Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Libras

Leia o texto abaixo:

 

Ao longo do tempo, muitos educadores não reconheceram a língua de sinais e atuavam numa linha oralista. Defensores do oralismo, valorizavam somente a língua oral na reabilitação e não admitiam o uso dos sinais, pois os consideravam prejudiciais para o desenvolvimento e incapazes de promover a educação dos surdos. A influência do trabalho de L’Épée, entretanto, se estendeu além da França e enfraqueceu o método oral, que já começava a viver uma situação desfavorável (Perello, Tortosa, 1978; Lane, 1997; Sacks, 1998).

 

Fonte: Fonte: DUARTE, S.B.R.; CHAVEIRO, N.; FREITAS, A.R.; BARBOSA, M.A.; PORTO, C.C.; FLECK, M.P. Aspectos históricos e socioculturais da população surda. Hist Ciênc Saúde, Manguinhos, 2013, v.20, n.4, pp.1713-1734. Acesso em: 16 dez 2020.

 

Nesse sentido, analise as assertivas a seguir, que expõem sobre as diferentes filosofias educacionais relacionadas à surdez.

 

I. Com a consolidação do oralismo, entre as décadas de 1880 até meados de 1960, a surdez era analisada como deficiência, como uma anormalidade que precisava ser reestabelecida no indivíduo.

II. Na comunicação total, acredita-se que a língua deve ser privilegiada, pois é a aquisição da língua que assegura o pleno desenvolvimento da criança.

III. O bilinguismo assemelha-se à proposta da comunicação total, pois privilegia a estrutura da língua oral sobre a língua de sinais.

 

 

É correto o que se afirma em:

Grupo de escolhas da pergunta



I, apenas.


II e III, apenas.


I e III, apenas.


III, apenas.


II, apenas.

Libras

FAM


1 resposta(s)

Essa pergunta já foi respondida!