A maior rede de estudos do Brasil

O QUE É CRIME DE PECULATO?

Direito Penal II

UNILESTE


10 resposta(s)

User badge image

RAILTON FERREIRA DA LUZ

Há mais de um mês

O crime de peculato está descrito no art. 312 do Código Penal e se configura quando funcionário público apropria-se de dinheiro, valor ou qualquer outro bem móvel, público ou particular, de que tem a posse em razão do cargo, ou desviá-lo, em proveito próprio ou alheio:
O crime de peculato está descrito no art. 312 do Código Penal e se configura quando funcionário público apropria-se de dinheiro, valor ou qualquer outro bem móvel, público ou particular, de que tem a posse em razão do cargo, ou desviá-lo, em proveito próprio ou alheio:
User badge image

Mecia luz

Há mais de um mês

O crime de peculato é definido pelo Código Penal (artigo 312) como a apropriação, por parte de um funcionário público, de um bem a que ele tenha acesso por causa do cargo que ocupa.
User badge image

Vinicius Santtos

Há mais de um mês

O Peculato se caracteriza por crime praticado por funcionário público contra a própria administração pública. Tais crimes encontram-se tipificados nos artigos 312 e 313 do Código Penal.Acerca do Peculato diz o artigo 312 do Código Penal. “In vebis”:Art. 312 – “Apropriar-se o funcionário público de dinheiro, valor ou qualquer outro bem móvel, público ou particular, de quem tem a posse em razão do cargo, ou desviá-lo, em proveito próprio ou alheio”: Pena – reclusão, de 2 (dois) a 12 (doze) anos, e multa”.Na sequência vejamos o que diz o artigo 313 acerca desse crime:Art. 313 – “Apropriar-se de dinheiro ou qualquer utilidade que, no exercício do cargo, recebeu por erro de outrem: 6 Pena – reclusão, de 1 (um) a 4 (quatro) anos, e multa”.O Peculato se subdivide em algumas modalidades, sendo elas o Peculato-apropriação, que encontra fundamento no artigo 312, Caput, primeira parte e o Peculato-desvio, que está na segunda parte do artigo supramencionado.Ainda temos o Peculato-furto, nos termos do artigo 312, § 1º, bem como, o Peculato Culposo com fundamento no § 2º do artigo retro-mencionado e o Peculato mediante o erro de outrem, tipificado no artigo 313, Caput, ambos os artigos do referido diploma penal.O simples fato de um funcionário público apropriar-se de dinheiro não configura o crime de Peculato, mas é necessário saber o que motivou a serem esses recursos a ele confiados. Nesse sentido tem sido o entendimento do Egrégio Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo no julgado abaixo:“Não basta para a configuração do peculato que o agente que se apropriou do dinheiro seja funcionário público. É mister que a denúncia esclareça a que título lhe foi o dinheiro confiado, se ratione officii ou contemplatione officii, distinção essa fundamental para a exata definição do delito”(TJSP – RHC – Rel. Chiaradia Netto – RT 369/52)É muito comum ver que muitos confundem o crime de Peculato com o de Apropriação Indébita, mas existe uma diferença entre ambos que reside nos detalhes para que se configure cada um desses crimes.Na Apropriação Indébita a posse do bem se da por qualquer motivo, ocorrendo justamente o contrário no crime do Peculato, pois essa posse de bem ou serviço, que se destinou em proveito próprio ou de terceiros, deve estar relacionada ao cargo que o funcionário público ocupa.

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos estudantes