A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
1 pág.
Espécies arbóreas com potencial medicinal para a Arborização Urbana

Pré-visualização | Página 1 de 1

Emily Toledo Coutinho 3, Helena Souza Ronchi 1, Filipe Pereira Giardini Bonfim 2, Isabela Borges Hernandes 3, Bruna Lima Bloch Telles Alves 3, 
Natalia R. Nogueira 4
1 Mestranda em Programa de Pós Graduação em Agronomia: Horticultura, FCA, UNESP Botucatu, São Paulo, Brasil. E-mail: hsronchi@gmail.com . 2 
Professor Assistente Doutor do Departamento de Horticultura, FCA, UNESP Botucatu, São Paulo, Brasil. 3 Graduanda em Engenharia Florestal, FCA, 
UNESP Botucatu, São Paulo, Brasil. E-mail: emily_toledocoutinho@hotmail.com 4 Graduanda em Engenharia Agronômica, FCA, UNESP Botucatu. 
Espécies arbóreas com potencial medicinal para 
a Arborização Urbana 
INTRODUÇÃO
A arborização urbana trás inúmeros benefícios de
qualidade de vida e bem estar, além de desempenhar
importantes funções ecológicas. Sendo assim, esse
trabalho visou a identificação de espécies arbóreas
nativas com potencial medicinal úteis para a
arborização urbana objetivando contribuir com
benefícios adicionais, como por exemplo, valorização
das espécies com propriedades medicinais.
Foi realizado um estudo a partir de uma lista de
espécies arbóreas com potencial medicinal na Floresta
Estacional Semidecidual, onde verificou-se as
características morfológicas de cada espécie
enquadrando-as nos parâmetros indicados para
arborização sobre o potencial medicinal.
As espécies foram classificadas em úteis para áreas
verdes, úteis para vias públicas e inadequadas para
ambos, determinadas de acordo com seu porte
(considerando DAP e altura máximos), flores, o
tamanho e tipo de seus frutos, formato de copa e raíz,
conforme exemplificado abaixo:
CONCLUSÃO
A utilização de espécies nativas na arborização urbana
auxilia no aumento da biodiversidade nas cidades.
Além disso, contribui para a valorização das
propriedades medicinais, visto que a população será
motivada a buscar informações das espécies presentes
em suas calçadas e praças. Contudo, para que a
arborização urbana com espécies medicinais ocorra de
modo eficiente, é importante que haja um
planejamento e manutenção da arborização, divulgação
das informações das propriedades medicinais para a
população e boas práticas de uso da espécie.
RESULTADOS
MATERIAL E MÉTODOS 
Gráfico 1. Percentagem de espécies medicinais com potencial para Arborização 
Urbana
Das espécies presentes na lista, 66,7% atenderam aos
parâmetros adequados para utilização na arborização
Dentre as espécies que podem ser utilizadas em vias
públicas estão Casearia sylvestris Sw. (lagarteiro),
Myroxylon peruiferum L. F. (cabreúva), Platypodium
elegans Vogel.(amendoin-do-campo), Tric+hilia
catigua A. Juss. (catiguá).
Nome científico 
Porte (até) Floração Frutificação
Copa
Recomen
dação
DAP 
(cm)
Altura 
(m)
Époc
a
Cor
Époc
a
Tipo
Trichilia catigua A. 
Juss.
15 a 
20
3 a 6
Ago -
Out
Amare
la
Nov -
Jan
Cáps
ula
Alongada
V.P./A.V.
Gallesia integrifolia
(Spreng.) Harms
70-100 20-30
Fev -
Abr
Creme
Jul -
Out
Sâma
ra
Alongada A.V.
Citharexylum
myrianthum Cham. 30 10
Set -
Nov
Branc
a
Jan -
Mar
Baga Aberta V.P./A.V.
Guarea guidonia
(L.) Sleumer
40 a 
60
15 a 
20
Dez -
Mar
Branc
a
Nov -
Dez
Cáps
ula
Globosa A.V.
Schinus
terebinthifolius
Raddi
60 12
Set -
Dez
Branc
a
Dez -
Jun
Drupa
Arredonda
da
V.P./A.V.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.