moment. The present article mains to present a reflection about that current, from its origins, conceptions, methodological basis, object of analysis, evolution, and the contradictory dialogue about its theoretical production and contribution to Geography, particularly in Brazil. It still rises to take a brief reading of its meaning for geographic science, facing to many currents that postulate the supremacy in the geographic analysis. 

Key words: critical geography, radical geography, new geography, Marxism in geography


Origens e principais concepções

A geografia crítica sucede a corrente do pensamento geográfico denominada nova geografia ou geografia quantitativa, que surgiu durante a Guerra Fria, em meados do século XX, na Inglaterra, Estados Unidos e Suécia – corrente que, pautada em métodos quantitativos, encobria o compromisso ideológico de justificar a expansão capitalista sem exprimir a essência da realidade social. É nesse contexto de dominação pelo uso ideologizado da informação, assim como de agravamento das tensões sociais nos países centrais e movimentos por independência nos países subdesenvolvidos, que a geografia crítica emerge como uma corrente que se opõe à quantitativa.

O interesse dos geógrafos pelas obras de cunho socialista ressurgiu na Europa após a segunda Guerra Mundial. Conforme Andrade (1987), os trabalhos desses geógrafos eram estimulantes e demonstravam progressos significativos. Porém, com a invasão da Hungria pelas tropas soviéticas, em 1956, grande parte desses profissionais se afastou do marxismo, ao mesmo tempo em que se iniciaram contatos com outros segmentos profissionais.

As perspectivas do planejamento abertas no pós-guerra, consolidando políticas desencadeadas durante a guerra, como Town and Country Planning, na Inglaterra, ou Aménagement du Territoire, na França e Bélgica, procuraram dar a essa prática uma dimensão histórica e geográfica. Tais perspectivas traziam ao geógrafo, até então mais ligado ao ensino e de certa forma isolado, o desafio de se “adaptar a um sistema de trabalho realizado em comum e em colaboração com outros especialistas, procurando atingir fins pragmáticos” (Andrade, 1987: 95). Disciplinas do conhecimento geográfico passaram a interpor-se à economia, sociologia, antropologia, além de haver uma transposição da centralidade temática agrária para urbana. Assim, destaca-se, nesse período, a importância de contatos de geógrafos com filósofos, como Henry Lefebvre e Louis Althusser, com urbanistas, como Manuel Castells, ou economistas, como Charles Bettelheim.

A geografia crítica coloca-se como “uma revolução que procura romper, de um lado, com a geografia tradicional e, de outro, com a geografia teorético-quantitativa” (Corrêa, 2001: 23), vindo a motivar intenso debate entre geógrafos marxistas e não-marxistas. Dá evidência à ação do Estado e dos demais agentes da organização espacial – os proprietários fundiários, os industriais, os incorporadores imobiliários –, ao mesmo tempo em que retoma as relações homem-natureza e a abordagem regional. Busca responder às profundas modificações na organização espacial, decorrentes da intensa urbanização, industrialização e expansão do capital, que não encontravam respostas no determinismo, possibilismo e método regional.

Embora a geografia quantitativa se dispusesse a compor um sistema de pensamento, pelo fato de estar subordinada a uma visão matemática do mundo, negligenciava a dimensão do tempo. Para Santos (1996: 170), a corrente quantitativa reconduziu os estudos denominados marxistas para que “voltassem e se tornassem uma das colunas fundamentais da chamada ‘geografia crítica’, que, aliás, não é exclusividade dos marxistas.” Referia-se aos “geógrafos socialmente engajados”, norte-americanos, que embora não fossem marxistas criticavam a visão anterior da geografia e propunham uma outra perspectiva.

Toma corpo então uma vertente de estudo com uma postura radical crítica frente à geografia existente, seja a tradicional ou a pragmática, propondo uma total ruptura com os pensamentos anteriores. Segundo Moraes (1999), no nível acadêmico, os geógrafos críticos opõem-se ao empirismo exarcebado da geografia tradicional, além de refutarem sua análise pautada no mundo das “aparências”, decorrente da fundamentação positivista, que visa a busca de um objeto automatizado, a idéia absoluta de lei, não se preocupando com a diferenciação das qualidades distintas dos fenômenos humanos, entre outros. A geografia pragmática, também com fundamentação neopositivista, é fortemente criticada pelo conteúdo acrítico, “alienante”, vinculado à legitimação do poder do Estado burguês.

Diversos autores da geografia crítica posicionam-se exatamente em prol de uma transformação da realidade social, trazendo o saber como uma importante arma para este processo. Neste caso, o conhecimento científico assume um conteúdo fortemente político e, portanto, a geografia deve ser militante, ou seja, lutar por uma sociedade mais justa e servir como um instrumento de libertação do homem (Moraes, 1999). Partem, assim, para cumprir o objetivo de avaliar profundamente as contradições inerentes ao sistema capitalista de produção, desvendando, conforme Moreira (1982a), as “máscaras sociais” desse sistema.

O movimento da geografia crítica, em suas diversas vertentes, reproduz o embate ideológico contemporâneo da luta de classes na sociedade. Os geógrafos críticos, em suas diversas orientações, assumem a perspectiva popular, de uma transformação de ordem social. Por esta razão, buscam uma geografia mais generosa em um espaço mais justo, que seja organizado em função dos interesses dos homens e não do capital (Moraes, 1999).

A influência francesaUma das raízes da geografia crítica está na ala progressista da geografia regional francesa, que introduz, aos poucos, a análise da organização do espaço aos processos econômicos e sociais, inaugurando uma discussão mais política dos estudos geográficos, e aproximando-se da história e da economia. Jean Dresch anuncia este movimento, ao incorporar um discurso político em seus estudos, nas décadas de 1930 e 1940.

Na França, uma manifestação clara da renovação crítica encontra-se em Geografia Ativa, de Pierre George, Yves Lacoste, Bernard Kayser e Raymond Guglielmo (1966), obra que marcou uma geração de geógrafos, ao se opor à geografia aplicada, então hegemônica. Tem como proposta elaborar uma análise regional que desvendasse as contradições do modo de produção capitalista, neste caso, inaugurando uma geografia de denúncias das realidades espaciais injustas e contraditórias. Critica severamente a abordagem descritiva e enumerativa da geografia, apontando a necessidade e a carência de informação objetiva, que permitisse traçar perspectivas que subsidiassem tomadas de decisões. Ligada ao historicismo, seus autores consideravam a geografia como um prolongamento da história, mas com métodos próprios, deixando seu papel meramente contemplativo e assumindo um papel dinâmico, atuante, por meio do que chamavam uma “geografia ativa”, que buscasse estabelecer um elo entre passado e futuro.

Essa concepção deixa para trás a conceituação “estreita” de uma geografia tão somente preocupada com dados estáveis, comprovados, “receosa de enfrentar as incertezas das mais tímidas previsões” no terreno prático, como afirmam os tradutores, nas notas da contracapa da publicação brasileira. Nessas notas, resgatam dos autores o objetivo da geografia: “perceber as tendências e as perspectivas da evolução a curto prazo, medir em intensidade e em projeção espacial as relações entre as tendências de desenvolvimento e as suas antagonistas, definir e avaliar a eficácia dos freios e obstáculos. É por aí que a geografia pode desembocar na aplicação” (George et al., 1966).

Apesar de possuir uma leitura crítica da realidade, a geografia ativa não rompe, em termos metodológicos, com a análise tradicional, pois se mantém descritiva e empirista. Para Moraes (1999), esse rompimento viria a ocorrer anos mais tarde, com trabalhos de Pierre George, que teve o grande mérito de introduzir conceitos marxistas na discussão geográfica, ao tentar uma conciliação do materialismo histórico à análise regional. Em suas obras, insurgiu-se contrariamente às correntes vigentes, buscando conciliar postulados marxistas com lablachianos, aprofundando-se na discussão das relações de produção, relações de trabalho, ação do grande capital, forças produtivas etc.

Yves Lacoste, em momento de crise que atingia a geografia, face às novas tendências, retoma os debates inspirado nas obras de Élisée Réclus[1], quanto à discussão da dialética hegeliana e sua ligação com a geografia (Andrade, 1987). Em 1976, Lacoste cria a revista Herodote e começa, por meio dela, a dispor análises sobre inúmeros assuntos geográficos, como os problemas ideológicos, da paisagem, do trabalho no campo, do urbano, do imperialismo ligado à colonização, entre outros. Após o trigésimo número da revista, Lacoste convoca os geógrafos a uma maior atuação na esfera política e reanalisa o conceito de geopolítica. Para ele, não só a geografia como também outras ciências foram utilizadas pelos nazistas para justificar as expansões territoriais sobre outros povos. Lacoste (1989) procura mostrar que a geopolítica, adotada pelos Estados, poderia ser também empregada para que os povos conquistassem a libertação nacional, no plano externo, e a libertação interna.

O radicalismo anglo-americanoNos países anglo-americanos, em final dos anos 1960, a corrente crítica demarcou o engajamento de geógrafos em lutas e processos de transformações sociais em curso. Movimentos contra a guerra do Vietnam, lutas anti-coloniais em países do sul, movimentos pelos direitos civis e de gênero associavam-se às revoltas internacionais de 1968.

Cobarrubias (2006) resgata observações de Peet (1977, apud Cobarrubias 2006) de que a ciência radical em geral e a geografia radical em particular são, ao menos na América do Norte, produtos desses eventos dos anos 1960, o que é complementado por Harvey e Smith (1984, apud Cobarrubias, 2006), que apontam que os geógrafos eram forçados pelos acontecimentos a questionar a base conceitual e a prática de sua disciplina. Até essa época, a geografia era vista como uma ciência espacial imersa na revolução quantitativa. Embora muitos geógrafos se reportassem a estudos de geógrafos anarquistas, como Kropotkin e Réclus, não havia um corpo de produção ou autores representativos, mas pequenos grupos ou iniciativas particulares desenvolvendo trabalhos que não podiam ser chamados “críticos”, muito menos “radicais”.

Baseando-se em Harvey (2001, apud Cobarrubias, 2006), esse autor lembra ainda os constrangedores efeitos do McCarthismo e salienta que alguns geógrafos progressistas começaram a expressar preocupação social, por trás da suposta neutralidade do “escudo positivista”. A calma aparente foi quebrada por uma ampla crise social, “a mais séria crise enfrentada pela sociedade capitalista”, como destaca de Blaut (1979: 159, apud Cobarrubias, 2006), fazendo com que a geografia radical emergisse. As convulsões e mobilizações que afetavam a sociedade envolveram geógrafos, que levaram para a luta suas ferramentas científicas.

Trabalhos de geógrafos, particularmente norte-americanos e canadenses, voltados aos problemas sociais, passaram a circular e adquiriram certa relevância. Com base em Blaut (1979), Cobarrubias (2006) aponta como data de referência do surgimento da corrente o ano de 1969, no encontro da Associação Americana de Geografia, que reuniu a maioria dos movimentos locais, incluindo a Detroit Geographical Expedition (DGE) e o grupo responsável pela publicação Antipode, da Clark University.

Andrade (1987), ao analisar a obra de Kirk Mattson, reitera essa ordem de eventos, como movimentos paralelos e convergentes, agregando a eles a fundação da União dos Geógrafos Socialistas. Confirma que a geografia crítica avançou nos Estados Unidos devido ao desejo de alguns geógrafos tomarem maior conhecimento da realidade existente e da constatação das injustiças sociais que os cercavam. O próprio Mattson (1978) pondera que

No existe todavía una historia propiamente dicha de la geografía radical pues no es una escuela en sí, sino que se ha desarrollado a partir de muy diversas fuentes y en distintas direcciones. Tampoco puede decirse que la "radicalización" de la geografía sea un fenómeno inherente a la disciplina, pero sí parte de una tendencia general dentro de las ciencias sociales; no responde tampoco dicho fenómeno a una ideología política determinada, pero sí a una problemática política concreta.

Os projetos da Expedition reuniam experimentos com preocupação comunitária e mobilização ao conhecimento e pesquisa acadêmica, que buscavam uma ponte entre o ativismo e a academia. Expoente desse grupo, William Bunge (1977, apud Cobarrubias, 2006) se dedica a visitar o bairro negro de Fitzgerald, localizado em Detroit, a fim de fazer investigações e tomar contato com os seus habitantes. Ao se interar da realidade local, Bunge verifica que o nível de vida da população desse bairro era muito precário e que as reivindicações dos seus habitantes não eram consideradas pelos geógrafos e planejadores nos estudos governamentais, concluindo que o planejamento deveria ser feito para atender às comunidades. A partir disso, organiza aulas de campo ao bairro, com ampla interatividade entre estudantes e moradores. Ao tomar essa atitude, é demitido da universidade, passando a residir em Toronto, onde repete a experiência – segundo Mattson (1978), a mais ambiciosa de todas –, sendo demitido novamente. No final da vida, Bunge torna-se motorista de táxi e não volta aos bancos acadêmicos.

Mattson (1978) avalia que o fim dessas experiências não foi um fracasso, mas seus resultados devem ser avaliados com prudência, pois as expedições apenas funcionam quando contam com a total confiança e cooperação da comunidade e respondem a seus interesses, sem “paternalismo profissional”, “turismo emocional”, nem “vanguardismo político”. Chama a atenção que, resultado dessas experiências, um novo termo passou a enriquecer o vocabulário geográfico, “advocacy”, que

implica un compromiso real con los problemas de la ciudad en interés de sus habitantes; problemas cotidianos tales como la distribución de parques, los accidentes de tráfico que dañan a los niños, etc... Esta actitud de compromiso con problemas tanto humanos como políticos contrastaba con la actitud de tos demás geógrafos que estudiaban a veces la ciudad al servicio de urbanizadores y especuladores actitud de desprendimiento y frialdad profesional que ponía de relieve la debilidad ética de la geografía establecida.

A revista Antipode, organizada em 1969, tinha como objetivo inicial divulgar os trabalhos de campo de Bunge, passando a fazer uma crítica radical tanto à geografia tradicional, quanto à geografia teorética, como anota Andrade (1987), tendo sido concebida como porta voz de uma geografia alternativa, preocupada com problemas locais e regionais, como sublinha Mattson (1978).

Já em seu primeiro número manifestou claramente a postura radical, unindo-se ao movimento que se produzia em outras ciências sociais, como pode ser confirmado em resgate histórico de publicações da Antipode pelos Cuadernos Críticos de Geografía Humana (Geo Crítica) – esta também uma publicação que ampliou o debate crítico internacional, trazendo-o para o idioma espanhol. Conforme exposto por David Stea[2],

Nuestro objetivo es un cambio radical la sustitución de las instituciones y el ajuste institucional de nuestra sociedad, instituciones que no pueden ya responder a las cambiantes necesidades societales, que ahogan los intentos para darnos unos patrones de vida más viables, que frecuentemente no sirven más que para el propósito de perpetuarse a sí mismos, No tratamos de sustituir las instituciones existentes por otras que adoptarán inevitablemente la misma forma; mas bien tratamos de encontrar una nueva ordenación de medios de acuerdo con un nuevo conjunto de objetivos.

A revista Antipode teve grande aceitação, pois permitia a abertura de novos horizontes para os novos geógrafos, já que a maioria dos colaboradores eram geógrafos quantitativistas desolados com o método matemático-estatístico. À medida que evoluía e se desenvolvia, fez emergir a questão do método e do papel da ideologia na geografia.

En 1974, en plena evolución y búsqueda teórica la revista se planteó la necesidad de explorar en el campo del marxismo y estimular las investigaciones y contribuciones de los países del tercer mundo. Durante este proceso se fueron clarificando los objetivos y ampliando las perspectivas, ganando lectores fuera de Norteamérica, pero perdiéndose también en el camino, muchos de los primeros lectores liberales, todavía asustados por la palabra "Marxismo" (Mattson, 1978).

O terceiro movimento apontado, a União dos Geógrafos Socialistas, procurava difundir idéias que buscassem a renovação do conhecimento geográfico. Formada em 1974, essa organização não tinha caráter político-militante nem profissional, buscando apenas discutir a geografia e, através dela, conquistar mudanças sociais. Além de contribuir organizando e trabalhando para uma mudança radical nas comunidades, intencionavam desenvolver a teoria geográfica para contribuir na luta revolucionária, como transcreve Mattson (1978), tendo como fonte o U.S.G. Newsletter (v. 3, n. 1).

Além de Bunge, outro grande líder da geografia radical norte-americana, até os fins da década de 1960, foi David Harvey, ambos neopositivistas. Influenciados pelo contexto de crise da sociedade capitalista, esses geógrafos procuraram no socialismo novos caminhos, novas alternativas, tanto científicas como sócio-políticas para os estudos geográficos.

Nos anos 1960, Harvey trabalhou, principalmente, com problemas relacionados à filosofia e metodologia da geografia. Essa etapa positivista foi substituída por uma marxista e dualista, coincidindo com seu traslado a John Hopkins University, onde concentrou seu interesse nos processos de urbanização e empobrecimento de algumas cidades norte-americanas. Seu pensamento relacionado com a geografia humana também o levou a interessar-se por mudanças na política econômica, pelos processos de urbanização em países capitalistas, pelas formas alternativas de urbanização e justiça ambiental. Assim, rompe radicalmente com a vanguarda do neopositivismo, aderindo à geografia crítica. Neste aspecto, na obra A justiça social e a cidade (1973), o autor apresenta uma autocrítica em relação à sua produção anterior e uma crítica às teorias ditas “liberais” sobre a cidade, assumindo com isso uma postura fortemente socialista.

Uma abordagem do conteúdo dessa corrente da geografia pode ser sintetizada nas observações de Peet (1982: 226), citadas por Henrique (2002):

a ciência radical mostra os desvios, expõe as explicações existentes à crítica, providencia explicações alternativas que tracem a relação entre os problemas sociais, na superfície, e as causas sociais profundas, e encoraja as pessoas a engajarem-se na construção de sua própria teoria. Sobre as bases das explicações alternativas resultantes, levanta-se um programa político radical para a reestruturação da sociedade enquanto ao redor deste programa desenvolveu-se uma cultura que reflete a experiência e o anseio de uma população redespertada. A ciência radical é, então, o agente consciente da mudança política revolucionária. E a Geografia Radical é uma parte dela, partilhando a mesma aspiração, usando o mesmo método, mas especializada num certo conjunto de relações a partir das quais a sociedade é feita.

Peet (1988, apud Silva, 2000), reitera que a geografia radical partiu do contexto de rejeição à geografia quantitativa e à geografia humanista, construindo um novo paradigma que apontou para questões sociais. Resgata também a importância da Antípode, ao publicar os primeiros trabalhos da corrente, com temas como pobreza urbana e regional, discriminação contra as mulheres e grupos minoritários, acesso desigual aos serviços, subdesenvolvimento etc. Pondera que somente mais tarde (anos 1970) a geografia radical se tornou marxista, mesmo assim, conservando mais ênfase nas abordagens temáticas do que no materialismo e na dialética. Sofreu uma segunda transformação nos finais dos anos 1970, com trabalhos de Harvey, como The limits to capital (1982), e de Neil Smith, com Uneven Development (1984), assim como pela influência das idéias de Henri Lefebvre.

Em oposição aos Estados Unidos, a geografia crítica ou radical da Europa iniciou com a análise de trabalhos do século XIX, escritos, principalmente por Karl Marx, Friedrich Engels, Karl Kautsky, Vladimir I. Lênin, Èlisée Réclus e Kropotkin, sendo estes últimos, quase sempre esquecidos pelas escolas tradicionais e pelas escolas modernas da dita “nova geografia”.

Para Andrade (1987), os geógrafos começam a se interessar-se pela obra de Marx, principalmente quando o autor analisa alguns conceitos que interessam ao seu campo de estudos como modo de produção, formação econômico-social, relação cidade/campo e evolução da sociedade por meio das lutas de classe. Já a contribuição de Engels advém de temas geográficos, ao discutir as transformações naturais e os problemas urbanos. Kautsky, por sua vez, analisa o problema agrário, tornando-se clássico nas ciências sociais.

O movimento dos Geógrafos sul-americanos

O debate por uma corrente analítica alternativa na geografia também tomava corpo na América do Sul. Na Argentina e no Uruguai, esta corrente se pautava em uma agenda estruturada em princípios valorativos que destacavam “el compromiso intelectual al servicio de la sociedad, el tratamiento de las contrariedades al desarrollo latinoamericano, otra forma de comprender el proceso de enseñanza y aprendizaje, como la necesidad de hacer política con los instrumentos y conocimientos aportados por la ciencia” (Cicalese, 2007). Essa nova corrente de reflexão que surge na academia se vale do pensamento social latino-americano, inspirado nas teorias do desenvolvimento, e se apropria de conceitos clássicos do marxismo para entender e intervir no território. Na geografia, a compreensão da ordem de prioridades entre os fins da ciência e os da política tornam-se objeto de uma assimilação e evolução particular[3].

Como os espaços para a difusão de idéias e trabalhos eram exíguos, tal corrente organiza-se a partir de encontros, como o Primer Encuentro Latinoamericano de la Nueva Geografía, que se realiza em 1973, em Salto, no Uruguai, convocado pela Associação de Professores de Geografia do Uruguai, tendo aproximadamente uma centena de participantes. O Segundo Encuentro Latinoamericano de la Nueva Geografía aconteceu na Universidade Nacional de Comahue, em Neuquén, Argentina, tendo mais que o dobro de participantes. Esse encontro aconteceu em fevereiro de 1974, sob um cenário político que rapidamente cairia na clausura.

Cicalese (2007) se apóia em depoimento de Elena Chiozza[4] para descrever esse Encontro:

... fue un congreso muy agitado. En un momento de un peronismo triunfante y un peronismo que era además arrollador. Y para los geógrafos tradicionales fue un congreso revolucionario, tenía un contenido revolucionario porque se comenzó a tomar conciencia que realmente no podíamos repetir solamente las posturas teórico ideológicas que nos miraban desde el mundo desarrollado sin comprender la naturaleza de cuales eran todos los factores que habían venido trabajando a lo largo de historia para configurar nuestra geografía tal como es. Entonces, frente a esa tradición aferrada a lo que se pensaba afuera, y eso era lo único que valía, es claro, reclamar otras formas de enfocar el conocimiento resultaba revolucionaria....

Foram convidados para esse Segundo Encontro, Pierre George, como referencial europeu, e Milton Santos, como referencial latino-americano, propulsores, entre os jovens geógrafos, de idéias comprometidas com a realidade social (Martínez, 2002), assim como estiveram presentes uma numerosa delegação uruguaia, entre os quais Germán Wettstein e Danilo Antón, e geógrafos argentinos, com destaque para Elena Chiozza e Carlos Reboratti, da Universidade de Buenos Aires, e Ricardo Capitanelli, da Universidade Nacional de Cuyo. Trataram de temas acerca do papel do geógrafo como profissional, entre outros que marcavam a realidade, indicando a preocupação dos participantes em gerir outra Geografia, esta mais comprometida.

Impossibilitado de estar presente, Pierre George enviou o texto Pourquoi la Geographie?, lido por Milton Santos. Destacava o papel da ciência como um saber estratégico de governo para a ação e decisão, e mostrava a necessidade de vincular seus conteúdos a outras ciências, num intercâmbio imprescindível para evitar retratos regionais excessivamente estáticos. Com relação ao texto, Cicalese (2007) observa que: “Si bien se mantenía en alguna medida dentro de los esquemas clásicos de la geografía regional francesa, se lanzaba a una crítica interna en la corriente haciendo ver su inadecuación metodológica para el ejercicio de la acción sobre el territorio.”

Milton Santos defendeu a necessidade da construção de um corpo teórico latino-americano para compreender, analisar e denunciar os problemas regionais comuns ao Terceiro Mundo, enfatizando as desigualdades sociais e os contrastes com o mundo ocidental desenvolvido. Essa visão marcava a diferença socioeconômica do mundo ocidental. Sua presença gerou uma impressão sólida e inesquecível aos geógrafos riopratenses. Martínez (2002) destaca que:

Hay que destacar que este II Encuentro de Neuquén marcó un hito en la historia de la Geografía Latinoamericana, y especialmente en la Geografía argentina, ya que por primera vez se establecía un contacto humano directo con quienes estaban iniciando otra visión en la disciplina. Sin duda esto permitió la apertura del conocimiento geográfico hacia otra forma de construir la ciencia, ya que sólo conocía autores y científicos tradicionales como Federico Daus y Rey Balmaceda. En este contexto, Milton mostró la necesidad de construir un cuerpo teórico desde Latinoamérica, que permitiera analizar, comprender y denunciar los complejos procesos territoriales que estaban en marcha.

O Encontro de Neuquén contou com o entusiasmo de boa parte do movimento estudantil e dos convidados, que apresentaram palestras animadas pela esperança de transformação que se inaugurava no processo político argentino. As propostas da Nova Geografia eram coincidentes com outras manifestações de geógrafos latino-americanos, especialmente uruguaios, que se encontravam expostos a processos políticos autoritários. German Wettstein, em sua palestra El aporte de la Geografía al Desarrollo e Integración Latinoamericana, expôs um plano de profissionalização e qualificação dos geógrafos para a nova geografia latino-americana, remarcando as discrepâncias com a geografia tradicional. Wettstein recomendava a articulação dos centros e grupos de pesquisa de geografia com outras redes interdisciplinares, para superar as condições de “subdesenvolvimento da geografia”, quebrando o isolamento que era comum na disciplina. Enfatizava a acriticidade dos geógrafos, aderindo, sem questionamentos, grandes paradigmas, como por exemplo sem perguntar “a qué fines políticos respondían o cooperaban” (Cicalese, 2007).

Como anota Cicalese (2007), geógrafos uruguaios da Equipe de Geografia Integrada apontam como marco dessa corrente considerada alternativa a publicação  Le métier de géographe en pays sous-développé; un essal méthodologique, de Milton Santos, publicado em Paris, pela Ophrys (1971), por colocar-se como uma intervenção crítica à geografia regional francesa clássica e pleitear a exigência de se adentrar mais intensamente na geografia geral. Outro autor que destacam é Rigoberto García, geógrafo colombiano, em sua publicação Otra geografía latinoamericana: algunas reflexiones críticas en torno a la metodologia, publicado na Revista Iberoamericana (v. IV, n. 2, 1974). Para Cicalese (2007),

García juzgaba negativamente lo que llamaba la enfermedad de la descripción, y abogaba por una depuración metodológica y filosófica con una concreta reformulación de los problemas. Embestía contra el abuso que hacía la Geografía Cuantitativa de sus técnicas formales, convirtiendo los medios en fines. Expresaba la escasa relevancia científica de un quehacer dirigido a la aplicación de los modelos matemáticos y geométricos para dar cuenta del espacio, puesto que alegaba que había que enfrentar realidades y necesidades más urgentes que limitarse a comprobar modelos que poco servían a la comprensión.

Cicalese (2007) conclui que a geografia alternativa explorou novos campos e gerou produtos editoriais importantes, porém a possibilidade de se desenvolver com os avanços de uma geografia crítica, distanciada das pautas da ortodoxia, focalizada no social e com outros instrumentos, na Argentina se malogrou.

Las experiencias de trabajar a la luz del marxismo, la teoría de la dependencia y otros desarrollos epistemológicos latinoamericanos o tercermundistas quedaron reducidas a una mínima expresión. Ocurrió que las determinaciones de un contexto hostil y represivo no permitió la ocupación de posiciones de campo y su desenvolvimiento. La corriente, si bien expresó un marco valorativo de punto de partida, camino al que parecía enfilarse si examinamos las proclamas políticas como el listado de temas prioritarios que ya se insinuaban, se le frustró la posibilidad de un nivel de desarrollo teórico aceptable. Como desarrollo teórico queremos decir la construcción de un punto de vista admisible y adecuado para abordar la realidad y producir un buen número de trabajos empíricos. En suma, un camino de doble comunicación entre ciencia y política para redefinir las demandas provenientes del campo político y social, trascendiendo su retórica para convertirlas en reglas y prácticas del oficio geográfico.

Geografia crítica no BrasilAs diferentes formas de interpretar a geografia nos anos 1970, tanto na Europa como nas Américas, trazem consigo uma ampla gama de influências para a geografia brasileira. No entanto, Andrade (1987) chama a atenção ao fato de que a preocupação com os aspectos sociais já aparece na geografia brasileira desde a década de 1940, nos trabalhos de Caio Prado Jr., tanto em artigos publicados na revista Geografia, quanto em sua obra Formação do Brasil Contemporâneo. Destaca também os trabalhos de Sérgio Buarque de Holanda, de Gilberto Freyre, assim como de Orlando Valverde, que demonstram preocupação com os problemas sociais e aprofundam a análise das causas, das raízes dos problemas.

Manuel Correia de Andrade é outro nome de destaque desse período, expressando grande preocupação social em artigos, alguns publicados no Boletim Paulista de Geografia (Andrade, 1977), monografias e livros, porém chegando a ser rejeitado pelos geógrafos – seu principal livro na época, A pecuária no agreste pernambucano, foi mais aplaudido pelos historiadores e sociólogos.

Nessa época, o silêncio imposto pelo regime militar brasileiro e as políticas de desenvolvimento adotadas, facilitaram a inserção da corrente da geografia crítica no país, no final dos anos 1970. Inicialmente sufocada pelo regime autoritário, assim como pela institucionalização da disciplina, essa corrente significou um momento de ruptura não só política, como epistemológica.

Andrade (1987) narra que durante a ditadura militar ocorreu um engajamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) com a política econômica do governo, valendo-se da abstração matemático-estatística. A linha de trabalho adotada pela Instituição desprezou a problemática social e ambiental, chegando ao limite da destruição do Conselho Nacional de Geografia.

Esse contexto brasileiro foi propício para que os geógrafos procurassem novos caminhos para a geografia. Ao tomarem conhecimento das revistas Antipode e Herodote, da qual Milton Santos participava do conselho editorial, os debates em torno da crítica na e sobre a geografia se intensificam. Nesse mesmo período, Milton Santos publica Por uma Geografia Nova (1978), obra considerada, por muitos geógrafos, como uma das primeiras propostas da renovação da geografia brasileira, tendo um conteúdo claramente normativo, avaliando criticamente a geografia tradicional, a crise do pensamento geográfico e as principais idéias de renovação, efetivadas pela geografia pragmática.

Outras publicações relevantes de cunho crítico se espalharam pelo país, particularmente o Boletim Paulista de Geografia, além de Território LivreTerra LivreGeonordeste, entre outras.

Carlos (2002: 164) esboça um panorama da geografia no Brasil, com base no que foi publicado no Boletim Paulista de Geografia. Com relação ao momento de emergência da geografia crítica, aponta que a

década de 1960 marca um momento na geografia brasileira em que se contrapõem duas grandes tendências. No Rio de Janeiro desenvolve-se, no IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) a chamada New Geography ou Geografia Quantitativa que passa a influenciar a maioria das pesquisas. De fundamentação matemática, esses trabalhos viam a realidade a partir da perspectiva da regularidade dos fenômenos no espaço, fazendo da técnica um fim em si mesma, enquanto na Universidade de São Paulo as pesquisas tomavam um rumo diverso. Contrapondo-se às idéias esposadas por Berry e fiéis à escola francesa de interpretação da realidade, desenvolvem-se as pesquisas baseadas nos fundamentos da chamada Geografia Ativa, sob a influência de Pierre George - que nasce da constatação da extrema mobilidade das situações atuais, conduzindo a um estudo ativo que pode inspirar ou guiar as ações e, que a meu ver, prepara o caminho das grandes transformações do final dos anos 70 na Geografia brasileira”.

Para Andrade (1987), a renovação da geografia se fez presente no Brasil com pesquisas no Laboratório de Geomorfologia e Estudos Regionais da Universidade da Bahia, criado por Milton Santos e recebendo muita influência de Jean Tricart. Em Recife, um convênio entre o Instituto Joaquim Nabuco e a Universidade de Recife possibilitou a realização de pesquisas sobre a poluição hídrica por dejetos industriais.

Santos (1996), além de salientar a importância do Boletim Paulista de Geografia, na década de 1970, no qual geógrafos “sem posto de mando” utilizaram-se da publicação para lançar o movimento e marcar a afirmação da corrente no Brasil, aponta também um artigo de sua autoria, criticando a geografia quantitativa de Manuel Correia de Andrade – momento que o colocou numa posição de liderança no movimento que iniciava. O próprio Milton Santos publicou vários artigos representativos da abordagem da corrente crítica nesse Boletim.

Moreira (1992) cita o 3º Encontro de Geógrafos, organizado pela Associação dos Geógrafos Brasileiros (AGB), ocorrido em 1978, em Fortaleza, como representativo desse momento de renovação da geografia. A AGB merece ter sua importância enfatizada, dado seu papel como difusora das novas idéias e tendências da geografia, tendo publicado em números da época do Boletim Paulista de Geografia as idéias dos protagonistas dessa corrente. Outros veículos da AGB também contribuíram nessa difusão, como o Borrador nº1, Teoria e Método da Geografia, assim como a série Seleção de Textos que divulgava obras clássicas obrigadas, pelo regime dominante, à circulação restrita no Brasil (Zusman, 1996).

Um esforço considerável para difundir uma nova abordagem da geografia foi a tradução para o português da obra A Geografia Ativa (George et al., 1966), pelos professores da Universidade de São Paulo: Gil Toledo, Manuel Seabra, Nelson de La Corte e Vicenzo Bochichio – equipe que registrava a presença de docentes de disciplinas ligadas à geografia humana, física e à cartografia.

Contemporaneamente à construção dessa obra, começa no Brasil a preocupação com os estudos urbanos, temáticas associadas à cidade e à região, bem como com as relações cidade campo, juntamente com trabalhos de pesquisa que promoveram um aumento significativo das teses produzidas nas universidades brasileiras.

Nessa época, Milton Santos estava recém reintegrado à vida acadêmica brasileira, afastado do país por 13 anos, por imposição do regime militar – período em que foi membro da USG e do comitê de redação de Herodote, além de ter editado um número da Antipode, como ressalta Mattson (1978), que o aponta como “uno de los geógrafos radicales más prolíficos y viajeros”. Sua vivência internacional aguça seu intento de aprofundar a reflexão sobre o Terceiro Mundo, valendo-se de referencial teórico de outras disciplinas, particularmente oriundo do marxismo, conjugado à visão existencialista de Sartre. Conforme Zusman (1996), essa perspectiva filosófica apoia o objetivo teleológico de sua prática científica: a reconstrução social para a libertação do homem.

Na instauração desse processo renovador, Milton Santos busca apontar as “falências epistemológicas” da geografia e indicar “rumos” para superar essas fraquezas disciplinares. Reconhece o vínculo da geografia com o Estado e o seu papel “propagandístico” na formação dos Estados Nacionais e de expansão colonial; a institucionalização disciplinar e a escolha de uma estratégia epistemológica baseada nos conceitos das ciências naturais, significando a deshistorização e, portanto, a deshumanização dos processos sociais; o empirismo abstrato, qual seja, a substituição das relações sociais por relações entre objetos; e o diálogo reduzido com outros saberes ou o isolacionismo da geografia (Santos, 1996). Moraes (1999) afirma que a proposta de Milton Santos é uma das mais amplas e acabadas da geografia crítica, apesar de também serem abordados nas suas pesquisas alguns aspectos mais específicos.

Carlos (2002) aponta que a geografia radical passa a fundamentar, no Brasil, a esmagadora maioria dos trabalhos na área de geografia humana, contrapondo-se, violentamente, ao neopositivismo assumido pela geografia quantitativa. A corrente coloca em xeque o saber geográfico, abrindo perspectiva para se pensar a espacialidade das relações sociais.

O seu maior mérito foi, sem dúvida, a preocupação teórica que surge com toda força e marca o período. ‘Um cidadão que não teoriza é um cidadão de segunda classe’ e o poder da geografia é dado pela sua capacidade de entender a realidade em que vivemos, afirmava, na época, o professor Milton Santos” (Carlos, 2002: 164).

Para Andrade (1987: 101), a geografia crítica provocou o renascimento da geografia política, desvinculada da geopolítica, que voltou a considerar o papel do Estado na produção e reprodução do seu espaço interno, em “estudos que vieram contribuir para que o planejamento deixasse de ser muito tecnocrático e passasse a levar em conta características e interesses regionais e locais”. O autor ressalta as potencialidades existentes nos estudos envolvendo a política, pois, por um lado, o contexto do Brasil frente aos países africanos e da América do Sul o coloca como grande líder nas relações internacionais. Por outro lado, os projetos de ocupação da Amazônia e do Centro-Oeste do país demandam dos geógrafos inúmeros estudos voltados para a viabilidade desses projetos e os impactos resultantes dos mesmos em áreas de fragilidade elevada. Conclui que: às tentativas de despolitização da geografia brasileira, estão seguindo intensas campanhas em sentido contrário, de politização e de conscientização dos problemas da sociedade (Andrade, 1987: 101).

Lembra esse autor, que a geografia crítica não só promoveu transformações na geografia humana como na geografia física. Tricart passou a defender princípios de zonalidades em processos geomorfológicos, dinâmicas climáticas etc. Essa dualidade da geografia é muito atentamente considerada por Sposito (2002), ao referir-se à corrente crítica, que reforça a condição de inseparabilidade entre o ambiental e o social, recomendando que, nessa unidade, não se considere o natural como objeto e o ser humano como sujeito.

Mais recentemente, a corrente crítica da geografia brasileira vem desempenhando importante papel nos debates sobre o atual estágio do capitalismo e o acirramento das desigualdades sociais e territoriais. Uma série de eventos científicos realizados, particularmente na Universidade de São Paulo[5], reativam a discussão disciplinar para compreender as mudanças do mundo contemporâneo no processo de globalização. Milton Santos teve papel central na organização desses eventos, tendo sido homenageado no Encontro Internacional O mundo do Cidadão. Um cidadão do Mundo, no qual foi discutida sua obra.

Os resultados desses momentos de debate repercutiram na comunidade acadêmica latino-americana. Martínez (2002) situa esses encontros como verdadeiros laboratórios de trabalho intelectual onde se construía a Geografia.

Así, se produjo un fértil intercambio entre nuestras investigaciones y los conocimientos de aquellos geógrafos (…). En los encuentros estaban presentes Paul Claval, Oliver Dollfus de Francia, Horacio Capel, Joan-Eugení Sanchez, Joaquín Bosque Maurel y Aurora García Ballesteros de España, Richard Peet, Neil Smith, Saskia Sassen y Eduard Soja de Estados Unidos, Renato Ortiz, Otavio Ianni y Manoel Correia de Andrade de Brasil, Graciela Uribe Ortega de México, entre otros. Este contacto directo significó presenciar la construcción de una nueva manera de hacer Geografía. Sin duda, estas reuniones nos marcaron otra forma de estudiar, investigar, transmitir y comprender el mundo contemporáneo a través de la Geografía.

A concepção marxista na GeografiaCom a instigante questão “por que uma geografia radical deve ser marxista?”, Folke (1972) discute artigo "Teoria revolucionária e contra-revolucionária em geografia e o problema da formação do gueto” de Harvey, publicado na Antipode em 1972, que abre novas vias no campo da geografia[6]. Pondera que o desenvolvimento teórico das ciências sociais, incluindo a geografia, reflete os interesses da classe dominante. Porém, as relações entre as classes e a própria base material da sociedade estão em constante mudança, sob impacto de crescentes contradições, tensões econômicas e sociais. “Junto con los cambios en las bases materiales se abren nuevas posibilidades para el desarrollo de una ciencia social diferente que puede servir a su vez como guía para un cambio social posterior”.

Esse é o argumento que inspira Harvey a reconhecer que o paradigma da geografía de base positivista está maduro para ser desfeito, porque “existen demasiadas anomalías entre lo que queremos explicar y manipular y lo que actualmente ocurre” (Harvey, 1972). Folke (1972) salienta que Harvey descarta as alternativas fenomenológicas e idealistas, assinalando que o pensamento marxista é o mais correto para a criação de um novo paradigma geográfico. Alguns trechos selecionados do texto do próprio Harvey (1972) tornam clara essa posição.

Cómo y porqué llevaríamos a cabo una revolución en el pensamiento geográfico? La revolución cuantitativa ha seguido su curso y aparentemente los resultados son cada vez menos interesantes […]. Además, existe gente más joven ahora, ambiciosos como lo fueron los "cuantitativos" a principios de los años sesenta, un poco sedientos, y en cierto modo hambrientos de cosas interesantes que hacer. […] Más importante todavía es la existencia de una clara disparidad entre la sofisticada estructura teórica y metodológica que estamos utilizando y nuestra capacidad de decir algo realmente significativo sobre los acontecimientos tal como se desarrollan a nuestro alrededor. […] Las condiciones sociales objetivas requieren que digamos algo sensible y coherente o que (a causa de la falta de credibilidad o, lo que es peor incluso, a causa de la posterior deteriorización de las condiciones sociales objetivas) que permanezcamos callados para siempre. Son las condiciones sociales objetivas que están surgiendo y nuestra patente incapacidad para hacerles frente lo que explica en esencia la necesidad de una revolución en el pensamiento geográfico.

Com base na análise da apropriação e uso do solo urbano, Harvey passa a demonstrar a impotência da teoria tradicional frente ao problema da formação do gueto e a possibilidade de compreensão aberto pelo sistema marxista. Mais tarde, como destaca Soja (1993: 58), Harvey (1985: 144, apud Soja, 1993) afirma: “a geografia histórica do capitalismo tem que ser objeto de nossa teorização, e o materialismo histórico-geográfico, o método de investigação”. Com efeito, o debate crítico teve como expressão a afirmação de um materialismo histórico profundamente espacializado.

Diniz Filho (2002: 83) aponta a influência decisiva que o marxismo exerceu na gênese da geografia crítica, manifestando-se em quatro esferas estreitamente complementares:

a) no plano epistemológico, subsidiando os esforços de redefinição do objeto da disciplina, fornecendo um método de análise que se procurava aplicar a esse objeto e ainda um discurso que atribuía ao método marxista uma cientificidade inquestionável;

b) no plano teórico, por oferecer uma teoria crítica ampla do capitalismo e um sistema de conceitos e teorias mais específicas passíveis de serem aplicadas no estudo de temas geográficos;

c) na esfera ideológica, moldando (e ao mesmo tempo se moldando) à visão de mundo dos geógrafos, isto é, às representações e valores simbólicos que orientam seus posicionamentos políticos;

d) no plano deontológico, estabelecendo a existência de um estrito vínculo entre ciência, ética e política e enfatizando a necessidade da ação militante, a qual deveria tomar por base os pressupostos teóricos e metodológicos mencionados para assumir um caráter científico e transformador.

Dialética, tempo e espaçoComponente fundamental da base teórico-metodológica da geografia crítica, dialética origina-se de dialegein, que significa discutir, e exprime a luta das idéias contrárias. Conforme Engels (1950: 392, apud Politzer et al., 1970: 28), a “dialética considera as coisas e os conceitos no seu encadeamento; suas relações mútuas, sua ação recíproca e as decorrentes modificações mútuas, seu nascimento, seu desenvolvimento, sua decadência”. Sua origem enquanto método se dá exatamente quando a ciência avança o suficiente para abarcar o estudo sistemático dos elementos naturais, suas modificações no seio da própria natureza, colocando em xeque a concepção apoiada na metafísica.

A dialética deve ser entendida como a ciência das leis gerais do movimento e desenvolvimento da natureza e pensamento humanos, pautando-se na transformação da quantidade em qualidade, na unidade e interpretação dos contrários e na negação da negação (Sposito, 2002). A assunção de idéias dominantes se dá sob a forma ideológica, daí sua importância para se explicar os conflitos latentes entre classes ou grupos distintos na sociedade capitalista e a intermediação do Estado como mediador e como diminuidor das possibilidades de conflito.

Para Sposito (2002), a interpretação geográfica de problemas do espaço se sustenta nos princípios dessa doutrina, como a relação causa-efeito, o princípio da determinação e indeterminação, que cria dinâmicas territoriais, a diferenciação entre processo e cronologia, e o princípio da auto-regulação, que cria novas ordens. Esse conjunto embasa epistemologicamente as transformações provocadas pela incorporação, apropriação e transformação da natureza nos dois últimos séculos, dadas nas relações de produção.

Nas análises da geografia crítica o dimensionamento temporal é recorrente. Sposito (2002) busca em Bourdieu o argumento de que o conhecimento científico se inspira na convicção de que não se pode capturar a lógica mais profunda do mundo social a não ser submergindo na particularidade de uma realidade empírica, historicamente situada e datada.

A dimensão histórico-temporal precisa ser abordada dialeticamente, com base na teoria da totalidade concreta. A complexidade da apreensão desse método está na própria compreensão do que é a totalidade concreta: um princípio metodológico da investigação dialética da realidade social.

Um fenômeno social é um fato histórico, na medida em que é examinado como um momento do todo. Para Lefebvre (1995: 9), o “conhecimento deve, em todos os seus domínios, partir da unidade dos dois aspectos contraditórios do universo: o fenomenal e o essencial, íntima e objetivamente, misturados. A análise quebra e separa a totalidade a qual nós devemos em seguida reencontrar.”

Santos (1996), considerando que a totalidade concreta volta-se para responder a questão “o que é a realidade?”, argumenta que o todo é uma realidade fugaz, porque está sempre se desfazendo para voltar a se fazer. Refuta autores que alegam a inexistência do todo, afirmando que o que existe é apenas sua construção, dado que ele seria inalcançável. Explica que, na realidade, há uma totalidade concreta das coisas e das ações, do mundo em movimento, tal como a geografia descreve e busca explicar. Esse contínuo acontecer se dá em diferentes tempos. Assim, o tempo é a base indispensável para compreender o espaço.

Se as ações sobre um conjunto de objetos se dessem segundo tempos iguais não haveria história; o mundo seria imóvel. Mas o mundo é móvel, em transformação permanente – formando uma totalidade em processo de mudança para surgir amanhã como uma nova totalidade (Santos, 1996: 167)

[Diz ainda,] nem sempre atingimos o TODO CONCRETO, embora o busquemos sempre. O todo concreto seria toda a superfície da Terra. Mas o que atingimos é um pedaço da Terra, uma fração do acontecer humano. (p. 164)

Historiando a geografia marxista e a teoria social crítica, no tocante à noção de espaço e com a escolha do materialismo histórico-geográfico como método de investigação, Soja (1993) demonstra que a relação no espaço é composta por uma dialética socioespacial, na qual o papel do espaço é tão ativo quanto o da própria sociedade, sendo impossível a existência de uma “determinação unidirecional” entre estes elementos. Em sua crítica, argumenta que a geografia passou por um período de isolacionismo ao mesmo tempo em que o marxismo “escondeu” a imaginação geográfica, numa notória “desespacialização” do discurso. Soja (1993: 21) aponta que as “primeiras vozes insistentes da geografia crítica” surgiram no fim dos anos 1960, permanecendo por mais de uma década sob a reafirmação da primazia da história sobre a geografia. O historicismo, em suas palavras, silenciava a espacialidade, não admitia que “essas ‘histórias de vida’ têm também uma geografia: têm ambientes, locais imediatos e localizações provocativas que afetam o pensamento e a ação”.

Dentre as vozes que ecoaram, Henri Lefebvre é apontado por Soja (1993: 24) como a “mais persistente, insistente e coerente”, a fonte primordial do ataque ao historicismo e da reafirmação do espaço na teoria social crítica, com uma teorização sobre produção social do espaço. Destaca também Michel Foucault, pelas suas observações explícitas e reveladoras sobre a importância relativa do espaço e do tempo. Desse autor, Soja (1993: 17) resgata uma observação sintetizadora da obsessão com o tempo e a história presente no pensamento crítico do século XIX: “O espaço foi tratado como morto, o fixo, o não-dialético, o imóvel. O tempo, ao contrário, era a riqueza, a fecundidade, a vida, a dialética” (Foucault, 1980: 70, apud Soja, 1993).

Soja (1993: 25) rememora que “Foucault concentrou nossa atenção numa outra espacialidade da vida social, num ‘espaço externo’ – o espaço efetivamente vivido (e socialmente produzido) dos locais e das relações (...)”, e que Foucault assumia o espaço como fundamental para qualquer forma de vida comunitária assim como para qualquer exercício de poder, e salientava a interseção entre o tempo e o espaço.

A proposta da geografia crítica e o debate em torno do espaço, enquanto categoria de análise, assumem uma dimensão filosófica. Para Carlos (2002: 164), a “superação da idéia de espaço enquanto palco da atividade humana criava a condição de analisar a realidade além de seu plano fenomênico colocando em debate a articulação dialética entre homem e natureza; com isso, abria-se numa nova perspectiva para a geografia.” A autora aponta que se rompe a postura positivista do “mistério da origem do fenômeno”; ou mesmo da idéia de correspondência e solidariedade entre os fenômenos, desenvolvida por Vidal de La Blache.

O materialismo dialético estruturava a base do conhecimento enquanto adequação do pensamento e do ser; de um conhecimento que não se reduziria ao pensamento abstrato, antes o articularia à dimensão da prática social enquanto conteúdo do real, levando a compreensão do caráter contraditório das relações que produzem o espaço geográfico, permitindo orientar o pensamento para a ação, num esforço de compreender o conteúdo teórico da sociedade em seu processo contraditório de humanização/desumanização do homem em suas condições concretas de existência. Nesta perspectiva, o espaço é entendido como produto de um processo de relações reais que a sociedade estabelece com a natureza (primeira ou segunda). A sociedade não é passiva diante da natureza; existe um processo dialético entre ambas que reproduz, constantemente, espaço e sociedade, diferenciados em função de momentos históricos específicos e diferenciados.

Nesse sentido, o espaço é humano não porque o homem o habita, mas porque o produz. Um produto desigual e contraditório à imagem e semelhança da sociedade que o produziu com seu trabalho. Por sua vez, o homem é visto enquanto membro indissociável da sociedade de classes imersas em suas contradições, introduzindo a idéia do envolvimento consciente do sujeito no processo histórico da qual faz parte e não mais como membro de uma coletividade, integrante um grupo homogêneo, implodindo, por exemplo, com os conteúdos da então geografia da população” (Carlos, 2002: 165).

Mas, é na crítica à abordagem espacial na teoria marxista que o espaço consolida sua centralidade nesta corrente da geografia. Conforme Corrêa (2001: 24), concomitantemente ao debate deflagrado por Claval (1977 e 1987,  apud Corrêa, 2001), Harvey, em 1975, divulga artigo “no qual ele pretende construir geograficamente a teoria marxiana, cuja dimensão espacial foi largamente ignorada”. Em 1979, tal negligenciamento é retomado por Soja e Hadjimichalis, para quem, também conforme Corrêa (2001: 24), “os marxistas tinham abordado o espaço de modo semelhante àquele das ciências burguesas, considerando-o como um receptáculo ou como um espelho externo da sociedade”. Soja aprofunda essa discussão em seu Geografias pós-modernas (1993).

Corrêa (2001: 24) afirma ainda que “o viés antiespacialista” do marxismo decorre de outra razão, pois “remonta à crítica de Marx à ênfase que Hegel dá ao espaço, reificado e fetichizado na forma do Estado territorial. Marx procura enfatizar o tempo e a temporalidade, que foram elevados à primazia na filosofia e ciência ocidental”. Foi a crise do capitalismo dos anos 1960 que expôs as múltiplas contradições espaciais, que suscitariam “a necessidade de exercer maior controle sobre a reprodução das relações de produção em todos os níveis espaciais” (Corrêa, 2001: 25).

Lefebvre efetivamente colocou o espaço na análise marxista, argumentando em sua obra Espacio y política (1976, apud Corrêa, 2001) que o espaço tem papel decisivo na estruturação de uma totalidade. Segundo Corrêa (2001: 25):

O espaço entendido como espaço social, vivido, em estreita correlação com a prática social não deve ser visto como um espaço absoluto, ‘vazio e puro, lugar por excelência dos números e das proporções’ (Lefebvre, 1976: 29), nem mesmo como um produto da sociedade, “ponto de reunião dos objetos produzidos, o conjunto das coisas que ocupam e de seus subconjuntos, efetuado, objetivado, portanto funcional” (Lefebvre, 1976: 30). O espaço não é nem o ponto de partida (espaço absoluto), nem o ponto de chegada (espaço como um produto social).

Prossegue Corrêa (2001), mostrando que o espaço tampouco é um instrumento político ou um campo de ações ligado ao processo de reprodução da força do trabalho, por meio do consumo. Transcreve de Lefebvre (1976: 34, apud Corrêa, 2001) a afirmação de que o espaço ultrapassa tudo isso, estando “essencialmente vinculado com a reprodução das relações (sociais) de produção.” Seria, pois, o locus da reprodução da sociedade.

Santos, com forte inspiração em Lefebvre, quanto à concepção de espaço social, estabelece o conceito de formação sócio-espacial, admitindo, segundo Corrêa (2001: 26) “não ser possível conceber uma determinada formação sócio-econômica sem se recorrer ao espaço. Segundo ele, modo de produção, formação sócio-econômica e espaço são categorias interdependentes”.

Para Santos (1977: 5, apud Corrêa, 2001), “as formas espaciais constituem uma linguagem dos modos de produção”. Sociedade e espaço não são instâncias separadas, mas uma formação, e assim, a sociedade só se concretiza através do seu espaço. Conforme o autor (1996: 170), a abordagem do espaço, nessa corrente, deveria responder à indagação: “como ocupar espaço?” Trabalhar com espaço não deve significar apenas categorizá-lo, buscar categorias analíticas que o contemplem, manter-se apenas no discurso do espaço, o que não permite a análise. A construção teórica deveria ser diferente do discurso, ou seja, promover “a busca de um sistema de instrumentos de análise que provém de uma visão da realidade e que permite, de um lado, intervir sobre a realidade como pensador e, de outro, reconstruir permanentemente aquilo que se chamará ou não de teoria” (Santos, 1996: 171).

Numa observação marcante quanto à dificuldade de produção de um discurso que contemplasse as especificidades do espaço, Santos adverte a necessidade de tirar a geografia da “viuvez” do espaço, ou seja, como bem esclarece Zusman (1996: 31), “legitimar o saber geográfico com base em um corpo teórico particular em torno da questão do espaço”. A adoção da metáfora da “viuvez”, presente em Por uma Geografia Nova (Santos, 1996), segundo Corrêa (2001), remete à negligência dos geógrafos para com o espaço, apresentando-o como fator social, não como reflexo.

Milton Santos também argumenta que é necessário discutir o espaço social e ver como objeto à produção do espaço. Tal espaço é histórico, obra do trabalho, morada do homem, sendo uma categoria de compreensão da realidade. Afirma que o espaço também é um fator, na medida em que se caracteriza como uma acumulação de trabalho, uma incorporação de capital na superfície terrestre, criando formas duráveis, denominadas de “rugosidades”. Estas criam imposições sobre a ação presente na sociedade, sendo uma “inércia dinâmica” (tempo incorporado na paisagem) que dura mais que o processo que as criou, sendo também uma herança espacial, que influi no presente. Por esta razão, o espaço também é uma instância, pois é uma estrutura fixa com uma determinação que atua no movimento da totalidade social. Portanto as formas espaciais são resultados de processos passados, mas também condições para processos futuros.

Sobre a atividade produtiva no espaço, Milton Santos argumenta que a mesma implica em uma ação sobre a superfície terrestre, que sempre está se recriando em novas formas, de tal maneira que “produzir é produzir o espaço”. Neste caso, a organização do espaço é determinada pela tecnologia, pela cultura e pela organização da sociedade. No caso do modo de produção capitalista, é imposto o ritmo de acumulação que implica uma dotação diferencial de instrumentos de trabalho, e com isso resulta em uma distribuição no espaço “desigual e combinada”.

Outros autores adotam concepção em linha similar. Segundo Moreira (1982a), o objeto da geografia é o espaço, constituinte de parte de uma totalidade; já explicar esta “totalidade social historicamente determinada” – definida pelo conceito de “formação econômico-social” (FES) – é o seu objetivo. A investigação dos arranjos espaciais através da FES confere à geografia a capacidade de “desvendar máscaras sociais”, revelando as relações de classes que estruturam tais arranjos.

Moreira (1982a) argumenta que o espaço não é “suporte”, “substrato” ou “receptáculo” das ações humanas, nem se confunde com o espaço físico. O espaço geográfico é um espaço produzido, uma “formação espacial”. Nessa formação, a “primeira natureza” é uma condição concreta de sua existência social, por ser condição concreta da existência humana. Mesmo que a primeira natureza não seja o espaço geográfico, não há, no entanto, espaço geográfico sem ela, e ela somente é incorporada ao espaço geográfico quando absorvida pelo processo da história.

Para ele, a transformação do meio depende necessariamente do trabalho social, que é agente de mutação do homem de um “ser animal” para um “ser social”, combinando estes dois momentos em todo o decorrer da história humana (Moreira, 1982a). Assim, “a formação espacial, na verdade uma formação econômico-social”, deriva de um duplo conjunto de interações articuladas: interações homem/meio, “erroneamente denominadas ‘relações geográficas’” e interações homem/homem, “as relações sociais”. Moreira, nessa concepção, não ignora as proposições de Milton Santos, quanto à “formação sócio-espacial”, nem de Henri Lefebvre, que concebe o espaço geográfico como “espaço social”, porém não tece relações entre essas e sua proposição.

Para Moraes e Costa (1982), o objeto da geografia seria o processo social de valorização do espaço. Esta valorização se torna necessária pela impossibilidade do espaço ser tomado por si apenas em sua existência e individualidade, mas deveria ser considerada como resultado da relação sociedade/espaço.

Diante de tais concepções, há que se atentar para uma diferença de compreensão do espaço no âmbito dos geógrafos de linha marxista. Zusman (1996) mostra sutis detalhes da diferença entre as abordagens de Moreira (1982b) e de Moraes e Costa (1982), da de Milton Santos. Para o primeiro, “é a expressão fenomênica do ‘modo de socialização’ da natureza (...) e condição da reprodução”. Para os demais, a revalorização do espaço (valor contido) e no espaço (valor criado) permite a compreensão do papel da apropriação territorial, no âmbito do exercício do poder, como momento da acumulação do capital.

Mesmo que para Santos o espaço também seja funcional ao modo de produção, sua ênfase recai “no processo de produção do espaço no momento em que a sociedade se apropria da natureza, processo que adquire ao mesmo tempo caráter global e diferenciado nos diferentes pontos do planeta” (Zusman, 1996: 31). Ele supera a polêmica do espaço enquanto um fator, instância da sociedade ou mero reflexo dessa, apresentando-o como um fato social, e requerendo, para descrição de suas particularidades o reconhecimento de seu papel na sociedade. Assim, uma teoria do espaço está submetida a uma teoria da sociedade (Santos, 1982).

Dessa forma, a geografia passa a pensar o homem enquanto sujeito, ser social e histórico “que produz o mundo e a si próprio, num processo amplo de reprodução, ultrapassando a mera reprodução biológica e material” (Carlos, 2002: 165).

Avançando em sua análise, Santos coloca que as diferenças entre os lugares são naturais e históricas, e que a variação da organização do espaço é fruto de uma acumulação desigual de tempo, sendo uma combinação de variáveis, resíduos vivificados pelo tempo presente e unificados pelo Estado. Portanto ocorre um contínuo processo de modernização, que não atinge todos os lugares ao mesmo tempo, obedecendo aos estímulos do Estado e à lógica do capital. Nesse aspecto, este processo define os usos do solo, a apropriação da natureza, as relações entre os lugares, e a organização do espaço como um todo, fortemente marcado pelas desigualdades e seletividades. Com isso, este processo deve ser objeto de preocupação dos geógrafos, tendo em vista uma geografia mais generosa ao observar o espaço como um lugar de luta.

Leituras dísparesA despeito do peso do marxismo como orientação dessa corrente, embora a geografia crítica tenha princípios e objetivos bastante claros e comuns, convive constantemente com propostas díspares. Assim não se trata de um conjunto monolítico, mas, ao contrário, é um agrupamento de perspectivas diferenciadas (Moraes, 1999). Sua unidade manifesta-se na postura de oposição a uma realidade social e espacial contraditória e injusta, porém este objetivo unitário fundamenta-se por meio de procedimentos metodológicos diversificados, considerando, além dos marxistas (em suas várias nuanças), os estruturalistas, existencialistas, analíticos, ecléticos, entre outros.

A postura dessa corrente para um discurso crítico da realidade é fundamentada em um amplo e diverso espectro de autores, como Adorno, Foucault, Mao-Tse-Tung, Lefort, Godelier, Barthes, Lênin, Sartre, entre outros. Portanto existe uma unidade ética pautada por uma diversidade epistemológica que, para Moraes (1999), é bastante benéfica, pois estimula um amplo debate, gerando polêmicas e com isso avançando em suas colocações.

No grupo dos geógrafos críticos ou radicais norte-americanos existiam grandes subdivisões: as correntes formadas por geógrafos não-marxistas, mas comprometidos com reformas sociais, sendo alguns de formação anarquista, ligados originalmente aos discursos de Élisée Réclus e Kropotkin, em suas criticas à sociedade burguesa; e a corrente formada por geógrafos marxistas.

Dos textos dos geógrafos marxistas, há grande diversificação entre as suas postulações, como salienta Andrade (1987). Em linhas gerais, distingue aqueles que aceitaram Marx como um pensador, como filósofo e procuraram aplicar sua teoria à práxis ao analisar as situações que se lhes apresentam para estudo, preocupando-se com os problemas da totalidade, dando grande importância à análise das formações econômico-sociais e dos modos de produção. Outro aspecto importante desse grupo é que levam em conta que Marx viveu e estudou a Europa no século XIX, não podendo haver transposição dos seus pensamentos sem uma adaptação, tanto para outros continentes como para a época.

Contrários a essa idéia, outro grupo de geógrafos aceita Marx como um doutrinador e o marxismo como um doutrina, e seus seguidores procuram transferir as categorias de Marx para a realidade do século XX e para todos os continentes. Além disso, também se preocupam em enriquecer, ao máximo, os seus textos, com citações de Marx, de Kautsky, de Lênin etc. Tal comportamento torna fácil entender o porquê desses geógrafos serem taxados marxistas ortodoxos, pois em geral, provêm de uma formação neopositivista e lêem Marx através de uma formulação positivista, como se o marxismo não fosse uma filosofia dialética. Dessa forma, Andrade (1987: 123) afirma que há, “naturalmente, um distanciamento cada vez maior entre marxistas e marxólogos, entre ortodoxos e heterodoxos”.

Sua observação se confirma no fato de que, nos anos 1980, os debates sobre a teorização do espaço e do tempo, em todos os campos do discurso crítico, expandiram para além da geografia marxista, atraindo para a discussão participantes que não se enquadram no que se convencionou chamar “marxista”, tampouco se restringem a geógrafos. A proposta transformadora da geografia crítica e a busca da compreensão e da organização do espaço, em consonância com os interesses da sociedade, colocam significados específicos aos conceitos de sociedade, espaço, território, região (diferenças regionais) e lugar – este, recuperado na obra de Milton Santos, particularmente quando discute o processo de globalização.

A Geografia Crítica hoje

A corrente crítica pode ser enaltecida como um movimento de renovação do pensamento geográfico, tendo desempenhado um papel notório na evolução do enfoque e do método na geografia. Entretanto, foi objeto de severas críticas.

Uma das críticas é a de que sua construção teórica se manteve muito próxima apenas do nível do discurso, expressando dificuldade da busca teórica sobre os conceitos fundantes da geografia. Uma busca de certa forma “atrofiada”, como diz Santos (1996), uma “preguiça epistemológica”, que causou problemas à consolidação da corrente. Outros problemas decorrem de que sua base, “que seria a história do presente, não teve força suficiente.” Prossegue Santos (1996: 171) alertando que o “entendimento do mundo de hoje é um problema para os intelectuais brasileiros”. A pesquisa concentra-se em abordagens localizadas, perdendo a noção de totalidade dos acontecimentos, atrasando a elaboração teórica.

Andrade (1987) adverte que os estudos geográficos procedentes da corrente radical ou crítica não podem ser considerados como uma nova escola de pensamento, pois não apresentam uniformidade. Porém, os geógrafos que se enquadram nessa linha de pensamento se destacam pela consciência dos inúmeros problemas sociais. Ao grupo dos geógrafos críticos, esse autor destaca duas características: a primeira se referindo aos profissionais classificados como radicais, pois procuravam ir às raízes das causas dos problemas sociais; a segunda, aos geógrafos denominados críticos, pois assumiram compromissos ideológicos, não se escondendo dos problemas existentes sob falsas neutralidades científicas.

Para Carlos (2002: 165), a dificuldade surgida nessa perspectiva de análise refere-se ao método, pois, embora o materialismo histórico fosse a base das pesquisas, a partir dele se produziu uma vertente econômica para a qual “o homem aparece enquanto força de trabalho e o espaço como um produto direto da ação do capital. Nesse sentido, negligenciou-se o significado da noção de produção bem como o sentido social da reprodução.”

Muitos pesquisadores buscaram em Marx categorias analíticas, como nas análises urbanas, para as quais foi transportada a teoria da renda da terra, desenvolvida por Marx para pensar o campo; ou em muitos casos em que o materialismo dialético foi empregado mais enquanto “forma de linguagem” do que enquanto teoria e método capaz de “desvendar o mundo moderno, através da geografia” (Carlos, 2002: 165). Houve, mesmo, uma vulgarização da obra de Marx, um fenômeno de “moda”, causando “uma forte deturpação do pensamento de Marx com o aparecimento de n marxismos”, com esse pensamento cristalizado, imobilizado em modelos, impossibilitado de gerar reflexões críticas de seu próprio conteúdo. Isso “não produziu um movimento conseqüente em direção à superação de suas idéias, afinal as análises realizadas por Marx se referiam às análises do período histórico do capitalismo concorrencial” (Carlos, 2002: 165-166).

Santos (1996: 172) anota que alguns pensadores dessa corrente prenderam-se ao marxismo de Marx como uma ideologia, trabalhando “com uma história que não existe mais, daí uma certa fixidez dos conceitos.” Outros autores dedicaram-se à crítica do marxismo por dentro, do próprio legado de Marx, como o caminho aberto por Henri Lefebvre, particularmente quanto à cidade e ao urbano, como destaca Soja (1993: 57).

A dialética está novamente em pauta. Mas, já não se trata da dialética de Marx, tal como a de Marx não era mais a de Hegel (...). A dialética de hoje não se apega à historicidade e ao tempo histórico, ou a um mecanismo temporal como ‘tese-antítese-síntese’ ou ‘afirmação-negação-negação da negação’ (...). Reconhecer o espaço, reconhecer o que ‘está acontecendo’ ali e para que é usado, é retomar a dialética; a análise revelará as contradições do espaço (Lefebvre, 1976: 14 e 17, apud Corrêa, 2001).

Na direção oposta, houve, também, por parte de alguns geógrafos, uma rejeição ao marxismo; alguns buscaram o caminho do ecletismo, outros se fascinaram com a possibilidade da análise fenomenológica, apoiada fundamentalmente em Husserl e Hartman, como observa Carlos (2002).

Diniz Filho (2002: 84-85) argumenta que o “pecado original” da geografia marxista foi a leitura dogmática das obras de Marx e dos clássicos do pensamento marxista, numa assimilação por demais simplificada. Admite que o marxismo continua a ter grande influência, mas o marxismo com o qual os geógrafos atualmente trabalham é o mesmo marxismo “vulgar e dogmático” característico das décadas de 1970 e 1980. O posicionamento político-ideológico que muitos cientistas ainda possuem com relação ao marxismo, faz com que a corrente crítica necessite rever suas discussões deontológicas. Para ele, a utilização de jargões marxistas, a idéia de que “todos” os problemas são resultado da lógica perversa do capitalismo, a demonização de palavras como lucro e mercado, a oposição simplória entre capitalismo e socialismo, e o não reconhecimento dos marcos da relação entre desenvolvimento econômico e bem-estar social em sociedades capitalistas, contra todas as evidências empíricas, fazem com que o discurso crítico esteja hoje desgastado.

A despeito dessas visões, que sugerem repensar a geografia crítica, admitindo a possibilidade do mercado no estabelecimento de um espaço de sociabilidade, para muitos geógrafos a importância dessa corrente persiste nas possibilidades de compreender as lógicas perversas do capitalismo em seu estágio contemporâneo. Para Moreira (2002), a geografia crítica contribui para analisar as múltiplas facetas do capitalismo atual. Roberto Lobato Corrêa (1991 e 2001) reitera a preocupação com o futuro, presente hoje na geografia, resultante dos efeitos da globalização.

Na ênfase à importância da geografia, em sua leitura crítica dos processos atuais, a obra recente de Santos é paradigmática. Concebendo a globalização enquanto “metáfora”, Santos (1996b e 2000), enseja a espacialização, atribuindo ao lugar a realização da articulação local/global. Para ele, o mundo é apenas um conjunto de possibilidades cuja efetivação depende das oportunidades oferecidas pelos lugares, que garantem ao movimento do mundo a possibilidade de sua realização mais eficaz. A ordem global busca impor em todos os lugares sua racionalidade; mas este processo é profundamente desigual e contraditório, reproduzindo-se no terceiro mundo “como perversidade”, refletindo o modo como o processo capitalista se realiza. A análise de Milton Santos sobre esse momento da história aponta outra direção, entendendo o espaço, hoje, enquanto meio técnico-científico-informacional, para o qual se privilegia a mediação da técnica como elemento definidor da nossa realidade.

Soja (1993), após analisar a presença do marxismo no interior da análise geográfica e da geografia, com a teoria do espaço, no próprio marxismo ocidental, aponta para uma reconstrução da geografia humana crítica, ou sua passagem para a pós-modernidade. Mostra a forte aderência das modalidades geográficas de análise aos debates políticos e teóricos contemporâneos – como nunca ocorrido antes. Entretanto, é ainda “provisória e limitada em seu impacto, pois a espacialização da teoria crítica e a construção de um novo materialismo histórico-geográfico mal começaram” (Soja, 1993: 77).

No contexto contemporâneo, outra cultura do tempo e do espaço vem se formando e redefinindo a natureza e a experiência da vida cotidiana. Conforme Soja (1993), tais mudanças também redefinem a importância e a centralidade de categorias e fronteiras da pesquisa acadêmica, de modo geral, consequentemente da geografia. Cita como representantes desta transformação, novamente Lefebvre e Foucault, cujas trajetórias intelectuais “cruzam-se na construção e reconstrução contemporâneas da modernidade” (Soja, 1993: 78).

Esses autores consolidaram suas afirmações sobre a importância da espacialidade, em momento histórico de profunda reestruturação da economia. Reconheceram que “é mais o espaço que o tempo que oculta as coisas de nós, de que a desmistificação da espacialidade e de sua velada instrumentação de poder é a chave para dar um sentido prático, político e teórico à era contemporânea” (Soja, 1993: 58).

A geografia e as ciências sociais como um todo tentam hoje responder às perguntas de um mundo em constituição, apontando para uma evidente crise teórica, argumenta Carlos (2002), referindo-se à compressão do tempo, como conseqüência do desenvolvimento da ciência e da tecnologia aplicados ao processo produtivo, provocando profundas e amplas transformações espaciais. Ressalta a reafirmação do espaço, dada sua crescente importância para as estratégias da reprodução, e da categoria de lugar, que ultrapassa a idéia de existência particular.

Para Carlos (2002: 177), a volta ao empirismo, a recusa do debate teórico na pesquisa que se desdobra e se limita ao plano fenomênico, ou ainda na postura que reduz os problemas atuais a uma possibilidade técnica, viabilizando a produção econômica (e, com isso, atendendo às necessidades da acumulação), revelam uma crise teórica na geografia.

Invadida, hoje, pelo discurso da pós-modernidade, a Geografia, às vezes, sucumbe diante da necessidade da não-teorização dos temas de sua alçada, o que revela, a meu ver, um recuo e coloca uma necessidade. Superados os debates dos anos 70, que propunham a necessidade de repensar a Geografia e sua contribuição para o desvendamento do mundo, apoiada no legado marxista, como embasamento da construção de um pensamento radical, onde se centraria, a potencialidade da crítica radical, hoje, da Geografia, quando muitos falam do abandono deste legado?

Na mesma direção, ao analisar a “confusão intelectual e o discurso teórico obscuro da corrente das ciências sociais pós-modernas”, Castro (2005: 12-13) alerta-nos para os riscos dessas perspectivas, pois podem “produzir mais apatia do que ação no necessário engajamento para a transformação do mundo em direção a uma maior justiça distributiva.”

Nesse sentido, Santos (1996a: 172) considera que muitas vezes a necessidade de ser crítico opera como se o analítico fosse dispensável. Para ele, “quando a crítica não é acompanhada pela análise, ela permite a mobilização, mas não a construção”.

Consolidando e mantendo a atualidade da reflexão teórica sobre o tema, a geografia crítica continua promovendo debates. Henrique (2002), em relato sobre a III Conferência Internacional sobre Geografia Crítica, realizada na Hungria, em 2002, numa promoção do International Critical Geographical Group, observa a centralidade das pesquisas em fatos do momento, não sem importância, mas em abordagens que carecem de um enfoque metodológico científico. Cita o enfraquecimento e a desconsideração, ou a aparente marginalidade da geografia crítica, nos dias de hoje, que “pode ser entendida como resultado de um pragmatismo que afeta toda a geografia, onde observamos um crescente abandono da teoria para uma maior aplicação da disciplina definida por necessidades dos mercados de trabalho atuais” (Henrique, 2002).

Ressalta também o poder renovador e transformador que uma explicação realmente crítica do espaço geográfico atual pode construir, cuja compreensão dos movimentos contraditórios e dialéticos do mundo é imprescindível para a superação dos processos de dominação e controle, desigualdade e falta de oportunidades, exploração e marginalidade, pobreza e fome vigentes.

É o que está implícito em alguns capítulos da obra Unifying geography - Common heritage, shared future (Mathews e Herbert, 2004), que contempla a relação homem/natureza, como o elemento dual e indissociável da geografia, enfatizando a necessária interação entre a geografia física e a geografia humana. Esses campos de interesse da ciência geográfica vêm alimentando o clássico e recorrente debate sobre a dualidade e dicotomia da geografia. Para Mendonça (2005: 139), ambos “são de fundamental importância para a composição do seu status enquanto campo do conhecimento humano, particularmente quando de sua consolidação enquanto ciência moderna”.

Nesse aspecto, num dos textos da citada obra Unwin e Rose (2004) constroem um diálogo simbólico entre representantes da geografia física e da geografia humana, concluindo que essa divisão binária é nociva ao desenvolvimento da ciência, assim como impede sua contribuição verdadeira na busca de soluções aos problemas da sociedade.

Outros textos da obra incorporam elementos do discurso crítico em sua reflexão. Douglas e Gilbert (2004) se voltam a apontar como os geógrafos, usando os saberes da geografia, podem transformar a realidade social – exatamente na linha do que afirma Santos (1996), de que “não basta explicar o mundo, pois cumpre transformá-lo”. Para eles, o conhecimento técnico dos geógrafos associado ao saber das comunidades e às práticas dos governos possibilitaria a construção de uma visão integrada e apropriada do espaço, que extrapola a abordagem acadêmica e que se aplica na busca de soluções aos graves problemas decorrentes da combinação urbanização/pobreza/meio ambiente. Correlata a essa combinação, a reflexão sobre os desastres geofísicos deve apoiar-se na concepção da manifestação espacial das práticas sociais e de soluções articuladas para superar seus efeitos sobre as populações. O papel da governança e a importância da aproximação do trabalho do geógrafo à ação do Estado e à definição de políticas públicas também refletem uma compreensão da geografia crítica quanto ao significado desse agente na produção ou na direção da organização do espaço.

Robson e Shove (2004), em outra abordagem, alertam quanto à possibilidade da ingerência de interesses políticos na construção da agenda e na condução das pesquisas acadêmicas, assim como na formulação de políticas públicas, beneficiando segmentos financiadores em detrimento da sociedade como um todo. Todos os temas apontados deram corpo ao inesgotado debate crítico.

Mostrando a importância da geografia, em especial a geografia crítica, para entender e explicar o espaço geográfico, e assim ser usada como ferramenta política para movimentar o mundo, Henrique (2002) resgata de Milton Santos (1978: 219) a reflexão:

Os geógrafos, ao lado de outros cientistas sociais, devem se preparar para colocar os fundamentos de um espaço verdadeiramente humano, um espaço que una os homens por e para o seu trabalho, mas não para em seguida os separar em classes, entre exploradores e explorados; um espaço matéria inerte trabalhado pelo homem, mas não para se voltar contra ele; um espaço natureza social aberta a contemplação direta dos seres humanos, e não um artifício; um espaço instrumento de reprodução da vida, e não uma mercadoria trabalhada por uma outra mercadoria, o homem artificializado.

Perspectivas para a geografia crítica

É relevante o legado da geografia crítica para a ciência geográfica, no sentido de colocar ênfase na compreensão das lógicas e processos socioespaciais, e na noção intrínseca de que o pesquisador deve assumir postura crítica perante os fatos.

Alguns estudos sugerem que, com a queda do bloco socialista, os rumos da corrente crítica se esvaneceriam. Verifica-se, entretanto, que orientações metodológicas e apontamentos para a construção da agenda de pesquisa na geografia, oriundas de autores nacionais e internacionais, remetem para procedimentos efetivamente adotados pela corrente da geografia crítica.

A própria preocupação e recomendação expressa na obra de Milton Santos, de desvendar as fabulações que emanam do atual estágio de acumulação do capital, confirmam uma postura crítica diante da realidade, cuja compreensão pode pautar-se no método dialético, e ações que devem transcender os meios acadêmicos e impregnar a prática social.

São inúmeros os textos e autores que reforçam, na atualidade, a perspectiva adotada pela corrente crítica, clamando a interação entre os meios acadêmicos, governamentais e sociedade civil, não só na busca de um conhecimento acumulado nas várias esferas de atuação, como na consecução de estratégias que enfrentem a crescente desigualdade social e territorial contemporânea. Cobram um posicionamento mais ativo do geógrafo frente aos problemas do mundo, dando centralidade à preocupação da corrente crítica, contribuindo na renovação do que seria uma verdadeira totalidade geográfica: nem dicotômica nem dualista, mas unificada para a construção da prosperidade humana.

A geografia crítica renovou o pensamento geográfico, principalmente por admitir o papel da divisão social e territorial do trabalho. Permitiu e vem possibilitando a exposição de lógicas, processos, agentes. Da mesma forma, politizou o debate sobre espaço, território e ambiente, assumindo temas como dominação, controle, exclusão, desigualdade socioespacial, pobreza e vulnerabilidade. Em alguns casos, aproximou-se da geografia física, como por exemplo, nos trabalhos que discutem os problemas ambientais numa ótica crítica, relacionando a crise da sociedade ao modelo de desenvolvimento dos países industrializados e à cultura do consumo, além de salientar enfoques socioambientais.

Assim, esta corrente, entre outras, apesar de algumas falhas, trouxe e segue trazendo contribuições fundamentais à geografia. Teve seu auge, pois na época da sua ascensão vivia-se mundialmente a efervescência de um período de intensa contestação, razão que sublinha sua característica extremamente crítica. Evidentemente, sofreu os entraves do método e da ortodoxia na adoção dogmática, por um lado, e da rejeição, por outro, da teoria marxista. Foi, algumas vezes, apenas crítica, adotando excessivo pragmatismo, sem conseqüência na análise, tornando-se merecedora, apenas nesses casos, de ser sumarizada como panfletária. Rótulo que em hipótese alguma deve ser generalizado como característica da corrente.

A geografia, portanto, deve reconhecer a importância de sua vertente crítica, consolidando seus pressupostos essenciais: buscar uma visão de totalidade e construir análises que incorporem a dimensão política em seu objetivo de compreender as dinâmicas espaço/sociedade/natureza. Deve, também, permanecer atenta às mistificações decorrentes de jogos de interesse, que esvaziam de significado ou até recusam o debate teórico contemporâneo, apropriando-se da técnica em busca de ampliar as margens da acumulação.

Em relação à crise ou ao fim da geografia crítica, talvez ela se insira no âmbito da própria crise contemporânea das ciências sociais. Esta vertente de estudo não sucumbiu, apenas se reformula em novas perspectivas. O debate sobre a geografia crítica permanece, pois, recorrente, dado que enriquece a história de sua trajetória e estabelece novas formas de estudo, mantendo-a apta para entender e explicar o espaço geográfico.

Notas

[*]Sobre os autores

Rosa Moura é geógrafa do Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social (IPARDES) e do Observatório das Metrópoles/Instituto do Milênio/CNPq; é doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal do Paraná (UFPR) e docente do curso de especialização em Análise Ambiental do mesmo Programa.

Deuseles de Oliveira é professor de Geografia da Secretaria de Estado da Educação e mestrando no Programa de Pós-Graduação em Geografia da UFPR.

Helena dos Santos Lisboa é geógrafa, Pós-graduada em Educação, Meio Ambiente e Desenvolvimento, e mestranda pelo Programa de Pós-Graduação em Geografia da UFPR.

Leandro Martins Fontoura é turismólogo, pós-graduado em análise ambiental pela Universidade Federal de Juiz de Fora e mestre em Geografia pelo Programa de Pós-Graduação em Geografia da UFPR; docente do curso de turismo nas faculdades Facinter (Faculdade Internacional de Curitiba) e Isulpar (Instituto Superior do Litoral do Paraná).

Juliano Geraldi é arquiteto e urbanista da Companhia de Habitação do Paraná, pós-graduado em Gestão Técnica do Meio Urbano pelo GTU Internacional e Universitè de Technologie de Compiègne, e em Desenvolvimento Regional pelo Programa de Pós-Graduação em Economia Rural da UFPR.

[1] Obra de Daniel Hiernaux-Nicolás (La geografía como metáfora de la libertad. Textos de Eliseo Reclus. Centro de Investigaciones Científicas Tamayo/Plaza y Valdés editores, México, 1999, 314 págs. ISBN 968-856-655-1) reúne textos "militantes" e históricos de Réclus (1830-1905), que revelam sua orientação política, e textos de conteúdo geográfico, que assinalam sua inquietude com a ação do capital no espaço urbano, rompendo com os ideais modernos sobre a cidade. Ver resenha em Vargas (1999).

[2] Geo Crítica. Cuadernos críticos de geografía humana. Año I, n. 4, julio de 1976. Nota introdutória ao texto de David Harvey, “Teoría revolucionaria y contrarrevolucionaria en geografía y el problema de la formación del ghetto”, originalmente publicado em Antipode, v. 4, n. 2, em 1972.

[3] Cabe destacar que Cicalese (2007) aponta como importante referência aos debates que se abrem sobre a Nova Geografia, a reflexão que tinha centro na Faculdade de Ciências Exatas e Naturais da Universidade de Buenos Aires, sobre políticas científicas e a objetividade e ideologia na ciência e a técnica. Entre os autores, destaca Carlos Varsavsky, cuja reflexão social delimita o conceito de cientificismo, particularmente sua apropriação pelo esquema desenvolvimentista da época, particularmente, a ainda tímida, porém crescente, influência no financiamento dos programas de empresas e fundações estrangeiras. O livro mais popular de Varsavsky, Ciencia, política y cientificismo, foi editado pela primeira vez em 1969, e reimpresso em seis edições entre 1969 e 1975, pelo Centro Editor de América Latina (CEAL).

[4] Segundo Cicalese (2007), em entrevista realizada em 25/08/2006, na Universidad Nacional de Luján, Buenos Aires. Elena Chiozza, entre outras importantes obras, participou da produção de Argentina. Suma de Geografía, obra em nove tomos lançados entre 1958 e 1962, que se tornou referência obrigatória para estudantes de ensino de Geografia, particularmente nos anos 1970.

[5] É o caso dos eventos realizados pelo Departamento de Geografia da Faculdade de Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo: Encontro Internacional O novo mapa do mundo, em 1992; Seminário Território. Globalização e fragmentação, em 1993, Encontro Internacional Lugar, formação socioespacial, mundo, em 1994, e o já citado Encontro Internacional O mundo do cidadão. Um cidadão do mundo.

[6] O debate travado em torno do artigo de David Harvey também foi resgatado pela publicação Geo Crítica. Cuadernos Críticos de Geografía Humana, ano I, n. 4, jul. 1976, disponível em http://www.ub.es/geocrit/geo5.htm .

 

Bibliografia

ANDRADE, Manuel Correia de. Geografia, ciência da sociedade: uma introdução à análise do pensamento geográfico. São Paulo: Atlas, 1987.

ANDRADE, Manuel Correia de. O pensamento geográfico e a realidade brasileira. Boletim Paulista de Geografia, n. 54. São Paulo: Associação dos Geógrafos Brasileiros, 1977.

BLAUT, James M. The Dissenting Tradition. Annals of the Association of American Geographers, 69:1, 1979, p. 157-164 (Apud COBARRUBIAS, 2006).

BUNGE, William. The First Years of the Detroit Geographical Expedition: a Personal Report. In: PEET, Richard (Ed). Radical Geography: Alternative Viewpoints on Contemporary Issues. Chicago: Marroufa Press, 1977 (Apud COBARRUBIAS, 2006).

CARLOS, Ana Fani Alessandri. A geografia brasileira, hoje: algumas reflexões. Terra Livre. São Paulo, ano 18, v. I, n. 18, p. 161-178, jan./jun. 2002.

CASTRO, Iná Elias de. Geografia e política: território, escalas de ação e instituições. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005.

CICALESE, Guillermo Gustavo. Ortodoxia, ideología y compromiso político en la geografía argentina en la década de 1970. Biblio 3W. Revista Bibliográfica de Geografía y Ciencias Sociales (Serie documental de Geo Crítica). Universidad de Barcelona, v. XII, n. 767, dez. 2007. Disponível em: http://www.ub.es/geocrit/b3w-767.htm (Acesso em março de 2008).

CLAVAL, Paul. Le Marxisme et l’Espace. L’Espace Geographique. Paris, n. 3, v. 6, 1977, p. 145-164 (Apud CORRÊA, 2001).

CLAVAL, Paul. Le Neo-Merxisme et l’Espace. L’Espace Geographique. Paris, n. 16, v. 6, 1987, p. 161-166 (Apud CORRÊA, 2001).

COBARRUBIAS, Sebastian. The Academy in Activism and Activism in the Academy: Collaborative Research Methodologies and Radical Geography. Disponível em http://www.euromovements.info/html/radical-geography.htm (Acesso em maio de 2006).

CORRÊA, Roberto Lobato. As correntes do pensamento geográfico. In: CORRÊA, R.L. Região e organização espacial. São Paulo: Ática, 1991.

CORRÊA, Roberto Lobato. Espaço, um conceito-chave da geografia. In: CASTRO, I.E. de; GOMES, P. C. da C.; CORRÊA, R.L. (Org.) Geografia: conceitos e temas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001.

CORRÊA, Roberto Lobato. O espaço geográfico: algumas considerações. In: SANTOS, M. (Org.) Novos rumos da geografia brasileira. São Paulo: Hucitec, 1982.

DINIZ FILHO, Luis Lopes. Certa má herança marxista: elementos para repensar a geografia crítica. In: MENDONÇA, F.; KOZEL, S. (Org.) Elementos da epistemologia da contemporânea. Curitiba: Editora da UFPR, 2002.

DOUGLAS, Ian; GILBERT, Alan G. Urbanization, development and the environment in a unequal world. In: MATHEWS, J.A.; HERBERT, D. Unifying geography. Common heritage, shared future. Oxfordshire: Routledge, 2004.

ENGELS, Friedrich. Anti-Dübring. Paris: Éd. Sociales, 1950 (Apud POLITZER et al., 1970).

FOLKE, Steen. Why a radical Geography must be Marxist. Originalmente publicado em Antipode. A radical Journal of Geography, Worcester, Mass: v. 4 n. 2, jul. 1972, p. 13. Traduzido para o espanhol e publicado em Geo Crítica. Cuadernos críticos de Geografía Humana. Universidade de Barcelona, ano I, n. 5, set. 1976. Disponível em http://www.ub.es/geocrit/geo5.htm (Acesso em junho de 2007).

FOUCAULT, Michel. Questions on Geography. In: GORDON, C. (org.). Power/Knowledge: selected interviews and other writings, 1972-1977. Nova Cork: Pantheon, 1980 (Apud SOJA, 1993).

GEORGE, Pierre. Problemas, doutrina e método. In: GEORGE, P.; LACOSTE, Y.; KAYSER, B.; GUGLIELMO, R. A Geografia Ativa. São Paulo: Difusão Européia do Livro/Editora da USP, 1966.

GEORGE, Pierre; LACOSTE, Yves; KAYSER, Bernard; GUGLIELMO, Raymond. A Geografia Ativa. São Paulo, Difusão Européia do Livro/Editora da USP, 1966. Tradução de Gil Toledo, Manuel Seabra, Nelson de La Corte e Vicenzo Bochichio.

HARVEY, David. Revolutíonary and counterrevolutíonaty theory ín Geography and the problem of ghetto formarían. Originalmente publicado em Antipode. A radical Journal of Geography . Worcester, Mass, v. IV, n. 2, 1972, p. 1-13. Traduzido para o espanhol e publicado em Geo Crítica. Cuadernos críticos de geografía humana. Universidade de Barcelona, ano I, n. 4, jul. 1976. Disponível em http://www.ub.es/geocrit/geo4.htm (Acesso em junho de 2007).

HARVEY, David. Spaces of capital: towards a critical geography. New York: Routledge, 2001 (Apud COBARRUBIAS, 2006).

HARVEY, David. The geography of capitalist accumulation: a reconstruction of marxism theory. Antipode, Worcester, n. 2, v. 7, 1975, p. 9-21 (Apud CORRÊA, 2001).

HARVEY, David. The urbanization of capital. Baltimore: Johns Hopkins University Press/ Oxford: Basil Blackwell, 1985 (Apud SOJA, 1993).

HARVEY, David; SMITH, Neil. Geography: from Capitals to Capital. In OLLMAN, B.; VERNOFF, E. (Eds.) The Left Academy: Marxist Scholarship on American Campuses, Volume II. New Cork: Praeger, 1984 (Apud COBARRUBIAS, 2006).

HENRIQUE, Wendel. Pela continuidade da Geografía Crítica. Sobre a Third International Conference of Critical Geography. Biblio 3w. Revista Bibliográfica de Geografía y Ciencias Sociales. Universidad de Barcelona, v. VII, n. 400, set. 2002. Disponível em http://www.ub.es/geocrit/b3w-400.htm (Acesso em maio de 2006).

LACOSTE, Yves. A geografia – isso serve, em primeiro lugar, para fazer a guerra. 2a ed. Campinas: Papirus, 1989.

LEFEBVRE, Henri. Espacio y política. Barcelona: Ediciones Peninsula, 1976 – original em francês de 1973 (Apud CORRÊA, 2001).

LEFEBVRE, Henri. La notion de totalité dans les Sciences Sociales. Cahier Internationaux de Sociologie, v. XVIII, jan./jun. 1995, Paris, PUF, p. 55-77. Tradução de Luis A. B. Ventini.

MARTÍNEZ, María Nélida. Milton Santos en Neuquén, Argentina: una presencia que marcó rumbos. In: El ciudadano, la globalización y la geografía. Homenaje a Milton Santos. Scripta Nova. Revista Electrónica de Geografía y Ciencias Sociales, Universidad de Barcelona, v. VI, n. 124, set. 2002. Disponível em http://www.ub.es/geocrit/sn/sn-124.htm (Acesso em março de 2008).

MATHEWS, J.A.; HERBERT, D. Unifying geography. Common heritage, shared future. Oxfordshire: Routledge, 2004.

MATTSON, Kirk. Una introducción a la geografía radical. Geo Crítica. Cuadernos Críticos de Geografía Humana. Universidade de Barcelona, ano III, n. 13, jan. 1978. Disponível em http://www.ub.es/geocrit/geo13.htm (Acesso em junho de 2007).

MENDONÇA, Francisco. Resenha: Unifying Geography. RA´E GA. Curitiba: Editora UFPR, n. 10, 2005, p. 139-140.

MORAES, Antonio Carlos Robert de. Geografia: pequena história crítica. 16ª ed. São Paulo: Hucitec, 1999.

MORAES, Antonio Carlos Robert de; COSTA, Wanderley Messias da. A geografia e o processo de valorização do espaço. In: SANTOS, M. (Org.) Novos rumos da geografia brasileira. São Paulo: Hucitec, 1982.

MOREIRA, Ruy. A geografia serve para desvendar máscaras sociais. In: MOREIRA, R. (org.) Geografia: teoria e crítica. Petrópolis: Vozes, 1982a.

MOREIRA, Ruy. Assim se passaram dez anos (a renovação da geografia no Brasil 1978-1988). Caderno Prudentino de Geografia, 14. Presidente Prudente, AGB, jun., 1992.

MOREIRA, Ruy. Repensando a geografia. In: SANTOS, M. (Org.) Novos rumos da geografia brasileira. São Paulo: Hucitec, 1982b.

MOREIRA, Ruy. Velhos temas, novas formas. In. MENDONÇA, F.; KOZEL, S. (Orgs.). Elementos de epistemologia da geografia contemporânea. Curitiba: Editora da UFPR, 2002.

PEET, Richard. Modern geographical thougth. Oxford: Blackwell, 1998 (Apud SILVA, 2000).

PEET, Richard. O desenvolvimento da geografia radical nos Estados Unidos. In: CHRISTOFOLETTI, A. (Org.). Perspectivas da Geografia. São Paulo: Difel, 1982 (Apud HENRIQUE, 2002).

PEET, Richard. The development of radical geography in the United States. In: PEET, R. (ed). Radical Geography: Alternative Viewpoints on Contemporary Issues. Chicago: Marroufa Press, 1977 (Apud COBARRUBIAS, 2006).

POLITZER, George; BESSE, Guy; CAVEING, Maurice. Princípios fundamentais de filosofia. São Paulo: Hemus, 1970.

ROBSON, Brian; SHOVE, Elizabeth. Geography and public policy. A political turn. In: MATHEWS, J.A.; HERBERT, D. Unifying geography. Common heritage, shared future. Oxfordshire: Routledge, 2004.

SANTOS, Milton. Para que a geografia mude sem ficar a mesma coisa. Boletim Paulista de Geografia, n. 59, 1982.

SANTOS, Milton. Por uma geografia nova. 1ª ed. 1978; 4ª ed. São Paulo: Hucitec, 1996.

SANTOS, Milton. Society and space: social formation as theory and method. Antípode. Worcester, n. 1, v. 9, 1977, p. 3-13 (Apud CORRÊA, 2001).

SANTOS, Milton. Técnica, espaço, tempo. Globalização e meio técnico-cientifico informacional. São Paulo: Hucitec, 1996.

SILVA, Carlos Nunes. O pós-positivismo na geografia humana. Finisterra, XXXV, 69, 2000, p. 151-154. Disponível em http://www.ceg.ul.pt/finisterra/numeros/2000-69/69_08.pd (Acesso em maio de 2006).

SOJA, Edward. Geografias pós-modernas. A reafirmação do espaço na teoria social crítica. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1993.

SOJA, Edward; HADJIMICHALIS, C. Between geographical materialism and spatial análisis. Antípode. Worcester, n .11, v. 3, p. 3-11 (Apud CORRÊA, 2001).

SPOSITO, Eliseu S. Pequenas argumentações para uma temática complexa. In: MENDONÇA, F.;KOSEL S. (Orgs.). Elementos de Epistemologia da Geografia Contemporânea. Curitiba: Ed. da UFPR, 2002.

UNWIN, Tim; ROSE, Jim. Regions, Area Studies and the Meaning of Place. In: MATHEWS, J.A.; HERBERT, D. Unifying geography. Common heritage, shared future. Oxfordshire: Routledge, 2004.

VARGAS, Héctor Mendoza. Daniel Hiernaux-Nicolás. La geografía como metáfora de la libertad. Textos de Eliseo Reclus. Resenha. Biblio 3W. Revista Bibliográfica de Geografía y Ciencias Sociales. Universidade de Barcelona, n. 163, jun. 1999. Disponível em http://www.ub.es/geocrit/b3w-163.htm (Acesso em junho de 2007).

ZUSMAN, Perla B. Milton Santos e a metamorfose da geografia brasileira. In: CARLOS, A.F.A. (Org.) Ensaios de Geografia Contemporânea. Milton Santos, obra revisitada. São Paulo: Hucitec, 1996.

 

©Rosa Moura, Deuseles de Oliveira, Helena dos Santos Lisboa, Leandro Martins Fontoura, Juliano Geraldi, 2008

© Biblio3W, 2008

Ficha bibliográfica:

MOURA, Rosa; OLIVEIRA, Deuseles de; LISBOA, Helena dos Santos; FONTOURA, Leandro Martins, GERALDI, Juliano. Geografia Crítica: legado histórico ou abordagem recorrente? Biblio 3W, Revista Bibliográfica de Geografía y Ciencias Sociales , Universidad de Barcelona, Vol. XIII, nº 786, 5 de junio de 2008. <http://www.ub.es/geocrit/b3w-786.htm>. [ISSN 1138-9796].


User badge image

Adrielle Xavier

Há mais de um mês

A geografia crítica coloca-se como “uma revolução que procura romper, de um lado, com a geografia tradicional e, de outro, com a geografia teorético-quantitativa” (Corrêa, 2001: 23), vindo a motivar intenso debate entre geógrafos marxistas e não-marxistas

User badge image

Luci Margarete Schuck

Há 23 dias

Iniciou na França um movimento de Yves Lacoste (1970), após a divulgação da obra A Geografia isso serve, em primeiro lugar,para fazer a Guerra. De ordem política ia contra os ensinamentos da Geografia Tradicional. No Brasil foi amplamente divulgada nos livros de Milton Santos. É uma corrente que deseja romper a ideia de neutralidade científica para fazer uma geografia como ciência apta a elaborar uma crítica radical a sociedade capitalista pelo estudo do espaço e das formas de apropriação da natureza.

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos estudantes