A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
INTERPRETAÇÃO ISOLADA DOS QUOCIENTES_ EXERCICIO 3

Pré-visualização | Página 1 de 2

INTERPRETAÇÃO ISOLADA DOS QUOCIENTES
Participação dos Capitais de Terceiros
 O quociente de 3,40 encontrado em 2010 indica que para cada R$ 1,00 de Capitais Próprios existem, aplicados na empresa, R$ 3,40 de Capitais de Terceiros. Em 2011 o percentual de participação de terceiros foi reduzido a 1,60.
 O quociente de 3,40 em 2010 indicava que a empresa estava nas mãos terceiros e ainda continua em 2011 só que em proporção bem menor, ou seja, o valor de participação de terceiros foi reduzido pela metade.
 Conforme a diferença entre os Capitais Próprios e os Capitais de Terceiros, o quociente revela que a CIA. Estudando eu Passo opera com Capitais Próprios em proporção menor do que com Capitais de Terceiros, apresentando uma situação insatisfatória sob o ponto de vista do endividamento.
Composição do Endividamento
 O quociente de 1,00 em 2010 indica que para cada R$ 1,00 de dívida totais existem R$ 1,00 de obrigações vencíveis a curto prazo, isto é, a CIA. Estudando eu Passo terá de repor, a curto prazo, 100% dos Capitais tomados de terceiros. Em 2011 o endividamento foi reduzido para o índice de 0,61 ficando a empresa em uma situação melhor que no ano anterior.
 Considerando que é normal as obrigações de curto prazo serem superiores às obrigações de longo prazo, podemos concluir que o quociente em 2010 revela uma situação era desfavorável, pois 100% do recursos tomados de terceiros serão pagos após um ano, a empresa terá de gerar recursos necessários para saldá-los.
Endividamento Geral
O quociente de 0,77 em 2010, ou seja, para cada R$ 1,00 a empresa tinha uma folga de R$ 0,23. Em 2011 o endividamento geral foi reduzido para o quociente de 0, 62 ficando em uma situação um pouco melhor que em 2010. 
Imobilização do Patrimônio Líquido
 O quociente de 1,60 em 2010 revela que para cada R$ 1,00 do Patrimônio Líquido a empresa imobilizou R$ 1, 60. Em 2011 a situação melhorou, visto que o valor foi reduzido para o quociente de 1,10.
 O quociente, superior a um, indica a existência do Capital Circulante de terceiros, utilizado para financiar parte do Capital em Giro (Ativo Circulante mais Ativo Realizável a Longo Prazo), constituindo ponto negativo para a situação financeira da empresa.
Imobilização dos Recursos Não-Correntes
 O quociente de 1,60 indica que para cada R$ 1,00 de Patrimônio Líquido, mais Exigível a Longo Prazo, a empresa imobilizou R$ 1,60. O quociente revela que os recursos não-correntes foram insuficientes para cobrir todo o Ativo Permanente e ainda parte do Capital em Giro na empresa.
 Em 2011 a empresa apresentou o índice de 0,68, ou seja indica que para cada R$ 1,00 de Patrimônio Líquido, mais Exigível a Longo Prazo, a empresa imobilizou R$ 0,68. O ativo permanente consumiu apenas 0,68 do Patrimônio Líquido. A situação melhorou consideravelmente.
							
Liquidez Geral
 O quociente 0,82 em 2010 indica que a empresa possui, no Ativo Circulante e Realizável a Longo Prazo, recursos financeiros insuficientes para cobrir todas as suas obrigações de curto prazo e de longo prazo. Em 2011 o percentual aumentou para 0,94 demonstrando o alto grau de endividamento da empresa.
Liquidez Corrente
 O quociente de 0,65 revela que a empresa possui no Ativo Circulante, recursos insuficientes para pagar todas as obrigações de curto prazo. O percentual de 0,65 revela a existência do Capital Circulante Líquido insuficiente, evidenciando que a empresa em análise utilizou Capitais de Terceiros em excesso, e consequentemente precisará transferir o seu lucro para terceiros.
 A empresa não tem dinheiro suficiente em Caixa para cobrir obrigações de curtíssimo prazo, ela terá que levantar recursos em instituições financeiras ou gerar recursos com vendas, visto que também o quociente de 0,65 revela a existência falta de garantia aos credores para este tipo de operação.
Em 2011 a empresa está em situação financeira bem melhor, visto que possui recursos e o índice de 1,35 revela que para cada R$ 1,00 a empresa possui uma folga de R$ 0,35.
Liquidez Seca
 O quociente 0,29 em 2010 revela que a empresa não possui recursos em seu Ativo Circulantes Líquidos (disponibilidades mais direitos de conversibilidade garantida) suficientes para saldar seus compromissos de curto prazo.
 Se a análise do quociente de Liquidez Corrente revela uma situação de solvência insatisfatória revela também uma situação ruim de liquidez.
Em 2011 a situação melhora pra 0,90 revela que a empresa gerou recursos para saldar seus compromissos.
Liquidez Imediata
 O quociente de 0,12 indica que, para cada R$ 1,00 de dívida a curto prazo, existem R$ 0,12 no Caixa da empresa, será necessário analisar outros dados, principalmente os prazos de vencimentos das obrigações.
Em 2011 quociente 0,40 revela que a empresa tem para cada R$1,00 apenas R$ 0,40 de dívida a curto prazo, tendo uma folga de R$ 0,60.
Giro do Ativo
 O quociente de 2,13 em 2010 indica que os investimentos totais efetuados na empresa giraram mais de uma vez. Portanto, para saber se este quociente é satisfatório ou não, deve-se analisar o Quociente de Margem Líquida.
Em 2011 o quociente aumentou para 2,18, indicando que os investimentos totais continuam em giro por mais de uma vez.
Margem Líquida
 O quociente de 0,09 em 2010 obtido indica que para cada real em vendas a empresa obteve R$ 0,09 de lucro líquido. Conjugando o resultado deste quociente com o resultado do quociente anterior, podemos dizer o que o volume de vendas efetuado foi insuficiente para cobrir os custos, restando ainda uma pequena margem de lucro.
Em 2011 o quociente 0,17 revela que a margem de lucro aumentou, mas em proporção pequena. A empresa terá novamente dificuldades em cobrir os custos. 
Rentabilidade do Ativo
 O quociente de 0,20 em 2010 revela que para cada real investido no Ativo houve uma lucratividade de R$ 0,20. Para melhor aquilatar a importância deste quociente de 0,20, vamos calcular o prazo de retorno do Capital Total investido na empresa ara saber em quantos anos a empresa terá duplicado o valor do seu Ativo.
a) Multiplica o quociente por 100:
 0,20 x 100 = 20%
b) Por meio de regra de três, calculamos o prazo de retorno do capital investido:
 1 ano = 20% > x anos = 100%, onde: x = 100 x 1 / 20 = 5 anos
 Concluímos que, utilizando exclusivamente os lucros apurados, a CIA. Estudando eu Passo precisará de 05 anos para dobrar os investimentos efetuados em seu Ativo.
 Para saber se este quociente é satisfatório, há necessidade de compará-lo como os quocientes-padrão.
Em 2011 O quociente de 0,36 em 2010 revela que para cada real investido no Ativo houve uma lucratividade de R$ 0,20. Para melhor aquilatar a importância deste quociente de 0,36, vamos calcular o prazo de retorno do Capital Total investido na empresa ara saber em quantos anos a empresa terá duplicado o valor do seu Ativo.
a) Multiplica o quociente por 100:
 0,36 x 100 = 36%
b) Por meio de regra de três, calculamos o prazo de retorno do capital investido:
 1 ano = 36% > x anos = 100%, onde: x = 100 x 1 / 36 = 2,8 anos
 Concluímos que, utilizando exclusivamente os lucros apurados, a CIA. Estudando eu Passo precisará de 02 anos e oito meses para dobrar os investimentos efetuados em seu Ativo.
 Para saber se este quociente é satisfatório, há necessidade de compará-lo como os quocientes-padrão.
Rentabilidade do Patrimônio Líquido
 O quociente de 0,86 indica que a CIA. Estudando eu Passo obteve R$ 0,86 de lucro líquido para cada real de Capital Próprio investido. Para melhor validar a importância do quociente de 0,86, vamos calcular o prazo de retorno do Capital investido.
a) Multiplica o quociente por 100:
 0,86 x 100 = 86%
b) Por meio de regra de três, calculamos o prazo de retorno do capital investido:
 1 ano =