Morrer com Dignidade1
10 pág.

Morrer com Dignidade1


DisciplinaSistemas Orgânicos Integrados I511 materiais407 seguidores
Pré-visualização5 páginas
a fronteira entre o direito de morrer e a eutanásia involuntária, entendida como homicídio, deve ser bem estabelecida. Não há nada em comum entre as duas práticas. A suposta confusão entre as duas categorias é fruto de um período da história que a humanidade se envergonha e teme qualquer possibilidade de retorno. Felizmente, não vivemos sob o regime de um estado totalitário que estabelece regras perversas sobre quem pode ou não viver. O debate sobre a eutanásia, em tempos de direitos humanos, está relacionado à liberdade de cada indivíduo reger sua própria vida, e não a uma herança tardia da medicina nazista.
BIBLIOGRAFIA
ADRE, J. Virtue in bioethics: chossing projects well. Bioethics as practice. Chapel Hill: Universiry ofNorrh Carolina Press, p. 102-134,2002.
ANONYMOUS. Ir's over, Debbie. In: MORENO, J. Arguing euthanasia. The controversy over mercy leilling. assisted suicide, and the -right to die~ New York: Simon and Schuster, p. 3132, 1995.
BARCHIFONTAINE, C. de P. A' dignidade no processo de morrer. In: BARCHIFONTAINE, c., PESSINI, L. (orgs.), Bio/tica: alguns desafios. São Paulo: Loyola, p. 283-296, 2001.
BEAUCHAMP, T., CHILDRESS, J. O respeiro à autonomia. Prindpios da ética biomédica. São Paulo: Loyola, p. 137-208,2002.
CARR, W. Physician-assisred dearh should be legalized. In: WINTERS, P. Death and dying. San Diego, Greenhaven Press, Inc., p, 73-79, 1998.
COSTA, S. Doutor, eu quero morrer. In: COSTA, S.. DINIZ, D, Bio/tica: ensaios. Brasília: Letras Livres, p. 155-158, 2001.
DINIZ, D. A despenalização da euranásia passiva: o caso colombiano. In: COSTA, S., 
DINIZ, D. Bio/tica: ensaios. Brasília: Letras Livres, p. 169-174, 2001a.,
	-. Assassinato de aluguel não é eutanásia. In: COSTA, S., DINIZ, D. Bio/ticll: 	ensaios. Brasília: Letras Livres, p. 165-168, 200 I b.
	. O dr. morte e a Eutanásia. In: COSTA, S., DINIZ, D. Bioética: ensaios. Brasília: Lerras Livres, p. 159-161, 2001c.
. Conflitos morais e bioética. Brasília: Lerras Livres, 2001d.
DINIZ, D., COSTA, S. Bio/tica: ensaios. Brasília: Letras Livres, 200 I.
DINIZ, D., GUILHEM, D. A reoria principialista. O que é bioética? São Paulo: Brasiliense, p. 34, 38, 2002.
DWORKIN, R. Morrer e viver. Domínio da vida: aborto, mtandsia e liberdades individuais. São Paulo: Martins Fomes, p. 251-308, 2002.
ENGELHARDT, T. Fashioning an ethic for life and dearh in post-modem sociery. In: MORENO,
J. Arguing euthanasia. Tbe controvmy over mercy killing, assisted suicide, and the "right to die ".
New York: Simon and Schuster, p. 42-50, 1995.
GAYLILN, W. et alH. Doctors musr not kiJlL In: MORENO,]. Arguing euthanasia. The controversy
over mercy killing, assisted suicide, and the "right to die". New York: Simon and Schusrer,
p. 33-36, 1995.
GOVERNO DO ESTADO DE SAO PAULO. Lei 10.241, de 17 de março de 1999. Did/10 Oficial do Estado. Poder Executivo, São Paulo, SP, n. 51, Seção I, p.l, 18 de março de 1999.
HOLM, S. Legalizar a euranásia? Uma perspectiva dinamarquesa. Bioética, v. 7, n. 1, p. 101-106, 1999.
HORTA, M. Euranásia: problem~ éticos da morte e do morrer. Biornca, v. 7, p. 27-33, 1999.
KUHSE, H., SINGER, P. ~hou!d the baby live? The problem ofhandicapped infants. Oxford: Oxford
University Press, 2002.
, '
LACEWELL, L. A. A compacative view of the roles of motive and consem in the response of the criminal justice system ro active euthanasia. Med. Law. v. 6, p. 449-463, 1987.
LEONARD-TAITZ, J. Eurhanasia, the right ro die and the law in South Africa. Med. Law, v. 11, p. 597-610, 1992.
LEP ARGNEUR, H. Bioética da euranásia. Argumenros éticos em torno da eutanásia. Bioética, n. 7, p. 41-48, 1999.
. Reflexões acerca da eutanásia. In: BARCHIFONTAINE;C., PESSINI, L. (orgs.).
Bioética: alguns desafios. São Paulo: Loyola, p. 297- 336, 2001.
PELLEGRINO, E. D. Compassion needs reason too.]ournal ofthe American MedicalAssociation, v. 270, n. 7, p. 874-875, 1993.
PESSINI, ~. A euranásia na visão das maiores religiões. In: BARCHIFONTAINE, C.. 
PESSINI, L. ({)tgs.). Bioética: algum tksafios. São Paulo: Loyola, p. 261-282, 2001a.
, '. Distandsia: até quando prolongar a vida? São Paulo: São Camilo/Loyola, 2001 b.
RACH~LS~ J. Active and passive euthanasia. In: KUHSE, H., SINGER, P. Bioethics: an anthology. Oxford: Black-well, p. 227-230, 1999.
I.r!
SINGER;-P. Justificando a euranásia voluntária. Vida etica. Rio de Janeiro: Ediouro, p. 242-250,
2002.
THE MEMBERS OF TASK FORCE ON LIFE AND LAW. Euthanasia. 1993, 180 p.
1