A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
148 pág.
Guia de Secretariado.livro

Pré-visualização | Página 4 de 28

que essa profissional tenha competência emocional para saber 
administrar os conflitos diários, os controles das chefias, as constantes situa- 
ções de mudanças, e algumag vezes, a trabalhar em ambiente hostil. A se- 
cretária precisa ter competências técnicas e emocionais para manter-se 
competitiva no mercado de trabalho. 
Apresentamos o perfil ideal para essa profissional que assessora os 
chefes no dia a dia e atua como facilitadora entre o chefe, o mercado e 
demais membros'da equipe: 
o Conhecer profundamente a sua área de trabalho e ter uma vi- 
sáo global de toda a organização. 
Desenvolver as competências técnicas (idiomas, Internet, infor- 
mática, redação própria etc.). 
o Estabelecer relacionamentos alicerçados em confiança e respei- 
to, desenvolvendo uma relação de transparência com chefes, 
clientes, colegas e fornecedores. 
IZI Estar comprometida com o resultado do trabalho e com a mis- 
são da organização. 
IZI Estar inteirada dos acontecimentos mundiais e das mudanças 
internas e externas da organização. 
Estar voltada para a inovação, sugerir e aceitar novas ideias. 
o Manter comportamento ético, independentemente das infor- 
mações e situações. 
o Manter o bom humor. 
IZI Planejar e cuidar da sua carreira profissional. 
o Saber administrar o seu tempo e o do chefe. 
o Saber se comunicar. 
Saber tomar decisões. 
o Ser autocrítica para avaliar suas potencialidades e imperfeições. 
o Ser dinâmica. 
Ser discreta e educada. 
Ser empreendedora. 
Ser entusiasta. 
Ser flexível. 
.. 
Ser leal à empresa e ao chefe: 
Ser oportunista. 
Ser organizada. 
Ser persuasiva. 
Ser polivalente. 
Ser pontual no cumprimento do horário de trabalho e na entre- 
ga de trabalhos. 
Ser proativa. 
Ter ambição. 
Ter autoconhecimento. 
Ter capacidade e vontade de aprender continuamente. 
Ter capacidade de liderança. 
Ter capacidade para administrar conflitos. 
Ter capacidade para assessorar vários chefes. 
Ter capacidade para desenvolver, gerenciar, motivar e valorizar 
as pessoas. 
Ter disponibilidade de horário e saber conciliar vida profissional 
e pessoal. 
Ter foco no cliente. 
Ter habilidade para negociação. 
Ter habilidade para trabalhar em equipe. 
Ter inteligência emocional para saber lidar com as emoções. 
. .................................... - .... - ....-...........-... . ............................ - .... -." ................ " ......................... " ....... " ........................................... 
2 4 GUIA DE SECRETARIADO - TÉCNICAS E COMPORTAMENTO 
O bom-senso deve permear todo o trabalho da secretária. Além 
disso, deve ter maturidade e postura profissional, pois representa a imagem 
da empresa no mercado. Ressaltamos que representar a empresa é diferen- 
te de ser comparada a um cartão de visita, porque esse fica velho e é joga- 
do no lixo. Finalizando, o sucesso da secretária depende da interação de 
três elementos: competência, conhecimento e habilidade, mas é essencial 
amar a profissão. 
A regulamentação da profissão, em setembro de 1985, contribuiu 
para o reconhecimento e a valorização da atividade. A partir dessa data, 
somente os profissionais com formação em Secretariado Executivo ou Téc- 
nico em Secretariado podem exercer a profissão, salvo aqueles casos que 
estão amparados pela lei. 
A profissão foi regulamentada pela Lei 7.377, em 30 de setembro de 
1985, no governo do presidente da república José Sarney. 
Em 10 de janeiro de 1996, a Lei 9.261, assinada pelo presidente da 
república Fernando Henrique Cardoso, alterou a redação dos incisos I e II 
do Art. 20, o caput do Art. 3Q, o inciso VI do Art. 40 e o parágrafo único do 
Art. 60. 
Apresentamos, a seguir, as Leis 7.377 e 9.261. 
LEI N. 7.377, de 30 de setembro de 1985. (*I 
Dispõe sobre o exercício da profissão de Secretário e dá outras providências. 
O PRESIDENTE DA REP~BLICA 
Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: 
Art. lQ - O exercício da profissão de Secretário é regulado pela presente Lei. 
Art. 2% Para os efeitos desta Lei, é considerado: 
I - Secretário Executivo o profissional diplomado no Brasil por curso superior 
de Secretariado, reconhecido na forma da Lei, ou diplomado no exterior por curso 
superior de Secretariado, cujo diploma seja revalidado no Brasil, na forma da Lei; 
I1 - Técnico em Secretariado o profissional portador de certificado de conclu- 
são de curso de Secretariado, em nível de 2"au. 
Art. 3" - Fica assegurado o direito ao exercício da profissão aos que, embora 
não habilitados nos termos do artigo anterior, contem, pelos menos, 5 (cinco) anos 
ininterruptos, ou I O (dez) intercalados, de exercício em atividades próprias de secreta- 
ria, na data de início de vigência desta Lei, e sejam portadores de diplomas ou certifi- 
cados de alguma graduação de nível superior ou de nível médio. 
Art. 4" - São atribuições do Secretário Executivo: 
I - planejamento, organização e direção de serviços de secretaria; 
I1 - assistência e assessoramento direto a executivos; 
I11 - coleta de informações para a consecução de objetivos e metas de 
empresas; 
IV - redação de textoi profissionais especializados, inclusive em idioma 
estrangeiro; 
V - interpretação e sinte.tização de textos e documentos; 
VI - taquigrafia de ditados, discursos, conferências, palestras de explanações, 
inclusive em idioma estrangeiro; 
VI1 - versão e tradução em idioma estrangeiro, para atender às necessidades de 
comunicação da empresa; 
VI11 - registro e distribuição de expedientes e outras tarefas correlatas; 
IX - orientação da avaliação e seleção da correspondência para fins de enca- 
minhamento à chefia; 
X - conhecimentos protocolares. 
Art. 5% São atribuições do Técnico em Secretariado; 
I - organização e manutenção dos arquivos de secretaria; 
I1 - classificação, registro e distribuição da correspondência; 
111 - redação e datilografia de correspondência ou documentos de rotina, inclu- 
sive em idioma estrangeiro; 
IV - execução de serviços típicos de escritório, tais como recepção, registro de 
compromissos, informações e atendimento telefônico. 
Art. 6" - O exercício da profissão de Secretário requer prévio registro na De- 
legacia Regional do Trabalho do Ministério do Trabalho e far-se-á mediante a apre- 
sentação de documento comprobatório de conclusão dos cursos previstos nos incisos I 
e I1 do Art. 2Qesta Lei e da Carteira de Trabalho e Previdência Social - CTPS. 
Parágrafo único - No caso dos profissionais incluídos no Art. 3* desta Lei, a 
prova de atuação será feita por meio das anotações da Carteira de Trabalho e Previ- 
dência Social ou por qualquer outro meio permitido em Direito. 
26 GUIA DE SECRETARIADO - TÉCNICAS E COMPORTAMENTO 
Art. 7" - Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação. 
Art. 8" - Revogam-se as disposições em contrário. 
Brasília, 30 de setembro de 1985; 164qa Independência e 97" da República. 
JOSÉ SARNEY 
- Almir Pazzianotto 
* Disponível em www.senado.gov.br 
LEI N. 9.261, de 10 de ianeiro de 1996. (*) 
Altera a redação dos incisos I e I1 do Art. 24 o caput do Art. 35 o inciso VI do 
Art. 4" e o parágrafo único do Art. 6Qa Lei n" 7.377, de 30 de setembro de 1985. 
O PRESIDENTE DA REPÚBLICA 
Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: 
Art. 1% A Lei no 7.377, de 30 de setembro de 1985, passa a vigorar com a se- 
guinte redação para os incisos I e I1 do Art. 2", para o Art. 3", para o inciso VI do Art. 
4% para o parágrafo único do Art. 6". 
"Art. 2" 
I - Secretário Executivo: 
a) o profissional diplomado no Brasil por curso superior de Secretariado, le- 
galmente reconhecido, ou diplomado no exterior por curs0 superior de Secretariado, 
cujo diploma seja revalidado na forma da lei; 
b) portador de qualquer diploma de nível superior que, na data de início de vi- 
gência